Aleteia logoAleteia logoAleteia
Terça-feira 16 Agosto |
Bem-aventurado Gabriel Maria de Benifayó
Aleteia logo
Religião
separateurCreated with Sketch.

Direto do Vaticano: Os remédios do Papa para o desafio da secularização

Este artigo é exclusivo para os membros de Aleteia Premium
Canadian-Prime-Minister-Justin-Trudeau-greets-Pope-Francis-as-he-arrives-at-the-Citadelle-de-Quebec-AFP

VINCENZO PINTO | AFP

I.Media para Aleteia - publicado em 29/07/22

O seu resumo das principais notícias do dia: uma seleção de artigos escritos pela imprensa internacional sobre a Igreja e as principais questões que preocupam os católicos em todo o mundo. As opiniões e pontos de vista expressos nestes artigos não são dos editores da Aleteia

  • Perante a secularização no Canadá, as recomendações do Papa aos católicos e à Igreja
  • No Quebec, uma missa de reconciliação marcada pelas feridas e reivindicações dos povos nativos
  • O Papa Francisco nomeia pesquisadora para o Pontifício Comité das Ciências Históricas

Perante a secularização no Canadá, as recomendações do Papa aos católicos e à Igreja

Por Anna Kurian, correspondente especial em Quebec – O Papa Francisco ofereceu conselhos aos católicos canadenses sobre a forte “secularização” que os rodeia ao encontrar-se com bispos, sacerdotes e pessoas consagradas na Basílica de Notre Dame na cidade de Quebec na quinta-feira, 28 de Julho. Durante o encontro do quinto dia da sua viagem apostólica, o Papa pediu perdão às vítimas de abuso sexual na Igreja, exclamando: “Nunca mais!

Desta sede primaz do Canadá, onde o primeiro bispo do país, São Francisco de Laval (1623-1708), estabeleceu-se, o Papa deu o seu conselho aos pastores da Igreja face à secularização muito prevalecente na sociedade canadense, onde Deus está “quase em segundo plano” e onde “novas formas de ateísmo” estão a emergir.

“Não deixemos que o espírito do secularismo entre em nós, pensando que podemos criar projetos que trabalham sozinhos e com as forças humanas sozinhos, sem Deus”, recomendou o chefe da Igreja Católica às centenas de clérigos, religiosos e agentes pastorais da Igreja Católica no Canadá.

O Papa apelou a não ceder a uma visão “negativa” da realidade, porque a tristeza e o pessimismo “nunca vêm de Deus”. A fé não deve tornar-se “uma espécie de ‘armadura’ para se defender do mundo”, nem “acusar amargamente a realidade”, sublinhou ele. E o cristão não pode resistir à secularização por “nostalgia de um mundo sagrado, de uma sociedade do passado onde a Igreja e os seus ministros tinham mais poder e importância social”.

Pelo contrário, afirmou o Papa, o Senhor “tem uma boa visão do mundo […]. Ele abençoa as nossas vidas, ele fala bem de nós e da nossa realidade”. O desafio é portanto para a Igreja “procurar novas línguas, mudar certas prioridades pastorais, ir para o essencial”. De fato, para o sucessor de Pedro, “não é a fé que está em crise, mas certas formas e maneiras de a proclamarmos”.

Assim, a secularização não é uma questão de “perda de riquezas materiais e privilégios” mas sim “um desafio à nossa imaginação pastoral”, disse o pontífice, que insistiu que a proclamação do Evangelho não deveria ser feita “antes de mais com palavras, mas com um testemunho transbordante de amor gratuito”.

O Papa também sublinhou a liberdade do crente: Deus “não quer decidir por nós, nem quer oprimir-nos com um poder sagrado num mundo governado por leis religiosas”. Não, Ele criou-nos livres e pede-nos para sermos adultos e pessoas responsáveis na vida e na sociedade”.

Pedido de perdão

O Papa de 85 anos de idade, que veio ao país numa viagem de penitência junto aos povos aborígenes abusados em escolas residenciais dirigidas por religiosos, também falou da viagem da Igreja no Canadá “ferida e chocada pelo mal perpetrado por alguns dos seus filhos”.

Mencionou em particular os “abusos sexuais cometidos contra menores e pessoas vulneráveis, escândalos que exigem uma ação forte e uma luta irreversível”. “Gostaria, convosco, de pedir mais uma vez perdão a todas as vítimas”, continuou o pontífice, assegurando que “a dor e a vergonha que sentimos deve tornar-se uma oportunidade de conversão: nunca mais!

Sobre o tema da reconciliação com os povos indígenas, ele esperava “que a comunidade cristã nunca mais se deixe contaminar pela ideia de que existe uma superioridade de uma cultura sobre outra e que é legítimo usar meios de coerção contra os outros”. O seu discurso recebeu uma ovação de pé na catedral.


No Quebec, uma missa de reconciliação marcada pelas feridas e reivindicações dos povos nativos

Por Anna Kurian, correspondente especial em Quebec – A Missa de Reconciliação celebrada pelo Papa a 28 de Julho no santuário de Sainte-Anne-de-Beaupré, em Quebec, foi resolutamente voltada para o povo indígena. Enquanto 70% dos lugares foram reservados para as suas organizações, muitos deles, que I.MEDIA encontrou na assembleia, expressaram as suas elevadas expectativas em relação à Igreja e ao Papa.

Num contexto marcado pelo sofrimento destes povos, no início da celebração em que participaram cerca de 5.000 pessoas, um grupo ergueu uma faixa no corredor central na qual estava escrito, em inglês: “Rescind the doctrine” (Rescindir a doutrina). Este foi um protesto silencioso – que não perturbou o curso da missa – contra a “Doutrina da Descoberta”, estabelecida pela do Papa Nicolau V (Romanus Pontifex) de 1455. Muitos povos indígenas estão a pedir ao Papa que revogue formalmente este documento, que estabeleceu o direito de qualquer monarca cristão de tomar posse de terras não cristãs, o que parece ser, em retrospectiva, uma justificação religiosa para a colonização.

“Os funcionários da Igreja não renunciaram à Doutrina da Descoberta, não revogaram a bula papal que tanto mal fez aos nativos”, lamentou Vaughn Nicholas, membro da Primeira Nação Wolostoq e sobrevivente de uma escola residencial, que estava presente nos bancos do santuário. Todos queremos a reconciliação, mas a reconciliação não pode acontecer até que a verdade seja dita”, disse ele. A Igreja precisa de estar consciente do que aconteceu aos povos indígenas, não apenas nas escolas residenciais mas antes disso, precisa de estar consciente do impacto da sua doutrina”.

Para Vaughn Nicholas, o processo de cura “levará o seu tempo”. “Estive seis anos numa escola residencial, não é fácil perdoar o que nos foi feito lá, vai ficar conosco para o resto das nossas vidas. Não fomos tratados como humanos pela igreja. Quando chegaram à minha pátria, às reservas, disseram-nos que falávamos “a língua do diabo”. Eles converteram muitos dos nossos povos pela força. O que aconteceu foi um genocídio.

Claramente tocado pela recordação do seu passado, Vaughn Nicholas recordou a sua infância como um “rapazinho inocente, descalço”. “Falávamos a língua da nossa comunidade. Eu ajudava a minha avó na pesca, não tínhamos água corrente, mas a água pura do rio. Tivemos liberdade. Para mim foi um momento feliz, foi o paraíso”.

“Depois disso”, narrou ele, “fui levado para uma escola residencial com a minha irmã Iris e o meu irmão Wayne em 1955. Eu nunca tinha experimentado violência física antes. Fomos intimidados, e quando falávamos palavras na nossa língua, no meio do inglês éramos castigados. Tinha medo daqueles grandes edifícios… Para mim era o inferno. Não só para mim, mas para todas as crianças que lá foram antes e depois”.

“Não se pode culpar toda a Igreja Católica”

Do mesmo modo, nos últimos dias, organizações indígenas criticaram o pontífice por não pedir desculpa pela Igreja como instituição, mas por transferir a culpa para os clérigos que dirigiam escolas residenciais. Nos bancos do santuário, onde foram contadas 2.000 pessoas, Elmer St. Pierre, chefe nacional do Primeiro Congresso dos Povos, distanciou-se desta crítica. Desde o início da viagem, o Papa pediu perdão, fê-lo em Edmonton, na cidade de Quebec”, protestou ele. Não foi a Igreja Católica que causou isto, foi o nosso governo no Canadá.

Elmer St. Pierre repete com convicção: “A Igreja não decidiu tirar a herança do povo aborígene, a sua língua, cortar-lhes o cabelo, torná-los crianças brancas. Sacerdotes, freiras, agiram, mas se o governo não tivesse organizado isto, isso nunca teria acontecido. Foi o governo que veio às aldeias e levou as crianças embora“.

Anne Coulter, da diocese de Valleyfield, a oeste de Montreal, disse: “sei que há muita controvérsia em torno das palavras do Papa, mas penso que é correto que ele peça desculpa pelas pessoas que agiram. Não se pode culpar toda a Igreja Católica, mas as pessoas que estiveram nas escolas residenciais”, disse ela.

Consciente das elevadas expectativas, Anne Coulter expressou algum ceticismo acerca da celebração: “Não sei se uma missa é o que os nativos precisam. Talvez uma celebração de purificação deveria ter sido realizada, de acordo com os seus costumes, com a presença do Papa”.


O Papa Francisco nomeia pesquisadora para o Pontifício Comité das Ciências Históricas

Por Isabella de Carvalho – O Papa Francisco nomeou a historiadora e arquivista austríaca Christine Maria Grafinger como membro do Comité Pontifício para as Ciências Históricas, o Gabinete de Imprensa da Santa Sé anunciou a 28 de Julho de 2022. A investigadora de 69 anos trabalha há mais de 20 anos nos arquivos da Biblioteca do Vaticano.

Nascida em 1953 em Vöklabruck, Áustria, Christine Maria Grafinger obteve o doutorado em história moderna em 1980. De 1996 a 2018, trabalhou no Arquivo da Biblioteca do Vaticano, supervisionando uma coleção no Departamento Latino composta por mais de 150.000 manuscritos, os mais antigos dos quais datam do século III. Depois de regressar à Áustria, ensinou e continua a publicar artigos em revistas nas suas áreas de especialização.

O Comité Pontifício para as Ciências Históricas foi fundado em 1954 por Pio XII. O seu mandato é contribuir para o desenvolvimento das ciências históricas e a sua atividade é particularmente caracterizada por uma atenção especial aos arquivos da Igreja, especialmente os do Vaticano. Desde 2009, a instituição tem sido presidida pelo Padre Bernard Ardura, um religioso francês da ordem Premonstratense.

Este artigo é exclusivo para os membros Aleteia Premium

Já é membro(a)? Por favor,

Grátis! - Sem compromisso
Você pode cancelar a qualquer momento

1.

Acesso ilimitado ao conteúdo Premium de Aleteia

2.

Acesso exclusivo à nossa rede de centenas de mosteiros que irão rezar por suas intenções

3.

Acesso exclusivo ao boletim Direto do Vaticano

4.

Acesso exclusivo à nossa Resenha de Imprensa internacional

5.

Acesso exclusivo à nova área de comentários

6.

Anúncios limitados

Apoie o jornalismo que promove os valores católicos
Apoie o jornalismo que promove os valores católicos
Tags:
CatólicosDireto do VaticanoSociedade
Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • Aleteia é publicada diariamente em sete idiomas: inglês, francês,  italiano, espanhol, português, polonês e esloveno
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

PT300x250.gif
Oração do dia
Festividade do dia





Envie suas intenções de oração à nossa rede de mosteiros


Top 10
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia