Aleteia logoAleteia logoAleteia
Segunda-feira 03 Outubro |
Santos André de Soveral, Ambrósio Francisco Ferro, Mateus Mo...
Aleteia logo
Religião
separateurCreated with Sketch.

Direto do Vaticano: O Papa em L’Aquila • O consistório e os novos cardeais

Este artigo é exclusivo para os membros de Aleteia Premium
000_32H79J4.jpg

AFP

I.Media para Aleteia - publicado em 29/08/22

Importante: o seu Boletim Direto do Vaticano de 29 de agosto de 2022

  1. Em L’Aquila, o Papa Francisco à beira do leito das vítimas do terremoto de 2009
  2. A elevação ao cardinalato de D. Aveline
  3. Homilia do Papa Francisco no Consistório para a criação de novos cardeais

1Em L’Aquila, o Papa Francisco à beira do leito das vítimas do terremoto de 2009

Por Hugues Lefèvre – No dia a seguir ao Consistório durante o qual foram criados 20 cardeais, o Papa Francisco foi a L’Aquila prestar homenagem às vítimas do terremoto de 2009. Num discurso, sublinhou a “resiliência” dos habitantes da cidade e insistiu na importância de reconstruir as igrejas. O Papa Francisco quis fazer esta viagem para expressar a sua “proximidade” às famílias das vítimas do terremoto que devastou a cidade de L’Aquila. A 6 de Abril de 2009, a tragédia matou quase 300 pessoas e deixou cerca de 65.000 desalojados.

O Papa Francisco, que chegou à cidade de Abruzzo de helicóptero por volta das 8.25 da manhã, agradeceu aos habitantes pelo seu testemunho de fé. “Apesar da dor e da confusão, que pertencem à nossa fé como peregrinos, fixastes o vosso olhar em Cristo, crucificado e ressuscitado, que através do seu amor redimiu a dor e a morte da insensatez”. O Bispo de Roma assegurou-lhes então que Deus não permitiu que “uma única lágrima caísse em vão, nem sequer uma! Pelo contrário, ele as tinha reunido no seu coração misericordioso”. “Neste coração estão escritos os nomes dos seus entes queridos, que passaram do tempo para a eternidade”, acrescentou ele. Saindo das suas notas, o Papa confidenciou que tinha recebido recentemente uma carta de um pai que tinha perdido os seus dois filhos adolescentes na catástrofe. “A dor permanece. Belas palavras ajudam; mas a dor permanece”, reconheceu ele, convidando todos a avançarem juntos, como Povo de Deus, para se porem de novo de pé.

Em frente de alguns milhares de habitantes reunidos na Piazza del Duomo, o pontífice felicitou-os por terem erguido uma capela de memorial. “A memória é a força de um povo, e quando esta memória é iluminada pela fé, este povo não permanece prisioneiro do passado”, insistiu ele. Recordando que “tudo tinha de ser reconstruído” após o terremoto, o Papa disse que para além de “casas” ou “escolas”, era também necessário pensar “na reconstrução espiritual, cultural e social da comunidade civil e eclesial”.

Finalmente, sublinhou que a reconstrução das igrejas merecia uma atenção especial. “Eles constituem o património da comunidade, não só no sentido histórico e cultural, mas também no sentido da identidade”, disse ele. Para o pontífice, “estas pedras estão imbuídas da fé e dos valores do povo; e os templos são também lugares que impulsionam a sua vida, a sua esperança”. No final do seu discurso, o Papa saudou a presença na praça de uma delegação de prisioneiros da prisão de Chieti. “Também em vós saúdo um sinal de esperança, porque mesmo nas prisões há muitas, demasiadas vítimas. Aqui, hoje, sois um sinal de esperança na reconstrução humana e social”, concluiu.

2A elevação ao cardinalato de D. Aveline

Por Hugues Lefèvre – O Ministro do Interior da França, Gérald Darmanin, disse estar “muito orgulhoso” de ter assistido à elevação ao cardinalato de D. Jean-Marc Aveline no dia 27 de Agosto, durante uma recepção na Embaixada de França junto da Santa Sé organizada à margem do consistório. O novo Cardeal Jean-Marc Aveline disse que o Papa lhe tinha dado a missão de permanecer “com o povo”. Após o consistório, durante o qual o Papa Francisco conferiu a biretta de cardeal a 20 novos cardeais, incluindo o arcebispo de Marselha, o Ministro do Interior, responsável pelos assuntos religiosos, falou por alguns momentos nos jardins da Villa Bonaparte, onde se encontra a embaixada francesa junto da Santa Sé.

Gérald Darmanin explicou que o Presidente da República e o governo estavam “muito felizes” por o Papa Francisco ter “gentilmente dado um novo cardeal à Igreja da França, e portanto à França”. Saudando o “sorriso” do arcebispo de Marselha, a sua “simplicidade”, a sua “bondade” e também a sua “comunicação positiva”, o ministro considerou que o novo cardeal encarnava Marselha. Recordou também a “vocação” do Bispo Aveline para o Mediterrâneo. “Creio que é um símbolo muito bonito que o Papa fez hoje”, sublinhou. Como ele tinha dito quando veio a Roma em Maio passado para a canonização de três franceses, o Ministro do Interior fez questão de repetir à Igreja na França “que o governo da República está mais uma vez muito feliz por demonstrar a ligação indefectível entre a Igreja de França e as instituições republicanas”.

“O Papa disse-me: ‘Fica com o povo'”

Finalmente, manifestou o desejo de que o Papa pudesse vir um dia à França e, em particular, a Marselha. Referindo-se aos numerosos convites feitos pelo Presidente da República ao Papa Francisco, assegurou: “Estaremos ao lado da cidade de Marselha, ao lado do Cardeal Aveline, para poder continuar a pedir [a visita do Papa]”. Chegando mais tarde aos jardins da Villa Bonaparte, o novo Cardeal Aveline agradeceu “o empenho do Estado francês” que estimula uma relação em que “queremos ser positivos e construtivos”.

Voltando brevemente ao momento em que o Papa Francisco lhe titulou como cardeal, o Arcebispo de Marselha confidenciou: “O Papa disse-me: ‘E acima de tudo, fica com o povo'”. Um gruia que o Arcebispo Aveline disse que seguiria “de muito bom grado”. Para ele, que define o papel de um cardeal como uma pessoa que auxilia o papa, comparou a missão com a de um bispo auxiliar que assiste o seu bispo. “É uma honra para todos nós, e não só para mim, para a nossa Igreja em Marselha, ser chamado a desempenhar este papel”, insistiu ele. No seu discurso, o novo cardeal também prestou homenagem aos seus pais, que tinham vindo a Roma para assistir ao consistório. I.MEDIA soube que foram recebidos pelo Papa Francisco na sua residência de Santa Marta, à margem da cerimónia.

3Homilia do Papa Francisco no Consistório para a criação de novos cardeais

Eis a íntegra da homilia do Papa Francisco no Consistório Ordinário Público para a criação de novos cardeais, pronunciada na Basílica de São Pedro, no sábado, 27 de agosto:

Esta frase de Jesus, bem no centro do Evangelho de Lucas, atinge-nos como uma flecha: “Vim lançar fogo sobre a terra, e como gostaria que já estivesse aceso!” (Lc 12, 49).

No caminho com os discípulos para Jerusalém, o Senhor faz um anúncio em estilo profético típico, usando duas imagens: o fogo e o batismo (cf. Lc 12, 49-50). O fogo deve trazê-lo ao mundo; o batismo terá que recebê-lo Ele mesmo. Tomo apenas a imagem do fogo, que aqui é a chama poderosa do Espírito de Deus, é o próprio Deus como “fogo devorador” (Dt 4, 24; Hb 12, 29), Amor apaixonado que purifica, regenera e transfigura tudo. Este fogo – como aliás também o “batismo” – revela-se plenamente no mistério pascal de Cristo, quando Ele, como coluna ardente, abre o caminho da vida através do mar escuro do pecado e da morte.

No entanto, há outro fogo, o das brasas. Encontramo-lo em João, no relato da terceira e última aparição de Jesus ressuscitado aos discípulos, no lago da Galileia (cf. Jo 21, 9-14). Este pequeno fogo foi aceso pelo próprio Jesus, perto da praia, enquanto os discípulos estavam nos barcos e puxavam a rede cheia de peixes. E Simão Pedro chegou primeiro, nadando, cheio de alegria (cf. Jo 21, 7). O fogo do carvão é suave, escondido, mas dura muito tempo e é usado para cozinhar. E ali, na margem do lago, ele cria um ambiente familiar onde os discípulos desfrutam, maravilhados e emocionados, a intimidade com seu Senhor.

Nos fará bem, queridos irmãos e irmãs, neste dia, meditarmos juntos a partir da imagem do fogo, em sua dupla forma; e à sua luz rezar pelos Cardeais, de modo particular por vós, que nesta mesma celebração recebeis esta dignidade e tarefa.

Com as palavras registradas no Evangelho de Lucas, o Senhor chama-nos novamente a colocarmo-nos atrás dele, a segui-lo no caminho de sua missão. Uma missão de fogo – como a de Elias -, tanto pelo que veio fazer como pela forma como o fez. E para nós, que na Igreja fomos tirados do meio do povo para um especial ministério de serviço, é como se Jesus entregasse a tocha acesa, dizendo: Tomai, “como o Pai me enviou, eu também vos envio ” (Jo 20, 21). Assim, o Senhor quer comunicar-nos a sua coragem apostólica, o seu zelo pela salvação de cada ser humano, sem excluir ninguém. Ele quer comunicar-nos a sua magnanimidade, o seu amor sem limites, sem reservas, sem condições, porque a misericórdia do Pai arde no seu coração. É isto que arde no coração de Jesus: a misericórdia do Pai. E dentro deste fogo há também a misteriosa tensão, própria da missão de Cristo, entre a fidelidade ao seu povo, à terra das promessas, àqueles que o Pai lhe deu e, ao mesmo tempo, a abertura a todos os povos – esta tensão universal –, ao horizonte do mundo, às periferias ainda desconhecidas.

Este fogo poderoso é o que anima o apóstolo Paulo no seu serviço incansável ao Evangelho, na sua “corrida missionária” guiada, sempre impulsionada pelo Espírito e pela Palavra. É também o fogo de tantos missionários que experimentaram a cansativa e doce alegria de evangelizar, e cuja própria vida se tornou evangelho, porque acima de tudo foram testemunhas.

Este, irmãos e irmãs, é o fogo que Jesus veio “lançar sobre a terra”, e que o Espírito Santo acende também no coração, nas mãos e nos pés daqueles que o seguem. O fogo de Jesus, o fogo que Jesus veio trazer.

Depois há o outro fogo, o das brasas. O Senhor também quer comunicar isso a nós, para que, como Ele, com mansidãofidelidadeproximidade e ternura – este é o estilo de Deus: proximidade, compaixão e ternura –, possamos fazer com que muitos gozem da presença de Jesus vivo no meio de nós. Uma presença tão evidente, mesmo no mistério, que não há necessidade de perguntar: “Quem és?”, porque o próprio coração diz que é Ele, é o Senhor. Este fogo arde de modo particular na oração de adoração, quando estamos em silêncio perto da Eucaristia e saboreamos a presença humilde, discreta, oculta do Senhor, como um fogo de brasas, de tal modo que esta própria presença se torna alimento para a nossa vida quotidiana.

O fogo das brasas faz-nos pensar, por exemplo, em São Carlos de Foucauld, na sua longa permanência num ambiente não cristão, na solidão do deserto, centrando tudo na presença: a presença de Jesus vivo, na Palavra e na Eucaristia, e a sua própria presença fraterna, amiga e caridosa. Mas também nos faz pensar naqueles irmãos e irmãs que vivem a consagração secular no mundo, alimentando o fogo baixo e duradouro no local de trabalho, nas relações interpessoais, nas reuniões das pequenas fraternidades; ou, como sacerdotes, num ministério perseverante e generoso, sem alarde, entre o povo da paróquia. Me contava um pároco de 3 paróquias, aqui na Itália, que tinha tanto trabalho: “Mas tu és capaz de visitar a toda a gente?”, disse eu – “Sim, conheço a todos!” – “Mas tu conheces o nome de cada um?” – “Sim, também o nome dos cães das famílias”. Este é o fogo brando, fruto do apostolado sob a luz de Jesus. E mais, acaso não é o fogo das brasas que todos os dias aquece a vida de tantos esposos cristãos? A santidade conjugal! Reavivado com uma oração simples, “caseira”, com gestos e olhares de ternura, e com o amor que acompanha pacientemente as crianças no seu caminho de crescimento. E não esqueçamos o fogo das brasas que é mantido pelos idosos – são um tesouro, um tesouro da Igreja! – o lar da memória, tanto na família como na esfera social e civil. Como é importante este braseiro dos mais velhos! Famílias se reúnem em torno dele; permite que possamos ler o presente à luz das experiências passadas e façamos escolhas sábias.

Caros irmãos Cardeais, na luz e no poder deste fogo caminha o Povo santo e fiel, pelo qual fomos atraídos nós, por aquele povo de Deus, e ao qual fomos enviados como ministros de Cristo Senhor. O que esse fogo duplo de Jesus, fogo ardente e fogo brando, diz em particular a vós e a mim? Penso que nos recorde que um homem de zelo apostólico é animado pelo fogo do Espírito para cuidar corajosamente das coisas grandes e pequenas, pois “non coerceri a maximo, contineri tamen a minimo, divinum est”. Não esqueçais: isto nos traz Santo Tomás (de Aquino) na Prima Primæ“Non coerceri a máximo”: ter grandes horizontes e uma grande vontade de realizar grandes coisas; “contineri tamen a mínimo” é divino, “divinum est”.

Um Cardeal ama a Igreja, sempre com o mesmo fogo espiritual, tanto nas grandes questões como nas pequenas; tanto no encontro com os grandes deste mundo – deve fazê-lo, tantas vezes –, como com os pequenos, que são grandes diante de Deus. Estou a pensar, por exemplo, no Cardeal Casaroli, justamente famoso pelo seu olhar aberto para apoiar, com diálogo sábio e paciente, os novos horizontes da Europa depois da “Guerra Fria” – e Deus não permita que a miopia humana volte a fechar aqueles horizontes que ele abriu! Mas, aos olhos de Deus, são igualmente valiosas as visitas que ele fazia regularmente aos jovens detidos em uma prisão juvenil em Roma, onde era chamado de “Padre Agostino”. Fazia a grande diplomacia – o martírio da paciência, assim era a sua vida – junto com a visita semanal a Casal del Marmo, àqueles jovens. E quantos exemplos desse tipo poderiam ser dados! Lembro-me do Cardeal Van Thuân, chamado a pastorear o Povo de Deus em outro cenário crucial do século XX, e ao mesmo tempo animado pelo fogo do amor de Cristo para cuidar da alma do carcereiro que vigiava a porta da sua cela. Esta gente não tinha medo do “grande”, do “máximo”; mas também cuidava do “pequeno” de cada dia. Depois de um encontro, no qual o [futuro] Cardeal Casaroli havia informado São João XXIII da sua última missão – não recordo se na Eslováquia ou na República Tcheca, em um desses países, falando de “alta política” –, quando estava já a retirar-se, o Papa chamou-o e disse-lhe: – “Eminência, uma coisa: Continua a ir até aqueles jovens encarcerados?” – “Sim” – “Nunca lhes abandone!”. A grande diplomacia e a pequena obra pastoral. Assim é o coração de um padre, o coração de um Cardeal.

Queridos irmãos e irmãs, voltemos com o olhar para Jesus: só Ele conhece o segredo desta humilde magnanimidade, desta força branda, desta universalidade atenta ao detalhe. O segredo do fogo de Deus, que desce do céu, iluminando-o de um extremo ao outro e que cozinha lentamente a comida das famílias pobres, dos migrantes ou dos sem-abrigo. Jesus quer lançar este fogo sobre a terra também hoje; ele quer acendê-lo novamente nas margens das nossas histórias diárias. Ele chama-nos pelo nome, a cada um de nós, chama-nos pelo nome: não somos um número; olha-nos nos olhos, a cada um de nós: deixemo-nos olhar nos olhos; e pergunta: Tu, novo Cardeal – e todos vós, irmãos Cardeais –, posso contar contigo? Esta é a pergunta do Senhor.

E não quero acabar sem recordar o Cardeal Richard Kuuia Baawobr, Bispo de Wa, que ontem, ao chegar a Roma, sentiu-se mal, foi hospitalizado por um problema no coração e creio que teve que submeter-se a uma cirurgia, ou algo parecido. Rezemos por este irmão que deveria estar aqui e encontra-se hospitalizado. Obrigado!

Este artigo é exclusivo para os membros Aleteia Premium

Já é membro(a)? Por favor,

Grátis! - Sem compromisso
Você pode cancelar a qualquer momento

1.

Acesso ilimitado ao conteúdo Premium de Aleteia

2.

Acesso exclusivo à nossa rede de centenas de mosteiros que irão rezar por suas intenções

3.

Acesso exclusivo ao boletim Direto do Vaticano

4.

Acesso exclusivo à nossa Resenha de Imprensa internacional

5.

Acesso exclusivo à nova área de comentários

6.

Anúncios limitados

Apoie o jornalismo que promove os valores católicos
Apoie o jornalismo que promove os valores católicos
Tags:
Direto do VaticanoPapa Francisco
Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • Aleteia é publicada diariamente em sete idiomas: inglês, francês,  italiano, espanhol, português, polonês e esloveno
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

PT300x250.gif
Oração do dia
Festividade do dia





Envie suas intenções de oração à nossa rede de mosteiros


Top 10
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia