Aleteia logoAleteia logoAleteia
Terça-feira 04 Outubro |
São Francisco de Assis
Aleteia logo
Religião
separateurCreated with Sketch.

EUA: deputada “católica” pró-aborto diz que restringir aborto é pecado

Nancy Pelosi diz que é pecado não permitir o aborto

Alex Wong | Getty Images | AFP

Francisco Vêneto - publicado em 01/09/22

Nancy Pelosi soltou a sua doutrina particular sobre o "pecado do não-aborto" em mesa redonda numa universidade

A deputada democrata norte-americana Nancy Pelosi, presidente da Câmara dos Deputados dos EUA, é, autodeclaradamente, uma ativista da causa pró-aborto e, também autodeclaradamente, embora com óbvia incoerência, uma mulher “católica”.

Suas posições públicas de ferrenha defesa do aborto já lhe renderam a proibição de comungar na arquidiocese de São Francisco, mas, optando pela afronta à medida tomada pelo arcebispo dom Salvatore Cordileone, comungou mesmo assim.

Não contente, a deputada agora deu para fazer declarações sui generis sobre aborto e pecado; não para finalmente reconhecer que o extermínio proposital de um bebê em gestação é o assassinato de um inocente, mas sim, pelo contrário, para afirmar que seria pecado impedir o aborto. É a inversão de valores no mais literal dos exemplos.

A peculiar “doutrina Pelosi” sobre o “pecado do não-aborto”

Durante um discurso em 26 de agosto, Nancy Pelosi afirmou “é simplesmente pecaminoso” que as restrições ao aborto sejam, segundo ela, “um ataque tão grande às mulheres de cor e às mulheres e famílias de baixa renda”. A deputada democrata acrescentou que “é errado que possam dizer às mulheres o que acham que as mulheres deveriam fazer com suas vidas e seus corpos” e concluiu, novamente em tom “teológico”, que “a injustiça de tudo isso é pecaminosa”.

Pelosi soltou sua doutrina particular sobre o pecado numa visita ao campus da Universidade da Califórnia em Mission Bay, onde participou de uma mesa redonda sobre o que se chama eufemisticamente de “saúde reprodutiva”. A discussão girou basicamente em torno da recente decisão da Suprema Corte dos EUA que anulou a inconstitucional sentença Roe versus Wade, que, em 1973, baseando-se em uma farsa, havia liberado o aborto em todo o país.

A deputada abortista acusou:

“Encorajados pela Suprema Corte radical, os republicanos extremos do ‘Make America Great Again’ estão infligindo uma dor inimaginável às mulheres e às suas famílias. Na verdade, atualmente, as mulheres americanas não são mais tão livres quanto as mães e as avós delas”.

A narrativa de Pelosi foi seguida pela de outra deputada democrata que também se diz católica, Jackie Speier, que declarou:

“Ter um governo federal que impõe a gravidez, uma gravidez forçada pelo governo, vai contra todas as liberdades pessoais que estão na base do nosso país”.

Observe-se a repetitiva narrativa falaciosa da “gravidez imposta”: a lei não obriga ninguém a engravidar, mas garante que, uma vez que um bebê foi concebido, o seu direito à vida seja reconhecido e respeitado. Como existem suficientes previsões tanto legais quanto morais para os casos de risco de vida da gestante ou do nascituro, o alegado cenário de uma “gravidez imposta” só é sustentável como narrativa.

A “católica” Speier se disse a favor, ainda, de ampliar o acesso às pílulas abortivas.

O que diz a verdadeira doutrina católica

O Catecismo da Igreja Católica deixa claro que a condenação do aborto não é mera intransigência, mas necessária decorrência do fato biológico de que um bebê em gestação é uma pessoa humana em seus estágios iniciais de desenvolvimento, bem como do fato da moral natural de que “a vida humana deve ser respeitada e protegida, de modo absoluto, a partir do momento da concepção”.

O Catecismo explicita que, “desde o primeiro momento da sua existência, devem ser reconhecidos a todo ser humano os direitos da pessoa, entre os quais o direito inviolável à vida”.

No tocante a quem pratica o aborto, o mesmo Catecismo esclarece que “a Igreja não pretende restringir o campo da misericórdia; simplesmente manifesta a gravidade do crime cometido, o prejuízo irreparável causado ao inocente que foi morto, aos seus pais e a toda a sociedade”.

Tags:
AbortoDoutrinaIdeologiaIgreja CatólicamentiraPecado
Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • Aleteia é publicada diariamente em sete idiomas: inglês, francês,  italiano, espanhol, português, polonês e esloveno
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

PT300x250.gif
Oração do dia
Festividade do dia





Envie suas intenções de oração à nossa rede de mosteiros


Top 10
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia