Aleteia logoAleteia logoAleteia
Sexta-feira 12 Agosto |
Santa Clara de Assis
Aleteia logo
Histórias Inspiradoras
separateurCreated with Sketch.

Como Deus apareceu depois que meu marido desmaiou no pronto-socorro

marcelo-leal-6pcGTJDuf6M-unsplash.jpg

Marcelo Leal / unsplash

Amanda Knapp - publicado em 21/07/22

O choque séptico nos dominou, mas a fidelidade do Senhor falou mais alto

Sempre achei que (mais ou menos) entendia o que era choque séptico, até que vi meu marido desmaiado no chão em um pronto-socorro.

Ver meu marido adulto forte, protetor e guia de nossa família, deitado e quase inconsciente, me apresentou à verdadeira implicação das palavras: choque séptico. Naquele momento, fiquei permanentemente marcada com a percepção da fragilidade do corpo humano.

Eu nunca tinha conhecido tal terror. Estendi a mão para a Virgem Maria e senti agudamente sua presença ao meu lado durante esses momentos. O mundo inteiro estava acontecendo normalmente fora daquela UTI escura, e eu andava pelos corredores pedindo à nossa querida Mãe que desse forças ao meu marido, pedindo-lhe que implorasse ao seu Filho que não levasse de nós o meu marido, pai dos meus filhos pequenos. E talvez com a mesma intensidade, eu estava implorando a Deus por força e pedindo a Maria que, por favor, me segurasse e me mantivesse de pé. 

Acho que sempre acreditei que meu marido sairia daquele hospital e voltaria para casa conosco. O que eu não tinha tanta certeza era se eu conseguiria chegar até aquele dia, se minha sanidade iria aguentar. Nós dois éramos imensamente vulneráveis.

Solidão em tempos difíceis

Naquela primeira noite na UTI, eu eu me senti muito sozinha. Por mais de uma década, eu falava com meu marido todos os dias. Agora, em nosso momento mais sombrio, eu não podia compartilhar nada com ele, e ele só podia fazer gestos leves para mim. Decisões precisavam ser tomadas. De repente, fui encarregada de fazer tudo sozinha.

Quando se trata de família e amigos, sou uma mulher muito abençoada. Todo o nosso pessoal estava ansioso para ajudar a mim e meus filhos durante esse período. Mas Deus une a maioria de nós em dois por uma razão, e de repente eu fui deixada – ainda que brevemente – como uma mulher sem parceiro. Eu precisava dele desesperadamente.

Mas uma coisa estranha aconteceu comigo psicologicamente durante esse tempo. De repente, fiquei imensamente grata. Eu gostaria de dizer que isso foi um instinto natural meu, que a gratidão sempre esteve viva e enterrada no fundo do meu coração. Mas vamos ser honestos: não era o caso.

O dom da gratidão

Ainda assim, sentei-me naquela sala escura da UTI e agradeci a Deus pelo fato de os médicos acreditarem que meu marido ficaria bem. Pensei em todos aqueles que receberam o prognóstico oposto, que foram informados de que seus entes queridos provavelmente não sobreviveriam. Eu orei por eles. Orei pela família na sala ao lado, que já havia passado semanas naquela unidade de terapia intensiva e, provavelmente, estava acompanhando seu ente querido em casa para morrer.

Percebi que, enquanto milhões dormiam sem preocupações em suas camas naquela minha noite, outros estavam mais aterrorizados do que eu. Alguns estavam fazendo os preparativos para o funeral. Havia aqueles cuja Unção dos Enfermos era acompanhada pelo Viático. Agradeci a Deus pelas graças que nos concedeu e pela bênção da esperança. Cada oração de “por favor, deixe-nos ficar bem” era seguida por “obrigada, obrigada, obrigada, Senhor”.

Essas orações de gratidão eram meu meio de sobrevivência. A gratidão que Deus me concedeu durante aqueles dias no hospital continua sendo um dos maiores presentes que Ele já me concedeu.

Esta manhã eu estava conversando com minhas filhas sobre como somos chamadas a encher nossas mentes com o Senhor. Somos chamados a oferecer tudo a Deus, a buscar sempre a vontade de Deus, a estar sempre em comunhão com Ele. Estas são palavras alegres quando ditas em tempos alegres. Podem parecer palavras mundanas quando ditas em tempos comuns. Mas quando faladas durante os tempos difíceis, elas provam sua durabilidade, verdade e força.

Fidelidade acima de tudo

A beleza que ocorre quando as pessoas se voltam para Deus em tempos difíceis não é prova de sua própria santidade. Pelo contrário, é a prova da fidelidade de Deus. Nosso Deus sabe do que precisamos, e Ele está sempre disposto a nos atender. Não temos escolha nesses momentos, a não ser nos apoiarmos Nele. Mas Ele tem uma escolha e sempre escolhe em nosso favor.

Quando olho para trás naquele tempo agora, não posso deixar de admirar tudo o que o Senhor fez com para o meu marido e para mim, carregando-nos em seus braços o tempo todo. Mas também me lembra da importância de todos os outros dias – os dias comuns e mundanos. Isso me lembra que Deus fala conosco naqueles tempos sombrios, mas muitas vezes Ele fala palavras que já plantou em nossos corações. Eu não conseguia abrir uma Bíblia naquela época. Eu não conseguia compor grandes orações. Minhas orações consistiam em simples súplicas ditas nas palavras mais básicas.

Em gratidão ao Senhor por tudo que ele fez por nós e em preparação para as provações que a vida trará novamente, agora tento sustentar-me na Palavra de Deus tanto quanto posso. Eu leio. Eu contemplo, procuro Sua beleza no mundo. Tomo nota de Sua bondade. Observo enquanto ele carrega outras pessoas e falo com meus filhos sobre permanecer perto Dele e pedir a Ele que caminhe ao nosso lado em nossos dias comuns. Entendo agora que quanto mais verdades sabemos sobre Deus durante nossos dias comuns, mais Ele pode falar conosco durante nossas provações.

Agora tento passar meus dias conhecendo-O mais para que, quando Ele estiver novamente ao meu lado na tragédia, eu não fique mais tão surpresa com o quão fiel Ele é.

Tags:
casaisDoençaEsperança
Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • Aleteia é publicada diariamente em sete idiomas: inglês, francês,  italiano, espanhol, português, polonês e esloveno
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

PT300x250.gif
Oração do dia
Festividade do dia





Envie suas intenções de oração à nossa rede de mosteiros


Top 10
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia