Aleteia logoAleteia logoAleteia
Quarta-feira 28 Setembro |
Santa Eustóquio
Aleteia logo
Atualidade
separateurCreated with Sketch.

Julgamento do cardeal Zen é adiado após juiz testar positivo para Covid

J-P Mauro - publicado em 21/09/22 - atualizado em 21/09/22

O cardeal emérito Joseph Zen, de 90 anos, é acusado de ajudar a gerir um fundo de ajuda para ativistas pró-democracia sem obter autorização do Estado

O tão esperado julgamento do cardeal Joseph Zen e outras cinco pessoas foi adiado esta semana, quando o juiz encarregado testou positivo para COVID-19. O julgamento estava marcado para começar segunda-feira, 19 de Setembro, e terminar sexta-feira, 23 de Setembro, mas agora espera-se que o processo seja adiado por alguns dias.

A Al Jazeera informa que o Cardeal Zen é um dos seis arguidos acusados de “conluio com forças estrangeiras”, ao organizar o ‘Fundo 612 de Ajuda Humanitária’ para ajudar os ativistas pró-democracia a pagar suas obrigações legais. As acusações surgiram quando foi determinado que os arguidos, que são todos alegadamente administradores do fundo, não se registraram junto do governo chinês.

Fundo de Ajuda Humanitária

No website dedicado do fundo, afirma-se que foi criado em Junho de 2019 para prestar ajuda a pessoas que foram feridas, presas, atacadas ou ameaçadas durante os protestos em Hong Kong realizados no início daquele mês. O Fundo 612 de Ajuda Humanitária está extinto desde 2021.

O Cardeal Zen, 90 anos, foi preso em Maio pela sua ligação ao Fundo e tem estado em liberdade sob fiança. Segundo o CNA, os seus colegas arguidos incluem a cantora-ativista Denise Ho, a advogada Margaret Ng, a acadêmica Hui Po-keung, a ativista Sze Ching-wee, e o ex-legislador Cyd Ho. Todos os arguidos se declararam inocentes das acusações.

Lei Básica

Espera-se que a defesa argumente que as ações dos arguidos estavam de acordo com a Lei Básica de Hong Kong, um quadro legal que foi instalado após a cessação da ocupação britânica da cidade, em 1997. A Lei Básica protege certos direitos humanos básicos, tais como a liberdade de reunião e a liberdade de expressão, bem como estabelece diretrizes para a governança de Hong Kong. Esta lei, contudo, não se estende para além da cidade e está frequentemente em desacordo com a lei chinesa continental.

Se os arguidos forem considerados culpados, poderão enfrentar multas ou mesmo uma pena de prisão leve. As penas poderiam, no entanto, ser muito mais severas se Hong Kong decidir acusá-los sob a lei de segurança nacional estabelecida em 2020. A lei de segurança nacional de Hong Kong criminaliza tudo o que Pequim determinar como “conluio estrangeiro”. Os procuradores, no entanto, ainda não apresentaram tais acusações contra qualquer dos arguidos.

Tags:
PerseguiçãoPolíticaViolência
Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • Aleteia é publicada diariamente em sete idiomas: inglês, francês,  italiano, espanhol, português, polonês e esloveno
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

PT300x250.gif
Oração do dia
Festividade do dia





Envie suas intenções de oração à nossa rede de mosteiros


Top 10
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia