Aleteia logoAleteia logoAleteia
Segunda-feira 26 Setembro |
São Cosme e São Damião
Aleteia logo
Cultura & Viagem
separateurCreated with Sketch.

Como é o castelo de Balmoral, a residência de verão da família real onde Elizabeth II faleceu

Este artigo é exclusivo para os membros de Aleteia Premium
BALMORAL

Shutterstock | Byunau Konstantin

Adriana Bello - publicado em 13/09/22

A monarca britânica passou seus últimos dias no lugar onde sempre sempre adorou estar

Ao contrário de outros monarcas, Elizabeth II não morreu na Inglaterra nem em uma residência do estado, mas em uma propriedade familiar com um significado muito pessoal para ela: o castelo de Balmoral, localizado em Aberdeenshire (Escócia).

O castelo foi comprado pelo Príncipe Albert para a Rainha Vitória em 1852 , que se apaixonou pela paisagem do local e pela tranquilidade em meio às montanhas.

Desde então, Balmoral pertence à família real. Lá, Elizabeth II desfrutou de piqueniques com seu pai, o rei George VI, e passou muitas tardes colhendo frutas com sua mãe ou brincando com sua irmã, Margaret.

Foi também lá que seu amor pelo príncipe Philip floresceu. Philip, mais tarde, se tornaria seu marido após o noivado que aconteceu em 1946, justamente em Balmoral.

A família também fez do castelo sua residência de verão. Ali Elizabeth II, mais do que monarca, foi mãe, esposa, avó e bisavó.

Rainha Elizabeth II com seu marido Philip de Edimburgo e seus filhos Charles, Andrew e Edward.

Contato com a natureza

Para a família real, Balmoral sempre foi um lugar para se sentir à vontade, andar a cavalo, passear com os queridos cachorros, fazer piqueniques, caminhadas, pescar e saborear os deliciosos churrascos que o príncipe Philip preparava como qualquer outro homem. A rainha até lavava os pratos, como confessou certa vez o ex-primeiro-ministro Tony Blair.

Uma das últimas imagens da rainha, tirada no dia em que recebeu a nova primeira-ministra britânica, Liz Truss.

Foi também o cenário de muitas festas e danças. É por isso que não é de estranhar que o caixão da rainha tenha repousado durante os dois primeiros dias após a sua morte no salão de baile com uma coroa de suas flores favoritas. Assim, os funcionários mais próximos puderam se despedir e rezar por ela. 

De fato, Balmoral era um lugar em que a rainha Elizabeth II amava estar, onde ela sempre podia respirar ar fresco e ser a pessoa que nunca conhecemos.

Momentos-chave da história em Balmoral

No entanto, ela também teve momentos difíceis naquele local. Ali, a monarca se refugiou após a morte de seu pai e lá recebeu a notícia da morte de Diana. Ela foi criticada porque ficou em Balmoral com os netos por vários dias até o funeral, em vez de ir imediatamente para Londres. Entretanto, Elizabeth sentiu que a imensidão das montanhas e dos rios faria bem a seus netos naquele momento, enquanto eles se preparavam para despedir-se formalmente da mãe.

A rainha Elizabeth II faleceu pacificamente em 8 de setembro no castelo de Balmoral. Ela estava acompanhada de seus dois filhos mais velhos. 

Provavelmente nunca saberemos se ela decidiu ficar em Balmoral porque sua saúde estava se deteriorando seriamente e ela queria morrer lá ou este foi o plano de Deus. Entretanto, é interessante notar que ela morreu no lugar onde era feliz… e simplesmente Elizabeth.

Aqui você tem uma galeria de imagens Balmoral:

Este artigo é exclusivo para os membros Aleteia Premium

Já é membro(a)? Por favor,

Grátis! - Sem compromisso
Você pode cancelar a qualquer momento

1.

Acesso ilimitado ao conteúdo Premium de Aleteia

2.

Acesso exclusivo à nossa rede de centenas de mosteiros que irão rezar por suas intenções

3.

Acesso exclusivo ao boletim Direto do Vaticano

4.

Acesso exclusivo à nossa Resenha de Imprensa internacional

5.

Acesso exclusivo à nova área de comentários

6.

Anúncios limitados

Apoie o jornalismo que promove os valores católicos
Apoie o jornalismo que promove os valores católicos
Tags:
Elizabeth IIReino Unido
Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • Aleteia é publicada diariamente em sete idiomas: inglês, francês,  italiano, espanhol, português, polonês e esloveno
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

PT300x250.gif
Oração do dia
Festividade do dia





Envie suas intenções de oração à nossa rede de mosteiros


Top 10
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia