Aleteia logoAleteia logoAleteia
Segunda-feira 26 Setembro |
São Cosme e São Damião
Aleteia logo
Em foco
separateurCreated with Sketch.

7 questões para entender a situação atual da Igreja na Nicarágua

Este artigo é exclusivo para os membros de Aleteia Premium
WEB3-NICARAGUA-POLICE-NUN-FATHER-01-Facebook-arquidiocesisdemanagua.jpg

Jaime Septién - publicado em 24/08/22

A perseguição à Igreja aumentou no país nas últimas duas semanas, quando houve prisão de padres e um bipo

Infelizmente, a Nicarágua passou a fazer parte do grupo de nações que perseguem a Igreja Católica; um grupo que tem entre seus membros: Rússia, Coreia do Norte, Cuba e, claro, China.

Mas o que levou um país – cuja confissão cristã majoritária é católica – a se envolver nessa perseguição à Igreja e seus ministros e aos religiosos e leigos que professam o catolicismo?

Eis abaixo sete questões que vão nos ajudar a entender essa perseguição à Igreja na Nicarágua.

1A chegada do sandinismo ao poder

Em 1979, após muitos anos de luta, a Frente Sandinista de Libertação Nacional (FSLN), um partido de esquerda fundado em 1961, conseguiu derrubar a ditadura de Somoza, que governava o país com mão pesada por várias décadas. O governo dos sandinistas se estendeu até 1990. Grande parte de sua chegada ao poder foi graças ao trabalho mediador da Igreja Católica, então liderada pelo ex-cardeal de Manágua, Miguel Obando y Bravo. A princípio, os sandinistas – com Daniel Ortega à frente – eram próximos da Igreja Católica, mas a ruptura veio quando vários membros do clero (por exemplo, Ernesto Cardenal) foram integrados como ministros ou colaboradores do governo.

Frente Sandinista de Libertação Nacional (FSLN)

2A advertência pública de João Paulo II

Os padres que faziam parte do movimento sandinista foram desqualificados pelo Vaticano. Quando o Papa João Paulo II visitou a Nicarágua pela primeira vez (em março de 1983), dois eventos promoveram ainda mais o distanciamento entre o sandinismo e a Igreja Católica. A advertência pública do Papa João Paulo II a Ernesto Cardenal veio em uma Missa com a participação de muitos fiéis. As pessoas gritavam palavras de ordem em favor do poder popular e da paz, interrompendo a Missa. A certa altura, o Papa respondeu dizendo estas palavras proféticas: “A primeira que quer a paz é a Igreja”. Naquela época, havia expulsões de padres acusados ​​de “terrorismo” e uma atmosfera de hostilidade não declarada contra a Igreja. São João Paulo II lembraria aquela viagem como uma “grande noite escura”.

SANT ANGELO
João Paulo II e Ernesto Cardenal

3A primeira expulsão de um bispo

No poder, os sandinistas quiseram se vingar das posições da Igreja e da repulsa do papado de João Paulo II aos teólogos da libertação, considerando que se tratava de uma oposição à revolução do povo. A perseguição atual ao bispo Rolando Álvarez lembra a perseguição e o exílio a que o regime submeteu o bispo Pablo Vega em 1986. Por meio de uma artimanha (na época não se usava o cerco policial), convidaram o bispo a uma reunião. Quando ele chegou ao local do encontro, prenderam-no e mandaram-no de helicóptero até o outro lado da fronteira com Honduras, onde o religiosos permaneceu exilado por “traição à pátria”.

4O sandinismo fora do poder

De 1990 (primeiras eleições democráticas) até 2006, Daniel Ortega e seu partido ficaram fora do poder e mantiveram a linha de oposição. Eles empreenderam três tentativas frustradas de voltar ao poder. Durante esse tempo, ciente do prestígio da Igreja Católica junto à população nicaraguense, Ortega tentou conquistá-la. Tanto que foi o próprio Cardeal Obando y Bravo quem oficiou a missa católica de casamento de Ortega e Rosario Murillo, que viviam juntos há 25 anos. Ortega, inclusive, se desculpou pelos “erros e abusos contra figuras da Igreja no passado”.

Daniel Ortega e Rosario Murillo
Daniel Ortega e Rosario Murillo

5O “viborazo” do cardeal

O ano era 1996 e Ortega buscava retornar ao poder quando ocorreu um fato que marcaria a memória dele e de sua esposa para sempre. Foi durante uma homilia na véspera das eleições, conhecida como “a parábola da víbora” ou “o viborazo”. O cardeal Obando y Bravo advertiu os eleitores que não deveriam acolher uma “víbora moribunda” porque, se ela se recuperasse, mataria seu salvador. Os analistas foram unânimes em declarar que a víbora era Daniel Ortega.

O vencedor foi Arnoldo Alemán, do Partido Liberal Constitucionalista. E só dez anos depois, em 2006, Ortega voltaria ao poder.

6Os primeiros avisos

Os anos de 2006 a 2018 foram anos de crescentes tensões entre o governo Ortega-Murillo e a Igreja Católica. Grande crítico do regime, o bispo auxiliar de Manágua, Silvio José Báez, que agora está exilado em Miami (Flórida, Estados Unidos) a pedido do Papa Francisco, disse em 2011 que a Nicarágua caminhava para um totalitarismo “aberto ou encoberto”.

Vários bispos foram perseguidos, incluindo o bispo de Matagalpa, que sempre se caracterizou por sua oposição ao regime sandinista. De fato, em sua juventude, ele se recusou a prestar o serviço militar “patriótico” ao qual foi “obrigado” pelo governo revolucionário.

NICARAGUA
Silvio José Báez

7O grande desastre

As tensões mais graves entre Ortega-Murillo e a Igreja Católica ocorreram a partir de abril de 2018, quando o governo tentou reformar as leis previdenciárias que desencadearam protestos em todo o país. As cidades de Manágua e Matagalpa concentravam os protestos, que foram violentamente reprimidos pelo governo sandinista e suas forças de segurança, bem como por grupos paramilitares. A Igreja Católica foi a primeira a proteger aqueles que protestaram livremente e tentou mediar um diálogo nacional pela paz, mas não teve sucesso. A resposta de Ortega foi chamar os bispos e padres de terroristas e golpistas, e a de Rosario Murillo, de chamá-los de “demônios de batina”.  

Ditadura da Nicarágua persegue padres e bispos
Dom Rolando Álvarez antes de ficar preso na cúria episcopal.

Este artigo é exclusivo para os membros Aleteia Premium

Já é membro(a)? Por favor,

Grátis! - Sem compromisso
Você pode cancelar a qualquer momento

1.

Acesso ilimitado ao conteúdo Premium de Aleteia

2.

Acesso exclusivo à nossa rede de centenas de mosteiros que irão rezar por suas intenções

3.

Acesso exclusivo ao boletim Direto do Vaticano

4.

Acesso exclusivo à nossa Resenha de Imprensa internacional

5.

Acesso exclusivo à nova área de comentários

6.

Anúncios limitados

Apoie o jornalismo que promove os valores católicos
Apoie o jornalismo que promove os valores católicos
Tags:
ditaduraIgreja CatólicaNicaráguaPerseguição
Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • Aleteia é publicada diariamente em sete idiomas: inglês, francês,  italiano, espanhol, português, polonês e esloveno
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

PT300x250.gif
Oração do dia
Festividade do dia





Envie suas intenções de oração à nossa rede de mosteiros


Top 10
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia