Aleteia logoAleteia logoAleteia
Terça-feira 27 Setembro |
São Vicente de Paulo 
Aleteia logo
Estilo de vida
separateurCreated with Sketch.

Os jogos de status que jogamos… e o mal que isso nos faz

hassan-pasha-7SjEuEF06Zw-unsplash.jpg

Unsplash / Hassan Pasha

Michael Rennier - publicado em 25/08/22

Somos capazes de transformar praticamente tudo, bom ou mau, numa competição em que só se pode vencer. Mas há um problema grave nisso

A nossa casa tornou-se uma ilha de brinquedos desajustados. O porão está repleto de jogos antigos esquecidos, cada um com algumas peças em falta. Lá em cima, as bonecas negligenciadas são empurradas para debaixo das camas das meninas. A garagem é um cemitério de bolas velhas e de projetos semi-acabados.

Ocasionalmente, uma criança redescobre um brinquedo esquecido e começa a brincar com ele. De repente, cada criança na casa precisa brincar com esse brinquedo específico, de imediato. Então, um tenta convencer o outro a partilhar, usando discursos sobre a importância de dividir.

Este fenómeno do brinquedo, outrora esquecido, mas que se amava com afeto, pode ser facilmente associado ao ciúme. No entanto, penso que há um pouco mais do que ciúme. Trata-se de vencer. Quem conseguir o controle do objeto desejado é o vencedor. Os perdedores, ou traçam formas de se tornarem o vencedor, ou as crianças mais espertas tentarão redefinir completamente o jogo.

A minha filha, por exemplo, fingirá que nunca quis aquela boneca de qualquer forma. A outra boneca é muito melhor, e “todos sabem disso”. Assim, o prêmio foi alterado, e agora ambas as crianças com uma boneca afirmarão ser a vencedora, embora nenhuma delas acredite verdadeiramente nisso.

Jogos de status

O meu amigo David Zahl, no Mockingbird, descreve como nós humanos gostamos de jogar esses jogos de status.

“A nossa vizinhança, o número de convites para jantar, o índice de massa corporal, os círculos de influência. Há a marca de sapatos, a escola dos filhos, o automóvel – e, claro, tudo se resume a quem vence.”

Os jogos de status não são apenas um problema para as crianças pequenas.

Considerem as ruas de bairros residenciais dos EUA, por exemplo. Todos os sábados de manhã, os homens saem das suas casas armados até aos dentes com equipamento de manutenção do gramado, preparados para fazer a batalha com o seu paisagismo.

Eles moldam cuidadosamente a relva num campo verde, cortando a grama ao nível perfeito, depois pulverizando cuidadosamente fertilizante e produtos contra ervas daninhas. Depois vão todas para dentro, muitas vezes só voltando a olhar para o gramado no sábado seguinte, quando é altura de voltar a trabalhar nele.

Tal como as luzes de Natal nas fachadas das casas ou o tipo de carro estacionado na garagem – o trato do gramado tornou-se um símbolo de status.

Claro que muitas pessoas adoram jardinagem, ou sentem um genuíno prazer inocente em colocar luzes de Natal kitsch para decorar suas casas. O meu ponto de vista não é que haja uma categoria específica de atividades que sejam más. O meu ponto é que somos capazes de transformar praticamente tudo, bom ou mau, num jogo de status.

Queremos ganhar. Humilhamos o outro por causa de futebol, gabamo-nos de quanto somos voluntários na igreja, e de quantas equipes esportivas os nossos filhos estão a participar. Sei que já o senti mesmo em relação a outros padres, sobre como ministramos, como as nossas missas estão cheias, quantas pessoas nos pedem para falar em eventos, e quem gosta de nós. Quero “ganhar” o jogo de quem os leigos mais gostam.

Um modelo improvável

Ao examinar um vício que transforma até as menores coisas numa competição, pode ser útil considerar a vida e o exemplo de S. Luís, Rei da França. O que poderia ser mais tentador do que ter todo o poder de um rei e jogar jogos de status em um outro nível?

Um rei, de quase todas as perspectivas, é o vencedor. Ele tem a maior fama, dinheiro e poder. O maior número de coisas materiais e relações. Ele pode dominar tanto os nobres como os plebeus, esfregando-lhes o nariz no seu status supremo.

Mas S. Luís fez o oposto.

Ele era conhecido por ser um homem de notável humildade e tranquilidade. Participou frequentemente na Missa, reformou o sistema judicial da França para o tornar mais justo, patrocinou a criação de hospitais, e era geralmente amado como um rei que não exercia o seu poder sobre os seus súditos. Foi um bom pai que ensinou o seu filho a praticar a virtude e a evitar o pecado. Ele apontou ao seu filho o valor de cultivar uma vida espiritual e como amar a Deus é mais importante do que todo o resto.

S. Luís evitou os jogos de status. Se tivesse de adivinhar como ele foi capaz de o fazer, a resposta é bastante simples.

Afinal, o que torna os jogos de status tão sedutores? Bem, nos termos mais simples, todos precisam sentir que valem alguma coisa. Todos nós fazemos a pergunta: Será que sou importante? “Perguntamos” aos nossos entes queridos, e “perguntamos” à sociedade. “Perguntamos” à nossa conta bancária e no nosso trabalho. Afinal, precisamos saber que somos importantes.

Todos queremos saber que temos valor. Os jogos de status são uma forma de tentar criar valor, mas nunca funcionam porque há sempre outro jogo a ser vencido, outro adversário. Até Alexandre o Grande chorou quando viu que não havia mais mundos a conquistar. Ele era dono de um imenso império, mas estava triste porque não era suficiente.

S. Luís procurou o valor pessoal de uma forma completamente diferente. Ele compreendeu que nenhuma vitória neste mundo iria satisfazer, independentemente do jogo. Como ele aconselha o seu filho: “Fixa todo o teu coração em Deus, e ama-O com todas as tuas forças, pois sem isto ninguém pode ser salvo ou ser de qualquer valor”.

Em outras palavras, o nosso valor surge do fato de que Deus nos criou, nos ama, e nos convida a amá-Lo em contrapartida. É um dom divino, não ligado a status, mas gratuito. Deus já nos ajudou a ganhar o jogo.

Tags:
HumildadePecadoSociedadeVirtudes
Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • Aleteia é publicada diariamente em sete idiomas: inglês, francês,  italiano, espanhol, português, polonês e esloveno
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

PT300x250.gif
Oração do dia
Festividade do dia





Envie suas intenções de oração à nossa rede de mosteiros


Top 10
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia