Aleteia logoAleteia logoAleteia
Sábado 01 Outubro |
Santa Teresinha do Menino Jesus
Aleteia logo
Religião
separateurCreated with Sketch.

Direto do Vaticano: O Patriarca Kirill não irá encontrar-se com o Papa no Cazaquistão

Este artigo é exclusivo para os membros de Aleteia Premium
audiencja papieża Franciszka

AP/Associated Press/East News

I.Media para Aleteia - publicado em 26/08/22

Importante: seu Boletim Direto do Vaticano de 26 de agosto de 2022

  • O Patriarca Kirill não irá encontrar-se com o Papa Francisco no Cazaquistão
  • Visita do presidente húngara ao Vaticano centra-se na defesa da família e no tema da guerra na Ucrânia
  • Um ex-refém das FARC, um fã de futebol, um canonista e um bispo a estar entre os cardeais não-eleitorais

O Patriarca Kirill não irá encontrar-se com o Papa Francisco no Cazaquistão

Por Hugues Lefèvre – O Patriarca Kirill, chefe da Igreja Ortodoxa Russa, não viajará ao Cazaquistão para o 7º Congresso de Líderes das Religiões Mundiais e Tradicionais a 14-15 de Setembro, disse o chefe do Departamento dos Negócios Estrangeiros do Patriarcado de Moscovo, o Metropolita Anthony de Volokolamsk, à agência noticiosa russa RIA Novosti a 24 de Agosto. Como resultado, o Patriarca de Moscou não se encontrará com o Papa Francisco, que deverá visitar de 13 a 15 de Setembro.

“Este ano, com a bênção de Sua Santidade o Patriarca Kirill, a Igreja Ortodoxa Russa será representada por uma delegação oficial. Sua Santidade o Patriarca não participará na conferência. Por conseguinte, o seu encontro com o Papa Francisco no Cazaquistão não está previsto”, disse o “ministro dos Negócios Estrangeiros” da Ortodoxia Russa, enquanto que estava previsto um encontro – o segundo desde o de Cuba em 2016 – entre os dois líderes religiosos.

Um encontro esperado pelo Papa Francisco

O Papa Francisco tinha, em Junho passado, expressado o seu desejo de se encontrar com o Patriarca de Moscou por ocasião deste encontro inter-religioso neste Estado que partilha uma longa fronteira com a Rússia. “Espero encontrar-me [Kirill] numa assembleia geral no Cazaquistão em Setembro”, disse aos editores de revistas jesuítas.

Anteriormente, o Papa e o Patriarca russo tinham planejado encontrar-se num mosteiro ortodoxo em Jerusalém, em Junho. Mas a reunião foi finalmente cancelada por acordo mútuo devido ao conflito ucraniano, disse Francisco à Reuters.

À agência RIA Novosti, o Metropolita Anthony de Volokolamsk confirma que estava previsto um encontro, mas que “para nossa grande surpresa, o Vaticano anunciou publicamente que os preparativos para o encontro tinham sido suspensos”. Assegura ainda que “desde então, nenhuma proposta do Vaticano relativa à possível organização de uma reunião noutra altura ou local nos foi oficialmente dirigida”. Considera que tal reunião “deve ser preparada com o maior cuidado, a sua agenda deve ser acordada, o documento resultante deve ser pensado com antecedência”. Segundo ele, não é este o caso hoje em dia.

O aviso de Francisco

O Metropolita Anthony de Volokolamsk não fez qualquer menção ao seu encontro com o Papa Francisco a 8 de Agosto no Vaticano. Apenas uma breve declaração do Patriarcado de Moscou explicou que os dois homens tinham discutido “as relações ortodoxo-católicas, inclusive no contexto dos processos políticos que decorrem no mundo”.

Embora um encontro entre Francisco e Kirill no Cazaquistão nunca tenha sido formalizado, o anúncio feito pelo Metropolita Anthony de Volokolamsk é mais um golpe nas relações entre o Bispo de Roma e o Patriarca de Moscou. Em Maio passado, Francisco avisou Kirill numa entrevista com a imprensa italiana que ele não podia “tornar-se o acólito de Putin”.


Visita da presidente húngara ao Vaticano centra-se na defesa da família e no tema da guerra na Ucrânia

Por Cyprien Viet – A Presidente da Hungria, Katalin Novák, uma católica fervorosa e muito empenhada na defesa da família, foi recebida pelo Papa Francisco na quinta-feira, 25 de Agosto, no Vaticano, de acordo com o Gabinete de Imprensa da Santa Sé. A guerra na Ucrânia e a promoção da vida e da família foram então discutidas durante as suas conversações com o Secretário de Estado da Santa Sé, Cardeal Pietro Parolin, e o Secretário para as Relações com os Estados, Arcebispo Paul Richard Gallagher.

A Secretaria de Estado emitiu uma breve declaração, tal como o protocolo para as visitas dos Chefes de Estado, sobre as “boas relações bilaterais” entre a Hungria e a Santa Sé. Vários “temas de interesse comum” foram discutidos entre o Presidente e os diplomatas papais, incluindo “a família, a promoção da cultura da vida, a juventude e a situação dos cristãos no Médio Oriente”, bem como “a guerra na Ucrânia e o compromisso para com a paz”.

O texto também menciona a viagem apostólica do Papa a Budapeste em Setembro de 2021 por ocasião do 52º Congresso Eucarístico Internacional. O comunicado não menciona a questão do acolhimento de migrantes, dado que as autoridades húngaras não partilham as orientações do Papa Francisco sobre esta questão. No entanto, milhares de refugiados ucranianos foram acolhidos na Hungria desde o início da ofensiva russa a 24 de Fevereiro de 2022.

Como é habitual, no final da sua reunião de 45 minutos, o Papa ofereceu ao Presidente os principais documentos do seu pontificado, bem como uma obra em bronze representando uma criança ajudando outra a levantar-se, com a inscrição “Amare Aiutare” (“Amar Ajudar”). Katalin Novák presenteou-o com uma estola feita à mão, dois CDs de música de Franz Liszt e um livro sobre uma coleção de arte contemporânea inspirada em temas bíblicos.

A Presidente húngara e o catolicismo

Katalin Novák foi eleita para liderar o país da Europa Central em Março e a 10 de Maio de 2022 tornou-se a primeira mulher a exercer a presidência húngara. Membro do mesmo partido de direita do Primeiro-Ministro Viktor Orbán, o Fidesz, tinha sido anteriormente ministro para as questões familiares no seu governo.

Uma católica devota, a jovem mulher de 44 anos, que estudou na França, menciona regularmente a sua fé como uma fonte de motivação para o seu compromisso político. Testemunhou isto no início de Agosto durante uma visita ao Santuário de Fátima, em Portugal. Em preparação do seu encontro com o Papa, encontrou-se também com o Cardeal Péter Erdő, Arcebispo de Esztergom-Budapeste, a 17 de Agosto de 2022. O seu empenho na defesa da família tradicional é um tema de convergência com a Igreja Católica e a Santa Sé.

Tal como na Itália, o gabinete presidencial é essencialmente um gabinete de representação institucional e diplomática. A nível internacional, a Presidente húngara condenou abertamente a ofensiva russa na Ucrânia e restabeleceu laços com a vizinha Polônia ao fazer a sua primeira viagem àquele país, após a posição relativamente conciliatória da Hungria em relação à Rússia ter causado uma crise diplomática entre Budapeste e Varsóvia. Contudo, as principais prerrogativas do poder executivo estão nas mãos do Primeiro-Ministro Viktor Orbán, que foi recebido pelo Papa Francisco a 21 de Abril de 2022.

Hungria, um possível destino futuro para o Papa

Se a sua saúde e agenda o permitirem, o Papa poderá visitar a Hungria nos próximos meses. A sua curta parada em Budapeste em 2021 não foi considerada uma visita oficial à Hungria, mas o Papa Francisco tinha prometido regressar ao país da Europa Central de quase 10 milhões de pessoas durante um período mais longo.

Entrevistada pela televisão pública húngara após a sua visita, a presidente disse ter feito um convite oficial ao Papa e que a Hungria estava pronta a iniciar os preparativos para uma visita apostólica, possivelmente marcada para a Primavera de 2023. Sublinhou também as convergências entre a Hungria e a Santa Sé na busca da paz na Ucrânia. É de notar que o Papa e a Presidente falaram em espanhol, sem um intérprete.

A Hungria continua marcada por um catolicismo robusto, que envolve entre 50 e 60% da população, e permanece relativamente intocada pela crise vocacional e secularização que marca a maioria dos outros países europeus. Para além da sua escala em Budapeste em Setembro de 2021, o Papa também elogiou a piedade popular dos católicos da cultura húngara durante uma missa celebrada a 1 de Junho de 2019 em Sumuleu-Ciuc, lugar de peregrinação da minoria húngara na Roménia.

A hipótese de uma escala na Hungria a caminho da Ucrânia, onde o Papa deseja ir para mostrar a sua proximidade com a população que sofre com a guerra, poderia também constituir um objetivo geograficamente coerente para o Papa, numa viagem que seria então voltada para o tema do acolhimento dos refugiados ucranianos.


Um ex-refém das FARC, um fã de futebol, um canonista e um bispo a estar entre os cardeais não-eleitorais

Por Cyprien Viet – Três bispos eméritos de 80 anos e dois sacerdotes da mesma idade foram chamados a 29 de Maio de 2022 pelo Papa Francisco para se juntarem ao Colégio Sagrado a 27 de Agosto de 2022, juntamente com 16 cardeais eleitores. A 16 de Junho, a renúncia do bispo belga emérito de Gand, Luc Van Looy, acusado de má-gestão de casos de abuso na sua diocese, reduziu para quatro o número de cardeais não-eleitores. I.MEDIA apresenta as carreiras destas personalidades escolhidas pelo Papa pela sua experiência e perícia em assuntos por vezes sensíveis.

Padre Gianfranco Ghirlanda, o canonista para missões delicadas

O canonista jesuíta, nascido em Roma a 5 de Julho de 1942, é um perito reconhecido há várias décadas, e o Vaticano tem recorrido frequentemente aos seus serviços, nomeadamente para a reestruturação dos Legionários de Cristo e a redação da Constituição Apostólica Prædicate Evangelium.

Depois de entrar na Companhia de Jesus em 1966, o Padre Ghirlanda foi ordenado sacerdote em 1973. A sua longa carreira como professor universitário começou em 1975, e ao longo das décadas colocou os seus conhecimentos ao serviço de muitas instituições da Santa Sé. Entre os organismos que recorreram aos seus serviços encontram-se a Congregação para os Institutos de Vida Consagrada e Sociedades de Vida Apostólica, o Pontifício Conselho para os Leigos, a Congregação para a Evangelização dos Povos, o Supremo Tribunal da Signatura Apostólica, o Tribunal de Recurso do Estado da Cidade do Vaticano, a Congregação para a Doutrina da Fé, e o Dicastério para os Leigos, Família e Vida, do qual é membro desde 2018.

Sempre como perito, e portanto sem direito de voto, participou no Sínodo sobre a Vida Consagrada de 1994 e no Sínodo dos Bispos de 2001, do qual foi relator o Cardeal Bergoglio, em substituição do Cardeal Egan, que ficara em Nova Iorque devido aos ataques de 11 de Setembro. Como reitor da Pontifícia Universidade Gregoriana de 2004 a 2010, o Padre Ghirlanda esteve também envolvido numa série de questões sensíveis, incluindo a implementação da Constituição Apostólica Anglicanorum Coetibus, promulgada por Bento XVI em 2009 para permitir a criação de ordinariatos específicos para anglicanos que se tinham juntado a Roma.

Em 2010, participou na investigação sobre os Legionários de Cristo e o movimento Regnum Christi após as revelações de uma série de casos abusos sexuais cometidos pelo seu fundador, o padre Marcial Maciel Degollado, e depois tornou-se Assistente Pontifício dos Legionários de Cristo para supervisionar a reescritura dos estatutos desta congregação. Foi também chamado para questões canónicas relativas à associação de Memores Domini, os leigos consagrados ligados ao movimento Comunhão e Libertação.

Finalmente, o Papa chamou este especialista de Santo Inácio de Loyola para trabalhar em dois projetos essenciais e muito complexos do seu pontificado: a reforma da Carta Constitucional da Ordem de Malta, e a Constituição Apostólica Prædicate Evangelium. Terá, portanto, certamente um papel importante a desempenhar na assembleia de 29 e 30 de Agosto, durante a qual os cardeais são chamados a refletir sobre esta Constituição.

Questionado pelos meios de comunicação social do Vaticano sobre o seu cardinalato, o padre Ghirlanda explicou que não o vê como uma honra, mas como uma responsabilidade para futuras missões, apesar dos seus 80 anos: “É um ato que um jesuíta abraça plenamente em obediência. Não o vemos como um enriquecimento pessoal, mas como um pedido do Papa para um serviço ainda maior do que aquele que tem sido prestado até agora”, disse ele.

Bispo Fortunato Frezza, uma eclética carreira entre as Escrituras, o futebol e o Sínodo

O Bispo Fortunato Frezza, nascido a 6 de Fevereiro de 1942, foi o último sacerdote a ser ordenado em 1966 para a pequena diocese de Bagnoregio, antes da sua fusão com a de Viterbo 20 anos mais tarde. Enquanto serviu como pároco da aldeia de Sipicciano de 1971 a 1984, o Padre Frezza ensinou as Escrituras em várias instituições, incluindo a Pontifícia Universidade Gregoriana.

Trabalhou para a Secretaria Geral do Sínodo de 1983 em diante, tornando-se Subsecretário deste órgão de 1997 a 2014. Acompanhou assim a evolução do Sínodo sob três pontificados: os de João Paulo II, Bento XVI, e finalmente Francisco no seu início.

Em 2013, tornou-se um cânone da Basílica de São Pedro e camerlengus do Capítulo em 2022. É também mestre de cerimónias da Ordem do Santo Sepulcro desde 2015. Após o anúncio do seu cardinalato, apesar da sua idade de 80 anos, foi ordenado bispo em São Pedro na presença do Cardeal Baldisseri, cujo adjunto tinha estado na Secretaria Geral do Sínodo.

Entre as paixões ecléticas do novo cardeal: o canto gregoriano, Santa Ângela de Foligno, mas também o futebol. Um antigo goleiro, Fortunato Frezza foi até capelão do AS Roma, um dos dois grandes clubes de Roma e rival do Lazio, de 1986 a 2011. Frezza acompanhou a equipe durante a época 2000-2001, o que os levou a ganhar o campeonato italiano, com o campeão mundial francês Vincent Candela e, claro, a estrela do futebol italiano Francesco Totti.

Bispo Arrigo Miglio, um bispo ao serviço dos trabalhadores, do Vale de Aosta à Sardenha

Dom Arrigo Miglio, que foi Arcebispo de Cagliari de 2012 a 2019, deu as boas-vindas ao Papa Francisco à capital da Sardenha a 22 de Setembro de 2013. Esta peregrinação, que foi uma das primeiras viagens do Papa a Itália, teve um significado histórico particular para o Papa argentino: foram de fato os marinheiros sardenhos que, no século XVI, inspirados pela sua padroeira Nossa Senhora da Bonária, deram o seu nome à capital da Argentina, Buenos Aires.

Nascido a 18 de Julho de 1942 perto de Ivrea, num território que se junta ao Vale de Aosta francófono com a região de Turim, Arrigo Miglio foi ordenado sacerdote em 1967 para a sua diocese, onde ocupou vários cargos na paróquia e depois como Vigário Geral.

Como padre, dirigiu várias instituições, incluindo a Casa Alpina Gino-Pistoni, com o nome de um combatente da Resistência, em Gressoney-Saint-Jean, um município peculiar por ser um enclave de língua alemã: apesar do seu nome com uma conotação francesa, a língua falada pelos habitantes é Greschòneytitsch, um dialeto derivado do alemão.

Mais tarde, enquanto era capelão nacional dos Escoteiros e Guias de Itália, foi nomeado em 1992 por João Paulo II bispo de Iglesias, uma diocese da Sardenha, onde trabalhou em particular para os trabalhadores das minas de carvão. Regressou então à sua diocese natal, tornando-se Bispo de Ivrea de 1999 a 2012, período durante o qual foi responsável pelas questões sociais no seio do episcopado italiano. Bento XVI nomeou-o então Arcebispo de Cagliari em 2012.

A capital sardenha não é tradicionalmente considerada uma sede cardinalícia, mas dois dos seus predecessores recentes também tinham sido elevados à púrpura: o Cardeal Sebastiano Baggio foi nomeado Arcebispo de Cagliari em 1969, pouco depois de ter sido incorporado no Colégio Sagrado por Paulo VI; e o Cardeal Giovanni Canestri, criado cardeal como Arcebispo de Génova em 1988, já tinha servido como Arcebispo de Cagliari durante três anos.

Arcebispo Jorge Jiménez Carvajal, um antigo refém das FARC na Colômbia

Nascido a 29 de Março de 1942 em Bucaramanga, Colômbia, o Arcebispo Emérito de Cartagena é um religioso da Companhia de Jesus e Maria, uma sociedade de vida apostólica fundada pelo francês São João Eudes em 1643. Depois de ter recebido formação em ciências sociais no Chile, o religioso eudista foi ordenado sacerdote em 1967 e foi responsável pela formação em seminários e pela divulgação da doutrina social no seio da Conferência Episcopal Colombiana nos anos 70.

Em 1979 tornou-se diretor de estudos no Instituto Teológico-Pastoral do Conselho Episcopal Latino-Americano (CELAM) em Medellín durante nove anos, e ensinou em Lovaina (Bélgica), Madri (Espanha) e Verona (Itália) para a preparação de missionários enviados para a América Latina. Em 1988, tornou-se Provincial Eudista da Colômbia, assumindo também o cargo de secretário-geral da Confederação Latino-Americana de Religiosos, por nomeação de João Paulo II.

Em 1992, o Papa polonês nomeou-o Bispo de Zipaquirà, cargo que ocupou em simultâneo com o de Secretário Geral do CELAM de 1995 a 1999 e, finalmente, Presidente da mesma organização de 1999 a 2003. Nesta qualidade, participou no Sínodo dos Bispos de 2001, do qual o Cardeal Bergoglio, futuro Papa Francisco, foi o relator.

Em 2002 – o ano em que a senadora franco-colombiana Ingrid Betancourt também foi raptada – foi feito refém pelas FARC durante uma semana. Durante a audiência geral na quarta-feira 13 de Novembro de 2002, João Paulo II apelou à sua libertação, que foi finalmente conseguida através de uma operação militar.

Em 2005, após alguns meses como coadjutor, tornou-se Arcebispo de Cartagena, o grande porto no norte da Colômbia, na costa do Caribe, onde uma grande parte da população é de origem africana. Por nomeação pessoal de Bento XVI, participou no Sínodo sobre África 2009, realizado no Vaticano.

O seu episcopado em Cartagena foi marcado pela visita do Papa Francisco a 10 de Setembro de 2017, durante a qual o pontífice inaugurou um lar para os sem abrigo e celebrou uma missa na zona portuária. A emoção do Bispo Jiménez Carvajal durante a ação de graças no final da missa foi particularmente forte e mostrou a sua profunda ligação com o primeiro papa latino-americano.

O Arcebispo Jiménez Carvajal deixou o seu cargo de Arcebispo de Cartagena em 2021, aos 79 anos de idade, após 29 anos como bispo.

Este artigo é exclusivo para os membros Aleteia Premium

Já é membro(a)? Por favor,

Grátis! - Sem compromisso
Você pode cancelar a qualquer momento

1.

Acesso ilimitado ao conteúdo Premium de Aleteia

2.

Acesso exclusivo à nossa rede de centenas de mosteiros que irão rezar por suas intenções

3.

Acesso exclusivo ao boletim Direto do Vaticano

4.

Acesso exclusivo à nossa Resenha de Imprensa internacional

5.

Acesso exclusivo à nova área de comentários

6.

Anúncios limitados

Apoie o jornalismo que promove os valores católicos
Apoie o jornalismo que promove os valores católicos
Tags:
Direto do VaticanoGuerraRússia
Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • Aleteia é publicada diariamente em sete idiomas: inglês, francês,  italiano, espanhol, português, polonês e esloveno
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

PT300x250.gif
Oração do dia
Festividade do dia





Envie suas intenções de oração à nossa rede de mosteiros


Top 10
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia