Aleteia logoAleteia logoAleteia
Domingo 02 Outubro |
Santos Anjos da Guarda          
Aleteia logo
Atualidade
separateurCreated with Sketch.

Nigéria sob ataque de terroristas: Arcebispo lamenta insegurança e desigualdade

IGNATIUS AYAU KAIGAMA

François-Régis Salefran | Wikipedia CC by SA 4.0

Reportagem local - publicado em 21/08/22 - atualizado em 18/08/22

Uma série de ataques terroristas na capital da Nigéria colocou a população com os nervos à flor da pele e levou o país à beira da catástrofe

Com as ações violentas que agora ocorrem em Abuja e nos arredores, o Arcebispo Ignatius Kaigama avalia a situação como muito grave e acusa os políticos de estarem distantes do povo.

Uma série de ataques terroristas na capital da Nigéria colocou a população com os nervos à flor da pele e levou o país à beira da catástrofe, segundo o Arcebispo de Abuja, D. Ignatius Kaigama, que falou à organização internacional Ajuda à Igreja que Sofre (AIS).

Recentemente, os terroristas atacaram uma prisão situada perto do aeroporto internacional, libertando os principais membros do Boko Haram, e um posto de controlo militar nos arredores da cidade, matando um número desconhecido de soldados. “Mais preocupante foi o ataque às tropas da Brigada dos 7 Guardas, que faz a segurança à Villa Presidencial e ao Território da Capital Federal, emboscados durante a patrulha”, diz o Arcebispo Kaigama. 

“Abuja é a capital e deveria ser o lugar mais seguro para viver. É aqui que vive o presidente, nunca pensámos que isto pudesse acontecer em Abuja. Não temos a certeza do que poderá acontecer a seguir, quando ou de onde os atacantes podem vir, porque eles podem fazer qualquer coisa. A situação é muito grave.”

“Foi tudo muito bem organizado; não é algo que aconteça por acaso. Há alguns anos, houve ataques bombistas. Mas nunca houve uma ameaça realmente grave, como aquela à que estamos a assistir agora”, adverte o arcebispo.

Os políticos não se importam

“No próximo ano haverá eleições e as pessoas querem poder, fazem tudo o que podem para o obter”, sublinha. O medo e a frustração popular estão ao rubro, diz o líder católico, e são agravados pelo facto de os políticos parecerem não estar dispostos a fazer nada para remediar a situação. “Poderíamos pensar que, como resultado do agravamento da situação de segurança, senadores e representantes na Assembleia Nacional estariam ansiosamente à procura de soluções para os problemas, mas em vez disso fizeram uma pausa de seis semanas. Depois dos ataques foram-se embora, na semana passada”, explica o Arcebispo Kaigama. 

Mas mesmo quando estão presentes, o arcebispo queixa-se de que os políticos dificilmente estão acessíveis. “Eles recebem o seu salário, os seus privilégios, mas estão menos preocupados com o bem-estar geral do povo. Desde que cheguei a Abuja como arcebispo, tenho estado em quase todas as aldeias, mas quando digo os nomes, os políticos ou líderes políticos parecem não os conhecer. E poderíamos pensar que eles viriam perguntar-nos o que descobrimos, onde fomos, o que vimos. Mas não. Eles não estão disponíveis. Dizem que estão ocupados. As pessoas estão a sofrer, mas os líderes simplesmente preocupam-se mais com o seu bem-estar pessoal e os privilégios oficiais. Espero que as próximas eleições sejam livres, justas e transparentes, e que nos tragam líderes desinteressados, voltados para as pessoas e capazes de um diálogo genuíno”, diz o arcebispo à Fundação AIS.

Perseguição

Questionado pela Fundação AIS sobre a situação dos Cristãos no país e as alegações de que a perseguição está a aumentar, o Arcebispo Kaigama responde com cautela. “Não podemos generalizar dizendo simplesmente que os Cristãos são perseguidos, porque no partido do Governo há cristãos. Mas a perseguição não consiste apenas em matar pessoas com facas, trata-se de manipular a situação em favor de um grupo”.

“Há uma perseguição subtil, que é ainda mais perigosa. É feita de tal forma que não se pode dizer que eles estão realmente a matar cristãos, eles não os afastaram, mas pela forma como o Governo continua a agir temos a certeza de que os Cristãos não são favorecidos. Não há igualdade. Somos um país em que há, mais ou menos, o mesmo número de Cristãos e Muçulmanos, pelo que deveria haver uma distribuição equitativa de recursos, de oportunidades, e as pessoas deveriam sentir-se incluídas em cargos políticos, económicos ou de segurança nevrálgicos.”

Um exemplo óbvio é a recente decisão do partido no poder de desafiar a convenção e apresentar apenas candidatos muçulmanos para as eleições presidenciais do próximo ano. O Arcebispo Kaigama reage com incredulidade: “Em todo o Norte, não conseguiram encontrar um cristão qualificado para ser vice-presidente?”

Na esperança de eleições justas

Embora o arcebispo esteja céptico de que o partido no poder permita que a votação de 2023 seja justa, a Igreja tem vindo a animar todos a registar-se e a tentar mudar o país através das urnas. O pior que pode acontecer, acrescenta, é que o partido no poder use a violência e a instabilidade como desculpa para adiar as eleições indefinidamente. 

“É importante que as eleições se realizem. Estamos a aguardar as eleições e esperamos que sejam credíveis, porque no passado manipularam-nas, mas garantiram-nos que os votos irão contar, e é por isso que mesmo nas igrejas estamos a dizer às pessoas que se registem para votar. Eu fi-lo e pedi a todos que o fizessem, e penso que os jovens estão ansiosos. Estão muito zangados com o que está a acontecer e querem realmente uma mudança.”

Nesta situação, o optimismo que caracteriza os Nigerianos está a ser testado, mas não morre. “Os Nigerianos são muito optimistas, acreditamos sempre que amanhã será melhor e que, aconteça o que acontecer, nada irá desintegrar a nação. Sofremos, mas sorrimos ao mesmo tempo. Sofremos e sorrimos, caso contrário a vida seria terrível.”

(Com AIS)

Tags:
PerseguiçãoTerrorismoViolência
Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • Aleteia é publicada diariamente em sete idiomas: inglês, francês,  italiano, espanhol, português, polonês e esloveno
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

PT300x250.gif
Oração do dia
Festividade do dia





Envie suas intenções de oração à nossa rede de mosteiros


Top 10
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia