Aleteia logoAleteia logoAleteia
Segunda-feira 26 Setembro |
São Cosme e São Damião
Aleteia logo
Religião
separateurCreated with Sketch.

Direto do Vaticano: Papa Francisco defende “laicidade saudável” perante autoridades cazaques

Este artigo é exclusivo para os membros de Aleteia Premium
Pope-Francis-Kazakhstan-AFP

Filippo MONTEFORTE / AFP

I.Media para Aleteia - publicado em 14/09/22

Boletim Direto do Vaticano de 14 de setembro de 2022

  1. O Papa Francisco defende uma “laicidade saudável” perante as autoridades cazaques
  2. A viagem de João Paulo II ao Cazaquistão em 2001, um avanço no antigo espaço soviético

1O Papa Francisco defende uma “laicidade saudável” perante as autoridades cazaques

Por Camille Dalmas, Cazaquistão – “A liberdade religiosa é o melhor berço da coexistência civil”, disse o Papa Francisco às autoridades cazaques reunidas na Sala de Concertos do Cazaquistão, em Nur-Sultan, a 13 de Setembro. Na presença do Presidente Kassym-Jomart Tokayev, o Papa elogiou a “laicidade saudável” deste país da Ásia Central, que “reconhece o papel precioso e insubstituível da religião e se opõe ao extremismo que a corrói”.

Após ter sido recebido pelo chefe de Estado cazaque no palácio presidencial de Ak Orda, o pontífice de 85 anos foi para a grande Sala de Concertos onde os representantes políticos, diplomáticos e religiosos do país aguardavam. O Papa agradeceu às autoridades pelo seu convite para participar no Congresso de Líderes das Religiões Mundiais e Tradicionais, um encontro inter-religioso que reuniu cerca de 100 representantes espirituais de todo o mundo, que descreveu como um lugar para promover “harmonia e paz”.

“Duas almas, uma asiática e uma europeia

Pintando um retrato de um Cazaquistão secular que respeita as suas tradições, o pontífice salientou a sua vocação como um “país de encontros”, nascido, segundo ele, da dolorosa memória dos gulags onde, no século XX, muitas pessoas foram deportadas em massa pelas autoridades soviéticas. Para Francisco, o Cazaquistão é um país com “duas almas, uma asiática e uma europeia”, e portanto um lugar privilegiado para o diálogo inter-religioso, mas também, mais amplamente, uma “importante encruzilhada de nós geopolíticos”.

Sem mencionar os países vizinhos, nomeadamente a China e a Rússia, o Papa considerou que esta situação de “ponte entre o Oriente e o Ocidente” destinava-o a desempenhar “um papel fundamental na atenuação dos conflitos”. Francisco citou especificamente a “guerra insana e trágica causada pela invasão da Ucrânia”, bem como outros confrontos em curso no mundo.

Lamentando o efeito destes conflitos nos países em desenvolvimento, o Bispo de Roma apelou ao “grito” dos que apelam à paz a ser “amplificado”, convidando os líderes a infundir nas organizações multilaterais “um novo espírito de Helsinque”, em referência à conferência de 1975. Insistiu que este compromisso era “assunto de todos” e, portanto, exigia “diálogo com todos”.

Contra as armas nucleares

Embora a questão do risco de um conflito nuclear tenha sido levantada no contexto da guerra na Ucrânia, o pontífice não deixou de se congratular com a escolha feita pelo Cazaquistão de renunciar às armas nucleares. Embora tivesse armas nucleares na altura da sua independência em 1991, o país optou voluntariamente por desmantelar esta parte do seu arsenal, um resquício da era soviética.

O Papa Francisco elogiou também o empenho do país da Ásia Central nas políticas “energética e ambiental” e abordou a questão energética, que é central para esta nação rica em recursos. Sobre este ponto, o pontífice denunciou a “injustiça generalizada” que, segundo ele, constitui a “tomada de reféns” de certos países pelo sistema económico global. Exortou o Estado e o setor privado a não limitarem o desenvolvimento económico aos ganhos dos “poucos”.

Num discurso cheio de defesa das liberdades fundamentais, o Papa insistiu que a defesa destes direitos não deveria ser reduzida “a proclamações”. Uma sociedade civil livre, disse, deve apoiar os trabalhadores e os jovens e proporcionar-lhes “segurança económica”. Tal estado de direito, salientou, era “a resposta mais eficaz ao possível extremismo, personalismo e populismo que ameaçam a estabilidade e o bem-estar dos povos”.


2A viagem de João Paulo II ao Cazaquistão em 2001, um avanço no antigo espaço soviético

Por Camille Dalmas: A viagem do Papa Francisco ao Cazaquistão é uma oportunidade de olhar para trás para a viagem de João Paulo II, que veio a Astana de 22 a 25 de Setembro de 2001, como parte da sua 95ª viagem apostólica, que depois o levou à Arménia. Alguns dias após os ataques de 11 de Setembro nos Estados Unidos, o pontífice polaco fez questão de manter a sua estadia neste vasto país, predominantemente muçulmano, para enviar uma mensagem de paz e respeito entre religiões e culturas.

Bem recebido já na chegada do seu avião pelo então Presidente Nursultan Nazarbayev, que tinha feito da tolerância religiosa um tema central na integração do seu país na comunidade internacional, o Papa, marcado pelo cansaço e pela doença, tinha mobilizado toda a sua energia em acentos próximos dos apelos proféticos do início do seu pontificado.

“O Cazaquistão, terra de mártires e crentes, terra de deportados e heróis, terra de pensadores e artistas, não tenha medo”, disse o Papa polonês no seu primeiro discurso, sublinhando a importância da liberdade religiosa, dez anos após a independência do país. Registrou também a “iniciativa corajosa” tomada pelo governo do Cazaquistão ao renunciar às armas nucleares e ao desmantelamento do local dos testes nucleares de Semipalatinsk, o local da poluição radioativa trágica e de longa duração desde a era soviética.

O Papa veio encorajar a minoria católica, enfraquecida pela partida, nos anos 90, de muitos descendentes de deportados alemães, polacos e lituanos forçados por Estaline a instalar-se nestas estepes inóspitas. Durante a missa celebrada a 23 de Setembro de 2001 na praça da Pátria, em Astana, o Papa sublinhou o valor da colaboração de cristãos e muçulmanos, “empenhados todos os dias, lado a lado, na humilde busca da vontade de Deus”.

O apelo contra a violência após o 11 de Setembro

Neste país de cerca de 100 nacionalidades e etnias, o Papa fez um apelo solene contra a violência em reação aos ataques de 11 de Setembro. “Desejo fazer um apelo sincero a todos, cristãos e seguidores de outras religiões, para trabalharem juntos na construção de um mundo sem violência, um mundo que ame a vida, que cresça na justiça e na solidariedade. Não devemos deixar que o que aconteceu aumente as divisões. A religião nunca deve ser uma razão para justificar um conflito”, disse o Papa polaco.

“Deste lugar, convido cristãos e muçulmanos a elevar uma intensa oração ao Deus Único Todo-Poderoso, que nos criou a todos, para que o bem fundamental da paz possa prevalecer no mundo”, João Paulo II tinha afirmado, convidando a “trabalhar para uma civilização do amor, na qual não haja lugar para o ódio, a discriminação ou a violência”. Antes dos representantes do mundo da cultura, reiterou que “o ódio, fanatismo e terrorismo profanam o nome de Deus e desfiguram a imagem autêntica do homem”.

O seu encontro com os bispos da Ásia Central dar-lhe-á a oportunidade de reiterar o seu apelo à liberdade religiosa. “Depois do longo Inverno do domínio comunista, que procurou desarraigar Deus do coração do homem”, o Papa regozijou-se ao ver as Igrejas locais recuperarem “visibilidade e consistência” e experimentarem “o início de uma época promissora de evangelização”.

Visitas a vários países da ex-URSS

Durante a consagração da Catedral de Nossa Senhora do Perpétuo Socorro, o Papa saudou a fundação do seminário de Karaganda, que irá formar futuros sacerdotes das repúblicas da Ásia Central. “Agora que o clima político e social foi libertado do peso da opressão totalitária, a necessidade de cada discípulo de Cristo ser a luz do mundo e o sal da terra continua a ser uma necessidade premente. Esta necessidade é ainda mais urgente devido à destruição espiritual herdada do ateísmo militante, mas também devido aos riscos colocados pelo hedonismo e consumismo atuais”, advertiu o papa polaco, depois de prestar homenagem aos mártires das perseguições comunistas, muitos dos quais eram da Polónia.

Apesar de o papa nunca ter podido visitar a Rússia, pôde ir a vários países da ex-URSS. Os primeiros foram os três Estados Bálticos – Lituânia, Letónia e Estónia – já em 1993, seguidos pela Geórgia em 1999, Ucrânia em Junho de 2001, Cazaquistão e Arménia em Setembro de 2001, e Azerbaijão em Maio de 2002. Assim, visitou 8 das 15 antigas repúblicas soviéticas. O Papa polaco, que foi um dos arquitetos da queda do comunismo, pôde viajar para as margens da ex-URSS mas nunca pôde visitar o território da Federação Russa, principalmente devido à desconfiança dos líderes da Igreja Ortodoxa Russa.

Este artigo é exclusivo para os membros Aleteia Premium

Já é membro(a)? Por favor,

Grátis! - Sem compromisso
Você pode cancelar a qualquer momento

1.

Acesso ilimitado ao conteúdo Premium de Aleteia

2.

Acesso exclusivo à nossa rede de centenas de mosteiros que irão rezar por suas intenções

3.

Acesso exclusivo ao boletim Direto do Vaticano

4.

Acesso exclusivo à nossa Resenha de Imprensa internacional

5.

Acesso exclusivo à nova área de comentários

6.

Anúncios limitados

Apoie o jornalismo que promove os valores católicos
Apoie o jornalismo que promove os valores católicos
Tags:
Direto do VaticanoLaicismoPapa Francisco
Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • Aleteia é publicada diariamente em sete idiomas: inglês, francês,  italiano, espanhol, português, polonês e esloveno
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

PT300x250.gif
Oração do dia
Festividade do dia





Envie suas intenções de oração à nossa rede de mosteiros


Top 10
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia