Aleteia logoAleteia logoAleteia
Segunda-feira 03 Outubro |
Santos André de Soveral, Ambrósio Francisco Ferro, Mateus Mo...
Aleteia logo
Religião
separateurCreated with Sketch.

Direto do Vaticano: Povo ucraniano sofre “crueldade imensa”, diz Papa

Este artigo é exclusivo para os membros de Aleteia Premium
UCRAINA, CROCE, EDIFICIO BOMBARDATO

Skoles | Shutterstock

I.Media para Aleteia - publicado em 22/08/22

Importante: seu Boletim Direto do Vaticano de 22 de agosto

  • O povo ucraniano está a sofrer “crueldade imensa”, diz o Papa
  • O Cardeal Marc Ouellet “nega firmemente ter feito quaisquer gestos inapropriados”
  • Bispo Filipe Neri Ferrão, o primeiro cardeal na história de Goa

O povo ucraniano está a sofrer “crueldade imensa”, diz o Papa

Por Hugues Lefèvre: Quase seis meses após o início da invasão russa à Ucrânia, o pontífice trouxe uma vez mais a Ucrânia às suas orações, perante 12.000 fiéis reunidos na Praça de São Pedro. “Persistimos na proximidade e na oração pelo querido povo ucraniano, que sofre uma crueldade imensa”, disse o Papa Francisco para encerrar os seus apelos à margem do Angelus a 21 de Agosto.

Francisco usa agora quase todas as aparições públicas para dirigir um pensamento à Ucrânia. Esta semana, durante a audiência geral de quarta-feira, 17 de Agosto, pediu aos cristãos para não esquecerem “este povo martirizado”. Por ocasião do Angelus de 15 de Agosto, sugeriu a todos que fossem a um santuário mariano para rezar pela paz, especialmente na Ucrânia.

Enquanto o Papa Francisco deverá visitar o Cazaquistão a 14 e 15 de Setembro e provavelmente encontrar-se-á com o Patriarca russo Kirill, nenhuma informação foi oficializada sobre uma possível viagem do Papa à Ucrânia – um desejo por ele expresso em numerosas ocasiões. A 12 de Agosto, o Papa Francisco e o Presidente Volodymyr Zelensky falaram por telefone, a terceira chamada desde o início da invasão russa.


O Cardeal Marc Ouellet “nega firmemente ter feito quaisquer gestos inapropriados”

O Vaticano afirmou, numa declaração publicada a 19 de Agosto, que o Cardeal Ouellet, ex-arcebispo de Quebec, estava preparado para colaborar com uma investigação civil no Canadá, caso essa fosse lançada. A declaração do prefeito do dicastério para bispos segue-se à apresentação de um processo de ação coletiva no Canadá a 16 de Agosto acusando-o de assédio sexual.

“Tendo tomado conhecimento das falsas acusações feitas contra mim pela queixosa (F.), nego firmemente ter feito quaisquer gestos inadequados em relação a ela e considero a interpretação e divulgação destas alegações como difamação”, disse o antigo Arcebispo do Quebec de 2002 a 2010 na declaração, que foi divulgada em francês e italiano.

Uma ação envolvendo 101 supostas vítimas

“Se for aberta uma investigação civil, participarei ativamente nela para que a verdade seja estabelecida e a minha inocência reconhecida”, conclui, enquanto que uma ação coletiva autorizada pelo Tribunal Superior de Quebec em Maio foi apresentada a 16 de Agosto. Esta ação reúne 101 alegadas vítimas que confiaram ter sido assediadas por cerca de 88 padres ou pessoas da diocese entre 1940 e hoje.

Uma das alegadas vítimas, conhecida como “F”, afirma que o Cardeal Ouellet fez gestos inapropriados para com ela entre 2008 e 2010 enquanto fazia um estágio como agente pastoral. Ele supostamente massajou-lhe os ombros e numa ocasião “deslizou a mão” pelas costas “até às nádegas”.

Na quinta-feira, menos de 48 horas após o caso ter sido tornado público, o Papa Francisco anunciou através do seu gabinete de imprensa que “não havia elementos suficientes para abrir uma investigação canónica por assédio sexual contra o Cardeal Ouellet”. Ao tomar esta decisão, o pontífice baseou-se nas conclusões de uma investigação que tinha confiado ao Padre Jacques Servais no início de 2021, bem como em “outras consultas relevantes”.

Nenhuma investigação canónica

Esta declaração do Papa provocou críticas do outro lado do Atlântico. O advogado responsável pela ação coletiva contra a diocese de Quebec disse ter sentido uma “óbvia tentativa de encobrir” as acusações contra o Cardeal Ouellet, informou a Radio Canada. Algumas vozes têm apontado para a possível proximidade entre o cardeal canadense e o padre Jacques Servais. Uma proximidade que, como defende o jornal canadense Présence, não respeitaria formalmente o Motu proprio Vos estis lux mundi, promulgado pelo Vaticano em 2019 e que prevê que o investigador não tenha conflitos de interesses.

Se um procedimento canónico não for aberto, o caso deve continuar na justiça civil canadense, asseguram os advogados. “Eles [a diocese] queriam negociar um acordo. Com isso, não vão querer negociar mais. É perfeito. O Cardeal Ouellet estará [no banco das testemunhas] em algum momento, e será bom para mim interrogá-lo”, disse Arsenault ao Journal de Quebec, dizendo que o depoimento do Papa lhe deu munições.


Bispo Filipe Neri Ferrão, o primeiro cardeal na história de Goa

Por Anna Kurian: Até o consistório de 27 de Agosto, a agência I.MEDIA de Roma está a oferecer retratos dos vários cardeais eleitores que serão criados pelo Papa Francisco na Basílica de São Pedro. O destaque hoje vai para o arcebispo Filipe Neri António Sebastião do Rosário Ferrão, o primeiro arcebispo da história da arquidiocese de Goa e Damão a ser elevado ao cardinalato. Esta nomeação é tanto mais notável quando se vê que a Arquidiocese de Goa, criada em 1557, foi o centro a partir do qual a fé cristã irradiou na Índia e mais amplamente no continente asiático.

Foi em Goa, no Mar Arábico, que o missionário jesuíta Francisco Xavier (1506-1552) desembarcou e é aqui que os restos mortais deste grande evangelizador da Índia e do Japão descansam na Basílica do Bom Jesus. Hoje, 465 anos após a criação da diocese sob colónia portuguesa, Goa irá celebrar o seu primeiro ‘Príncipe da Igreja’. “Esta é uma grande notícia […] porque a nossa arquidiocese é uma das mais antigas do Oriente”, disse o Padre Aleixo Menezes, reitor do Seminário Rachol, entrevistado pelo jornal Herald Goa.

Para o artista católico indiano Agnelo Fernandes, entrevistado pelo mesmo jornal, o futuro cardeal é uma pessoa “muito acessível aos fiéis”. O pastor, que é considerado discreto, não fez nenhuma declaração pública sobre a sua nomeação.

Patriarca das Índias Orientais

Dom Filipe Neri António Sebastião do Rosário Ferrão, 59 anos, nasceu a 20 de Janeiro de 1953 em Aldona, na arquidiocese de Goa. Depois de estudar teologia, foi ordenado sacerdote a 28 de Outubro de 1979, aos 26 anos de idade. Especializou-se depois em teologia bíblica na Universidade Urbaniana de Roma, e em catequese e trabalho pastoral no Centro Internacional Lumen Vitae da Universidade Católica de Lovaina, Bélgica.

A 20 de Dezembro de 1993, João Paulo II nomeou-o Bispo Auxiliar de Goa. Foi ordenado bispo a 10 de Abril de 1994 na sua diocese de origem, escolhendo como lema episcopal “Que possam ser um” (João 17,21). A nível da Conferência Episcopal de Rito Latino da Índia, presidiu à Comissão para os Leigos; e tem estado envolvido nos temas da justiça e do desenvolvimento. Fez também parte da equipe responsável pela visita apostólica solicitada pela Santa Sé aos seminários e institutos de formação na Índia em 1998-1999.

A 25 de Novembro de 2006, foi nomeado Arcebispo Metropolitano de Goa e Damão pelo Papa Bento XVI, recebendo assim o tradicional título honorário de “Patriarca das Índias Orientais” e Primaz da Índia. O Bispo Filipe Neri Ferrão fala Konkani – a língua de mais de 2 milhões de pessoas na costa ocidental da península da Índia -, inglês, português, italiano, francês e alemão.

Num país com uma grande maioria hindu (mais de 80%), D. Filipe Neri Ferrão é pastor de uma das poucas ilhas católicas. Goa tem um quarto das pessoas batizadas. Ao longo dos anos, o prelado tem repercutido em várias ocasiões denunciando a corrupção dos políticos e oferecendo chaves de votação – sem nomear um candidato – aos cidadãos católicos.

Símbolo de reconciliação entre Goa e Roma

Para Jason Keith Fernandes, pesquisador do Centro de Investigação Antropológica em Lisboa (ISCTE), o cardinalato é “um momento de orgulho para Goa, pois é mais um reconhecimento do trabalho árduo que os Goanos têm desenvolvido ao longo dos séculos para evangelizar grandes partes do subcontinente. Embora um dos antecessores de Filipe Neri Ferrão em Goa, José da Costa Nunes, fosse também um cardeal, recebeu o título em 1962, depois de já ter deixado o seu cargo de arcebispo há cerca de dez anos.

Esta nomeação põe também fim “às amargas experiências do conflito entre a Propaganda Fide e o Padroado”, diz o perito ao Diário de Noticias. Embora o império colonial português tivesse obtido de Roma a prerrogativa de missões em terras indígenas, o seu declínio nos séculos XVII e XVIII levou a uma diminuição do número de missionários. Para satisfazer as suas necessidades, a Santa Sé começou a enviar os seus próprios missionários independentes de Portugal, e nomeou vigários apostólicos. Conflitos de jurisdição surgiram em alguns lugares, levando a uma divisão das Igrejas entre o “Padroado” – do lado português – e a Propaganda Fide – o antigo dicastério dedicado à evangelização.

Em 1838, o Papa Gregório XVI suprimiu todas as dioceses portuguesas, exceto Goa, com a bula apostólica “Multa praeclare”. Décadas mais tarde, em 1886, a bula “Humanae Salutatis Auctor”, de Leão XIII, deu origem a um acordo sobre as respectivas jurisdições e estabeleceu a hierarquia eclesial indiana. Supostamente reduto dos portugueses e herdeira deste conflito histórico, a Sé de Goa nunca teve o seu cardeal… até hoje.

Juntamente com o segundo cardeal indiano a ser criado a 27 de Agosto, o Arcebispo Anthony Poola de Hyderabad, Arcebispo Filipe Neri Ferrão, juntar-se-á aos três cardeais indianos com menos de 80 anos – Baselios Cleemis Thottunkal, George Alencherry e Oswald Gracias – elevando para cinco o número de eleitores indianos no Colégio de Cardeais.

Este artigo é exclusivo para os membros Aleteia Premium

Já é membro(a)? Por favor,

Grátis! - Sem compromisso
Você pode cancelar a qualquer momento

1.

Acesso ilimitado ao conteúdo Premium de Aleteia

2.

Acesso exclusivo à nossa rede de centenas de mosteiros que irão rezar por suas intenções

3.

Acesso exclusivo ao boletim Direto do Vaticano

4.

Acesso exclusivo à nossa Resenha de Imprensa internacional

5.

Acesso exclusivo à nova área de comentários

6.

Anúncios limitados

Apoie o jornalismo que promove os valores católicos
Apoie o jornalismo que promove os valores católicos
Tags:
CardeaisDireto do VaticanoGuerraPapa Francisco
Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • Aleteia é publicada diariamente em sete idiomas: inglês, francês,  italiano, espanhol, português, polonês e esloveno
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

PT300x250.gif
Oração do dia
Festividade do dia





Envie suas intenções de oração à nossa rede de mosteiros


Top 10
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia