Aleteia logoAleteia logoAleteia
Domingo 14 Agosto |
São Maximiliano Maria Kolbe
Aleteia logo
Histórias Inspiradoras
separateurCreated with Sketch.

O bebê deles não viveria muito tempo e Bento XVI pediu-lhes para compartilhar sua história de fé

Este artigo é exclusivo para os membros de Aleteia Premium
Screenshot-2022-07-05-2.43.06-PM.png

Jordan Allott

Theresa Civantos Barber - publicado em 08/07/22

Durante o pré-natal, Maria e Joe receberam o diagnóstico: se o bebê sobrevivesse ao parto, seria por poucas horas. E foi a fé profunda que os sustentou quando eles tiveram que enfrentar o pior medo de todos os pais

Antes de acontecer com ela, Maria nunca conheceu alguém cujo bebê tinha tido um diagnóstico fatal antes de nascer.

Maria e Joe Keller são um casal extraordinário em qualquer medida. Ela é da Espanha e ele dos EUA. Os dois se conheceram quando ela estava visitando a família dele como estudante de intercâmbio. Eles tiveram um lindo romance antes de se estabelecerem perto de Chicago para criar seus sete filhos.

Maria e Joe também são um casal de fé forte. Maria é a terceira geração de sua família a receber formação do Opus Dei, e sua família é fielmente católica há gerações.

É essa “fé profunda” que sustentou Maria Joe quando eles enfrentaram o pior medo de todos os pais.  

A gravidez do quarto filho

No início de 2011, Joe e Maria ficaram muito felizes ao descobrir que estavam esperando o quarto filho. Mas, durante um ultrassom pré-natal de rotina, o bebê James Nicholas foi diagnosticado com Osteogênese Imperfeita Tipo 2, uma condição rara e fatal caracterizada pela fragilidade dos ossos, que se quebram com muita facilidade.

Os médicos avisaram que o amado garotinho não viveria por muito tempo, se é sobreviveria ao parto.

Maria compartilhou com a Aleteia como ela se voltou a Deus para enfrentar a dor esmagadora de seu diagnóstico:

“Fiz um retiro uma semana após o diagnóstico e, enquanto rezávamos a Via Sacra, refleti sobre quando Simão de Cirene ajudou Jesus. Foi um consolo incrível ver o Filho de Deus, o próprio Deus, cambaleando sob a cruz, esmagado sob a cruz, e os soldados tendo que forçar alguém a carregá-la, porque ele não conseguia dar um passo à frente.”

Ela percebeu, naquele momento, que não teria que carregar sua cruz sozinha. 

“Eu pensei: ‘É isso que eu preciso, eu preciso que Deus seja meu Simão’. Isso se tornou meu grito de guerra. Eu disse a Nosso Senhor: ‘Sê meu Simão, ajuda-me com esta cruz. Eu não posso fazer isso, isso está me esmagando.’ E Ele sempre, sempre me ajudou e ajuda.” 

Mendigos de oração

Maria e Joe começaram a pedir a todos que encontravam que rezassem por seu filhinho. “Nós nos tornamos o que eu gosto de chamar de mendigos de oração”, disse ela. 

Esse simples ato de pedir orações tornou-se uma maneira gentil com que o pequeno James Nicholas mudou muitas vidas para melhor. Disse Maria:

“Quando você pede orações ao carteiro e ao balconista do supermercado, e pede a todos que rezem por um milagre, ninguém diz: ‘Não, eu não rezo, não acredito em milagres’. Todos dizem: ‘Sim, eu vou orar, vou fazer o que você me pediu’. Nosso filho, em sua curta vida, causou um profundo impacto. Ele tinha tantas pessoas orando por ele, mesmo que fosse a primeira ou a única vez que as pessoas rezaram em suas vidas.”

Uma carta do Papa

A família pediu orações ao prelado do Opus Dei e ao próprio Papa. E para a surpresa deles, o Papa respondeu. 

Sim, o então Papa Bento XVI enviou uma carta aos Kellers no último dia de seu pontificado. Ele lhes prometeu suas orações e os encorajou a compartilhar sua história, dizendo que o mundo precisava de testemunhos como este, de pais que amam seus filhos em qualquer circunstância.

“Eu entendo por que chamamos o Papa de Santo Padre, porque ele realmente ama com um coração paternal. Tivemos muito consolo, paz e alegria sabendo que ele estava rezando por nós”, disse Maria.

O “exército” de familiares, amigos e completos estranhos invadindo o céu com orações pelo bebê James ajudou o casal a superar a gravidez e o nascimento. “Foi um momento muito difícil, mas também muito cheio de graça”, lembrou Maria. 

Ela também recebeu apoio do Be Not Afraid , um grupo de extensão que apoia os pais em diagnósticos pré-natais difíceis

“A única coisa que ele experimentou foi o amor”

O pequeno James nasceu em 30 de agosto de 2011 e morreu no dia seguinte. Ele viveu apenas 30 horas, mas essas horas mudaram a vida de muitas pessoas. 

 “A única coisa que esse garotinho experimentou foi amor, uma tonelada de amor. Cada momento de sua vida foi preenchido com o amor de uma vida inteira”, lembra Maria.

James ajudou muitas pessoas a perceberem como a vida é curta e incomensuravelmente preciosa.

“Temos pouco tempo com nossos filhos. Toda criança é um presente de Deus, toda criança é uma bênção. Ame-os e crie-os para que você possa estar com eles para sempre no céu, porque isso é a única coisa que importa”, aconselha a mãe de James.

Este artigo é exclusivo para os membros Aleteia Premium

Já é membro(a)? Por favor,

Grátis! - Sem compromisso
Você pode cancelar a qualquer momento

1.

Acesso ilimitado ao conteúdo Premium de Aleteia

2.

Acesso exclusivo à nossa rede de centenas de mosteiros que irão rezar por suas intenções

3.

Acesso exclusivo ao boletim Direto do Vaticano

4.

Acesso exclusivo à nossa Resenha de Imprensa internacional

5.

Acesso exclusivo à nova área de comentários

6.

Anúncios limitados

Apoie o jornalismo que promove os valores católicos
Apoie o jornalismo que promove os valores católicos
Tags:
BebêsGravidezMortepais
Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • Aleteia é publicada diariamente em sete idiomas: inglês, francês,  italiano, espanhol, português, polonês e esloveno
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

PT300x250.gif
Oração do dia
Festividade do dia





Envie suas intenções de oração à nossa rede de mosteiros


Top 10
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia