Aleteia logoAleteia logoAleteia
Domingo 14 Agosto |
São Maximiliano Maria Kolbe
Aleteia logo
Religião
separateurCreated with Sketch.

Direto do Vaticano: mais revelações do Papa em recente entrevista

Este artigo é exclusivo para os membros de Aleteia Premium
Pope Francis during his Angelus prayer from a window of The Apostolic Palace

Antoine Mekary | ALETEIA

I.Media para Aleteia - publicado em 13/07/22

Boletim Direto do Vaticano de 13 de julho de 2022

  • Renúncia, aborto, Biden, Ucrânia, Kirill: o Papa fala à televisão mexicana
  • Francisco assegura aos bispos greco-católicos o seu compromisso com eles

Renúncia, aborto, Biden, Ucrânia, Kirill: o Papa fala à televisão mexicana

Por Cyprien Viet – “Eu não tenho intenção em renunciar. De momento, não”, garante-nos o Papa Francisco numa longa entrevista de mais de duas horas com as jornalistas mexicanas Maria Antonieta Collins e Valentina Alazraki, transmitida no canal de streaming ViX de Noticias Univision 24/7, no dia 11 de Julho. Francisco, no entanto, imagina terminar a sua vida como “bispo emérito de Roma” e a fazer algum trabalho paroquial. Também discute várias questões atuais, incluindo a guerra na Ucrânia e a posição de Joe Biden sobre o aborto.

O Papa confessa que inicialmente pensou que o seu pontificado seria curto, mas passaram mais de nove anos sem que ele “se apercebesse”. Embora admita sentir-se um pouco fragilizado por causa do seu problema no joelho, ele diz que “nunca” considerou desistir do seu cargo por agora.

Contudo, uma possível renúncia, a longo prazo, não seria um tabu para o Papa argentino, que expressa a sua “grande simpatia” pela “bondade” do Papa Bento XVI, que renunciou em 2013. “Se vejo que não posso mais, que estou a sofrer ou que sou um embaraço, espero obter ajuda para tomar a decisão de renunciar”, assegura o papa de 85 anos, que tem a mesma idade que o seu antecessor quando se demitiu.

Demonstrando que refletiu sobre o seu possível estatuto futuro, o Papa Francisco excluiu o regresso à sua Argentina natal, e observa que no dia da sua reforma preferia ser considerado um mero “bispo emérito de Roma” em vez de um “papa emérito”. Ele gostaria de dedicar as suas horas a confessar aos fiéis, praticar a caridade e visitar os doentes numa paróquia italiana. “Se sobreviver depois de renunciar, gostaria de fazer algo do género: confessar e visitar os doentes”, diz ele.

Joe Biden e o tema do aborto

O Papa condenou uma vez mais o aborto, dizendo que “dados científicos provam que um mês após a concepção, o DNA do feto já está presente e os órgãos estão no lugar”. “Será correto eliminar uma vida humana?” pergunta o Papa, distanciando-se do Presidente dos EUA Joe Biden, que afirma ser simultaneamente pró-aborto e católico praticante. “Deixe-o falar com o seu pastor sobre esta inconsistência”, disse Francisco, assegurando que deixaria esta questão à “consciência” do segundo presidente católico na história dos EUA, depois de John F. Kennedy.

Sobre o tema do abuso sexual de menores, o Papa Francisco acredita que “a tampa foi levantada” desde os casos de abuso sexual que abalaram a diocese de Boston, nos Estados Unidos. “Hoje, a Igreja está cada vez mais consciente”, “escolheu revelar e nós não vamos ser cúmplices” destes crimes, assegura o bispo de Roma, que estende esta luta à luta contra o incesto, a escravatura infantil, ou os maus-tratos infligidos às mulheres, um fenómeno que descreve como “satânico”.

O Papa também denunciou como “diabólica” a tentativa de impor outra cultura a um povo em nome de um suposto desejo de “civilizá-lo”, como ele acredita ter sido o caso das escolas residenciais no Canadá. Denunciando mais uma vez as “colonizações ideológicas”, Francisco, que visitará o Canadá de 24 a 30 de Julho, evoca o relato de um líder indígena recebido no Vaticano em Março passado, que lhe tinha dito o seu “receio de que a cultura urbana fizesse os rapazes e raparigas da sua tribo perderem as suas raízes”.

O Papa ainda espera visitar Kiev e Moscou

Sobre a questão da invasão russa da Ucrânia, Francisco diz que prefere falar sobre as vítimas do que sobre os perpetradores, “o país que está a ser atacado” e as “coisas selvagens sobre as quais lemos e sabemos quem as está a fazer”, diz ele sem nomear explicitamente a Rússia.

O Papa voltou também ao seu diálogo com o Patriarca de Moscou, com o qual estava em preparação uma segunda reunião, após a de Cuba, em Fevereiro de 2016. “Ele tinha-me proposto a Síria”, revela o Papa Francisco, que recusou esta oferta. “Eu propus a Jordânia, Jerusalém, Líbano. Ele escolheu Jerusalém e o mosteiro ortodoxo”, disse ele.

A reunião estava marcada para 14 de Junho mas depois “a guerra aconteceu”, e teve um “grande impacto”, admite o Papa, que parece lamentar a “mudança de ministro dos negócios estrangeiros” do patriarcado de Moscou. O Metropolita Hilarion, com quem o Vaticano tinha relações regulares, foi deposto a 7 de Junho para se tornar Metropolita da Hungria.

Ele disse que era “uma pessoa requintada, uma pessoa nobre e um grande diplomata”. Explicou que o seu gesto de ir à embaixada russa a 25 de Fevereiro, um dia após o início da ofensiva russa, tinha sido “muito apreciado” pelo Ministro dos Negócios Estrangeiros russo, Sergei Lavrov.

O Papa está interessado em manter o maior número possível de contatos tanto com a Rússia como com a Ucrânia, a fim de abrir caminhos concretos para a paz. “Se eu não puder ir a Moscou, ou antes ou depois, não irei a Kiev”, disse Francisco, que reconhece que tudo depende “do tempo, de mil coisas”.

O desarmamento

Estendendo a sua análise da “terceira guerra mundial em partes” aos dramas da Síria e do Iémen, o Papa denunciou os conflitos bélicos “que nos são impostos”, e que mostram que “perdemos a consciência da guerra”.

“A humanidade continua a fabricar armas”, lamentou o Papa, acrescentando firmemente que a guerra “escraviza, desumaniza”, e que, segundo o catecismo católico, “a utilização e posse de armas nucleares é imoral e não podemos brincar com a morte à mão”.


Francisco assegura aos bispos greco-católicos o seu compromisso com eles

Por Cyprien Viet – Numa carta publicada a 11 de Julho, o Papa Francisco pede aos membros da Igreja Católica Grega Ucraniana, reunidos num sínodo em Przemysl, Polónia, de 7 a 15 de Julho, que não percam “a esperança cristã num amanhã melhor”. Ele garante-lhes “[a sua] oração e envolvimento que, dada a situação atual, não aparecem nos meios de comunicação social”.

A carta, enviada pelo Gabinete de Imprensa da Santa Sé e traduzida para italiano pelo secretariado do Arcebispo Sviatoslav Shevchuk, Arcebispo Maior da Igreja Greco-Católica, foi publicada no site de notícias Il Sismografo a 11 de Julho de 2022. Nesta carta, o Pontífice recorda que a reunião deste sínodo deveria originalmente ter tido lugar em Kiev, mas foi finalmente organizada na Polónia devido “à situação dramática da guerra”.

Consagração ao Imaculado Coração de Maria

O Papa confiou os membros do sínodo à proteção e intercessão dos mártires da Igreja ucraniana, beatificados por João Paulo II em 2001 durante uma visita a Lviv. Estas vítimas do regime comunista soviético “defendem do céu o seu povo sofredor”, diz Francisco.

Além disso, o Papa diz que reza para que a Igreja Greco-Católica e o seu povo sejam “animados pela força dos sacramentos e voltados para o Imaculado Coração de Maria” – ao qual consagrou a Ucrânia e a Rússia a 25 de Março.

8% da população

O Bispo de Roma também saudou o tema escolhido para o sínodo da Igreja Oriental, “Sinodalidade e universalidade: a experiência da Igreja Católica Grega Ucraniana”. Exorta os participantes a retomarem esta reflexão tendo como objetivo “o bem da Igreja e de cada crente”.

A Igreja Católica Grega Ucraniana é uma Igreja Católica Oriental presente na Ucrânia, que representa mais de 8% da população. Coexiste em território ucraniano com duas outras Igrejas católicas: a Igreja Católica de Rito Latino (cerca de 1%) e a Igreja Católica Grega Rutena (menos de 1%). Estão principalmente presentes no oeste do país.

Este artigo é exclusivo para os membros Aleteia Premium

Já é membro(a)? Por favor,

Grátis! - Sem compromisso
Você pode cancelar a qualquer momento

1.

Acesso ilimitado ao conteúdo Premium de Aleteia

2.

Acesso exclusivo à nossa rede de centenas de mosteiros que irão rezar por suas intenções

3.

Acesso exclusivo ao boletim Direto do Vaticano

4.

Acesso exclusivo à nossa Resenha de Imprensa internacional

5.

Acesso exclusivo à nova área de comentários

6.

Anúncios limitados

Apoie o jornalismo que promove os valores católicos
Apoie o jornalismo que promove os valores católicos
Tags:
DiálogoDireto do VaticanoPapa Francisco
Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • Aleteia é publicada diariamente em sete idiomas: inglês, francês,  italiano, espanhol, português, polonês e esloveno
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

PT300x250.gif
Oração do dia
Festividade do dia





Envie suas intenções de oração à nossa rede de mosteiros


Top 10
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia