Aleteia logoAleteia logoAleteia
Quarta-feira 24 Abril |
Aleteia logo
Estilo de vida
separateurCreated with Sketch.

Quando ele me pediu para ir morar junto, eu disse que não

pareja en crisis

fizkes - Shutterstock

Orfa Astorga - publicado em 06/07/22

Uma história real concedida à Aleteia. Por vezes não é fácil escolher o caminho do amor verdadeiro... porque o casamento não é apenas um "mero contrato"

Após dois anos de namoro, o meu namorado deixou o país para fazer pós-graduação com o plano de nos casarmos assim que ele terminasse os estudos. Ele foi o grande amor da minha vida.

Depois, durante umas curtas férias, ele voltou e pediu-me para ir viver com ele no exterior, sem nos casarmos; assegurando-me que se tratava apenas de alterar a ordem dos planos, e que depois o faríamos. Que era a coisa mais conveniente a fazer, dadas as circunstâncias.

Argumentou que, entretanto, viveríamos uma forma de casamento, enquanto se aguardava apenas o reconhecimento civil e eclesiástico; que eu poderia confiar na sua “retidão de intenções”.

Uma forma de casamento, uma forma de compromisso?

O seu raciocínio parecia muito lógico, mas o amor não me cegou, pois eu tinha a certeza moral de que não era a coisa certa a fazer. Por isso abstive-me de responder, e pedi aconselhamento, para que, ao fazê-lo, pudesse ter os argumentos certos.

Depois falámos de novo, tentando ultrapassar uma crise de desacordo.

Lembro-me muito bem de cada palavra da nossa conversa em que, superando a perplexidade inicial, fui capaz de responder com um retumbante não à sua visão de casamento, como se fosse apenas um contrato, ou simplesmente uma exigência convencional ou legal.

Para minha surpresa e tristeza, o meu namorado referiu-se ao casamento como se fosse apenas uma construção social ou religiosa.

Claro que não é, porque a verdade é que o casamento está inscrito na nossa natureza, e não é, portanto, invenção de ninguém. Tem a sua própria estrutura e uma ordem ligada à justiça.

Significado

O casamento é uma união no ser, através de um verdadeiro compromisso conjugal; e não consiste na forma de uma cerimônia ou de um papel assinado, muito menos em viver simplesmente debaixo do mesmo teto, ou em reunir-se para determinadas obras ou fins de existência.

Significa que pelo consentimento do homem e da mulher, o casamento une o que é chamado a unir-se; num projeto de vida que, através da vocação ao amor, assegura a continuidade da sociedade e da própria humanidade… nada menos que isso.

Daí a importância de sacramentá-lo perante Deus, de acordo com a fé que se professa e da própria sociedade.

Foi assim que sonhei com o meu noivo e comigo própria: dizendo Sim! a consentir em ser cônjuge perante amigos e estranhos; sem medo de contrair um vínculo que nos obrigasse, em justiça, a um amor duradouro… Um Sim! orgulhosa e feliz para nos unirmos num compromisso fiel e indissolúvel… Um Sim! a um projeto de amor matrimonial que prevaleceria sobre todas as circunstâncias da vida.

O Não!

Por todas as razões acima expostas, expliquei ao meu noivo que a celebração de um verdadeiro casamento deveria ser o culminar do nosso amor; e que não poderia ser subestimado em nome de uma suposta necessidade prática. Que, ao fazê-lo, estávamos a descaracterizá-lo, e a fazer o mesmo ao nosso ser pessoal, e, portanto, à qualidade do nosso amor.

E eu simplesmente não estava disposta a isso.

Não foi o final feliz que eu esperava, pois o meu namorado, depois de insistir várias vezes no seu propósito, e não consegui-lo, ele terminou a relação pouco depois.

Foi uma experiência triste da qual compreendi que o seu amor não era suficientemente maduro para um consentimento válido para fundar um casamento.

Agora já estou pronta novamente, e Deus sabe mais. Volto a reencontrar o amor, a ser feliz, e, com a graça de Deus, entrarei num verdadeiro casamento.

Tags:
AmorCasamentoNamoroRelacionamento
Top 10
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia