Aleteia logoAleteia logoAleteia
Segunda-feira 08 Agosto |
São Domingos de Gusmão
Aleteia logo
Atualidade
separateurCreated with Sketch.

Parlamento Europeu aprova aborto, mas se diz preocupado com cardeal ameaçado

Cardeal Joseph Zen

AFP

Francisco Vêneto - publicado em 08/07/22 - atualizado em 08/07/22

Tranquilos após incentivarem o livre extermínio de bebês em gestação, eurodeputados resolveram distribuir conselhos ao Vaticano sobre como prestar apoio a um cardeal perseguido

O Parlamento Europeu aprovou nesta semana a inclusão do aborto livre na Carta dos Direitos Fundamentais da União Europeia, posicionando-se abertamente contra a defesa da vida desde a concepção, conforme é defendida pela Igreja Católica.

Em paralelo, porém, os eurodeputados resolveram dar-se o direito de enviar conselhos ao Vaticano sobre como prestar apoio a um cardeal perseguido – no caso, o cardeal Joseph Zen, de 90 anos, arcebispo emérito de Hong Kong, que chegou a ser preso pelas autoridades chinesas no dia 11 de maio e foi solto sob fiança no final do mesmo dia.

Em 24 de maio, porém, ele foi indiciado em um tribunal de Hong Kong, com mais quatro ativistas pró-democracia, sob acusações genéricas de periculosidade para a segurança e soberania da China. A ditadura comunista de Pequim o acusa de ser um dos administradores de um fundo humanitário que ajudou manifestantes pró-democracia a pagarem as custas judiciais dos processos a que haviam sido submetidos pelo regime chinês.

O julgamento do cardeal Zen foi marcado para começar em 19 de setembro.

É nesse contexto que o Parlamento Europeu solicita que o Vaticano “intensifique esforços diplomáticos e influência” junto às autoridades chinesas para que as acusações contra o cardeal Zen sejam retiradas.

A resolução dos eurodeputados, segundo o site do Parlamento, “insta o Vaticano a dar total apoio ao cardeal Zen e a outros líderes religiosos que enfrentam perseguições ou o risco de detenção ao abrigo do regime de segurança nacional em Hong Kong; solicita ainda ao Vaticano que intensifique os seus esforços diplomáticos e a sua influência junto às autoridades chinesas e exija que todas as acusações contra o cardeal Zen sejam retiradas, bem como que sejam encerradas as perseguições e violações dos direitos humanos”.

Acontece que as autoridades da Santa Sé reagiram imediatamente à notícia da prisão do cardeal, tanto junto à China quanto junto à opinião pública. Além da ação diplomática direta, a Santa Sé divulgou ao público em geral uma nota de imprensa afirmando que a situação lhe causava “extrema atenção”. A pressão sobre a China deu resultados, tanto que o cardeal foi libertado, sob fiança, no mesmo dia em que tinha sido detido.

O cardeal Joseph Zen é aberto defensor do movimento pró-democracia em Hong Kong. Por isso mesmo, esteve e continua na mira do regime chinês há anos. O prelado católico se manifesta contra as políticas de controle de Pequim sobre as atividades religiosas e criticou enfaticamente a polêmica Lei de Segurança Nacional, que pode ser (e é) utilizada contra a Igreja.

A população de Hong Kong vem sofrendo restrições crescentes aos direitos civis desde de que o território voltou a ficar sob a jurisdição chinesa, após quase um século de administração britânica.

É muito positivo que o Parlamento Europeu se manifeste contra os desmandos do regime comunista de Pequim, especificamente em matéria de liberdade religiosa, assunto em que costuma ser omisso. Por outro lado, é estranho que o faça na forma de uma sutil “indireta” ao Vaticano, como se a Igreja não estivesse fazendo a sua parte em favor do cardeal Zen.

Mais estranho ainda é que o Parlamento Europeu se diga preocupado com o julgamento do cardeal na mesma semana em que oficializou a absurda inclusão do aborto livre como um “direito fundamental”, equiparando-se à prática da mesma ditadura chinesa no tocante ao extermínio disseminado de bebês em gestação como “política de planejamento familiar”.

A postura do Parlamento Europeu tem nome: hipocrisia.

Tags:
CardeaiscomunismoditadurahipocrisiaPerseguiçãoPolítica
Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • Aleteia é publicada diariamente em sete idiomas: inglês, francês,  italiano, espanhol, português, polonês e esloveno
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

PT300x250.gif
Oração do dia
Festividade do dia





Envie suas intenções de oração à nossa rede de mosteiros


Top 10
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia