Aleteia logoAleteia logoAleteia
Segunda-feira 08 Agosto |
São Domingos de Gusmão
Aleteia logo
Histórias Inspiradoras
separateurCreated with Sketch.

Moisés de Mariupol: quem é e como ajudou 117 pessoas a fugir da guerra

Este artigo é exclusivo para os membros de Aleteia Premium
MARIUPOL-SYMONOV-UKRAINE-WAR.jpg

CC- Creative Commons

Symonov con su hija Ladoslava después de salir de Mariupol.

Dolors Massot - publicado em 29/06/22

A história do homem que levou 117 pessoas a pé para escapar com vida de Mariupol em meio ao cerco e ao bombardeio

Entre as muitas histórias de heroísmo que emergem da guerra na Ucrânia (e aquelas que nunca conheceremos), há a história de Oleksiy Symonov. Ele levou 117 pessoas a pé para escapar vivas de Mariupol no meio do cerco e dos bombardeios. Ele as conduziu por 12 horas e as levou para um lugar mais seguro.

Por esta razão, ele começou a ser chamado de “Moisés de Mariupol”. Ao invés de atravessar o deserto egípcio, ele conduziu seu grupo ao longo das estradas da Ucrânia.

Mariupol está agora ocupada pelos russos. Quem sabe o que teria sido de todas essas pessoas se tivessem ficado na cidade. Nenhum lugar lá era mais seguro para elas, nem mesmo abrigos, e não havia comida.

Symonov relatou longamente esta viagem à jornalista espanhola Monica Prieto, da ABC.

Antes de ser apelidado de “Symoses”, em referência a Moisés, Symonov, 44 anos, era organizador e juiz de eventos esportivos. No início da guerra, ele foi para um abrigo em seu bairro com sua esposa e três filhos, de 7 a 14 anos. Era uma estação de trem e havia uma média de 280 pessoas indo e vindo, com cerca de 50 crianças e um número semelhante de idosos e deficientes. Eles percebeu que todos estavam presos ali. Ele disse ao Kharkiv Human Rights Protection Group (KHPG) que não tinha carro e avaliou que a rota de fuga, repleta de ocupantes russos, era muito arriscada.

Estava frio, e eles tinham que coletar água da chuva para beber e fazer sopas ou infusões de chá. Fizeram fogo com troncos que os homens foram buscar: primeiro os cortaram com uma serra que compraram, mas depois usaram os troncos das árvores explodidos em pedaços pelas bombas. Ele disse ao KHPG:

Colhemos lenha e água, derretemos a neve, juntamos a água da chuva, colhemos alimentos. Era muito importante ser comunicativo, porque a comunicação é muito mais importante do que o dinheiro, que não importava mais. Havia mais de 280 pessoas no abrigo. Nós nos ajudamos uns aos outros, por isso sobrevivemos.

Era comum que a artilharia, a aviação e os bombardeios fossem ouvidos do lado de fora. De acordo com o que ele disse ao jornalista do ABC, o abrigo chegou a ser alvo de bombas.

O momento da fuga

Ele disse ao KHPG:

Eu tenho três filhos e pensei que não poderia colocar meus filhos em tal perigo. Esperamos até ficar um pouco mais quente, para que, se fôssemos, não congelássemos após o pôr-do-sol. Também esperamos que os bombardeios se afastassem um pouco de nosso abrigo, para ter certeza de que pelo menos não seríamos atingidos como tudo ao redor enquanto escapávamos.

Ele aguentou o máximo que pôde, mas o bombardeio do Teatro Mariupol, que ocorreu em 16 de março, fez Symonov decidir sair daquele inferno, levando com ele o maior número de pessoas possível.

No dia 22, sem meios de transporte ou suprimentos, eles deixaram Mariupol. Eles tiveram que aproveitar o fato de que os russos estavam atacando outros bairros. Isso era a única coisa positiva que eles podiam ver, e eles tiveram que aproveitar a oportunidade porque não havia razão para pensar que haveria uma oportunidade melhor se eles esperassem mais.

O grupo começou com 80 pessoas carregadas com fardos feitos com o que eles tinham no abrigo. A eles se juntaram 37 outras pessoas e assim formaram uma longa fila. O mais jovem tinha 5 anos de idade e o mais velho, 70. KHPG perguntou a Symonov como foi. Ele respondeu:

Olha, você marcha vigorosamente com uma mochila cercada de pessoas e elas também andam com mochilas, bolsas, caixas, com gatos, com crianças pequenas que também seguram mochilas e bolsas. É uma procissão tão grande. Quando meus amigos perceberam que eu estava vivo, escreveram: “Você não é Symonov, você é Symoses; trazendo as pessoas através dos desertos asfálticos”.

A viagem

Symonov explicou à jornalista do ABC como eles puderam viajar ilesos:

Éramos tantos que éramos muito visíveis, mas naquela época os soldados russos fingiam estar nos libertando e ninguém atirava em nós. Começamos a caminhar sem pausas, sem olhar para trás. Não carregávamos bandeiras brancas, nem qualquer identificação visível, porque acreditávamos que isso poderia ser interpretado como uma provocação por qualquer um dos lados. Vestimos coletes laranja, coletes salva-vidas, para que eles soubessem que não éramos militares.

Em retrospectiva, o líder avalia como foi a fuga e o que eles viram pelo caminho:

Foi tudo muito arriscado porque havia bombardeios. As ruas haviam sido destruídas pela artilharia, por ataques aéreos e morteiros. Nós só víamos soldados quando estávamos saindo da cidade. Nosso distrito foi simplesmente devastado, destruído pela artilharia.

O grupo liderado pela Symonov teve que passar por 17 postos de controle russos. Ele diz que eles os tratavam bem, mas estavam convidando-os a entrar no transporte que os levaria à Rússia. A maioria não queria ir. Symonov não julga as outras pessoas que o fizeram, no entanto, porque ele entende que naquela situação, o que todos querem é fugir de um perigo tão grande. Ele disse ao KHPG:

Algumas pessoas foram para Rostov, para a Rússia, porque tinham parentes ou alguns amigos lá. Bem, todos têm o direito de escolher. Isso é o que torna a Ucrânia diferente daqueles que vieram da Rússia. Nós temos uma escolha. Nós decidimos o que fazer e como fazê-lo. E, em todas as circunstâncias, permanecemos humanos.

As 12 horas de fuga foram momentos em que todos deram o melhor de si. Ele explicou à ABC:

Ninguém diminuiu a velocidade, nem mesmo as crianças. Ninguém se queixava de estar cansado. Às vezes eu lhes dizia que podíamos andar mais devagar porque as explosões soavam longe, mas eles se recusavam a fazer isso, tal era seu desejo de sair dali e chegar em segurança. Ninguém tinha medo de fugir, eles tinham mais medo de ficar debaixo das bombas.

Depois de 12 horas de caminhada, exausto e em condições muito precárias, o grupo de fuga chegou a Komyshuvate, uma cidade a oeste de Mariupol. Eles foram recebidos com uma onda de solidariedade: as pessoas vieram em auxílio deles da melhor maneira que puderam.

Deram-lhes um lugar para sentar, comida, abrigo… Eles ainda estavam em seu país em guerra, mas um pouco mais seguros. “As famílias nos deram abrigo em Komyshuvate, em casas com aquecimento. Tomamos banho pela primeira vez em um mês. O que posso dizer? Agora tenho uma segunda família em Komyshuvate”, disse ele ao KHPG.

Symonov diz ter se treinado para situações de crise que podem ocorrer em sua linha de trabalho. Alguns exemplos de filmes apocalípticos também o serviram bem. Mas a força motriz sem dúvida foi seu desejo de ajudar todas essas pessoas e levar sua família para um local seguro.

Este artigo é exclusivo para os membros Aleteia Premium

Já é membro(a)? Por favor,

Grátis! - Sem compromisso
Você pode cancelar a qualquer momento

1.

Acesso ilimitado ao conteúdo Premium de Aleteia

2.

Acesso exclusivo à nossa rede de centenas de mosteiros que irão rezar por suas intenções

3.

Acesso exclusivo ao boletim Direto do Vaticano

4.

Acesso exclusivo à nossa Resenha de Imprensa internacional

5.

Acesso exclusivo à nova área de comentários

6.

Anúncios limitados

Apoie o jornalismo que promove os valores católicos
Apoie o jornalismo que promove os valores católicos
Tags:
GuerraTestemunhoUcrânia
Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • Aleteia é publicada diariamente em sete idiomas: inglês, francês,  italiano, espanhol, português, polonês e esloveno
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

PT300x250.gif
Oração do dia
Festividade do dia





Envie suas intenções de oração à nossa rede de mosteiros


Top 10
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia