Aleteia logoAleteia logoAleteia
Quinta-feira 08 Dezembro |
Bem-aventurado Luís Liguda
Aleteia logo
Atualidade
separateurCreated with Sketch.

Guiné-Bissau: suspensão de isenções fiscais é “perseguição à Igreja”

PRAY

CameraAction | Shutterstock

Reportagem local - publicado em 25/09/22 - atualizado em 20/09/22

Mais um caso de perseguição à Igreja de Cristo

O governo da Guiné-Bissau decidiu suspender “temporariamente” as isenções fiscais às entidades religiosas e organizações não-governamentais presentes no país. A decisão, conhecida a 12 de Setembro através de um despacho do Ministério das Finanças, inclui a Igreja Católica e incide sobre “os bens e produtos de qualquer natureza”, que sejam “importados ou adquiridos no país”. 

No referido despacho, pode ler-se que a decisão foi tomada no âmbito do “processo de levantamento e balização das isenções aduaneiras e fiscais concedidas no quadro do Regime Geral de Isenções”.

Para Casimiro Jorge Cajucam, director-geral da rádio diocesana da Guiné-Bissau, na origem desta decisão do governo está, sobretudo, “uma tática de perseguição à Igreja”, e que o objectivo é a “intimidação”.

Falando ao telefone com a Fundação AIS, o responsável da rádio Sol Mansi refere que este “tem sido o ‘modus operandi’ deste regime, que tem desencadeado algumas acções muito estranhas contra a nossa Igreja”.

E acrescenta: “Tentaram esconder essa narrativa, dizendo que há, alegadamente, pessoas que se tentam aproveitar [da legislação], mas todo o mundo conhece a Igreja Católica aqui… É uma das instituições mais credíveis com uma autoridade moral acima da média. Para mim, é uma tentativa de limitar, de intimidar a Igreja Católica. E de criar mais dificuldades na sua actividade pastoral.”

A suspensão das isenções fiscais gerou já alguma contestação no país, nomeadamente pelo presidente do Movimento da Sociedade Civil da Guiné-Bissau. Citado pela agência Lusa, Carambá Sanhá afirmou que a decisão do governo foi recebida com “muita consternação” e que a mesma carece de “enquadramento legal”.

Impacto

O responsável considera que o Governo “não se pode esquecer do papel filantrópico” das ONG’s e das entidades religiosas. “O impacto de tudo isso vai ser sentido pela população. As ONG’s e as entidades religiosas ocupam um grande vazio que o Estado não consegue cobrir”, sublinhou ainda Carambá Sanhá. 

Esta decisão governamental, que afecta directamente a Igreja Católica, ocorre semanas depois de se ter registado, e pela primeira vez na história, a vandalização de um templo católico na Guiné-Bissau.

A Igreja em Gabú foi atacada e vandalizada a 2 de Julho, com a destruição de algumas imagens antigas e queridas da população, o que deixou a comunidade cristã profundamente triste e inquieta, como a Fundação AIS então reportou. 

Na ocasião, as autoridades afirmaram o seu compromisso na descoberta dos responsáveis pelos actos de vandalismo, de forma a serem levados à Justiça. Mais de dois meses depois, nada foi ainda divulgado sobre este incidente. 

O responsável da rádio Sol Mansi confirma a ausência total de informações oficiais relacionadas com o anunciado inquérito. “Até agora, zero”, diz Casimiro Cajucam. 

“Nem haverá novidades. Porque, e todos nós assistimos a isso, depois da vandalização houve uma intervenção do Ministro da Administração Territorial que prometeu uma investigação a sério para se apurar as responsabilidades dos autores morais e materiais, mas, alguns dias depois, chegou o Presidente que relativizou tudo aquilo e implicitamente deu a ordem para ninguém avançar com nada”, acrescentou o director da rádio diocesana da Guiné-Bissau.

(Com Fundação AIS)

Tags:
PerseguiçãoPolíticaViolência
Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • Aleteia é publicada diariamente em sete idiomas: inglês, francês,  italiano, espanhol, português, polonês e esloveno
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

PT300x250.gif
Oração do dia
Festividade do dia





Envie suas intenções de oração à nossa rede de mosteiros


Top 10
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia