Aleteia logoAleteia logoAleteia
Sexta-feira 01 Março |
Aleteia logo
Estilo de vida
separateurCreated with Sketch.

Viúvos: que perguntas deve fazer a si próprio antes de voltar a casar?

mature couple

DGLimages - Shutterstock

Marzena Devoud - publicado em 06/09/22

Voltar a casar ou não? Não é fácil para viúvas e viúvos tomar a decisão correta. Tanto o envolvimento amoroso como a decisão de mergulhar no relacionamento o mergulho são por vezes difíceis de aceitar. Tanto para eles como para os seus filhos. Um psicólogo clínico oferece conselhos valiosos e nos ajuda a decifrar a situação

Há dez anos, o marido de Anne, de 47 anos, morreu após uma longa doença. Forçada a criar os seus três filhos sozinha, Anne reconstruiu a sua vida familiar numa espécie de casulo entre os quatro, inacessível a qualquer coisa que possa afectar este equilíbrio duramente conquistado. Mas há dois anos, em casa de uma amiga, conheceu Eric, um solteiro de 49 anos. Hoje, ela está a pensar em voltar a casar, mas tem medo que os seus filhos não estejam realmente prontos. “Pela primeira vez desde a morte do meu marido, sinto que o meu coração está pronto para retomar a vida de casal. Antes, não tinha nem o desejo nem o tempo para sequer pensar nisso… Só sei que tenho de me fazer todas as perguntas sobre as consequências da minha decisão, especialmente para os meus filhos”, diz ela a Aleteia.

Como Anne, 30.000 pessoas na França perdem anualmente um cônjuge com menos de 55 anos de idade. Destas, muito poucas mulheres (cerca de 5%) voltam a casar dentro dos próximos cinco anos, enquanto quatro vezes mais homens parecem dar o mergulho, de acordo com o INSEE. Alguns, como Arnaud, 63 anos, estão com pressa de retomar uma vida a dois para escapar à solidão: “Sou incapaz de viver sozinho. Foi insuportável para mim enfrentar o vazio após a morte da minha mulher, por isso voltei rapidamente a casar”, confessa, reconhecendo que a sua decisão foi errada tanto para ele como para os seus filhos.

O psicólogo clínico Marc d’Anselme, especialista em adolescentes e casais, adverte contra o risco de fazer escolhas apressadas: “O casamento após a viuvez requer uma vigilância particular sobre dois pontos específicos: o luto e o envolvimento dos filhos. Também requer as mesmas reflexões que um primeiro casamento. “Para que o novo casamento corra bem, deve ocorrer após a aceitação interior da ausência do cônjuge falecido. Em segundo lugar, como com qualquer ser humano, deve entender-se que o estar apaixonado é um fenómeno tão indispensável como insuficiente para o casamento. O estado do amor não deve ser um fator determinante, mas deve ser inteligentemente gerenciado. A especificidade dos viúvos, como Arnaud, é a das pessoas solitárias: uma deficiência emocional mais intensa torna-os mais vulneráveis a este estado”, observa ele.

Leva tempo

Para compreender a questão do novo casamento para viúvas e viúvos, é importante olhar para a emoção do próprio amor. Como explica Marc d’Anselme, é “a parte sensível da alma, que é também a sede das nossas emoções, da nossa afetividade, dos laços de amor que tecemos com aqueles que nos rodeiam”. No entanto, o amor também envolve a parte espiritual da nossa alma, o espírito. Esta é a sede da nossa liberdade (uma condição de amor), da nossa inteligência, que nos permite discernir o bem, da nossa vontade. O nosso espírito é também a sede dos apetites fundamentais do nosso ser: sede do absoluto, da beleza, da pureza, do amor… sede de Deus. A grande questão que todos os amantes se devem colocar”, continua ele, “é portanto a da harmonia entre estes dois grandes componentes, um sensível e outro espiritual”.

Quanto ao novo casamento de viúvas e viúvos, parece mais complexo. “Antes de tudo, a relação amorosa vivida no primeiro casamento criou na alma sensível laços carnais intensos com o agora falecido cônjuge. Não podemos viver dois amores conjugais. Estes primeiros laços sensoriais devem ter-se desintegrado para permitir uma nova relação conjugal”, sublinha Marc d’Anselme. Existe ainda uma ligação espiritual com o falecido, em particular através da oração. “Este processo de luto é doloroso e leva tempo, muitas vezes mais do que um ano. Quando está suficientemente avançado, a pessoa encontra um equilíbrio pessoal e relacional e uma alegria de viver”, analisa ele. Embora a vida quotidiana possa muitas vezes distrair-se do trabalho de luto, alguns nunca o fazem. Além disso, “um sentimento de amor pode dar a impressão de que o luto está completo, com o risco de reaparecer mais tarde, perturbando a nova relação conjugal. É, por isso, necessário tirar tempo para viver o luto e só depois preparar uma nova relação”, acredita o psicólogo.

Recuperar a autonomia

Vieillesse

Uma vez terminado o luto, os laços de exclusividade desintegram-se. Há a retomada da vida emocional. Mas permanece a delicada questão da fidelidade ao primeiro casamento, muitas vezes um sinal de que o luto ainda não terminou realmente. “Parece-me que é uma boa ideia dar um passo atrás para avançar neste trabalho de luto, que é a reconquista de uma autonomia. O casamento exige a autonomia da pessoa, ou seja, a capacidade de se assumir com as suas qualidades e deficiências. Enquanto isto é normalmente conseguido em relação aos pais, no caso da viuvez deve ser conseguido em relação ao cônjuge falecido e aos hábitos de vida construídos com ele”, comenta Marc d’Anselme. É esta autonomia recém-adquirida que, no novo casamento, não permitirá comparações com o cônjuge falecido. Dará lugar a uma nova relação com uma nova pessoa.

Aprender a viver sem

Aqueles que já experimentaram a perda de um ente querido conhecem este medo de esquecer o falecido. Para afastar este medo, os cônjuges dos falecidos cultivam as suas memórias, por vezes excessivamente, o que dificulta o processo de luto. “Não é possível para uma criança esquecer o seu pai ou a sua mãe falecida, não é possível esquecer um cônjuge falecido”.

O luto, nota o psicólogo, não se trata de esquecer mas de aprender a viver sem. “Este medo de esquecer, por muito compreensível que seja, não tem razão de existir”, continua Marc d’Anselme. Viver sem o falecido requer portanto um equilíbrio entre a memória e a vida presente, com uma clara prioridade para a vida presente. “As questões a serem colocadas para um novo casamento não são portanto as da fidelidade ao primeiro casamento, mas da compatibilidade da nova relação com a situação atual: a união de pelo menos uma pessoa com uma família existente e por vezes a união de duas famílias diferentes”, explica Marc d’Anselme.

Ter em conta a união das famílias existentes

large family shadow – fr

François e Claire*, jovens avós viúvos, apaixonaram-se um pelo outro. Decidiram casar-se. Os seus filhos, tanto adolescentes como adultos, aceitaram este casamento mas não pensaram realmente nas mudanças que ele implicaria. Cada um pretendia manter os seus hábitos e estilo de vida. Com a euforia do amor a subsidiar entre o novo casal, cada um começou a estender a mão e a regressar aos seus filhos. François e Claire separaram-se para férias e depois cada vez mais para satisfazer as necessidades de cada lado. Hoje, vivem como dois amigos que se encontram regularmente, mas sem esta vida exigente e rica juntos, específica para os aspectos íntimos da vida conjugal. Fizeram bem em casar?

“O que é claro é que neste casamento não foi possível alcançar uma harmonia de todos à volta deste projeto. Se um dos objectivos do casamento é a fundação de uma família, no casamento de um ou dois viúvos, uma ou duas famílias já existem. Dependendo da idade das crianças e das circunstâncias específicas, deve ser estabelecida pelo menos uma vida mínima em conjunto entre todas as pessoas. Isto inclui filhos e netos. Em todos os casos as crianças devem ser tomadas em consideração, independentemente da idade das crianças e dos irmãos a serem unidos. O bem-estar das crianças é também uma razão legítima para casar”, sublinha Marc d’Anselme.

Ajudar as crianças a expressar as suas emoções

Confrontados com o anúncio do novo casamento do seu pai/mãe, os filhos expressam as suas emoções: também eles têm medo de esquecer, sofrem com a ausência, podem não ter vivenciado o luto o suficiente. As crianças seguirão os conselhos daqueles em quem confiam. É, por isso, necessário ter tempo para lhes explicar o que vai acontecer e para os ajudar a expressar as suas emoções. “Normalmente não há nenhuma razão objetiva para uma criança se opor ao casamento do progenitor solteiro. A oposição ao casamento, se ocorrer, é muitas vezes um sinal de outra infelicidade. A situação é diferente com jovens adultos que podem ter razões objetivas para considerar o casamento inadequado. Estes devem ser ouvidos e tidos em conta se se pretende criar harmonia. Mas muitas vezes, por trás de uma aparência de objetividade, há um luto não resolvido, uma lealdade inapropriada ao falecido. O casamento desperta o que foi mal trabalhado na altura da morte”, diz o psicólogo.

Discernir sob os olhos de Deus

Pierre*, um jovem na casa dos trinta anos, é viúvo e tem cinco filhos, o mais velho dos quais tem doze anos de idade. Os anos que se seguiram à morte da sua esposa foram particularmente difíceis. Sophie* ainda não tinha trinta anos quando se apaixonou por ele. Ambos pensaram muito nisso, porque para Sophie, começar a sua vida de casada significava assumir imediatamente o papel de mãe com uma grande família… Mas ela sabia como abordar as crianças com delicadeza e eles aceitaram-na. Assim, Pierre e Sophie casaram-se.

Após alguns meses, exaustos, decidiram consultar um psicólogo. Sophie estava farta das crianças que estavam “coladas” a ela e que sofriam visivelmente de desequilíbrios (mentiras, falta de compromisso na escola, mutismo…). Ela estava também exasperada pela família de origem do seu marido e pela da mãe falecida, ambas muito envolvidas após a morte desta última e que agora descarregavam tudo sobre ela como se a Sophie fosse a mãe. Perante as dificuldades, Pierre tentou ser o mais eficiente possível, mas sem dar realmente o apoio que todos esperavam.

“Trabalhamos juntos durante dois anos para melhorar o equilíbrio familiar de Pierre e Sophie. Ela não é a mãe das crianças, mas tem uma função maternal com elas: não é a mesma coisa! Tiveram o seu próprio filho, o que ajudou a harmonizar a família. Gradualmente, as dificuldades das crianças foram resolvidas. Havia também uma dor inacabada no pai e, portanto, nos filhos.”

“Fiquei comovido por estas crianças com o seu sofrimento e sua recuperação, por ambos os pais com o seu desejo de lidar com a situação. Pensei muitas vezes em como Deus considerava esta família e em particular a ação desta jovem mulher que aceitava tornar-se subitamente responsável por uma grande família: uma vocação! Antes do seu casamento, eles tinham discernido as questões. No seu casamento, com a ajuda de Deus, venceram-nas”, conclui Marc d’Anselme.

(*) Os nomes foram alterados por razões de privacidade das pessoas

Tags:
CasamentoFamíliaMorteRelacionamentoSofrimento
Top 10
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia