Aleteia logoAleteia logoAleteia
Terça-feira 16 Agosto |
Bem-aventurado Gabriel Maria de Benifayó
Aleteia logo
Estilo de vida
separateurCreated with Sketch.

Uma criança que entra no 6º ano deve ter um celular?

SCHOOL

Shutterstock | wavebreakmedia

Mathilde de Robien - publicado em 03/08/22

Você deve dar ao seu filho(a) um smartphone quando ele(a) entrar no sexto ano da escola? Este é o dilema enfrentado por muitos pais, divididos entre o medo dos riscos associados à internet e a ansiedade de que o seu filho seja deixado à margem. Aqui estão algumas opiniões e testemunhos para te ajudar fazer o teu próprio julgamento

“Mas todo mundo tem!” Segundo o seu filho(a), ele(a) é o único da turma que não tem celular ou smartphone no 6º ano. Isto não é totalmente falso, mas também não é inteiramente verdade. Embora o acesso aos smartphones esteja a tornar-se cada vez mais precoce – na França, por exemplo, as crianças ganham o seu primeiro telemóvel aos 9 anos e meio – “apenas” 65% dos jovens de 11 a 14 anos possuem o seu próprio smartphone, segundo um estudo do Médiamétrie publicado em Fevereiro de 2020. Embora esse número tenha certamente aumentado em dois anos, é impreciso dizer que “todos têm”.

No entanto, é verdade que no espaço de alguns anos, o smartphone tornou-se o presente da moda do sexto ano escolar. De acordo com o estudo, a iniciativa vem em geral diretamente dos pais. “Apenas 11% dos pais dizem ter sido ‘obrigados’ a ceder a um pedido insistente de um smartphone”, nota o Observatório da Paternidade e Educação Digital.

1O lado prático

Inquestionavelmente, é o aspecto “prático” que apela a muitos pais. “O meu filho vai pegar o ônibus e ir sozinho para a escola”, explica Carine, uma enfermeira da região parisiense. “Será muito mais fácil de comunicar se ele tiver o seu próprio telefone. Pode haver problemas de transporte, mudanças nos horários escolares… Eu nem sempre estou em casa, e com um telefone é mais prático”. Uma razão que não convence todos os pais, que querem adiar o acesso aos smartphones na escola, por exemplo. É o caso de Pierre, pai de dois filhos de 11 e 13 anos: “Eles vêm e vão sem telefone. Podem telefonar de alguma linha fixa quando necessário. Estabelecemos calendários bastante rigorosos para o seu tempo de regresso e eles mantêm-se fiéis a eles. Se algo inesperado acontecer, eles encontram sempre uma forma de nos avisar, através da escola ou do telefone de um dos pais”. Por fim, alguns pais e mães acham que não é necessário ter um iPhone com 5G para fazer uma chamada telefónica. Assim, equipam o seu filho com um telefone ao estilo antigo, ou seja, sem conexão à internet.

O lado prático é também não ter de partilhar o seu próprio telefone com o seu filho. Caroline, uma mãe de três filhos, equipou o seu filho mais velho com um smartphone porque se estava a tornar demasiado complicado emprestar o seu telefone a cada pedido: “Sempre que tinha um vídeo com os seus amigos, tinha de lhe dar o meu telefone. Agora é ela que manda”. Outros pais, por outro lado, preferem ficar de olho nas redes sociais e filtrá-las eles próprios, mesmo que isso signifique interferir nas conversas quando estas se descontrolam. Claire diz ter reagido uma vez a mensagens inadequadas do grupo de WhatsApp do seu filho. “Quando se aperceberam de que havia uma mãe de olho no grupo, isso os acalmou imediatamente”, diz ela. “Sei que eles vão criar outro grupo, mas pelo menos o meu filho não vai estar nele”.

Um elemento importante na decisão de dar ou não ao seu filho um celular é ter em conta a sua maturidade. Uma criança de 11 anos é suficientemente madura para ver todos os tipos de conteúdos? Suficientemente forte para lidar com observações depreciativas ou imagens humilhantes sem ser profundamente ferida? É madura o suficiente para saber como discernir um convite malicioso nas redes? Tem formação suficiente sobre o mundo virtual para saber evitar todas as formas de abuso e assédio?

2A necessidade de segurança

O smartphone também tem um lado tranquilizador. A criança pode ser contatada em qualquer altura e pode telefonar se necessário. Alguns pais chegam ao ponto de localizar o seu filho por GPS para saber se ele ou ela chegou à escola e que rota tomou. “Faz-me sentir melhor”, diz Marina, uma executiva bancária. “Saio cedo e volto tarde, e do escritório posso acompanhar a minha filha em tempo real e ter a certeza de que ela não tem problemas”. Já outros pais e mães estão a apostar na confiança, na sua criança e na sociedade. “Não existe tal coisa como risco zero, com ou sem telefone”, diz Pierre, 40 anos, um soldado. “E as ruas não são povoadas apenas por psicopatas! Digo a mim próprio que se tiverem um problema real, encontrarão uma forma de me contactar. Caso contrário, encontrarão uma solução por si próprios”. É isso que realmente os faz crescer, em vez de chamar mamãe e papai”. Uma atitude que, reconhecidamente, exige uma certa dose de desprendimento e de abandono da ilusão de ser capaz de controlar tudo.

3Medo de exclusão

Será que uma criança será excluída do grupo por não ter um celular? De certa forma, sim, pois ela não vai estar a par de tudo que acontece com os amigos e amigas via redes sociais. Mas isso é realmente essencial para ela? É essencial aos seus olhos? As redes sociais são de fato “o lugar a se estar” e muitos pré-adolescentes interagem nelas dia e noite. Por medo da exclusão, alguns pais cedem, recordando frequentemente a sua própria experiência. “Sofri tanto por não ter uma televisão quando era jovem que não quero impor isso ao meu filho, esta sensação de estar sempre fora do circuito, à margem do grupo e nunca ter consciência de nada”, confessa Tania.

Para outros, este argumento não tem muito peso no equilíbrio dos benefícios e riscos do smartphone. “Os pais cedem frequentemente por medo da exclusão”, diz Valérie Halfon, autora do livro Tout le monde en a un, sauf moi! (“Todos têm um, exceto eu!” Ed. Albin Michel). “No entanto, é tempo de deixar de ter medo da diferença. É desenvolvendo a sua individualidade que o nosso filho poderá ter auto-confiança, não seguindo cegamente o rebanho”, afirma ela. Caroline, uma professora, explicou à sua filha que as redes sociais são proibidas antes dos 13 anos de idade. Uma forma de validar duplamente a proibição.

4O medo de se tornar analfabeto digital

Outro elemento que entra em jogo quando se pensa em dar ou não um celular é o medo de transformar o próprio filho num analfabeto digital se ele ou ela não aprender os meandros das redes desde cedo. “Tens de viver de acordo com os tempos! Aos 12 anos de idade, é importante que uma criança aprenda a navegar na Internet, a procurar informação, a gerir o seu e-mail. Isto é o que os espera no futuro. Quanto mais cedo ele aprender, mais confortável ficará”, diz Jean-Pierre, um engenheiro informático de 40 anos, favorável à ideia de ingressar na onda digital para evitar ser deixado para trás. Uma opinião controversa: “Como se ‘zapear’ uma páginas web ou encontrar um vídeo no YouTube tornasse uma criança um futuro gênio da tecnologia”, alerta Valérie Halfon.

5A questão do tédio

As telas têm uma capacidade excepcional para captar a atenção e, portanto, de manter as crianças ocupadas durante horas. Alguns pais vêem uma certa vantagem nisso. Afinal, eles não têm de se preocupar em sair ou brincar, e não têm de se preocupar com o fato de os seus filhos ficarem entediados enquanto estão no trabalho. Uma “solução” controversa para Caroline: “Penso que as crianças devem aprender a gerir o seu tempo livre, usando a sua criatividade e imaginação. Não importa se estão entediadas. O melhor a oferecer é a nossa disponibilidade, a nossa escuta, a nossa presença real… longe das telas”.

Tags:
CriançasEducação dos FilhosInternet
Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • Aleteia é publicada diariamente em sete idiomas: inglês, francês,  italiano, espanhol, português, polonês e esloveno
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

PT300x250.gif
Oração do dia
Festividade do dia





Envie suas intenções de oração à nossa rede de mosteiros


Top 10
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia