Aleteia logoAleteia logoAleteia
Quinta-feira 06 Outubro |
São Bruno
Aleteia logo
Religião
separateurCreated with Sketch.

Direto do Vaticano: Na Ucrânia, Papa é “voz que chora no deserto”, diz cardeal

Este artigo é exclusivo para os membros de Aleteia Premium
mianifestacja poparcia dla Ukrainy w Rzymie

fot. VINCENZO PINTO/AFP/East News

I.Media para Aleteia - publicado em 10/08/22

Indispensável: seu Boletim Direto do Vaticano de 10 de agosto de 2022

i.media.- Na Ucrânia, a voz do Papa Francisco é “mais uma vez vox clamantis in deserto“, uma voz que chora no deserto, diz o Cardeal-Secretário de Estado Pietro Parolin numa entrevista de oito páginas dedicada à diplomacia papal, publicada na edição de Julho de 2022 da revista geopolítica italiana Limes. Apesar disso, o apelo do pontífice à paz é uma “profecia”, acredita ele, comparando-a a um “grão que precisa de solo fértil para dar fruto”.

O cardeal recorda as muitas ocasiões em que os avisos dos predecessores do pontífice argentino foram ignorados pelas grandes potências: os de Bento XV durante a Primeira Guerra Mundial, os de Pio XII durante a Segunda Guerra Mundial ou durante a Guerra da Coreia, ou mesmo os de João Paulo II em 2003 antes da invasão do Iraque.

“Ainda hoje, no trágico caso ucraniano, parece não haver vontade de se envolver em verdadeiras negociações de paz” e de aceitar a ação de negociadores imparciais, admite ele.

O cardeal, contudo, assegura que a mensagem do Papa “toca muitos, tornando as pessoas mais conscientes de que a paz e a guerra começam nos nossos corações”. É nesta perspectiva, explica ele, que o Papa – seguindo os passos dos seus antecessores – se recusa a ser o “capelão do Ocidente”, defende uma “visão multilateral” dos problemas das organizações internacionais e propõe uma “visão menos eurocêntrica da Igreja”.

Recordando que vários conflitos estão a ser travados noutras partes do mundo, o “braço direito” do Papa Francisco adverte contra o risco de ver “consolidação” do que o Papa Francisco descreve como uma “Terceira Guerra Mundial fragmentada”. Ele acredita que atualmente “ainda não somos capazes de prever ou calcular as consequências do que está a acontecer” na Ucrânia.

O Papa Francisco não é um “russófilo”

O Cardeal Parolin rejeita veementemente os críticos que acreditam que o Papa Francisco está a tomar uma posição de “Russofilia” sobre este conflito. “Não se pode simplificar a realidade a este ponto”, exclama, considerando que o Papa condenou a invasão russa “desde o início, com palavras inequívocas” e que nunca colocou como “equivalentes” o agressor e o agredico.

O Papa em vez disso, “manteve-se em igual proximidade” com todos aqueles que sofrem as consequências da guerra, vítimas civis e militares ucranianas, mas também com as mães dos “muito jovens soldados russos que já não tinham notícias dos seus filhos que morreram nos combates”. Também insiste na importância de não “ceder à tentação de demonizar o inimigo”.

A Igreja Católica reconhece no seu Catecismo o direito à legítima autodefesa, disse o cardeal italiano, mas recusa-se a “pensar na guerra como solução”. “O desarmamento é a única resposta adequada e resoluta a estas questões”, insiste ele.

Sem acordo, “já não haveria uma Igreja Católica na China”

O Cardeal Parolin foi então interrogado sobre os acordos pastorais assinados pela diplomacia da Santa Sé com a China para a nomeação de bispos. “O acordo estipula que a sua nomeação deve seguir procedimentos particulares, que derivam da história recente deste cristianismo, mas que não omitem os elementos fundamentais e inalienáveis da doutrina cristã”, explica ele.

Sem este acordo, “já não haveria uma Igreja Católica na China”, mas outra coisa, adverte o Secretário de Estado. Convida-nos a “não sermos escandalizados” pelo fato das autoridades políticas chinesas terem a palavra, mas assegurando que os bispos designados gozem de “liberdade justa” e sejam “pastores autênticos”.

Acreditando que foram dados “passos em frente” desde a assinatura dos acordos em 2018, o Cardeal Parolin reconhece, no entanto, que “nem todos os obstáculos” foram ultrapassados. Apela à China para um “diálogo sincero”, a fim de permitir a “melhoria” da sua cooperação.

Este artigo é exclusivo para os membros Aleteia Premium

Já é membro(a)? Por favor,

Grátis! - Sem compromisso
Você pode cancelar a qualquer momento

1.

Acesso ilimitado ao conteúdo Premium de Aleteia

2.

Acesso exclusivo à nossa rede de centenas de mosteiros que irão rezar por suas intenções

3.

Acesso exclusivo ao boletim Direto do Vaticano

4.

Acesso exclusivo à nossa Resenha de Imprensa internacional

5.

Acesso exclusivo à nova área de comentários

6.

Anúncios limitados

Apoie o jornalismo que promove os valores católicos
Apoie o jornalismo que promove os valores católicos
Tags:
Direto do VaticanoUcrâniaVaticano
Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • Aleteia é publicada diariamente em sete idiomas: inglês, francês,  italiano, espanhol, português, polonês e esloveno
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

PT300x250.gif
Oração do dia
Festividade do dia





Envie suas intenções de oração à nossa rede de mosteiros


Top 10
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia