Aleteia logoAleteia logoAleteia
Segunda-feira 26 Setembro |
São Cosme e São Damião
Aleteia logo
Espiritualidade
separateurCreated with Sketch.

No coração das estepes do Cazaquistão, a espantosa popularidade de Santa Teresinha

Este artigo é exclusivo para os membros de Aleteia Premium
THERESE-DE-LISIEUX-KAZAKHSTAN-MONTAGE-ALETEIA.jpg

Montage Aleteia

Cyprien Viet - publicado em 14/09/22

Entre os primeiros países a acolher as relíquias da santa está o Cazaquistão, onde o Papa Francisco está a fazer uma viagem apostólica esta semana. De 5 de Maio a 28 de Junho de 1999, as relíquias de Teresa de Lisieux viajaram por este imenso país, como parte de uma vasta e espantosa peregrinação que também viu a Rússia acolher a santa normanda

No final dos anos 90, tempo marcado por uma certa liberdade mas também por uma fase de caos económico e social para os Estados que tinham saído da órbita de Moscou, o Cazaquistão apresentou o rosto de um país em grandes dificuldades, marcado pelo isolamento, a miséria e a grave poluição, devido em particular aos testes nucleares da era soviética. Várias centenas de milhares de católicos vivem neste território, a maioria deles descendentes de deportados polacos, lituanos ou alemães da era stalinista.

“Para viver aqui, é preciso ser santo ou louco”, confidenciou um padre aos organizadores desta peregrinação das relíquias, segundo um testemunho relatado num livro intitulado Comment Thérèse visita la Russie et le Kazakhstan (Editora Témoins de vie, 2014), escrito pela Irmã Tamara Teuma, da diocese de Fréjus-Toulon, que tinha acompanhado as relíquias do santa normanda durante esta viagem à ex-URSS.

As comunidades católicas, separadas por grandes distâncias, vivem em condições muito precárias. Trazer as relíquias de Santa Teresa para este território faz parte de um desejo de evangelização e de comunhão tornado possível pela queda do comunismo. Onde quer que fosse, nas igrejas mas também em hospitais, prisões, capelas isoladas, seguindo um percurso por vezes improvisado, a santa normanda suscitava fervor e curiosidade.

A Irmã Tamara menciona a presença recorrente de “grupos de crianças”, e dá este exemplo pungente, numa das aldeias por onde passou: “A maioria das crianças tem problemas hormonais devido à radiação, e uma menina de 6 ou 7 anos que parecia ter 80 anos, com cabelo branco, enrugada, o seu corpo deformado pelo reumatismo, ficou fascinada por Santa Teresinha num longo diálogo, de pé durante horas em frente ao relicário, nada a conseguia tirar de lá. No dia seguinte, ela rezou de joelhos, o que lhe era impossível no dia anterior.

Conversões e curas

Neste país marcado pelo ateísmo promovido durante a URSS, a maioria da população é muçulmana, mas tolera as conversões ao cristianismo. Durante uma etapa da peregrinação, uma menina muçulmana, Molinaxa, pede para ser batizada e levará o nome de Teresa, com o acordo da sua mãe, fascinada pela influência da santa francesa.

Na cidade de Shortandy, a passagem das relíquias por um hospital levou à adoção de um bebé de três meses pela esposa do embaixador guatemalteco, chamada Maria Teresa. Alguns anos mais tarde, a transferência do seu marido como embaixador do seu país centro-americano ao Vaticano permitiu que o seu filho adotivo, agora adolescente, conhecesse os Papas Bento XVI e Francisco.

A passagem das relíquias da santa carmelita por Karaganda, a cidade que viu surgir esta Igreja das Estepes, animada em particular pela diáspora polaca, numa região que viu milhares de deportados morrerem de exaustão nos cerca de quarenta campos de trabalho que o regime soviético tinha instituído na região, é pontuada por muitos momentos significativos.

A pequena e a grande história cruzam-se

Um sobrevivente do Gulag, Stanislas, recebe uma carta do governo francês no dia em que as relíquias chegam, dando-lhe reconhecimento e uma pensão de veterano, compensando 54 anos de esquecimento: este homem de origem russa tinha de fato participado em operações da Resistência na França, e foi até motorista do General de Gaulle durante o desfile da vitória nos Champs-Elysées em Agosto de 1944.

Por toda a parte, a pequena e a grande história cruzam-se, e é também o futuro desta Igreja Católica do Cazaquistão que está a tomar forma. Na cidade de Karaganda, a Irmã Tamara lembra-se de um menino, com apenas seis anos de idade, a chorar e a repetir: “Ela está de partida! Ela está de partida!”

Muitos anos mais tarde, a freira recebeu uma carta do Cazaquistão, com estas palavras: “Sou aquele rapazinho que chorou tanto quando Santa Teresinha partiu, e agora sou seminarista. Esta criança, movida pela santa, participou assim na “Primavera da evangelização” esperada por João Paulo II durante a sua visita ao Cazaquistão em 2001, e no desenvolvimento desta Igreja minoritária mas fervorosa que o Papa Francisco saúda agora durante a sua 38ª viagem apostólica.

Este artigo é exclusivo para os membros Aleteia Premium

Já é membro(a)? Por favor,

Grátis! - Sem compromisso
Você pode cancelar a qualquer momento

1.

Acesso ilimitado ao conteúdo Premium de Aleteia

2.

Acesso exclusivo à nossa rede de centenas de mosteiros que irão rezar por suas intenções

3.

Acesso exclusivo ao boletim Direto do Vaticano

4.

Acesso exclusivo à nossa Resenha de Imprensa internacional

5.

Acesso exclusivo à nova área de comentários

6.

Anúncios limitados

Apoie o jornalismo que promove os valores católicos
Apoie o jornalismo que promove os valores católicos
Tags:
Papa Franciscosanta teresinhaSantos
Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • Aleteia é publicada diariamente em sete idiomas: inglês, francês,  italiano, espanhol, português, polonês e esloveno
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

PT300x250.gif
Oração do dia
Festividade do dia





Envie suas intenções de oração à nossa rede de mosteiros


Top 10
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia