Aleteia logoAleteia logoAleteia
Sábado 13 Abril |
Aleteia logo
Religião
separateurCreated with Sketch.

Direto do Vaticano: Xi Jiping irá encontrar-se com o Papa Francisco no Cazaquistão?

Este artigo é exclusivo para os membros de Aleteia Premium
Beatification-mass-of-late-Pope-John-Paul-I-Antoine-Mekary-ALETEIA

Antoine Mekary | ALETEIA

I. Media - publicado em 06/09/22

Boletim Direto do Vaticano de 6 de setembro de 2022
  1. Xi Jinping irá visitar o Cazaquistão ao mesmo tempo que o Papa
  2. Responsável de recursos humanos nomeado pela primeira vez no Vaticano
  3. Ucrânia no centro da conversa entre o Papa e o novo embaixador polonês na Santa Sé

1Xi Jinping irá visitar o Cazaquistão ao mesmo tempo que o Papa

Por Camille Dalmas – Presidente da República Popular da China, Xi Jinping, deslocar-se-á a Nur-Sultan, no Cazaquistão, para uma visita de estado a 14 de Setembro de 2022. Foi o que anunciou Aibek Smadiyarov, representante do Ministério dos Negócios Estrangeiros do Cazaquistão, a 5 de Setembro. O Chefe de Estado chinês estará na capital no mesmo dia que o Papa Francisco, que se desloca de 13 a 15 de Setembro para participar de um encontro inter-religioso organizado pelo governo do Cazaquistão.

O funcionário disse que ainda não sabia se Xi Jinping iria participar da reunião inter-religiosa. Se o fizer, poderá ser o primeiro encontro entre um Papa e um chefe de Estado chinês na história.

Uma viagem altamente observada

Oficialmente, a visita de Xi Jinping visa à assinatura de documentos bilaterais em várias áreas de cooperação política, comercial, econômica, cultural e humanitária, explicou o porta-voz. Jinping vai a convite do Presidente do Cazaquistão Kassym-Jomart Tokayev.

Esta viagem do presidente chinês será altamente observada: é a primeira que ele faz desde o surto da pandemia no seu país em 2019. Viajará então para Samarkand, uma famosa parada na Rota da Seda no Uzbequistão, onde se realizará o encontro da Organização de Cooperação de Xangai nos dias 15 e 16 de Setembro.

Esta organização reúne a China, a Índia, o Paquistão, a Rússia e as repúblicas da Ásia Central. Xi Jinping deverá encontrar-se nesta ocasião com o Presidente russo Vladimir Putin.


2Responsável de recursos humanos nomeado pela primeira vez no Vaticano

Por Camille Dalmas – O Papa Francisco nomeou Luis Herrera Tejedor como diretor da Diretoria de Recursos Humanos dentro do Secretariado para a Economia, o Gabinete de Imprensa da Santa Sé anunciou a 5 de Setembro. Esta nomeação era esperada após a publicação da nova Constituição Apostólica Praedicate Evangelium em Março, e que transfere de fato a maioria das competências no domínio dos recursos humanos da Secretaria de Estado para a Secretaria de Economia.

O artigo 217 da Constituição estabelece uma “Diretoria de Recursos Humanos da Santa Sé” no seio do Secretariado para os Assuntos Económicos, cuja missão é providenciar, “em diálogo e cooperação com as entidades interessadas”, todas as questões relativas aos cargos e gestão do trabalho do pessoal e dos colaboradores das entidades sujeitas à legislação própria da Santa Sé. É, portanto, esta entidade que será agora responsável por autorizar todo o recrutamento dentro da Cúria Romana.

3.000 empregados na Santa Sé

A seção de Assuntos Gerais, que anteriormente era responsável por esta tarefa, está agora livre de tal atribuição. Contudo, mantém a sua função em certos casos específicos, em particular “nomeações feitas ou aprovadas pelo pontífice” (artigo 48 §2), incluindo as dos prefeitos, membros, secretários e subsecretários e consultores das instituições curiais. Também mantém o controle sobre a nomeação de pessoal diplomático em cooperação com a terceira seção da Secretaria de Estado – “pessoal diplomático da Santa Sé” – criada em 2017 para este fim pelo Papa Francisco.

A Santa Sé tem 3.000 empregados – clérigos religiosos e leigos – que trabalham nos vários dicastérios da Cúria em Roma e nas representações apostólicas em todo o mundo.


3Ucrânia no centro da conversa entre o Papa e o novo embaixador polonês na Santa Sé

Por Hugues Lefèvre – Adam Mariusz Kwiatkowski, o novo embaixador polonês na Santa Sé, apresentou as suas credenciais ao Papa Francisco a 5 de Setembro. De acordo com a imprensa polonesa, o Papa Francisco expressou a sua gratidão ao povo polonês por acolher refugiados ucranianos. Este Verão, o novo embaixador disse que uma das suas missões seria mostrar as consequências da agressão da Rússia na Ucrânia.

Nascido em 1972 em Varsóvia, Adam Mariusz Kwiatkowski inicia o seu primeiro posto como embaixador e sucede a Janusz Kotanski em Roma. O pai de três filhos é licenciado em administração e gestão pela Universidade de Varsóvia (2005) e, desde 2019, estudante de doutoramento na Faculdade de Administração da mesma universidade. De 2015 a 2017, foi Chefe de Gabinete do Presidente da República da Polônia, tendo posteriormente exercido o cargo de Secretário de Estado na Chancelaria da Presidência. Adam Mariusz Kwiatkowski foi recentemente consultor para as políticas sociais do Presidente da República, onde foi responsável por questões relacionadas com a diáspora polaca.

Nomeado embaixador a 11 de Abril

Entrevistado pelo Vatican News a 23 de Julho, o homem que foi nomeado embaixador polaco junto da Santa Sé a 11 de Abril explicou que queria “apoiar os esforços que forçarão a Rússia a pôr fim à agressão e às atividades genocidas” na Ucrânia. “Após mais de cinco meses de ação militar, podemos ver claramente que este ataque injustificado da Federação Russa à Ucrânia tem efeitos negativos em escala global, por exemplo, os relacionados com a segurança alimentar”, disse ele.

Sublinhando os laços estreitos entre a Santa Sé e a Polônia, tanto diplomática como religiosamente, disse que se sentia guiado por João Paulo II na sua missão. Desde o início da invasão russa à Ucrânia a 24 de Fevereiro, mais de cinco milhões de ucranianos entraram em território polonês para fugir temporariamente da guerra.

O primeiro a apoiar a Ucrânia

Em várias ocasiões, o Papa Francisco agradeceu ao povo polonês pelo seu acolhimento. “Foram os primeiros a apoiar a Ucrânia abrindo as vossas fronteiras, os vossos corações e as portas das vossas casas aos ucranianos que fugiram da guerra”, disse ele durante uma audiência geral alguns dias após a invasão russa.

Após a audiência com o Papa, o novo embaixador disse que Francisco admirava a atitude dos poloneses. “O Santo Padre expressou a sua grande gratidão a toda a Polónia, a todos os nossos cidadãos. Ele disse que olhou com admiração para a forma como os poloneses se estavam a abrir à difícil situação dos nossos vizinhos, os ucranianos que tiveram de abandonar as suas casas e fugir da Ucrânia”, disse Adam Mariusz Kwiatkowski ao jornal Stacja7. Ele acrescentou: “Ele disse estar profundamente impressionado por tantos deles estarem na Polónia, terem encontrado refúgio aqui e que, de fato, não existem campos de refugiados na Polónia”.

Este artigo é exclusivo para os membros Aleteia Premium

Já é membro(a)? Por favor,

Grátis! - Sem compromisso
Você pode cancelar a qualquer momento

1.

Acesso ilimitado ao conteúdo Premium de Aleteia

2.

Acesso exclusivo à nossa rede de centenas de mosteiros que irão rezar por suas intenções

3.

Acesso exclusivo ao boletim Direto do Vaticano

4.

Acesso exclusivo à nossa Resenha de Imprensa internacional

5.

Acesso exclusivo à nova área de comentários

6.

Anúncios limitados

Apoie o jornalismo que promove os valores católicos
Apoie o jornalismo que promove os valores católicos

Tags:
DiálogoDireto do VaticanoGuerraPapa Francisco
Top 10
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia