Aleteia logoAleteia logoAleteia
Domingo 14 Agosto |
São Maximiliano Maria Kolbe
Aleteia logo
Religião
separateurCreated with Sketch.

Direto do Vaticano: Papa – se o mundo fosse governado por jovens, não haveria tantas guerras

Este artigo é exclusivo para os membros de Aleteia Premium
DURING POPE FRANCIS mass for the 10th World Meeting of Families

Antoine Mekary | ALETEIA

I.Media para Aleteia - publicado em 12/07/22

Boletim Direto do Vaticano de 12 de julho de 2022

  • Francisco apela aos jovens europeus para transformarem o “velho continente” num “novo continente”
  • Saúde, Aborígenes, secularismo, Trudeau… O Bispo Poisson decifra as questões da viagem do Papa ao Canadá

Francisco apela aos jovens europeus para transformarem o “velho continente” num “novo continente”

Por Cyprien Viet – No contexto da “guerra absurda” na Ucrânia, onde “como de costume, algumas pessoas poderosas decidem e enviam milhares de jovens para lutar e morrer”, o Papa Francisco convida os jovens à resistência, à imagem do Beato Franz Jägerstätter, um mártir austríaco vítima do nazismo morto em 1943 em Berlim. Numa mensagem dirigida aos participantes da Conferência da Juventude da União Europeia, realizada em Praga de 11 a 13 de Julho, o Papa oferece uma densa e exigente reflexão sobre a responsabilidade dos jovens na construção do futuro do seu continente.

“Devemos todos comprometer-nos a pôr fim à devastação da guerra”, insiste o Papa nesta mensagem datada de 6 de Julho e tornada pública a 11 de Julho. “Gosto de pensar que se o mundo fosse governado por jovens, não haveria tantas guerras: aqueles que têm toda a sua vida à sua frente não querem rompê-la e deitá-la fora, mas sim vivê-la ao máximo”, insiste o pontífice de 85 anos.

“A ideia de uma Europa unida nasceu de um forte desejo de paz após tantas guerras no continente, e levou a um período de 70 anos de paz”, disse o Papa Francisco, cuja infância na Argentina foi marcada pelos ecos da Segunda Guerra Mundial.

A figura de Franz Jägerstätter

Num longo ensaio, o Papa convida os jovens europeus a “conhecerem a extraordinária figura de um jovem objetor de consciência que lutou contra o nazismo durante a Segunda Guerra Mundial, Franz Jägerstätter, proclamado Beato pelo Papa Bento XVI”. A sua história foi o tema de um filme do diretor americano Terrence Malick, A Hidden Life (Uma Vida Oculta), lançado em 2019.

“Franz era um jovem camponês austríaco que, por causa da sua fé católica, tinha objeção de consciência quanto a jurar fidelidade a Hitler e ir para a guerra”, recorda o Papa Francisco, que presta homenagem à sua esposa Franziska, que apoiou a resistência do seu marido. Esta mulher, que morreu em 2013 como centenária após 70 anos de viuvez, tinha podido assistir à beatificação do marido seis anos antes.

“Quando foi chamado às armas, recusou, porque sentiu que era injusto matar vidas inocentes”, recordou o Papa, referindo-se à pressão sofrida por este jovem católico no seu ambiente, inclusive a nível da sua paróquia, onde um padre o tinha tentado dissuadir. “Todos estavam contra ele, exceto a sua esposa Franziska que, embora conhecesse os enormes perigos, esteve sempre ao lado do marido e apoiou-o até ao fim”, insistiu o Papa.

Apesar da tortura, “Franz preferiu ser morto a matar. Ele considerou a guerra totalmente injustificada. Se todos os jovens chamados às armas tivessem feito como ele fez, Hitler não teria sido capaz de realizar os seus planos diabólicos”, diz o Papa, que assinala que “o mal precisa de cúmplices para vencer. Franz Jägerstätter foi morto na mesma prisão que o teólogo alemão Dietrich Bonhoeffer, de fé luterana, “que encontrou o mesmo final trágico”, diz Francisco.

As “cartas” da nova geração

O Papa expressou a sua esperança de que os jovens de hoje transformem o “velho continente” num “novo continente”. “Sei que a vossa geração tem boas cartas para jogar: são jovens atentos, menos ideológicos, habituados a estudar noutros países europeus, abertos a experiências de voluntariado, sensíveis às questões ambientais”, reconheceu o Bispo de Roma.

“Se, no passado, os vossos antepassados foram para outros continentes, nem sempre por interesses nobres, cabe-vos agora apresentar ao mundo uma nova face da Europa”, salientou o Papa Francisco, sublinhando que o Pacto Global de Educação lançado no Outono de 2019 visava em particular “ouvir as crianças, os adolescentes e os jovens”.

Apoiando-se nos métodos do pedagogo brasileiro Paulo Freire (1921-1997), o Papa convida os jovens a serem criativos e exigentes com os seus professores. “Se eles não os ouvirem, falem ainda mais alto, façam barulho, vocês têm o direito de ter uma palavra a dizer no que diz respeito ao seu futuro”, insiste o Papa.

Educar todos para uma vida mais fraterna

Apresentando-se como “um filho de italianos que emigraram para a Argentina”, o Papa observa que “a experiência de milhões de estudantes europeus que participaram no projeto Erasmus testemunha que os encontros entre pessoas de diferentes povos ajudam a abrir os olhos, as mentes e os corações”.

“O principal objetivo do pacto educativo é educar todos para uma vida mais fraterna, baseada não na competitividade mas na solidariedade”, insistiu o Papa, denunciando a lógica “exclusiva e excludente” das escolas elitistas. Recordando que a educação deve ajudar a “conhecer o outro” e não apenas a “conhecer-se a si próprio”, o Papa congratula-se com o interesse demonstrado pelas universidades e escolas muçulmanas na sua encíclica Fratelli tutti e no Documento sobre a Fraternidade Humana assinado em Abu Dhabi em 2019.

O Papa também apela “ao cuidado da casa comum”, o que inclui a luta contra o desperdício. “É urgente reduzir o consumo não só de combustíveis fósseis mas também de muitas coisas supérfluas; do mesmo modo, em algumas partes do mundo, é apropriado consumir menos carne: isto também pode ajudar a salvar o ambiente”, explica Francisco, que convida os jovens a ler a sua encíclica Laudato si’.

Em busca da Verdade numa dinâmica de amor

O chefe da Igreja Católica apelou também aos jovens europeus “a olharem para além, a olharem para cima, a procurarem sempre o sentido da vossa vida, a vossa origem, o vosso fim, a Verdade, porque não podem viver se não procurarem a Verdade”, sublinhou, convidando os jovens a lerem a sua exortação apostólica Christus vivit e a participarem na JMJ em Lisboa, agendada para Agosto de 2023.

“Que também sejais generosos em gerar novas vidas, sempre e só através do amor! Amor pelo seu marido e mulher, amor pela sua família, amor pelos seus filhos, e também amor pela Europa, para que seja para todos uma terra de paz, liberdade e dignidade”, insistiu ele.


Saúde, Aborígenes, secularismo, Trudeau… O Bispo Poisson decifra as questões da viagem do Papa ao Canadá

Por Anna Kurian – Numa entrevista à agência romana I.MEDIA, o Bispo Raymond Poisson, Presidente da Conferência Canadense de Bispos Católicos, discute os desafios da viagem apostólica do Papa Francisco ao Canadá (24-30 de Julho de 2022). O Bispo de Saint-Jérôme e Mont-Laurier explica que a viagem não se trata tanto de “arranjar desculpas”, mas sim de “fazer gestos concretos de reconciliação”.

O que é que a Igreja no Canadá espera desta viagem?

Bispo Raymond Poisson: Para nós, e esta é também a intenção do Papa, esta viagem é um novo passo após a visita da primeira delegação a Roma, em Março-Abril passado, com cerca de 150 irmãos e irmãs aborígenes. Isto deu ao Papa a oportunidade de ouvir testemunhos mas também de se juntar aos bispos canadianos para pedir desculpa pelos erros cometidos por membros da Igreja Católica na gestão de escolas residenciais. Este próximo passo não se trata tanto de pedir desculpas, mas sim de fazer gestos concretos de reconciliação, pois continuamos o nosso percurso com os nossos irmãos e irmãs aborígenes para o bem de toda a sociedade canadiana. A Igreja Católica é um líder na questão da reconciliação.

Qual é o foco da organização?

No itinerário do Santo Padre, muito espaço é reservado para momentos de encontro com o povo aborígene. A preparação foi feita em conjunto com as organizações indígenas nacionais oficiais. Em cada uma das reuniões, existe uma percentagem que pretende ser representativa da presença dos povos indígenas na população em geral. Grandes reuniões terão lugar em Lac Ste-Anne a 26 de Julho para a festa de Santa Ana, e a 28 de Julho no santuário de Sainte-Anne-de-Beaupré, no Québec. Estes são dois lugares importantes tanto para os aborígenes como para os não aborígenes, por causa da figura da avó de Jesus.

O Santo Padre terá dois locais de residência: escolhemos Edmonton na província de Alberta, a província ocidental com maior concentração de aborígenes e que teve o maior número de escolas residenciais da história canadiana. E depois a Cidade do Quebeque, que é a sede da fundação da Igreja na América. Com estas cidades, o Papa verá as duas realidades da língua inglesa – no Ocidente – e da língua francesa – no Oriente. Isto não é fácil porque viajar no Canadá é muito mais amplo do que viajar na Europa!

Que precauções estão a ser tomadas para a saúde do Papa, que foi forçado a cancelar viagens nos últimos meses?

Mantemos as viagens para o Santo Padre a um mínimo. Privilegiámos grandes reuniões internas, sem ter de montar um palco ao ar livre. Além disso, como a pandemia ainda não acabou, favorecemos a participação através dos meios de comunicação social. Como de costume, o Santo Padre viajará com uma equipe de 35 pessoas, com os seus médicos e seguranças. Ficaremos em Edmonton no Seminário Maior, e na cidade do Quebeque, na arquidiocese, tudo está equipado. Esta viagem é obviamente um grande esforço para o Papa – apenas sentado num avião durante 7 ou 8 horas. Mas ele está determinado a ir até ao fim com a sua missão, e nós tomamos isso como um presente.

Quem são os povos indígenas que o Papa irá encontrar?

Existem três grupos principais: Métis, First Nations e Inuit. Os Métis e as Primeiras Nações residem em toda a parte sul do país. Os inuítes vivem no extremo norte. Para os conhecer, o Papa aceitou muito generosamente fazer uma paragem em Iqaluit, uma pequena cidade (entre 7.000 e 8.000 habitantes, N. do R.) que é a capital do seu território, antes de regressar a Roma.

Entre os nossos irmãos e irmãs indígenas, existe um grande interesse por esta visita. Um interesse que tem vindo a crescer há dois anos e meio, quando falei pela primeira vez com o Santo Padre sobre a vinda de uma delegação a Roma e uma viagem por ele efetuada em Dezembro de 2019. O Papa estava muito interessado nesta pedagogia. De fato, a sua visita é um dos apelos do relatório da Comissão de Verdade e Reconciliação do governo (ativa entre 2008 e 2015, N. do R.).

Pode descrever a Igreja Católica na sociedade canadense?

O Canadá tem 10 províncias, com territórios e culturas muito diferentes. Do lado do Canadá francês, no Quebec e no Atlântico, existe uma situação de respeito mútuo, acolhimento, abertura e diálogo. Desde os anos 60 e 70, temos visto no Quebec uma certa ideia de secularismo que considera os fenómenos religiosos como algo privado, que não pode ser expresso na sociedade, na praça pública.

No Quebec, tradicionalmente, quase todos os crentes são católicos. Há 70-75% dos batizados, mas apenas 2% vêm à igreja todos os domingos. Mas as nossas jovens populações nativas ainda têm um olho e um coração favoráveis para a sua Igreja. Cada vez mais famílias estão a pedir o batismo do seu bebé, isto é notável, estão a fazer uma escolha preferencial pelos valores do Evangelho. Isto não significa que o pratiquem com muita frequência.

É um desafio acolher este mundo, que procura algo. As vocações são raras. Os padres estrangeiros prestam-nos um grande serviço, mas não são a solução para o futuro. Uma Igreja deve ser capaz de se dar recursos, caso contrário é uma Igreja que envelhece e desaparece.

O Papa reunir-se-á também com o Primeiro-Ministro Justin Trudeau, cujas posições sobre certas questões sociais como a ajuda médica na morte, o aborto e questões de género levaram a disputas com a Igreja…

Justin Trudeau é um político. Mas mesmo no seu discurso oficial, quando houve a descoberta de cemitérios em escolas residenciais, foi o primeiro a dizer ao microfone em frente de todos os meios de comunicação social: “Sou católico e isso me magoa”. Entre os nossos compatriotas, como entre os ocidentais que viveram em 2022, há um afeto pela Igreja e ao mesmo tempo uma independência, uma crítica à instituição. Os canadenses estão um pouco divididos entre os valores do mundo contemporâneo e os da Igreja. Existe um fosso crescente. Mas, na minha opinião, não haverá intercâmbio sobre estas questões sociais entre o Sr. Trudeau e o Papa Francisco, exceto em privado.

No Quebec, virámos a página dos debates, mas não desistimos. Sabemos o que pensa a Igreja, mas ela não se impõe à sociedade como um todo. Tomemos o exemplo da ajuda médica na morte, que é sempre apresentada como um ato de compaixão. Se eu disser que me oponho a isso, sou visto como carente de compaixão. Este não é o momento para discutir, não nos encontramos nas circunstâncias certas. O nosso papel é concentrar os nossos esforços, a nossa energia nos cuidados paliativos, estar presente, acompanhar, acarinhar, acalmar, e deixar a vida seguir o seu curso natural.

E após a visita do Papa, quais são as perspectivas?

A nível da sociedade canadense em geral, não sabemos muito sobre os nossos irmãos e irmãs aborígenes e vice-versa. Temos pensado em várias iniciativas que nos permitirão construir uma sociedade diferente, espero que para melhor. Criámos um fundo de 30 milhões de dólares canadenses – que é muito para a Igreja do Canadá – para projetos de reconciliação com os nossos irmãos e irmãs aborígenes. Trata-se de nos conhecermos melhor, através de intercâmbios culturais, projetos futuros. Após a viagem, lançaremos isto.

Este artigo é exclusivo para os membros Aleteia Premium

Já é membro(a)? Por favor,

Grátis! - Sem compromisso
Você pode cancelar a qualquer momento

1.

Acesso ilimitado ao conteúdo Premium de Aleteia

2.

Acesso exclusivo à nossa rede de centenas de mosteiros que irão rezar por suas intenções

3.

Acesso exclusivo ao boletim Direto do Vaticano

4.

Acesso exclusivo à nossa Resenha de Imprensa internacional

5.

Acesso exclusivo à nova área de comentários

6.

Anúncios limitados

Apoie o jornalismo que promove os valores católicos
Apoie o jornalismo que promove os valores católicos
Tags:
Direto do VaticanoEuropaJovensPapa Francisco
Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • Aleteia é publicada diariamente em sete idiomas: inglês, francês,  italiano, espanhol, português, polonês e esloveno
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

PT300x250.gif
Oração do dia
Festividade do dia





Envie suas intenções de oração à nossa rede de mosteiros


Top 10
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia