Aleteia logoAleteia logoAleteia
Quinta-feira 22 Fevereiro |
Aleteia logo
Estilo de vida
separateurCreated with Sketch.

A glória de ser inútil

OLD-PEOPLE-CANE-SHUTTERSTOCK-shutterstock_424260028.jpg

Shutterstock I Hieronymus

Luc De Bellescize - publicado em 23/09/22

Uma reflexão lindíssima. Se você tiver condições de acompanhar um texto um pouco mais elaborado, não deixe de ler até o fim

Mesmo sem concordar, compreendo muito bem a lógica da eutanásia e a esmagadora maioria das pesquisas a favor da mesma. Vejam as perguntas feitas… Se tiver de escolher entre a inevitável degradação de uma morte lenta e uma adorável enfermeira que vem para colocá-lo a dormir suavemente, o resultado será unanimemente a favor da segunda proposta. A eutanásia é o último passo no tapete ensanguentado da cultura da morte. Há muito que decidimos ser os árbitros da vida nascente e escolher quem merece viver ou morrer, pelo que nada nos impede de sermos os árbitros da vida terminal. A grande transgressão já foi cometida há muito tempo.

Uma lógica consistente com a paganização

A cantora Dalida queria “morrer no palco ao som da ribalta”. Posso compreender que se contentasse com uma “morte suave”, segundo a etimologia da palavra, numa boa cama se possível, porque não numa clínica na Suíça impecavelmente limpa com um fundo de música comercial relaxante, antes de acabar polvilhada no Lago de Genebra para ser utilizada como alimento para as carpas. Se considerarmos o corpo humano como um material biodegradável e não o memorial de uma pessoa prometida à ressurreição, tenhamos, pelo menos, piedade da carpa.

Esta lógica de “escolher a própria morte”, ou escolhê-la para aqueles que já não são capazes de fazê-lo, uma deriva inescapável que vemos em países que já legalizaram a morte dos fracos, parece ser inteiramente consistente com a paganização do mundo. As pater familias romanas tinham o direito de vida e morte sobre seus filhos, e Esparta eliminava aqueles que tinham o menor defeito. Se esquecermos o fundamento cristão da nossa antropologia ocidental, nomeadamente a encarnação de Deus na nossa carne e a sua entrada no sofrimento e na morte, o que dá a cada pessoa, mesmo a mais desonrada ou obscura, uma nobreza incomparável, os velhos demónios do ter e do poder sempre nos alcançarão. Porque, no fim de contas, apesar das justificações humanistas e dos sentimentos chorosos, e apesar dos dramas – altamente instrumentalizados – que ferem a nossa terra com lágrimas, é também uma questão de dinheiro. Os cuidados paliativos irão sempre custar mais do que uma injeção letal.

A perda da grande esperança

Basicamente, perdemos a grande esperança, a da vida eterna; tudo o que nos resta é a terra, que está a encolher como um espaço de desgosto, e o tempo, que é deixado à sua própria finitude. Não há outra perspectiva além do relógio indefectível, “que diz sim, que diz não, que diz: estou à tua espera”. Se o homem nasce do acaso e vai em direção ao nada, torna-se o barco bêbado de Rimbaud que já não é guiado pelos ventos e desce os rios impassivelmente. A obsessão com o relógio substituiu a paciência do eterno. O reflexo de sobrevivência consiste, portanto, em evitar cuidadosamente qualquer ansiedade espiritual. Acima de tudo, não devemos despertar o chamado esquecido de um Deus que lentamente matamos, não sem dificuldade, na nossa consciência emancipada. Somos simplesmente convidados a consumir a vida enquanto pudermos desfrutar dela, como um hamster bulímico a girar freneticamente na roda da sua jaula, porque cada hora que passa é um passo em direção ao nada.

Estas são as duas opções abertas ao ateísmo prático e irrefletido que se tornou o ar comum do homem ocidental: excitação e depressão. Tudo o que temos de fazer é transmutar a busca metafísica de significado numa obsessão com a saúde e a exaltação do bem-estar, e depois tomar antidepressivos quando as nossas capacidades diminuídas nos impedem de nos divertir por aí. O terceiro ato consistirá em “pedir livremente” a morte quando a sociedade nos impuser a imagem de sermos um desperdício caro. Na realidade, estas escolhas sucedem-se inelutavelmente uma à outra. Hemingway queimou a sua vida de bar em bar e de mulher em mulher antes de dar um tiro na cabeça quando sentiu impotência, diabetes e cegueira a aproximarem-se.

Fragilidade, uma fenda na couraça dos corações

É a canção de Starmania: “Tudo o que queremos é ser felizes, ser felizes antes de sermos velhos”, como se “ser velhos” fosse necessariamente ser infeliz. Como se a felicidade fosse monopólio da juventude. No entanto, muitas coisas bonitas acontecem aos pés da cama de uma pessoa moribunda. A fragilidade racha a couraça dos corações. Pensemos na magnífica canção de Aznavour, La Mamma, onde as crianças voltam de longe, mesmo as do sul da Itália, mesmo o filho amaldiçoado, tocando suavemente canções ao violão e cantando a Ave Maria. Os nós da vida são desatados perante a mãe moribunda. Pois os mais frágeis dão-nos o sentido do essencial e da gratuidade que faz a eminente dignidade da nossa vida humana: a de não servir para nada. A de estar infinitamente para além do utilitarismo. A de ser uma história sagrada. Somos servos inúteis (Lc 17, 10). Esta é a nossa glória. Morrer com dignidade é certamente beneficiar-se de cuidados que acalmam o sofrimento do espírito e do corpo. Mas também é morrer por nada, e ser amado de qualquer maneira. Não pelo que se tem, mas pelo que se é.

Tags:
EutanásiaIdososMorte
Top 10
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia