Aleteia logoAleteia logoAleteia
Segunda-feira 26 Setembro |
São Cosme e São Damião
Aleteia logo
Religião
separateurCreated with Sketch.

Direto do Vaticano: O Papa Francisco presta homenagem a São Pio V

Este artigo é exclusivo para os membros de Aleteia Premium
Temporary

ALESSANDRO DI MEO/AFP/East News

I.Media para Aleteia - publicado em 19/09/22

Boletim Direto do Vaticano de 19 de setembro de 2022

  1. Pio V, “um reformador da Igreja que fez escolhas corajosas”, reconhece o Papa
  2. “Pensávamos que seríamos sempre saudáveis num mundo doente”, diz o Papa
  3. Os novos bispos procuram responder aos desafios da época

1Pio V, “um reformador da Igreja que fez escolhas corajosas”, reconhece o Papa

Por Hugues Lefèvre – O Papa Francisco prestou homenagem à memória do Papa Pio V perante uma audiência de fiéis da diocese piemontesa de Alexandria no dia 17 de Setembro para assinalar o 450º aniversário da morte de São Pio V (1504-1572), o único pontífice daquela região da Itália. Enquanto elogiava o ensino e testemunho de fé do seu distante antecessor – que aplicou resolutamente o Concílio de Trento e reformou a liturgia no contexto da Reforma Católica – o Papa disse que o pontificado de Pio V não deveria ser avaliado com a mentalidade de hoje.

Pio V e a mentalidade de hoje

O nome do Papa Pio V está historicamente ligado à “Contra-Reforma” liderada pela Igreja Católica em reação à Reforma Protestante. O dominicano italiano, eleito para a cátedra de Pedro em 1566, liderou a implementação do Concílio de Trento, insistindo em particular na necessidade dos leigos instruírem a sua fé, e exigindo que os sacerdotes fossem exemplos de piedade, pureza e dedicação missionária. Durante o seu curto pontificado (1566-1572), Pio V publicou o catecismo romano e o Missal, que se manteve em vigor até ao Concílio Vaticano II. Foi também o papa que iniciou a coligação europeia contra os turcos que levou à vitória de Lepanto em 1571.

Sem mencionar o Concílio de Trento ou a Reforma Protestante, o Papa Francisco reconheceu que Pio V “teve de enfrentar muitos desafios pastorais e governamentais em apenas seis anos do seu pontificado”. Elogiou o “reformador da Igreja, que fez escolhas corajosas”. Mas o pontífice acrescentou imediatamente que, desde então, “o estilo de governança da Igreja mudou e seria um erro anacrónico avaliar algumas das obras de São Pio V com a mentalidade atual”.

Um legado que não deve ser reduzido a uma memória nostálgica e embalsamada

Enquanto a figura de Pio V é por vezes associada aos círculos tradicionalistas – onde alguns ainda usam o seu Missal para celebrar a Missa – Francisco insistiu que o seu antecessor não deveria ser reduzido a “uma memória nostálgica e embalsamada” e que era necessário apreender o seu ensinamento e testemunho.

Para Francisco, o legado do 225º bispo de Roma é, antes de tudo, o seu convite para ser “buscador da verdade”. “Jesus é a Verdade, num sentido que não é apenas universal mas também comunitário e pessoal; e o desafio é viver hoje a busca da verdade na vida quotidiana da Igreja”, defendeu ele.

Recordou então que São Pio V tinha trabalhado para “a reforma da liturgia da Igreja”. Acrescentou que, quatro séculos mais tarde, “o Concílio Vaticano II levou a cabo uma nova reforma para melhor corresponder às necessidades do mundo atual”.

Mais de um ano após a promulgação do Motu Proprio Traditionis Custodes – que limitou drasticamente a possibilidade de celebrar sob a forma da chamada “Missa de Pio V” – o Papa Francisco lamentou que nos últimos anos tem-se falado muito da liturgia, mas especialmente das suas formas extraordinárias. Para ele, “o maior esforço deve ser feito para assegurar que a celebração eucarística se torne a fonte da vida comunitária”, insistiu, citando a constituição conciliar Sacrosanctum Concilium.

Referindo-se também à sua exortação apostólica Evangelii gaudium, o Papa explicou então que no final da Missa, “depois de ter tocado a carne eucarística de Cristo”, a “comunidade evangelizadora é enviada e inserida por obras e gestos na vida quotidiana dos outros” até tocar “a carne sofredora de Cristo nas pessoas”.

As quatro recomendações do Papa

Durante o seu discurso, Francisco também pediu aos fiéis para não esquecerem que São Pio V tinha encorajado particularmente os católicos a rezar, especialmente com o terço.

No final do seu discurso aos fiéis italianos, resumiu o seu ensinamento convidando-os a implementar estas quatro recomendações: “Seguir o ensinamento dos Apóstolos, a doutrina da Igreja; viver em comunhão e não em guerra uns com os outros; viver a Eucaristia, partir o pão e rezar”.

Finalmente, exortou-os a continuar a dinâmica de conversão pastoral e missionária promovida pelo processo sinodal na Igreja. “Esta viagem sinodal exige um crescimento laborioso mas frutuoso da comunhão fraterna entre bispos, sacerdotes e leigos”, recordou ele.


2“Pensávamos que seríamos sempre saudáveis num mundo doente”, diz o Papa

Por Hugues Lefèvre: Numa longa entrevista com o diário napolitano Il Mattino, o Papa Francisco relata uma série de flagelos que afligem o mundo e que o devem encorajar as pessoas à conversão. Migrantes, guerra na Ucrânia, pandemias, crime, dívidas… O pontífice conta como está a tentar alertar os líderes mundiais e retoma as principais mensagens da sua encíclica sobre a fraternidade humana, Fratelli tutti.

O jornal Il Mattino perguntou ao Papa de 85 anos sobre a cidade de Nápoles em particular. “Faz-me lembrar Buenos Aires. Por que me fala do Sul, e eu sou realmente do Sul”, confidenciou o pontífice argentino, que rapidamente escolheu abordar a questão do desafio migratório no Mediterrâneo. “Tenho visto com os meus próprios olhos o olhar dos migrantes. Tenho visto medo e esperança, lágrimas e sorrisos cheios de expectativas que são demasiadas vezes traídas”, disse ele.

Confiante de nunca ter esquecido as palavras do Patriarca de Constantinopla Bartolomeu durante a sua viagem a Lesbos em 2016, repete esta mensagem, dirigindo-se aos migrantes: “Aquele que tem medo de vós, não vos olhou nos olhos. Aquele que tem medo de vós não viu os vossos rostos. Aquele que tem medo de vós não viu os vossos filhos”.

“Não despertamos” para os desafios globais

Sublinhou depois que é “fácil assustar a opinião pública incitando ao medo do outro”, mas que é “mais difícil falar do encontro com o outro, denunciar a exploração dos pobres, as guerras que são muitas vezes largamente financiadas, os acordos económicos feitos pelas costas do povo, as manobras ocultas para o comércio de armas”.

Sobre a questão da guerra na Ucrânia, o Papa Francisco recorda as palavras de João Paulo II na sequência da queda do World Trade Center em Nova Iorque em 2001. “[João Paulo II] escreveu que a ordem quebrada não pode ser totalmente restaurada a não ser através da combinação de justiça e perdão. Os pilares da verdadeira paz são a justiça e o perdão, que é uma forma particular de amor”, disse ele. E insistiu: “Não te resignes à ideia de que para derrotares o mal tens de usar as tuas próprias armas”. Como repeti na reunião no Cazaquistão com líderes religiosos, só o diálogo é o caminho necessário e inevitável. E o diálogo é necessário com todos”.

Recordando a chegada da pandemia, o Papa confidenciou aos jornalistas de Il Mattino que “pensávamos que nos manteríamos sempre saudáveis num mundo doente”. Assim, “não acordamos para guerras e injustiças globais, não ouvimos o grito dos pobres e do nosso planeta gravemente doente”. Portanto, “hoje é um momento de julgamento, um momento de escolha”, disse ele. É “um tempo para escolher o que conta e o que não conta, para separar o que é necessário do que não é”.

Como o Papa alerta os líderes mundiais

Nesta entrevista, o chefe da Igreja Católica também relata os seus muitos apelos aos líderes políticos e econômicos internacionais. “Tenho pedido repetidamente e continuo a pedir, em nome de Deus, aos grupos financeiros e às agências de crédito internacionais que permitam aos países pobres garantir as necessidades básicas do seu povo e cancelar as dívidas que tantas vezes são contraídas contra os interesses desses mesmos povos”.

Mais adiante, exige que “as grandes empresas deixem de destruir as florestas, poluir rios e mares e envenenar pessoas e alimentos”. E ainda: “Continuo a apelar aos fabricantes e traficantes de armas para que cessem as suas atividades, que fomentam a violência e a guerra, pondo em perigo milhões de vidas. Tal como tenho apelado aos gigantes da tecnologia para que parem de explorar a fragilidade humana para obter lucro, não para encorajar a manipulação psicológica de menores na web, discursos de ódio, notícias falsas, teorias da conspiração e manipulação política, e em vez disso para liberar o acesso a conteúdos educativos”.

Aos governos e políticos de todos os quadrantes, Francisco pede-lhes que “trabalhem para o bem comum”, tendo “a coragem de olhar o seu povo nos olhos, de saber que o bem de um povo é muito mais do que um consenso entre as partes”. O Papa também os exorta a não ouvirem apenas “as elites económicas que são tão frequentemente porta-vozes de ideologias superficiais que escapam aos problemas reais da humanidade”.


3Os novos bispos procuram responder aos desafios da época

Por Cyprien Viet: Após o intervalo imposto por Covid-19, a formação anual de novos bispos, organizada pelo dicastério para bispos desde 2000, foi retomada este ano em duas sessões. No total, mais de 300 participantes refletiram sobre o tema: “Anunciar o Evangelho em Tempos de Mudança e no Rescaldo da Pandemia: O Serviço do Bispo”.

A primeira sessão, de 1 a 8 de Setembro, teve um tom oriental, já que dos 154 bispos presentes, quase um terço provinha de territórios das Igrejas Orientais. Quando o Papa os recebeu a 8 de Setembro, teve com eles um diálogo muito informal. A segunda sessão, iniciada a 12 de Setembro, envolve 170 bispos de cerca de trinta países.

Entre eles, I.MEDIA encontrou-se com o Bispo Marc Beaumont, 61, Bispo de Moulins desde 16 de Maio de 2021. À frente de uma pequena diocese rural de cerca de 330.000 habitantes, com 35 padres ativos em 15 paróquias, D. Beaumont tem o prazer de comparar as suas experiências com as de outros territórios. “Conhecemos confrades da Suíça, Estados Unidos, Brasil, Polónia… É uma experiência da universalidade da Igreja, vivida de uma forma serena e reconfortante. As sessões de perguntas e respostas são muito livres”, disse ele, contente por ter sido capaz de colocar caras a alguns dos chefes dos dicastérios da Cúria Romana.

Os jovens bispos de todos os continentes são convidados a refletir sobre uma grande variedade de temas, tais como os desafios dos “tempos de mudança”, a administração canónica de uma diocese, as relações com os meios de comunicação social, ou o acompanhamento das famílias.

Encontrar “serenidade interior” em “circunstâncias adversas

Durante estes dias, os novos bispos são confrontados com questões relativas aos “traços espirituais” dos pastores que a Igreja precisa hoje em dia. “As pessoas avaliam a nossa credibilidade como ministros com base na serenidade interior com que sabemos transmitir a alegria do Evangelho, mesmo em circunstâncias adversas”, sublinham os organizadores no comunicado de imprensa.

O problema da crise de abusos levou a uma sessão com a Discerning Leadership Commission, da Companhia de Jesus, durante a qual os bispos puderam partilhar as suas experiências. O Bispo Beaumont disse que no seu território rural os únicos casos que vieram à luz são de padres falecidos. No entanto, recebeu vítimas, e é acompanhado neste processo por uma unidade de escuta criada pelo seu antecessor, e que envolve um psiquiatra e um advogado.

A saúde física e psicológica dos padres face à pressão mediática gerada por estes casos é também uma preocupação para os bispos. O Bispo Beaumont está tranquilo com a atitude dos fiéis da sua diocese que “têm palavras de apoio e encorajamento para os seus sacerdotes, em vez de suspeitas”, disse ele.

O Sínodo, um tempo de conversão para a Igreja

O tempo de intercâmbio com a Secretaria Geral do Sínodo foi particularmente significativo para o Bispo Beaumont. “A experiência sinodal marca uma mudança na vida da Igreja, com um antes e um depois. Todos os batizados são chamados a participar no processo de tomada de decisões. Na França, homens e mulheres leigos já estão presentes nos conselhos episcopais, mas gostaríamos que os mais jovens se envolvessem nas responsabilidades, na gestão das paróquias”, confidencia o Bispo Beaumont.

Em todo o caso, considera ser seu dever chamar cada cristão a assumir a responsabilidade, sem esperar tudo do Papa e do Vaticano. “Cada país, cada continente tem os seus próprios problemas. Podemos ver pelos intercâmbios que, dependendo da sua origem, as preocupações são diferentes. Não é fácil para o Vaticano adaptar-se a cada contexto”, reconheceu ele.

O desafio, tanto no Sínodo como na luta contra os abusos, é portanto o de tornar as igrejas locais mais responsáveis. “Não basta fazer fortes críticas à Igreja universal e esperar que Roma mude. O processo de conversão deve ser vivido por cada um de nós, a nível paroquial e diocesano”, insiste o bispo de Moulins.

Este artigo é exclusivo para os membros Aleteia Premium

Já é membro(a)? Por favor,

Grátis! - Sem compromisso
Você pode cancelar a qualquer momento

1.

Acesso ilimitado ao conteúdo Premium de Aleteia

2.

Acesso exclusivo à nossa rede de centenas de mosteiros que irão rezar por suas intenções

3.

Acesso exclusivo ao boletim Direto do Vaticano

4.

Acesso exclusivo à nossa Resenha de Imprensa internacional

5.

Acesso exclusivo à nova área de comentários

6.

Anúncios limitados

Apoie o jornalismo que promove os valores católicos
Apoie o jornalismo que promove os valores católicos
Tags:
BisposDireto do VaticanoLiturgiaPapa Francisco
Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • Aleteia é publicada diariamente em sete idiomas: inglês, francês,  italiano, espanhol, português, polonês e esloveno
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

PT300x250.gif
Oração do dia
Festividade do dia





Envie suas intenções de oração à nossa rede de mosteiros


Top 10
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia