Aleteia logoAleteia logoAleteia
Terça-feira 27 Setembro |
São Vicente de Paulo 
Aleteia logo
Religião
separateurCreated with Sketch.

Direto do Vaticano: Francisco-Kirill, um olhar sobre o encontro descartado no Cazaquistão

Este artigo é exclusivo para os membros de Aleteia Premium
Papa Francisco embarca no avião para o Cazaquistão

ANDREAS SOLARO | AFP

I.Media para Aleteia - publicado em 13/09/22

Seu Boletim Direto do Vaticano de 13 de setembro de 2022

  1. Francisco-Kirill: um olhar retrospectivo sobre o encontro descartado no Cazaquistão
  2. Monsenhor Gangemi nomeado Núncio Apostólico na Sérvia
  3. O Papa Francisco incentiva os estudantes suíços a tornarem-se peregrinos

1Francisco-Kirill: um olhar retrospectivo sobre o encontro descartado no Cazaquistão

Por Hugues Lefèvre – O Papa Francisco e o Patriarca Kirill deviam encontrar-se em Nur-Sultan, a capital do Cazaquistão, por ocasião de um congresso inter-religioso que se realizava a 14 e 15 de Setembro. Se o anúncio da não participação do chefe da Igreja Ortodoxa Russa soa como uma decepção para Roma, o Vaticano tem a certeza de que os canais permanecem abertos e que um segundo encontro entre Francisco e Kirill é possível a médio prazo.

Nur-Sultan poderia ter ficado famosa por acolher o segundo encontro entre o Patriarca de Moscou e o Bispo de Roma. A capital cazaque tinha muito a oferecer em termos de proporcionar uma razão legítima para o encontro destes dois líderes religiosos através da realização do VII Congresso de Chefes de Religiões Mundiais e Tradicionais. No entanto, a guerra na Ucrânia e a deterioração das relações entre Roma e Moscou impediram esta reunião, seis anos após o encontro histórico em Cuba.

Embora a chegada de Kirill ao Cazaquistão nunca tivesse sido oficializada, um dos organizadores da cimeira disse ao Astana Times que o patriarca estaria de fato entre os participantes. Assim, quando a 24 de Agosto o chefe do departamento de negócios estrangeiros do Patriarcado de Moscou, o Metropolita Anthony de Volokolamsk, anunciou que Kirill não viria a Nur-Sultan, a notícia foi uma bofetada na diplomacia do Vaticano.

“É uma desilusão”, murmura o Vaticano, ao mesmo tempo que reconhece que a situação atual é “tão tensa a nível internacional que esta decisão é compreensível”. Recorda-se também que esta viagem do Papa Francisco foi motivada principalmente pelo desejo de responder ao convite do presidente do Cazaquistão e de se encontrar com católicos num país historicamente situado na periferia da Igreja. “Sem a presença de Kirill, a viagem do Papa ao Cazaquistão perde o seu interesse”, disse uma fonte diplomática.

Oficialmente, o Vaticano não se pronunciou sobre o assunto. O diretor da sala de imprensa da Santa Sé, Matteo Bruni, repetiu simplesmente que o Papa Francisco tinha “manifestado claramente o desejo” de se encontrar com o patriarca, sem poder dizer mais.

Como a guerra na Ucrânia tem prejudicado as relações

“O Cazaquistão parecia ser uma boa oportunidade, mas a guerra na Ucrânia tornou as coisas demasiado complicadas”, disse uma pessoa familiarizada com o assunto. Pouco depois da invasão da Ucrânia, Francisco e Kirill encontraram-se via Zoom para uma conversa de quarenta minutos. Mas o tom da reunião tinha desconcertado o Papa Francisco.

Kirill dedicou os “primeiros vinte minutos” da conversa à leitura de “todas as justificações” para a guerra, disse o chefe da Igreja Católica ao diário italiano Il Corriere della Sera. “Escutei e disse: Não compreendo nada disto. Irmão, não somos ‘clérigos de Estado'”, acrescentou ele, antes de avisar: “O patriarca não pode tornar-se o acólito de Putin”.

Mais tarde, o discreto Cardeal Kurt Koch, chefe do dicastério para a Promoção da Unidade dos Cristãos, também se surpreendeu ao usar palavras duras contra o patriarca. “A justificação pseudo-religiosa da guerra pelo Patriarca Kirill deve abalar todos os corações ecuménicos”, insistiu ele numa ampla entrevista com os meios de comunicação social alemães Die Tagespost. Na altura, assumiu que era “heresia que o patriarca ousasse legitimar a guerra brutal e absurda na Ucrânia”.

Numa declaração, o Patriarcado de Moscou disse lamentar o “tom incorreto” usado pelo Papa Francisco na sua entrevista ao Corriere della Sera. Considerou que as declarações do pontífice “não eram suscetíveis de contribuir para o estabelecimento de um diálogo construtivo entre a Igreja Católica Romana e a Igreja Ortodoxa Russa, o que é particularmente necessário neste momento”.

O clima frio entre Roma e Moscou intensificou-se com o cancelamento de uma reunião planejada em Jerusalém em Junho passado. “Lamento que o Vaticano tenha tido de suspender [o projeto de] um segundo encontro com o Patriarca Kirill, que tínhamos planejado para Junho em Jerusalém”, disse o Papa Francisco ao diário argentino La Nacion. Explicou em poucas palavras as razões desta decisão: “A nossa diplomacia compreendeu que um encontro entre os dois neste momento poderia levar a muita confusão”.

O formato cazaque é inadequado, de acordo com os russos

No contexto da guerra na Ucrânia e dada a inadequação do encontro num formato de duas pessoas, o Papa Francisco parecia apostar no Cazaquistão e nesta cimeira, o que lhe permitiria encontrar-se com o chefe da Igreja Ortodoxa Russa no meio de uma série de outros líderes religiosos.

Mas desta vez foi Moscou que fechou a porta a esta possibilidade. No final de Agosto, o novo chefe do Departamento dos Negócios Estrangeiros do Patriarcado de Moscou, o Metropolita Anthony de Volokolamsk, fez saber que o Patriarca não iria estar presente, através da agência noticiosa russa RIA Novosti.

Aproveitou a oportunidade para voltar à suspensão dos preparativos para a reunião de Jerusalém pelo Vaticano. Uma “grande surpresa”, disse ele. E assegurou que nenhuma outra proposta do Vaticano tinha chegado à Secretaria do Patriarca.

O “ministro” dos Negócios Estrangeiros do Patriarcado de Moscou indicou finalmente as condições para a realização de uma nova reunião. Deve “ser preparada com o maior cuidado, a sua agenda deve ser acordada, o documento resultante deve ser pensado com antecedência”.

Rumo a uma próxima reunião?

Esta cimeira de Nur-Sultan não ficará na história como se imaginava. Mas será interessante ver como as delegações russa e romana interagem.

Em Roma, salienta-se que as relações nunca foram interrompidas e recorda-se que foi um longo caminho até ao encontro de 2016 em Havana – um encontro histórico que se esperava em 2014 e novamente em 2015. Recorda-se também que a Igreja Ortodoxa Russa ainda é afetada por um forte movimento anti-ecuménico e anti-católico; todas estas pressões devem ser tidas em conta para compreender a atitude do Patriarca Kirill, ele próprio criticado internamente após a reunião em Cuba.

“Foi lançada uma dinâmica, impulsionada por um desejo mútuo”, insiste uma fonte do Vaticano que até imagina que uma reunião no próximo ano é possível.


2Monsenhor Gangemi nomeado Núncio Apostólico na Sérvia

Por Hugues Lefèvre : O Papa Francisco nomeou o Arcebispo Santo Gangemi como Núncio Apostólico na Sérvia, informou o Gabinete de Imprensa da Santa Sé a 12 de Setembro de 2022. O diplomata siciliano foi anteriormente colocado em El Salvador.

Nascido a 16 de Agosto de 1961 em Messina, Sicília, Santo Gangemi foi ordenado sacerdote em 1986 para a diocese da sua cidade natal. Está no serviço diplomático da Santa Sé desde 1991 e trabalhou nas nunciaturas de Marrocos, Itália, Roménia, Cuba, Chile, França, Espanha e Egito.

Nomeado núncio nas Ilhas Salomão em 2012, foi também, a partir de 2013, núncio apostólico na Papua Nova Guiné e depois na Guiné. Um ano mais tarde foi nomeado para o Mali e finalmente, em 2018, para El Salvador.

Na Sérvia, D. Santo Gangemi substitui outro italiano, D. Luciano Suriani, que tem sido o novo Núncio Apostólico na Macedónia do Norte e Bulgária desde Maio passado. Tal como os outros países dos Balcãs, a Sérvia é objeto de especial atenção por parte da diplomacia do Vaticano, preocupada com o ressurgimento das tensões na região, particularmente na Bósnia-Herzegovina.

Evitar novas crises nos Balcãs

Em Janeiro último, durante as suas tradicionais saudações ao corpo diplomático acreditado junto da Santa Sé, o Papa Francisco pediu que se encontrassem soluções para evitar novas crises nos Balcãs. Em Novembro de 2021, o Arcebispo Gallagher, Secretário da Santa Sé para as Relações com os Estados, visitou Belgrado.

A Santa Sé e a Sérvia celebraram em 2019 o 100º aniversário das suas relações bilaterais, e o Presidente da República da Sérvia, Aleksandar Vučić, tinha sido recebido em audiência pelo Papa Francisco nessa altura. A Sérvia congratula-se regularmente com o facto de a Santa Sé não reconhecer a independência do Kosovo.

Em Junho passado, na cerimónia de partida do Nuncio Suriani, o Ministro dos Negócios Estrangeiros sérvio aproveitou a oportunidade para lhe agradecer novamente “pela posição de princípio da Santa Sé relativamente ao não reconhecimento do chamado “Kosovo””. Elogiou também a Santa Sé pelo seu apoio ao processo de integração do seu país e dos seus vizinhos dos Balcãs Ocidentais nas instituições europeias.


3O Papa Francisco incentiva os estudantes suíços a tornarem-se peregrinos

Por Camille Dalmas: Educar é “tirar o novo homem da casca do velho homem”, o Papa Francisco disse aos membros da Sociedade Suíça de Estudantes que recebeu no Vaticano a 12 de Setembro. Novamente comparando a educação com “ajudar uma pessoa a nascer”, Francisco encorajou os seus convidados a libertarem-se “da escravidão do ego” e a abrirem-se “à plenitude da vida”.

A Sociedade Suíça de Estudantes é a maior associação de estudantes do país. Os seus membros decidiram vir a Roma numa peregrinação para assinalar o 75º aniversário da canonização de São Nicolau de Flüe, santo padroeiro da Confederação Suíça. O Papa, registrando esta intenção, saudou a “bela analogia entre ser estudante e ser peregrino”.

Não apenas satisfeitos por viver, mas querendo viver

O Papa Francisco advertiu-os então contra o risco de “considerarem-se como já chegados”. Em vez disso, elogiou o “espírito de discipulado” que os peregrinos desenvolvem, uma vez que se consideram sempre “a caminho”. Um peregrino, concluiu Francisco, impõe a si próprio uma regra importante: não se contentem apenas em viver, mas queiram viver.

O Papa chamou então os jovens suíços a que voltassem os seus estudos para Deus, convidando-os a dedicar tempo à leitura da Bíblia. Ele perguntou-lhes: “Sentem que são buscadores de Deus?”

Francisco também encorajou os estudantes suíços a comprometerem-se com o direito dos homens e das mulheres a estudar. Recordou que em muitos países, é negada às crianças e “especialmente às mulheres” uma educação completa.

Finalmente, o pontífice agradeceu aos estudantes suíços pela sua visita. Pediu a São Nicolau de Flüe que intercedesse por eles para “serem sempre buscadores apaixonados do verdadeiro, do bom e do belo”.

Este artigo é exclusivo para os membros Aleteia Premium

Já é membro(a)? Por favor,

Grátis! - Sem compromisso
Você pode cancelar a qualquer momento

1.

Acesso ilimitado ao conteúdo Premium de Aleteia

2.

Acesso exclusivo à nossa rede de centenas de mosteiros que irão rezar por suas intenções

3.

Acesso exclusivo ao boletim Direto do Vaticano

4.

Acesso exclusivo à nossa Resenha de Imprensa internacional

5.

Acesso exclusivo à nova área de comentários

6.

Anúncios limitados

Apoie o jornalismo que promove os valores católicos
Apoie o jornalismo que promove os valores católicos
Tags:
DiálogoDireto do VaticanoEcumenismo
Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • Aleteia é publicada diariamente em sete idiomas: inglês, francês,  italiano, espanhol, português, polonês e esloveno
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

PT300x250.gif
Oração do dia
Festividade do dia





Envie suas intenções de oração à nossa rede de mosteiros


Top 10
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia