Aleteia logoAleteia logoAleteia
Terça-feira 04 Outubro |
Aleteia logo
Atualidade
separateurCreated with Sketch.

Madagascar: “não nos podemos deixar vencer pelo desespero e pelo mal”

MADAGASCAR

RIJASOLO / AFP

Reportagem local - publicado em 14/08/22 - atualizado em 11/08/22

"Há uma deterioração que está muito ligada à corrupção. Muitas pessoas querem entrar na política para enriquecer o mais rapidamente possível"

Durante uma recente visita na sede da Ajuda à Igreja que Sofre (AIS), o Cardeal Désiré Tsarahazana, Arcebispo de Toamasina, Madagáscar, insistiu na necessidade de se agarrarem à esperança, para vencer o mal. Nesta entrevista à AIS, o Cardeal fala de como a corrupção, mas também a falta de educação e civismo, estão a ter um efeito negativo no seu país.

Como descreveria a actual situação da Igreja em Madagáscar?

Há muitos cristãos. A maioria das dioceses está a assistir a um aumento da fé cristã e as igrejas estão cheias. No entanto, devo também referir que o nosso país é um país de grandes contrastes. Temos muitos recursos, mas o país está a deteriorar-se. Assim, temos de nos perguntar se somos realmente cristãos, se vivemos como Jesus nos ensinou, ao serviço dos outros. Este contraste, esta diferença, preocupa-me. Há cristãos, mas precisamos de aprofundar a fé. A fé tem de ser realmente vivida e não apenas praticada exteriormente. Se vivermos como Jesus nos ensina, então poderemos desenvolver-nos melhor. 

Afirma que a situação no país está a deteriorar-se. Quais são as razões para essa deterioração?

Há uma deterioração que está muito ligada à corrupção. Muitas pessoas querem entrar na política para enriquecer o mais rapidamente possível. Há também falta de educação e civismo porque grande parte da deterioração não é económica, mas social. As duas estão ligadas. Se há corrupção, há injustiça; e onde há injustiça, não há paz. 

Como pensa que a corrupção pode ser superada no país?

A esperança é essencial. Quando se cai no desespero, perde-se a energia para fazer algo para mudar a situação, especialmente quando se está a sofrer. Mas se tivermos esperança de que as coisas possam melhorar um dia, a coragem e a valentia vêm a seguir. Não nos podemos deixar vencer pelo desespero, pelo mal. Temos de confiar no Senhor, caso contrário poderíamos pensar, porquê fazer o bem se o resto do mundo está a fazer o mal? Mas temos de trabalhar para fazer o bem, e o Senhor fará o resto. 

Quais são, na sua opinião, os principais frutos da visita do Papa em 2019?

O Papa veio para dar esperança. Muitas pessoas vêm pedir-me conselhos sobre o que fazer com a sua vida e com a situação no país. A visita do Papa reforçou o desejo do povo de enfrentar os seus desafios diários. No meu caso, ajudou-me a fortalecer o meu compromisso em trabalhar para o bem. Habituámo-nos à fé. É fácil habituarmo-nos a ir à Missa, por exemplo. Mas é crucial compreender o que significa ser verdadeiramente cristão. É preciso estar plenamente convencido da própria fé, descobrir a necessidade de rezar, de entrar em contacto com o Senhor, com Deus. A nossa fé tem de ir mais longe do que estamos habituados, temos de descobrir de como precisamos realmente da fé. A visita do Papa foi um estímulo para reavivar a nossa esperança. 

A população é geralmente muito pobre. Além disso, o país tem sido atingido por várias catástrofes naturais nos últimos anos. Como é que isto tem afectado a missão pastoral da Igreja?

Estas catástrofes, os ciclones, as cheias, sem dúvida que agravaram a pobreza da população. É algo que nos tem preocupado a todos. Contudo, temos procurado trabalhar em equipa, as dioceses que não foram muito afectadas têm apoiado as que mais sofreram com estas catástrofes. Nestas circunstâncias, temos vivido a solidariedade e o amor. 

Outros países africanos têm sofrido com a violência perpetrada em nome da religião. Isso também aconteceu em Madagáscar?

Não temos tido qualquer violência religiosa no nosso país. Houve um aumento na construção de mesquitas em vários lugares, mas a relação entre Cristãos e Muçulmanos é boa, não há violência, não há ódio, vivemos juntos. Contudo, não sabemos o que poderá acontecer se o número de muçulmanos no país continuar a aumentar. Os extremistas podem vir de outros lugares, como tem acontecido noutros países africanos, onde tem havido casos de violência contra cristãos. 

(Com AIS)

Tags:
ÁfricaPerseguiçãoViolência
Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • Aleteia é publicada diariamente em sete idiomas: inglês, francês,  italiano, espanhol, português, polonês e esloveno
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

PT300x250.gif
Top 10
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia