Aleteia logoAleteia logoAleteia
Quarta-feira 07 Dezembro |
Bem-aventurado Janos Scheffler
Aleteia logo
Estilo de vida
separateurCreated with Sketch.

Como ser paciente sem perder o respeito próprio

Este artigo é exclusivo para os membros de Aleteia Premium
SAD WOMAN,

fizkes | Shutterstock

Silvia Lucchetti - publicado em 26/09/22

O fato de alguém aceitar abusos contínuos sem reagir não pode ser considerado paciência, mas passividade estéril

Quantas oportunidades já perdemos porque não tivemos forças para esperar? Ser paciente é um recurso emocional que nos ajuda a analisar as situações mais profundamente, pois, assim, nos permitimos mais tempo para observar e refletir. A psicóloga Ana Maria Sepe discute isso em psychoadvisor.com.

Ser paciente, sim, mas com propósito

Um aspecto importante da paciência é saber como aplicá-la em nossos relacionamentos, na interação com os outros, especialmente aqueles mais próximos de nós.

A etimologia do termo “paciência” vem do verbo latino patire (sofrer), o que significa que esta virtude envolve sofrimento, principalmente sofrimento mental. Esse sofrimento não pode ser um fim em si mesmo, mas deve encontrar uma motivação válida e um objetivo a ser alcançado, principalmente nas relações interpessoais.  

Quando a paciência é confundida com falta de caráter

Devemos, portanto, ter muito cuidado para não praticarmos a paciência indiscriminadamente.

Infelizmente, há aqueles que se aproveitam da nobreza de espírito dos outros para perseguir seus próprios objetivos egoístas e explorar a disposição das pessoas de serem pacientes, vendo isso como passividade e falta de caráter. Ana Maria Sepe enfatiza que não devemos nos permitir praticar a paciência a ponto de perder a integridade e o respeito próprios.

Respeito próprio

Tudo deve ter um limite. Esse limite é o respeito próprio. Sepe nos convida a refletir: “Vale a pena ter paciência com quem não se importa com seus sentimentos? Quem te derrubou psicologicamente? Quem não reconhece o que você faz por eles? E quem te envergonha? Menospreza você? Aproveita de sua bondade? Sempre quer estar certo?”

Por que você continua a aturar isso?

O fato de alguém aceitar abusos contínuos sem reagir não pode ser considerado paciência com propósito, mas passividade estéril. O que pode estar por trás da tolerância excessiva, que acaba sendo autodestrutiva? Frequentemente é um medo de rejeição, um medo de que os outros nos julguem negativamente. Isso nos abre para a armadilha de buscar aprovação e reconhecimento de todas as formas possíveis, expondo-nos ao risco de sermos explorados e manipulados.

Consequências

A longo prazo, essa passividade gerará insatisfação e frustração, resultando no desenvolvimento da agressividade. Quando essa agressão se torna auto-dirigida, prepara o terreno para a depressão; se externada, causará explosões comportamentais com consequências destrutivas para nós mesmos e para as pessoas ao nosso redor.

Sim, seja paciente, mas estabeleça limites

Se, portanto, é certo e apropriado ser paciente, tentar raciocinar com as pessoas enquanto tolera alguma grosseria inicial ou argumentação agressiva, é igualmente necessário traçar limites firmes além dos quais podemos perder nosso respeito próprio. 

A psicóloga afirma:

“É certo ser paciente, é certo tentar raciocinar com as pessoas, mas é igualmente certo traçar limites e, às vezes, até desistir de tentar com alguém, especialmente se a pessoa não estiver aberta para ouvir. Não adianta perder um tempo valioso com alguém que não coloca o mesmo esforço no relacionamento, seja ele qual for. Não adianta perder tempo com quem não está aberto ao diálogo.”

Aprendendo a respeitar

O limite da paciência nos relacionamentos coincide com a possibilidade real de que, em um tempo que certamente não é eterno, o outro possa, com nossa ajuda, tornar-se melhor e aprender a respeitar. Caso contrário, devemos aplicar o velho ditado: “Melhor sozinho do que em má companhia”.

Este artigo é exclusivo para os membros Aleteia Premium

Já é membro(a)? Por favor,

Grátis! - Sem compromisso
Você pode cancelar a qualquer momento

1.

Acesso ilimitado ao conteúdo Premium de Aleteia

2.

Acesso exclusivo à nossa rede de centenas de mosteiros que irão rezar por suas intenções

3.

Acesso exclusivo ao boletim Direto do Vaticano

4.

Acesso exclusivo à nossa Resenha de Imprensa internacional

5.

Acesso exclusivo à nova área de comentários

6.

Anúncios limitados

Apoie o jornalismo que promove os valores católicos
Apoie o jornalismo que promove os valores católicos
Tags:
pacienciaPsicologiaVirtudes
Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • Aleteia é publicada diariamente em sete idiomas: inglês, francês,  italiano, espanhol, português, polonês e esloveno
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

PT300x250.gif
Oração do dia
Festividade do dia





Envie suas intenções de oração à nossa rede de mosteiros


Top 10
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia