Aleteia logoAleteia logoAleteia
Segunda-feira 26 Fevereiro |
Aleteia logo
Religião
separateurCreated with Sketch.

O Papa critica as “monstruosas deformações” da liturgia

Papa Francisco em Quebec

LARS HAGBERG / AFP

Francisco Vêneto - publicado em 08/08/22

"Minha ação neste campo tentou seguir a linha adotada por João Paulo II e Bento XVI"

O Papa Francisco criticou as “monstruosas deformações” da liturgia ao longo das últimas décadas. Ele tocou no assunto durante o encontro que manteve com 15 jesuítas em Quebec, durante a sua recente viagem ao Canadá.

Segundo a revista Civiltà Cattolica, editada pelos próprios jesuítas na Itália, Francisco respondeu a várias perguntas dos seus companheiros de congregação religiosa. Uma delas dizia respeito à importância da liturgia.

O Papa respondeu:

“Quando há conflito, a liturgia é sempre maltratada. Na América Latina, há trinta anos, ocorreram monstruosas deformações litúrgicas. Depois caíram no extremo oposto, com a embriaguez retrogradista do antigo. Foi criada uma divisão na Igreja”.

Francisco tem criticado tanto a dessacralização da liturgia quanto o que considera uma tentativa igualmente danosa de priorizar as formas sobre o significado. Durante o voo de retorno do Canadá, por exemplo, ele afirmou que o “atraso” é diferente da “tradição” – e até mesmo contrário a ela.

Ainda durante o encontro com os jesuítas, conforme relatado pela Civiltà Cattolica, Francisco falou das suas medidas a respeito:

“Minha ação neste campo tentou seguir a linha adotada por João Paulo II e Bento XVI, que haviam permitido o rito antigo e haviam solicitado uma verificação posterior. A verificação mais recente deixou claro que havia uma necessidade de disciplinar a questão e evitar que ela fosse um fato de moda, mas que permanecesse uma questão pastoral”.

No tocante à mencionada verificação, o Papa se refere ao motu proprio Traditionis custodes, que publicou em julho de 2021 e por cujo meio limitou a celebração da missa tradicional em latim. Neste último 29 de junho, ele publicou também a carta apostólica Desiderio desideravi, que trata da formação litúrgica do povo de Deus.

Em sua conversa com os jesuítas em Quebec, o Papa finalizou a respeito das deformações da liturgia:

“Virão estudos que aperfeiçoarão a reflexão sobre uma questão tão importante. A liturgia é o louvor público do povo de Deus”.

Tags:
IgrejaLiturgiaPapa Francisco
Top 10
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia