Aleteia logoAleteia logoAleteia
Segunda-feira 08 Agosto |
São Domingos de Gusmão
Aleteia logo
Atualidade
separateurCreated with Sketch.

Resenha de Imprensa: O acordo do Vaticano com a China valeu a pena?

Este artigo é exclusivo para os membros de Aleteia Premium
CHINESE MASS

Johannes EISELE | AFP

I.Media para Aleteia - publicado em 21/07/22 - atualizado em 21/07/22

O seu resumo das principais notícias do dia: uma seleção de artigos escritos pela imprensa internacional sobre a Igreja e as principais questões que preocupam os católicos em todo o mundo. As opiniões e pontos de vista expressos nestes artigos não são dos editores da Aleteia

Quinta-feira, 21 de Julho de 2022

1 – Diplomacia do Vaticano: será que o acordo com a China deu frutos?
2 – Será que o Papa Francisco vai reescrever as regras de renúncia?
3 – Sacerdócio para as mulheres: existe uma barreira teológica ou dogmática?


1 – Diplomacia do Vaticano: será que o acordo com a China deu frutos?

Na segunda parte da sua entrevista à revista jesuíta América, o Arcebispo Paul Richard Gallagher, Secretário para as Relações com os Estados, dá uma atualização sobre o estado das relações entre o Vaticano e a República Popular da China. Ele reconhece que o resultado do acordo de 2018 não é “terrivelmente impressionante”, com apenas seis nomeações episcopais. “Suponho que teríamos gostado de ver mais resultados, e há muito trabalho a ser feito”, comenta, esperando um renascimento dos contactos diretos após um longo parêntese ligado, em particular, à pandemia de Covid-19. Ele revela que após o seu encontro em Munique em 2020 com o Ministro dos Negócios Estrangeiros Wang Yi, a diplomacia papal deseja “preparar o caminho para um encontro entre Xi Jinping e o Santo Padre”. “Penso que os chineses concordam que deveria haver um aumento gradual do nível de contato directo entre nós”, explica ele, estimando que o acordo provisório de 2018 poderia ser prorrogado por mais dois anos. Cauteloso acerca da situação do Cardeal Zen em Hong Kong, espera que “o assunto possa ser resolvido satisfatoriamente num futuro próximo”. Voltou também à situação na Terra Santa, recordando “o compromisso da Santa Sé com a solução de dois Estados”. Os contatos com as autoridades israelitas são raros, mas ele encontrou-se com o Embaixador dos EUA junto da Santa Sé por ocasião da recente visita do Presidente dos EUA Joe Biden à Terra Santa, e ele espera ver os EUA a retomar a sua ação nesta questão.

America, inglês

Com especulações de que o Papa Francisco possa renunciar, Andrea Gagliarducci, jornalista da Catholic News Agency, analisa o que Francisco realmente disse sobre o assunto e como se enquadra nos seus planos mais vastos de reforma da Cúria Romana e da Igreja Católica. Em primeiro lugar, há uma clara diferença entre a forma como o Papa Francisco e o seu predecessor, Bento XVI, veem o seu papel após a renúncia. O Papa Francisco disse que não gostaria de ser chamado Papa Emérito, mas sim Bispo Emérito de Roma, e que se dedicaria aos pobres e ouviria confissões. “Bento XVI fez uma distinção entre o munus e o officium, ou seja, entre a função e o exercício da função”, explica o perito italiano do Vaticano, salientando que com a estrutura concebida pelo pontífice alemão, ele “permanece papa para sempre”. Pelo contrário, Francisco gostaria de “não separar munus e officium”. Uma cessa com a fim da outra, e aquele que renunciar a ela volta à sua vida anterior”, o que significa que se renunciasse “deixaria de ter a primazia petrina e voltaria, portanto, a trabalhar na vida pública. “Pela própria admissão do Papa Francisco, tudo tem funcionado nos últimos anos devido à extraordinária personalidade de Bento XVI. Mas funcionaria da mesma forma com outro papa emérito?” conclui o jornalista.

Catholic News Agency, inglês


3 – Sacerdócio para as mulheres: existe uma barreira teológica ou dogmática?

“Não existem barreiras doutrinais ou dogmáticas ao acesso das mulheres ao sacerdócio”, escreve o controverso teólogo brasileiro Leonardo Boff num artigo em Religión Digital. O ex-sacerdote, um seguidor da teologia da libertação, assinala que “Jesus foi seguido não só por apóstolos e discípulos, mas também por muitas mulheres […]. Elas nunca traíram Jesus, o que não se pode dizer dos Apóstolos”. E ele pergunta: “Se uma mulher, Maria, pôde dar à luz Jesus, o seu filho, como poderia ela não o representar sacramentalmente na comunidade?” Leonardo Boff vê isto como “uma contradição gritante, que só seria compreensível no contexto de uma Igreja patriarcal e sexista composta por celibatários na sua liderança. Abrir o sacerdócio às mulheres não é o mesmo que modelá-lo no sacerdócio masculino, ele também acredita. “Deve ser um sacerdócio singular, de acordo com a maneira de ser da mulher, com tudo o que denota a sua feminilidade a nível ontológico, psicológico, sociológico e biológico. Ela não será uma substituta do padre. Ela cumprirá o sacerdócio à sua própria maneira. Apesar da sua hierarquia “demasiado clerical e dominada pelos homens”, o teólogo diz estar convencido: “Chegará um momento em que a Igreja Católica Romana adaptará o seu ritmo ao do movimento feminista mundial, com as outras Igrejas cristãs que têm mulheres como sacerdotes e até bispos, e com o próprio mundo”.

Religión Digital, espanhol

Este artigo é exclusivo para os membros Aleteia Premium

Já é membro(a)? Por favor,

Grátis! - Sem compromisso
Você pode cancelar a qualquer momento

1.

Acesso ilimitado ao conteúdo Premium de Aleteia

2.

Acesso exclusivo à nossa rede de centenas de mosteiros que irão rezar por suas intenções

3.

Acesso exclusivo ao boletim Direto do Vaticano

4.

Acesso exclusivo à nossa Resenha de Imprensa internacional

5.

Acesso exclusivo à nova área de comentários

6.

Anúncios limitados

Apoie o jornalismo que promove os valores católicos
Apoie o jornalismo que promove os valores católicos
Tags:
PadresResenha de ImprensaSacramentosVaticano
Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • Aleteia é publicada diariamente em sete idiomas: inglês, francês,  italiano, espanhol, português, polonês e esloveno
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

PT300x250.gif
Oração do dia
Festividade do dia





Envie suas intenções de oração à nossa rede de mosteiros


Top 10
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia