Aleteia logoAleteia logoAleteia
Quinta-feira 29 Fevereiro |
Aleteia logo
Histórias Inspiradoras
separateurCreated with Sketch.

Ela queria abortar, mas descobriu que estava à espera de trigêmeos

Este artigo é exclusivo para os membros de Aleteia Premium
TRIPLETS, TWIN, CHILDREN

Altrendo Images | Shutterstock

Annalisa Teggi - publicado em 21/07/22

A surpreendente história de Janey: ele queria o aborto, mas de repente viu que o amor transbordava dentro dela

Um efeito secundário amargo após a decisão do Supremo Tribunal dos EUA sobre o aborto tem sido uma onda de slogans e argumentos abstratos sobre o tema da vida e da interrupção da gravidez. É a única arma da voz ideológica que reverencia o aborto como um direito da mulher. Os argumentos, os silogismos, os gritos de fúria social, já os ouvimos todos.

O tema da vida não é jogado na ponta da língua, mas na ponta da experiência. É por isso que, especialmente na América, aqueles que defendem a vida estão mais preocupados do que nunca em trazer à luz – para colocar no centro do palco – histórias, vozes que não trazem meras racionalizações, mas sim testemunho.

Entre estas histórias, retratei uma sobre uma rapariga sem-abrigo do Missouri cuja gravidez inesperada a levou a dar um salto de vida.

Sem-abrigo, descobre que está à espera de trigémeos

Sem-teto abrigo e acolhida por um conhecido para dormir no sofá com a sua filha de 4 anos, ter outro filho pareceu-lhe não tanto um inconveniente, mas impossível. No entanto, ela não previu que as coisas fossem muito mais complicadas – e também muito melhores.

A história de Janey, do Missouri, foi contada num site que recolhe informações e testemunhos sobre centros de ajuda à gravidez americanos. Menos conhecidos do público em geral do que as clínicas de aborto, mas presente e em funcionamento.

E foi a um destes centros que Janey foi, para se reconciliar com a sua situação: sem casa, sem emprego, uma filha de quatro anos, uma nova gravidez. Atravessando o limiar de uma clínica de aborto, suponho que ela sairia rapidamente. Esgotada da vida.

No centro de ajuda à gravidez, ela foi acompanhada para aprofundar a sua história, circunstâncias práticas e problemas íntimos. Sem escolhas forçadas, mas uma entrevista centrada nas questões e na vulnerabilidade de toda a sua pessoa. Janey estava pronta para ter outra entrevista, mas algo inesperado aconteceu. Ela não se sentia bem e teve de ir para as urgências. Aqui a grande surpresa:

“O técnico que fez a minha ecografia e a enfermeira presente confirmaram que havia três bebês no meu ventre. Os médicos tentaram falar comigo, mas só consegui pensar que a minha vida estava a desmoronar-se muito rapidamente”, disse.

Uma casa, um trabalho

Quando uma nova vida começa, não é uma mera alegria ou um problema para a mulher que a tem na barriga. Uma presença humana não é um assunto apenas privado, mas um ganho social imensurável. Um dos pontos mais aguçados e venenosos da propaganda abortista é precisamente o recinto da solidão em que a experiência da gravidez se destina a ser encerrada.

Na história de Janey, um cenário alternativo ao aborto foi possível porque toda uma comunidade ficou ao lado desta jovem mãe. Reunião com voluntários do centro de ajuda à gravidez, Janey e a sua filha foram acolhidas em St. Raymond’s, um lar temporário para mulheres que enfrentam gravidezes inesperadas.

Ali ela passou o tempo até o parto, e esse apoio foi decisivo.

Para qualquer família, acolher trigémeos seria uma novidade desestabilizadora, mesmo com toda a abertura à vida possível e imaginável, mesmo com toda a paz de espírito financeira. No caso de Janey este choque ‘plural’ foi o golpe vencedor para a tirá-la para fora do pesadelo do aborto.

O pai, um protagonista oculto

Os trigémeos, duas meninas e um menino, nasceram prematuramente com 28 semanas. Depois de um tempo na unidade de cuidados intensivos neonatais, foram para casa com a mãe.

Uma coisa leva a outra – dizem. E de fato o nascimento é um critério explosivo da realidade, generativo na sua totalidade. O sim de Janey à vida também gerou outra coisa. O homem com quem ela tinha concebido os trigémeos decidiu assumir o papel paterno.

Enquanto Janey se preparava para se tornar mãe de quatro filhos, Dustin, o pai dos trigémeos, deu um passo à frente para assumir um papel fundamental na vida da família. Ele esteve presente no nascimento das crianças e pediu ajuda à Sra. Dalton [do centro de ajuda à gravidez] para lidar com a experiência da paternidade.

E este é mais um retrato muito autêntico e verdadeiro da natureza humana. Este nascimento surpreendente aconteceu em 2017. Foi recontado recentemente porque a longo prazo a parábola é ainda mais encorajadora: Dustin e Janey são uma família, os gémeos estão prontos para a escola e nos últimos cinco anos Janey estudou e enveredou por uma carreira profissional.

Este artigo é exclusivo para os membros Aleteia Premium

Já é membro(a)? Por favor,

Grátis! - Sem compromisso
Você pode cancelar a qualquer momento

1.

Acesso ilimitado ao conteúdo Premium de Aleteia

2.

Acesso exclusivo à nossa rede de centenas de mosteiros que irão rezar por suas intenções

3.

Acesso exclusivo ao boletim Direto do Vaticano

4.

Acesso exclusivo à nossa Resenha de Imprensa internacional

5.

Acesso exclusivo à nova área de comentários

6.

Anúncios limitados

Apoie o jornalismo que promove os valores católicos
Apoie o jornalismo que promove os valores católicos
Tags:
AbortoFilhosGravidezMulher
Top 10
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia