Aleteia logoAleteia logoAleteia
Domingo 14 Agosto |
São Maximiliano Maria Kolbe
Aleteia logo
Atualidade
separateurCreated with Sketch.

Nigéria: agrava-se a insegurança com o rapto de mais três padres 

NIGERIA

AP/East News

Reportagem local - publicado em 10/07/22 - atualizado em 04/07/22

Trata-se de um sinal claro do agravamento das condições de insegurança neste país africano em que a Igreja Católica é um dos alvos preferenciais de malfeitores e de grupos armados

No espaço de dois dias, três sacerdotes foram raptados na Nigéria. No sábado, 2 de Julho, enquanto circulavam de automóvel na estrada entre Benin e Auchi, os padres Peter Udo e Philemon Oboh foram levados “para local desconhecido” depois de a viatura em que circulavam ter sido bloqueada perto das localidades de Ehor e Iruekpen.

Na segunda-feira, dia 4, o padre Emmanuel Silas foi também sequestrado quando se encontrava na reitoria paroquial da Igreja de São Carlos, em Zambina, na Diocese de Kafanchan, situada no estado de Kaduna. Numa mensagem enviada para a Fundação AIS Internacional pelo padre Emmanuel Okolo, Chanceler desta diocese, é referido que a Igreja está a procurar “por todos os meios legítimos garantir a rápida e segura libertação” do sacerdote raptado, pedindo às pessoas para se coibirem “de fazer justiça pelas próprias mãos”.

Insegurança

O caso do rapto destes três sacerdotes em zonas distintas na Nigéria e num tão curto espaço de tempo, é um sinal claro do agravamento das condições de insegurança neste país africano em que a Igreja Católica é um dos alvos preferenciais de malfeitores e de grupos armados. Ainda na sexta-feira, 1 de Julho, centenas de sacerdotes participaram no funeral do padre Vitus Borogo, assassinado a 25 de Junho, em Kaduna, como a Fundação AIS noticiou.
No funeral, alguns padres empunharam cartazes com frases onde manifestavam a revolta e desapontamento face à degradação das condições de segurança no país. Numa homilia emotiva, o Arcebispo de Kaduna afirmou que, nos seus 60 anos de vida, nunca “tinha visto nada assim, nem mesmo durante [os tempos] da guerra civil”.

D. Matthew Ndagoso apelou às autoridades para garantirem a segurança dos cidadãos. “Já não temos lágrimas”, disse o pelado, citado pela agência Fides. “As nossas lágrimas secaram devido ao choro constante. Também perdemos a voz, porque quando falamos ninguém nos ouve. Ninguém ouve os nossos gritos, mas não vamos perder a esperança! Um dia, Deus enxugará as nossas lágrimas.”

Assassinato

O padre Vitur Borogo, cujo funeral juntou cerca de 700 sacerdotes, vindos de várias dioceses, foi assassinado a 25 de Junho em Kaduna, mas no dia seguinte, domingo, dia 26, outro padre perderia a vida também de forma violenta. Christopher Ogedegbe, pároco em São Miguel, em Ebo, morreu na sequência de uma troca de tiros entre malfeitores e agentes da polícia que procuravam libertá-lo após ter sido sequestrado.

O Arcebispo de Kaduna, que presidiu na sexta-feira ao funeral do padre Vitus Borogo, participou recentemente numa uma conferência, ‘online’ promovida pela Fundação AIS Internacional, em que falou precisamente da crescente insegurança que se vive na Nigéria e que afecta cada vez mais pessoas da Igreja.

De forma efusiva, o Bispo explicou que este é, de facto, um dos mais graves problemas que a Igreja enfrenta hoje em dia na Nigéria. “Nos últimos três anos, sete dos meus padres foram raptados, dois foram mortos e um está em cativeiro há três anos e dois meses. Quatro foram, entretanto, libertados. Em 50 das minhas paróquias, os padres não podem ficar nas suas reitorias, porque são um alvo, são vistos como uma fonte fácil de dinheiro pelo resgate. Não posso ir a visitas pastorais como costumo fazer, os padres não podem ir às aldeias e celebrar Missas. As pessoas não podem ir às suas quintas, e por isso não podem alimentar-se. Com esta insegurança as pessoas estão a ficar também carentes dos sacramentos.”

(Com AIS)

Tags:
MortePerseguiçãoViolência
Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • Aleteia é publicada diariamente em sete idiomas: inglês, francês,  italiano, espanhol, português, polonês e esloveno
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

PT300x250.gif
Oração do dia
Festividade do dia





Envie suas intenções de oração à nossa rede de mosteiros


Top 10
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia