Aleteia logoAleteia logoAleteia
Segunda-feira 26 Setembro |
São Cosme e São Damião
Aleteia logo
Cultura & Viagem
separateurCreated with Sketch.

O que aconteceu com a outra metade do Coliseu?

WEB-COLISSEUM-ROME-ITALY-Pixabay-CC0

Pixabay CC0

Daniel R. Esparza - publicado em 06/09/22

O Anfiteatro Flaviano era, originalmente, duas vezes maior do que é hoje

A construção do Anfiteatro Flaviano (nome oficial do Coliseu, em homenagem à dinastia Flaviana) começou no ano 70, durante o governo do imperador Vespasiano. O exército romano tinha acabado de saquear Jerusalém sob seu comando, e o ouro que os soldados trouxeram foi usado para financiar o novo circo que o imperador pretendia construir.

Alguns historiadores sustentam que os escravos que foram obrigados a trabalhar em sua construção eram judeus.

Mas a construção de quase dois milênios era, quando concluído, quase duas vezes maior do que suas ruínas são hoje: o anfiteatro oval tinha cerca 190 metros de comprimento por 155 de largura e 48 metros de altura, com três séries sobrepostas de 80 arcos.

O que aconteceu com a outra metade das ruínas do Coliseu?

A história do Coliseu (acredita-se que o apelido seja derivado de uma colossal estátua de Nero que o imperador Adriano colocou ao lado do anfiteatro) é longa e complexa.

Para começar, o Coliseu foi usado como circo por quase 500 anos. Lutas de gladiadores, caças de animais, execuções, encenações de batalhas lendárias e até peças baseadas na mitologia clássica ocorreram dentro dele. Mas, uma vez que o anfiteatro deixou de ser utilizado para esses fins, serviu de refúgio, de fábrica, de sede de uma ordem religiosa, de fortaleza e, finalmente, de pedreira. Isso mesmo: rochas foram extraídas das suas ruínas para a construção de outros edifícios.

WEB3-ROME-COLISSEUM-INTERIOR-Darren-Flinders-CC
Enquanto a arena foi usada como cemitério, as áreas de estar e as arcadas subterrâneas foram transformadas em instalações habitacionais e oficinas no século XII

A evidência histórica mostra que foi o Papa Pio VIII (cujo pontificado durou apenas um ano, de 1829 a 1830) quem começou a conservar as ruínas do Coliseu, ao transformá-lo em um santuário cristão, a fim de homenagear os prisioneiros martirizados no local.

É verdade que, no fim do século VI, já havia sido construída uma pequena capela na estrutura do Coliseu. Entretanto, esta humilde homenagem aos primeiros mártires cristãos não conferiu ao edifício nenhum caráter religioso particularmente importante.

No século XII, enquanto a arena foi usada como cemitério, as áreas de estar e as arcadas subterrâneas funcionaram como instalações habitacionais e oficinas. O grande terremoto de 1349 fez com que o lado sul do Coliseu desmoronasse, fazendo com que ele ficasse muito parecido com o que conhecemos hoje.

Além disso, grande partes das ruínas do Coliseu foram reutilizadas para construir muitos outros edifícios em outros lugares da cidade.

Uma ordem religiosa, a Arciconfraternita del SS. Salvatore ad Sancta Sanctorum, mudou-se para o terço norte do Coliseu após o terremoto e continuou a usá-lo até o século XIX. Mas isso não impediu que o restante do prédio fosse saqueado e usado livremente como pedreira.

Papas e outras autoridades eclesiásticas tentaram dar ao edifício diferentes usos que ajudariam a preservá-lo, desde a construção de fábricas de lã para dar emprego às prostitutas de Roma até usá-lo como arena de touradas.

Alguns historiadores afirmam que foi o Papa Bento XIV, em 1749, quem viu o Coliseu como um local sagrado, proibiu seu uso como pedreira e consagrou o edifício, declarando-o santificado pelo sangue dos mártires. No entanto, não há nenhuma evidência histórica para apoiar esta afirmação.

Tags:
CristianismoHistóriaromaViagem
Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • Aleteia é publicada diariamente em sete idiomas: inglês, francês,  italiano, espanhol, português, polonês e esloveno
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

PT300x250.gif
Oração do dia
Festividade do dia





Envie suas intenções de oração à nossa rede de mosteiros


Top 10
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia