Aleteia logoAleteia logoAleteia
Sexta-feira 30 Setembro |
São Jerônimo
Aleteia logo
Atualidade
separateurCreated with Sketch.

Mas o que é que o Papa Francisco vai fazer no Cazaquistão?

GREECE-VATICAN-RELIGION-POPE-AFP

Photo by ARIS MESSINIS / AFP

Camille Dalmas - publicado em 13/09/22 - atualizado em 13/09/22

O Papa Francisco está de visita ao Cazaquistão de 13 a 15 de Setembro, a sua 38ª viagem fora da Itália. Embora o Papa a tenha apresentado como uma "viagem tranquila", os riscos envolvidos nesta viagem são significativos. Aqui estão algumas explicações

Ao deslocar-se ao Cazaquistão de 13 a 15 de Setembro, o Papa Francisco é o segundo pontífice a visitar esta vasta república da Ásia Central depois de João Paulo II em 2001. Guerra na Ucrânia, diálogo com os ortodoxos e relações com a China: embora o Papa tenha apresentado esta viagem como uma “viagem tranquila”, as questões envolvidas são significativas.

1Diálogo entre as religiões tradicionais

O coração da visita do Papa Francisco a Nur-Sultan, a cidade onde ele ficará durante toda a sua estadia no Cazaquistão, é a sua participação num grande encontro inter-religioso organizado pelo governo. Inspirado nas reuniões de Assis e apoiado pela Santa Sé desde o seu lançamento em 2003, o Congresso de Líderes das Religiões Mundiais e Tradicionais é fruto do desejo do ex-Presidente Nur-Sultan Nazarbayev de promover um diálogo entre os líderes religiosos para os exortar a trabalhar em conjunto pela paz e tolerância. O Papa, um convidado especial no encontro, deverá proferir dois discursos e encontrar-se com outros líderes.

O tema escolhido pela organização do Congresso – construir um mundo pós-pandémico – ecoa diretamente uma reflexão desenvolvida pelo Papa na encíclica Fratelli tutti em 2020 – e em muitos textos subsequentes. Na sua encíclica, o pontífice explicou que a crise era um indicador da necessidade de construir uma sociedade mais fraterna para a humanidade. Para alcançar esta fraternidade universal, apostou na coexistência de religiões orientadas para a paz e o desenvolvimento comum.

O Papa Francisco voltará também a encontrar-se em Nur-Sultan com uma pessoa que inspirou a sua encíclica, o grande imã de Al Azhar Ahmed al-Tayyeb. Com este último, assinou o Documento sobre a Fraternidade em 2019 em Abu Dhabi, um texto que encoraja a cooperação harmoniosa das religiões em prol da paz. Como o evento é organizado por um país secular mas predominantemente muçulmano (70%), acolhe importantes representantes muçulmanos de todo o mundo, com os quais o Papa também poderá encontrar-se no dia 14 de Setembro.

2A SOMBRA DA GUERRA NA UCRÂNIA

A cimeira será marcada pela notória ausência do Patriarca de Moscou, Kirill, que tinha sido anunciado como participante mas que finalmente abandonou a viagem. O projeto de um encontro entre o Papa Francisco e o chefe da Igreja Ortodoxa Russa, o segundo desde o encontro histórico em Havana, Cuba em 2016, falhou mais uma vez, após um projeto abortado em Jerusalém em Junho passado.

O encontro com Kirill continua a ser um “desejo” do Papa, assegura o chefe do Gabinete de Imprensa da Santa Sé Matteo Bruni. O Papa Francisco participará na reunião juntamente com uma delegação da Igreja Ortodoxa Russa. Poderiam esperar-se intercâmbios entre membros das delegações católica e moscovita, disse uma fonte do Vaticano.

Mesmo que o avião de Francisco evite voluntariamente sobrevoar a Ucrânia e a Rússia – acrescentando assim uma hora extra ao programa – a questão da promoção da paz na Ucrânia deveria ser um tema importante para o pontífice. As suas palavras serão de qualquer modo particularmente ouvidas neste país que, para além de uma grande população de língua russa e ortodoxa russa, é o lar de uma minoria ucraniana e nomeadamente de uma pequena comunidade greco-católica.

3PRESENÇA NO LOCAL DO PRESIDENTE CHINÊS

XI-JINPING-CHINA-HONG-KONG-AFP-000_32DH8PM.jpg
Le président chinois Xi Jinping lors de son arrivée à Hong Kong, 30 juin 2022.

A 14 de Setembro, enquanto o Papa Francisco participará na reunião inter-religiosa, o Presidente Xi Jinping fará a sua primeira viagem ao estrangeiro desde o final de 2019 para Nur-Sultan. A proximidade geográfica dos dois homens, que nunca se encontraram – como nenhum papa e líder chinês antes deles – é uma coincidência preocupante que vários meios de comunicação social não deixaram de destacar.

A Santa Sé, quando questionada sobre a oportunidade de uma reunião, manteve o anunciado programa do pontífice, que não inclui um intercâmbio com o Chefe de Estado chinês. Pequim não comunicou sobre a presença dos dois homens no mesmo dia em Nur-Sultan.

A falta de uma reunião, porém, diz muito sobre o estado das relações entre a China e a Santa Sé. Pequim não parece mais interessado numa reunião do que em Março de 2019, quando Xi Jinping visitou o Presidente italiano Sergio Mattarella em Roma, mas ignorou os apelos do Secretário de Estado Pietro Parolin, que manteve a “porta aberta” ao líder chinês. Contudo, a questão da renovação do acordo pastoral celebrado entre a China e a Santa Sé em 2018, que permite a nomeação de bispos tanto pelo Papa como pelo governo chinês, deve ser resolvida em Outubro. Neste contexto, qualquer possibilidade de interacção, mesmo a um nível inferior – por exemplo entre membros das delegações chinesa e vaticana – será acompanhada com grande atenção no Cazaquistão.

4UMA VISITA PASTORAL AO CORAÇÃO DA ÁSIA

KAZAKHSTAN-shutterstock_1480677044.jpg

No Cazaquistão, o Papa Francisco também entrará em contato com uma das pequenas comunidades cristãs que ele visitou frequentemente nas suas viagens anteriores. A comunidade neste grande país da Ásia Central tem uma história particular, porque é principalmente o resultado de deportações. Estas foram realizadas primeiro pelos czares e depois, de forma mais maciça, pelo regime soviético, e diziam respeito às populações alemãs, polacas, ucranianas e bálticas que se encontravam em território russo na altura.

Embora muitos destes católicos exilados tenham regressado a casa após a queda do Muro de Berlim, um número permaneceu no Cazaquistão e forma a pequena população católica atual. O Vaticano estima que existem hoje 125.000 católicos, cerca de 1% da população do Cazaquistão. Com 81 paróquias, 6 bispos, mais de 100 padres e 138 religiosos, é um pequeno núcleo do catolicismo que ainda vive no coração da estepe. A Igreja Católica no Cazaquistão também dirige cinco escolas, dois lares de idosos, dois dispensários médicos e três orfanatos.

A boa relação entre o Vaticano e o governo cazaque assegura que a comunidade coexista em harmonia com outras religiões, especialmente com o Islã. A Igreja está a mostrar um certo dinamismo: os bispos cazaques juntaram-se recentemente a outros na região para formar uma conferência da Ásia Central – Uzbequistão, Turquemenistão, Quirguizistão, Mongólia, etc. – a fim de dar um novo ímpeto à sua presença.

5A INEVITÁVEL QUESTÃO DA SAÚDE DO PAPA

Como em todas as viagens, a saúde de Francisco será atentamente observada pelos jornalistas que o acompanham. O Papa foi submetido a uma grande operação ao seu cólon em Julho de 2021 com a remoção de 30 cm de intestino – intervenção da qual afirma ter se recuperado – mas sofre de fortes dores no joelho há vários meses – mencionou uma fratura – ao ponto de já não poder mover-se sem uma bengala e, na maioria das vezes, prefere uma cadeira de rodas.

A organização da viagem foi adaptada, como foi no Canadá, ao problema de mobilidade do Papa: ele continua a utilizar o avião da ITA Airways utilizado em Julho passado, o que é mais conveniente para a instalação do pontífice. O “tempo de recuperação” também foi incluído no programa, que está muito menos ocupado do que estava no início do pontificado. A viagem também deve ser menos cansativa do que outras, uma vez que o Papa não deixará a capital do Cazaquistão.

A Santa Sé já relatou um detalhe interessante sobre a viagem: o Papa não deveria ter de entrar ou sair do avião através de um elevador no Aeroporto Internacional de Nur-Sultan, como costuma fazer. Uma “passarela” deveria permitir-lhe participar numa cerimónia de boas-vindas no aeroporto, não na pista.

Tags:
DiálogoPapa FranciscoRússiaViagem
Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • Aleteia é publicada diariamente em sete idiomas: inglês, francês,  italiano, espanhol, português, polonês e esloveno
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

PT300x250.gif
Oração do dia
Festividade do dia





Envie suas intenções de oração à nossa rede de mosteiros


Top 10
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia