Aleteia logoAleteia logoAleteia
Segunda-feira 08 Agosto |
São Domingos de Gusmão
Aleteia logo
Atualidade
separateurCreated with Sketch.

Estudo científico revela por que as mães conseguem acalmar os filhos

Este artigo é exclusivo para os membros de Aleteia Premium
FAMILY

Alena Ozerova | Shutterstock

Ricardo Sanches - publicado em 14/07/22

Pesquisadores canadenses afirmam que essa sintonia entre a mãe e o bebê é um fator fisiológico; estudo também traz esperança para mulheres com depressão pós-parto

Você, certamente, já presenciou a seguinte cena: um bebê está em prantos e, quando colocado no colo da mãe, para de chorar quase que imediatamente. Muitas pessoas ficam até impressionadas com o poder das mães de acalmar os filhos, sobretudo os recém-nascidos.

Pois bem: cientistas do Canadá descobriram o que está por trás desse “poder”. Uma pesquisa realizada pela Universidade de York e publicada pela National Library of Medicine fez uma comparação entre o estado emocional de mães saudáveis e o das que tiveram depressão pós-parto, bem como as relações com seus bebês. A conclusão foi que as mães sem depressão conseguem acalmar os filhos mais facilmente. Isso, segundo os pesquisadores, é algo fisiológico e tem a ver com a sincronia entre os batimentos cardíacos da mãe e os do filho.

Os pesquisadores acompanharam dois grupos de mulheres e seus bebês. O primeiro era composto por mães e bebês saudáveis e o segundo por mães que foram diagnosticadas com depressão pós parto e seus bebês.

Durante algumas semanas, os cientistas monitoraram os batimentos cardíacos das mulheres e dos bebês em várias situações de interação entre eles. Eles tomaram como base a variação de uma frequência cardíaca denominada “arritmia sinusal respiratória”, que é um indicador do estado emocional das pessoas.

Os resultados

No grupo composto por mães saudáveis e seus filhos, os pesquisadores comprovaram que a que as mudanças na frequência cardíaca das mães aconteciam antes das dos bebês no momento da interação entre eles, principalmente quando em situações em que os pequenos estavam irritados. Para o autor do estudo, John Krzeczkowski, isso fazia com que as mães saudáveis conseguissem acalmar os filhos a partir da “sincronia dos seus batimentos cardíacos com o dos bebês”.

Já entre as mães com depressão pós-parto, acontecia exatamente o contrário.

Esperança para muitas mulheres

As mulheres com depressão pós-parto que participaram do estudo foram submetidas à terapia cognitivo-comportamental. E, depois de nove semanas, os pesquisadores voltaram a fazer a comparação entre os batimentos cardíacos delas e os dos filhos. O que os cientistas descobriram foi que, depois da terapia, as mães com depressão passaram a ter o mesmo comportamento das mães saudáveis em relação à sintonia dos seus batimentos cardíacos e os dos bebês. Ou seja: as mães diagnosticadas com depressão, depois da terapia, apresentaram alteração nos batimentos cardíacos de forma a proporcionar uma sincronia com os batimentos cardíacos dos seus filhos. Assim, elas também conseguiram acalmar os bebês em situações de angústia.

Para o autor da pesquisa, os resultados trazem uma esperança para as mães com depressão pós-parto. “Este estudo demonstra empiricamente, pela primeira vez, que a fisiologia sincronizada entre mães e bebês desempenha um papel no conforto de bebês estressados, e que o tratamento da depressão pós-parto com a terapia cognitivo-comportamental pode melhorar essa sincronia”, afirmou Krzeczkowski.

Este artigo é exclusivo para os membros Aleteia Premium

Já é membro(a)? Por favor,

Grátis! - Sem compromisso
Você pode cancelar a qualquer momento

1.

Acesso ilimitado ao conteúdo Premium de Aleteia

2.

Acesso exclusivo à nossa rede de centenas de mosteiros que irão rezar por suas intenções

3.

Acesso exclusivo ao boletim Direto do Vaticano

4.

Acesso exclusivo à nossa Resenha de Imprensa internacional

5.

Acesso exclusivo à nova área de comentários

6.

Anúncios limitados

Apoie o jornalismo que promove os valores católicos
Apoie o jornalismo que promove os valores católicos
Tags:
BebêsCiênciamãesMulher
Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • Aleteia é publicada diariamente em sete idiomas: inglês, francês,  italiano, espanhol, português, polonês e esloveno
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

PT300x250.gif
Oração do dia
Festividade do dia





Envie suas intenções de oração à nossa rede de mosteiros


Top 10
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia