Aleteia logoAleteia logoAleteia
Terça-feira 04 Outubro |
Aleteia logo
Atualidade
separateurCreated with Sketch.

Papa Francisco acompanha com “preocupação e tristeza” a situação da Nicarágua

Este artigo é exclusivo para os membros de Aleteia Premium
POPE-FRANCIS-AUDIENCE

Antoine Mekary | ALETEIA

Ricardo Sanches - Ary Waldir Ramos Díaz - publicado em 22/08/22 - atualizado em 22/08/22

O Santo Padre afirmou que tem esperança de que, através do diálogo, se possam encontrar "bases para uma convivência respeitosa e pacífica" no país; organizações internacionais condenaram a repressão aos membros da Igreja na Nicarágua

O Papa Francisco afirmou após a oração do Angelus deste domingo, 21 de agosto de 2022, que acompanha com preocupação e tristeza a situação da Nicarágua, onde a Igreja tem sido alvo de perseguição por parte da ditadura de Daniel Ortega.

Afirmou o pontífice:

O Papa Francisco, de fato, vinha sendo injustamente criticado por católicos e não-católicos por seu silêncio sobre a situação na Nicarágua.

“Silêncio papal não significa inatividade”

A Aleteia conversou com o professor Rodrigo Guerra López, secretário da Comissão Pontifícia para a América Latina. Ele faz parte do grupo de personalidades, incluindo o cardeal nicaraguense e arcebispo de Manágua, Leopoldo Brenes, que buscam encontrar uma solução para o caso de Dom Rolando Álvarez.

Dom Rolando, que é bispo de Matagalpa e forte crítico de Ortega, permaneceu preso e vigiado pela polícia na cúria episcopal durante 15 dias. Na última sexta-feira, 19, ele foi retirado do local pela polícia e levado para Manágua, a capital do país, onde permanece em prisão domiciliar. Os sacerdotes e leigos que estavam com ele tiveram como destino o presídio “El Chipote”, para onde são levados os opositores da ditadura.

O secretário falou sobre o silêncio temporário do Papa neste caso:

“Um silêncio papal não significa inatividade ou falta de decisão, não, nada disso; significa que eles estão trabalhando em outros planos. E no momento que o Santo Padre achar conveniente, é claro, ele terá uma intervenção”, assegurou López.

O professor acrescentou: “O silêncio orante do Papa nunca é um silêncio apático, mas sim o silêncio de um pastor que zela pelo seu povo diante das posições ideológicas”.

A diplomacia da Santa Sé

O secretário também explicou que a Santa Sé trabalha nestes cenários de “situações complicadas” de forma concreta. “Na Nicarágua não há núncio apostólico, mas a operação diplomática com seu equivalente está em andamento através do cardeal Brenes e algumas outras pessoas, inclusive eu. Estamos no negócio”, afirmou.

Pesar palavras e gestos, de fato, é um dilema difícil para a Santa Sé e a Igreja na América Latina. “Nesse tipo de tensão também há grupos que se polarizam e acreditam que a coragem se identifica com hiperproeminência e exaltação. E não é assim. Aqui é preciso, sobretudo, se preocupar para que o povo não seja sacrificado ou prejudicado. E uma declaração exaltada nesses contextos pode facilmente levar a consequências indesejáveis”, explicou López.

Organizações internacionais condenam perseguição na Nicarágua

O secretário-geral da ONU, Antonio Guterres, afirmou que “está muito preocupado com a grave obstrução do espaço democrático e cívico na Nicarágua e pelas recentes ações contra organizações da sociedade civil, incluindo as da Igreja Católica”. A informação foi dada pelo porta-voz na Organização das Nações Unidas, Farhan Haq.

Guterres reiterou seu apelo ao governo de Daniel Ortega para garantir “a proteção dos direitos humanos de todos os cidadãos, em particular os direitos universais de reunião pacífica, liberdade de associação, pensamento, consciência e religião”. O secretário também pediu a libertação de todas as pessoas presas arbitrariamente.

Da mesma forma, a Comissão Interamericana de Direitos Humanos (CIDH), órgão autônomo da Organização dos Estados Americanos (OEA), condenou “a escalada na repressão contra membros da Igreja Católica na Nicarágua e exorta o Estado a cessar imediatamente esses atos”.

Conferências episcopais de vários países também se solidarizaram com os católicos da Nicarágua.

Este artigo é exclusivo para os membros Aleteia Premium

Já é membro(a)? Por favor,

Grátis! - Sem compromisso
Você pode cancelar a qualquer momento

1.

Acesso ilimitado ao conteúdo Premium de Aleteia

2.

Acesso exclusivo à nossa rede de centenas de mosteiros que irão rezar por suas intenções

3.

Acesso exclusivo ao boletim Direto do Vaticano

4.

Acesso exclusivo à nossa Resenha de Imprensa internacional

5.

Acesso exclusivo à nova área de comentários

6.

Anúncios limitados

Apoie o jornalismo que promove os valores católicos
Apoie o jornalismo que promove os valores católicos
Tags:
ditaduraIgrejaNicaráguaPapa FranciscoPerseguição
Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • Aleteia é publicada diariamente em sete idiomas: inglês, francês,  italiano, espanhol, português, polonês e esloveno
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

PT300x250.gif
Top 10
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia