Aleteia logoAleteia logoAleteia
Domingo 03 Março |
Aleteia logo
Espiritualidade
separateurCreated with Sketch.

Uma receita simples para manter a sua alma sempre em paz

WOMAN WITH DRIED ROSES

Stocksy United

Marzena Devoud - publicado em 26/08/22

Um guia simples para a vida interior: aqui está a receita para manter a serenidade e cultivar bem a alma

Quem nos oferece um guia simples para manter a alma serena é um monge e bispo de Arles, celebrado pela Igreja a 26 de Agosto. Um verdadeiro influenciador cujas homilias ainda inspiram padres pelo mundo.

Nascido perto de Chalon-sur-Saône por volta de 470, Caesarius de Arles tornou-se monge na abadia de Lérins com a idade de 20 anos. Tornou-se bispo de Arles em 503 enquanto continuava a ser um monge.

Nos seus sermões, ele transmitiu com notável talento e personalidade as principais características do pensamento de Santo Agostinho. Tanto que na altura a obra do discípulo foi muitas vezes confundida com a do mestre. Para Caesarius, a principal missão era ensinar.

Inimigo de toda a afetação, ele fala com simplicidade e com vigorosa clareza. Não se preocupa nem com a originalidade nem com o estilo. Como descrito pelo acadêmico Albert Grenier, “sem procurar novidade, contenta-se muitas vezes em repetir o que foi bem dito por outros”.

Caesarius de Arles quis acima de tudo ser compreendido por todos e dirigiu-se particularmente aos humildes: “Se eu quisesse,” disse ele num dos seus sermões, “transmitir-vos as palavras dos Padres tal como são, o alimento do espírito chegaria apenas a poucos e as massas continuariam com fome. Peço, portanto, aos educados que se contentem com uma palavra rústica para que todo o rebanho possa encontrar o seu alimento”.

Este é o coração da sua missão: falar simplesmente do essencial – da serenidade da alma na vida quotidiana. Como se cuida da sua alma? Eis a receita simples de Caesarius de Arles dada num dos seus sermões:

1Retirar as ervas daninhas e plantar boas sementes

“O cuidado da nossa alma, queridos irmãos, é de todos os modos semelhante ao cultivo do solo. Pois tal como nas terras cultivadas, limpamos por um lado e semeamos por outro. Assim, portanto, devemos fazer na nossa alma: desarraigar o que é mau e plantar o que é bom.”

2O campo de Deus e o nosso

“Há dois tipos de campos: um é o campo de Deus, o outro o campo do homem. Tendes o vosso campo, Deus também tem o seu; o vosso campo é a vossa terra; o campo de Deus é a vossa alma. Será que Deus merece de nós que negligenciemos a nossa alma, que Ele tanto ama? Se se alegra quando vê o seu campo cultivado, por que não chora quando vê a sua alma infecunda? Dos campos do nosso domínio temos de viver alguns dias neste mundo; do cultivo da nossa alma teremos de viver infinitamente no Céu; é portanto ali, ou seja, sobre a nossa alma, que temos de gastar sempre o maior zelo”.

3A alma bem cultivada

“Deus dignou-se confiar-nos a nossa alma como seu domínio, de modo que devemos pôr todo o nosso zelo em cultivá-la bem; trabalhemos portanto com todas as nossas forças com a ajuda de Deus, para que quando Deus quiser entrar no seu campo, isto é, na nossa alma, possa encontrá-la totalmente cultivada, totalmente preparada, totalmente ordenada; para que possa encontrar ali uma colheita e não plantas espinhosas; para que possa encontrar ali vinho e não vinagre; trigo em vez de joio.”

(Sermão 4, 4, trans. M.-J. Delage, Sources chrétiennes 175, Cerf, Paris, 1971, pp. 325-329).

Tags:
DeusMeditação
Top 10
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia