Aleteia logoAleteia logoAleteia
Sexta-feira 09 Dezembro |
São Cipriano de Genouillac
Aleteia logo
Atualidade
separateurCreated with Sketch.

‘Ms. Marvel’ é uma super-heroína com fé, oferecendo esperança a um mundo secularizado

Este artigo é exclusivo para os membros de Aleteia Premium
MS. MARVEL

Marvel Studios

Jonathan Mitchican - publicado em 22/06/22

Nova série da Disney+, 'Ms. Marvel' traz aos jovens uma heroína em conflito com muitas das mesmas coisas que eles enfrentam, incluindo assuntos de fé

Crescer nunca foi fácil. Em alguns aspectos, é até mais difícil hoje do que já foi. As pressões que os adolescentes modernos enfrentam são grandes e assustadoras, desde a mudança do terreno da moralidade até o escrutínio interminável criado pelos meios de comunicação social. À medida que Ms. Marvel vai finalmente abrindo caminho das páginas da Marvel Comics até as telas de cinema e TV, os jovens vão finalmente ver uma heroína que enfrenta batalhas comuns a todos eles, inclusive questões de fé.

De certa forma, isso pode parecer um exagero. Afinal, não serão todos os heróis dos quadrinhos destinados a ser icónicos para os jovens? Além disso, não estará já o Homem-Aranha a dar-nos uma visão do herói adolescente moderno? Bem, claro, o Homem-Aranha de Tom Holland trouxe definitivamente essa sensibilidade ao universo cinematográfico da Marvel, mas na personagem de Kamala Khan, interpretada pela imensamente talentosa e instantaneamente amável Iman Vellani, vemos coisas importantes que nunca tínhamos visto antes.

Por um lado, a experiência das raparigas adolescentes é muito diferente da dos rapazes adolescentes, especialmente quando se trata de imagem corporal, de navegar nas relações, e mesmo de satisfazer as expectativas acadêmicas. Ms. Marvel aborda tudo isso a partir do interior. Da mesma forma, vemos em Kamala como é crescer como uma pessoa de uma família de imigrantes numa sociedade que nem sempre valoriza essas experiências. “Não são realmente as raparigas loiras de Jersey City que salvam o mundo”, diz Kamala ao seu amigo Bruno no primeiro episódio da nova série da Disney+. Mas Bruno conhece-a. “Tu és Kamala Khan”, diz ele, “tu queres salvar o mundo, então vais salvar o mundo”. E se a série é algo como o livro de onde saiu, Kamala aprenderá a encontrar em si mesma o que Bruno já vê aí: força e compaixão que vão muito além dos super-poderes.

A fé de Ms. Marvel

Talvez a coisa mais notável sobre a Ms. Marvel como personagem seja a sua fé. Para além do catolicismo excessivamente chocante de Daredevil, a religião não é algo que temos visto muito na Marvel, apesar da presença de deuses nórdicos e egípcios. Kamala Khan é muçulmana, e isso é uma parte significativa da sua identidade. Embora o Islão e o catolicismo não sejam a mesma coisa, é animador ver uma personagem com super-poderes para quem a fé é real, mesmo que implique em conflito. Nos quadrinhos, Kamala luta frequentemente com aquilo em que acredita. Mesmo nos dois primeiros episódios da série, já há indícios de que este aspecto da personagem se manterá consistente.

Como padre que serve no ministério a tempo integral como capelão de uma escola secundária, passo muito tempo a caminhar ao lado de adolescentes enquanto eles tentam descobrir no que acreditam e por quê. O estereótipo é que os jovens de hoje rejeitaram completamente a religião. E certamente muitos deles o fizeram. De fato, a pressão do mundo secularizado é forte sobre qualquer pessoa hoje em dia, mas especialmente para aqueles que ainda estão apenas a tentar descobrir onde se encaixam no mundo. Mas muitas vezes, nas suas tentativas de dar sentido à sua fé, os adolescentes não tentam rejeitar a religião, quanto mais os laços profundos de cultura e família que a acompanham, mas compreender como ela pode fazer sentido no mundo em que realmente vivem. Estão a crescer, e querem saber se a sua religião pode crescer com eles.

Os seus poderes

Como grande fã dos quadrinhos de Ms. Marvel, a minha única desilusão até agora na nova série foi a mudança nos poderes de Kamala. Nos quadrinhos, o seu maior poder é a capacidade de esticar e alterar a sua forma e tamanho. É uma metáfora adequada para a experiência adolescente. À medida que aprende a controlar os seus poderes, ela enfrenta muitas falhas. Ela tem de aprender a esticar-se de uma forma que a capacite, em vez de apenas a desgastar. No entanto, no universo cinematográfico da Marvel (MCU), ela não tem poderes de alongamento e de mudança de forma, mas foi-lhe concedido através de uma misteriosa pulseira o poder de manipular a energia. Os criadores dizem que a mudança é necessária para ligar Ms. Marvel com outras histórias importantes que se avizinham no MCU – e espero que tenham razão – mas temo que algo precioso se possa perder. O brilhantismo da personagem de Kamala Khan é que ela aprende a dobrar-se sem se partir, a ser constante dentro de si, independentemente do que lhe vem de fora. Em nenhum lugar esta metáfora é mais evidente do que quando se trata de religião.

Enquanto os jovens procuram formas de esticar a sua fé para acomodar as suas próprias experiências, os adultos devotos receiam muitas vezes que estejam a tentar diluir a fé. Trata-se de um medo compreensível. Ao longo da história, as religiões que se alinham demasiado profundamente com um momento cultural passageiro tendem eventualmente a desaparecer. Basta perguntar àqueles deuses nórdicos e egípcios que o MCU tanto ama. Como católico, acredito numa fé que é universal e atemporal, e isso significa muitas vezes que vai contra a tendência da minha própria cultura mas de todas as culturas. Jesus Cristo é o mesmo ontem, hoje, e para sempre, como diz Hebreus 13:8. O mundo precisa de ser esticado para se encontrar no Credo Niceno, e não o contrário.

Fundamentado na verdade

Ainda assim, as palavras do Papa S. João XXIII, o santo padroeiro da escola onde ministro, soam verdadeiras. Ao abrir o Concílio Vaticano II, ele disse: “A Igreja nunca deve afastar-se do tesouro sagrado da verdade herdado dos Padres, mas ao mesmo tempo deve olhar sempre para o presente, para as novas condições e as novas formas de vida introduzidas no mundo moderno”.

A questão é que uma fé fundamentada na verdade e no amor universais não precisa nunca de ter medo de enfrentar os desafios particulares de um dado momento no tempo. Os jovens que querem descobrir se podem fazer sua a fé que lhes foi dada pelos pais, que lutam para a adaptar a um mundo moderno que muitas vezes olha e sente-se em desacordo com a forma como foram criados, precisam da liberdade para poderem testar a verdade de modo a vê-la em todo o seu esplendor.

Se a relação de Kamala Khan com Deus se estende para preencher todos os cantos do seu mundo ou se fica opaca por outras preocupações, será algo a se conferir ao longo do tempo. O que é certo é que Deus ama todos os jovens, mesmo no meio das suas dúvidas e dores de crescimento.

Este artigo é exclusivo para os membros Aleteia Premium

Já é membro(a)? Por favor,

Grátis! - Sem compromisso
Você pode cancelar a qualquer momento

1.

Acesso ilimitado ao conteúdo Premium de Aleteia

2.

Acesso exclusivo à nossa rede de centenas de mosteiros que irão rezar por suas intenções

3.

Acesso exclusivo ao boletim Direto do Vaticano

4.

Acesso exclusivo à nossa Resenha de Imprensa internacional

5.

Acesso exclusivo à nova área de comentários

6.

Anúncios limitados

Apoie o jornalismo que promove os valores católicos
Apoie o jornalismo que promove os valores católicos
Tags:
CinemaFilhosJovens
Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • Aleteia é publicada diariamente em sete idiomas: inglês, francês,  italiano, espanhol, português, polonês e esloveno
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

PT300x250.gif
Oração do dia
Festividade do dia





Envie suas intenções de oração à nossa rede de mosteiros


Top 10
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia