Aleteia logoAleteia logoAleteia
Sexta-feira 09 Dezembro |
São Cipriano de Genouillac
Aleteia logo
Religião
separateurCreated with Sketch.

Direto do Vaticano: “Turismo local” deve ser mais incentivado

Este artigo é exclusivo para os membros de Aleteia Premium
Saint-Peter-statue-in-St.-Peters-Square-at-the-Vatican-Antoine-Mekary-ALETEIA

Antoine Mekary | ALETEIA

I.Media para Aleteia - publicado em 28/09/22

Boletim Direto do Vaticano de 28 de setembro de 2022

  1. Dia do Turismo: Vaticano pede que se dê vida ao “turismo local”
  2. Retomado o julgamento do processo do edifício de Londres
  3. O Papa Francisco nomeia um novo núncio para Madagascar

1Dia do Turismo: Vaticano pede que se dê vida ao “turismo local”

Por Anna Kurian – Um turismo que é acima de tudo “local” para um melhor respeito pelo meio ambiente. Este é o apelo do Cardeal Michael Czerny, Prefeito do Dicastério para o Serviço de Desenvolvimento Humano Integral, numa mensagem para o Dia Mundial do Turismo, a celebrar-se a 27 de Setembro de 2022, sob o tema “Repensar o turismo”.

Na sequência da crise sanitária da Covid-19 e numa altura de crise energética, o prefeito sublinha que o turismo é “uma das forças motrizes na reconstrução de um mundo mais justo, sustentável e integral”. Mas “é necessária uma mudança de direção”, advertiu ele, antes de fazer algumas sugestões.

Apontando para as condições “precárias e por vezes ilegais” de alguns trabalhadores deste setor, apelou ao respeito pela lei laboral “a todos os níveis e em todos os países”, bem como à “partilha justa dos lucros, superando uma lógica predatória”.

Saber como “olhar à volta”

Temendo uma degradação “rápida e feroz” do meio ambiente devido ao sobreconsumo, a Santa Sé apela a um turismo “mais sustentável”, que seria também “local”. Antes de ir até os confins do mundo, é importante “saber olhar em volta, reconhecer e apreciar os tesouros do patrimônio, da culinária, do folclore e até da espiritualidade que as regiões vizinhas têm a compartilhar”.

Numa escala global, o Cardeal Czerny também propõe repensar “o fluxo de mercadorias, o movimento das pessoas para o turismo e os ritmos de consumo”. Insistindo na “proteção da biodiversidade”, ele espera “uma passagem harmoniosa dos turistas pelos ambientes que não lhes pertencem”.

Finalmente, a mensagem apela ao “turismo integral” que pode apoiar a capacidade de “regeneração” da comunidade local, promovendo “um justo equilíbrio entre a conservação das raízes e a prestação de serviços”. O clérigo canadense conclui encorajando o trabalho do VIII Congresso Mundial de Pastoral do Turismo, que terá lugar em Santiago de Compostela de 5 a 8 de Outubro de 2022 sobre o tema “Turismo e Peregrinações: Caminhos de Esperança”.


2Retomado o julgamento do processo do edifício de Londres

O que é o “caso do edifício de Londres”?

O julgamento atual está associado às irregularidades e possíveis fraudes observadas em torno da aquisição pela Secretaria de Estado da Santa Sé de um edifício na Avenida Sloane, na capital britânica, mas o processo não se limita a isso. Embora a origem do processo pareça ser este caso, o julgamento também envolve outras transações financeiras envolvendo o antigo chefe da Secretaria de Estado, o Cardeal Angelo Becciu, que não estão ligadas ao edifício de Londres.

É o caso dos montantes pagos a uma cooperativa sardenha administrada pelo irmão do cardeal italiano pela Secretaria de Estado, mas também dos emolumentos significativos recebidos por Cecília Marogna, contratada como especialista em diplomacia informal por recomendação do cardeal. Os procedimentos atuais baseiam-se, portanto, nas irregularidades observadas na Secretaria de Estado na gestão dos seus recursos financeiros entre 2013 e 2020.

Um caso em duas partes

A aquisição do edifício de Londres é no entanto um ponto importante neste caso. Pode ser a fonte da grande maioria das perdas financeiras lamentadas pelo promotor de justiça do Vaticano, Alessandro Diddi, que trouxe o espesso processo ao tribunal civil da cidade papal. O caso está dividido em duas partes: a aquisição e o controle do edifício pela Santa Sé.

O edifício, anteriormente propriedade da Harrods, foi adquirido com parte do Óbolo de São Pedro como um investimento em 2014. A Primeira Seção, encarregada da administração de toda a Cúria e que na altura tinha um verdadeiro poder econômico autônomo, investiu a soma com a aprovação do seu substituto, o arcebispo Angelo Becciu. Tendo-se tornado cardeal e prefeito do dicastério das Causas dos Santos em 2018, o prelado sardenho foi removido pelo papa em Setembro de 2020, na véspera da publicação de uma investigação jornalística que questionava o seu papel no caso do edifício de Londres.

Vários funcionários da seção chefiada por Becciu entre 2011 e 2018 estão implicados, incluindo os funcionários Fabrizio Tirabassi, como acusado, e o monsenhor Alberto Perlasca, encarregado dos assuntos econômicos, como testemunha. Um intermediário trabalhando com o Vaticano, Enrico Crasso, e um banqueiro ítalo-britânico responsável pela aquisição, Raffaele Mincione, devem também responder pelas condições sob as quais a aquisição foi feita.

A segunda parte do caso começa em 2019 e continua em 2020 quando o Vaticano, considerando que o investimento trazia problemas, tenta assumir a propriedade, confiada a Raffaele Mincione. A operação foi então confiada ao italiano Gianluigi Torzi, que acabou por assumir o controle do edifício. O promotor considera que ele teria extorquido uma soma indevida do Vaticano na operação, possivelmente com a cumplicidade de Raffaele Mincione, Fabrizio Tirabassi, Enrico Crasso, Cardeal Angelo Becciu, mas também de um advogado próximo de Gianluigi Torzi, Nicola Squilacce, e um funcionário da Cúria, Mons. Mauro Carlino. O papel de dois membros do banco privado da Santa Sé, o Instituto de Obras Religiosas, também está a ser examinado: o ex-presidente René Brülhart e o ex-diretor Tommaso Di Ruzza. O promotor da justiça acredita que eles não teriam impedido a operação.

Ao todo, dez pessoas estão entre os acusados: Cardeal Becciu, Enrico Crasso, Raffaele Mincione, Nicola Squilacce, René Brülhart, Tommaso Di Ruzza, monsenhor Mauro Carlino, Fabrizio Tirabassi, Gianluigi Torzi e Cecilia Marogna.

O edifício foi finalmente vendido pela Santa Sé em Junho de 2022. Estima-se que a Secretaria de Estado tenha perdido um total de 217 milhões de euros.

Qual é a situação do julgamento?

Lançado a 27 de Julho de 2021, o julgamento está a decorrer numa sala pertencente aos Museus do Vaticano, transformada numa sala de tribunal para acomodar os cerca de 40 participantes. Até 1 de Março, o juiz Giuseppe Pignatone teve de lidar principalmente com problemas processuais, incluindo o acesso aos documentos do espesso processo de julgamento. O juiz finalmente rejeitou os pedidos de nulidade de todos os arguidos e iniciou os interrogatórios, começando a 17 de Março e terminando a 8 de Julho.

Quase todos os arguidos compareceram em tribunal. Apenas Cecilia Marogna e Gianluigi Torzi não aceitaram ser interrogados. Cecilia Marogna, contudo, apresentou uma longa declaração espontânea denunciando uma conspiração contra ela e a Santa Sé, alegadamente envolvendo os serviços secretos e personalidades russas no Vaticano.

Oito pessoas no banco dos réus

O Cardeal Becciu assegurou que as doações feitas pela Secretaria de Estado à cooperativa sardenha dirigida pelo seu irmão eram “caridade”. Em relação a Cecilia Marogna, ele disse ter sido “convencido” pelas capacidades da jovem mulher e negou qualquer outra proximidade que não fosse profissional com ela. No caso do edifício de Londres, culpou monsenhor Alberto Perlasca, seu antigo subordinado encarregado dos assuntos financeiros e uma das principais testemunhas do caso, dizendo que confiara nele em todas as decisões relativas a investimentos porque o considerava um “perito”.

O monsenhor Mauro Carlino, acusado de ter participado na extorsão de 15 milhões de euros com Gianluigi Torzi, afirma que apenas obedeceu aos seus superiores, nomeadamente ao monsenhor Perlasca, e denunciou o papel de “peritos financeiros” contratados pela Santa Sé, nomeadamente Luciano Capaldo, próximo a Gianluigi Torzi, e do funcionário Fabrizio Tirabassi.

René Brühlart e Tommaso Di Ruzza, os dois antigos chefes do IOR, acusados de facilitar a tomada do edifício de Londres pela Santa Sé, afirmaram ambos que estavam apenas a seguir as diretivas do arcebispo Edgar Peña Parra e do Papa Francisco.

Fabrizio Tirabassi, um funcionário da Secretaria de Estado, culpou monsenhor Perlasca e Gianluigi Torzi pelas irregularidades no caso do edifício de Londres.

O empresário e consultor financeiro da Santa Sé, Enrico Crasso, também questionou as ações de monsenhor Perlasca e de Gianluigi Torzi, bem como de dois familiares deste último, Manuele Intendente e Renato Giovannini, e afirmou ter defendido os interesses da Santa Sé.

O empresário Raffaele Mincione defendeu a sua ação na aquisição e subsequente gestão do edifício de Londres. Questionou o comportamento irracional da Santa Sé, afirmando que foi a sua vontade de desinvestir demasiado cedo do seu fundo de investimento que gerou as perdas significativas observadas. Ele negou qualquer cumplicidade com Gianluigi Torzi, descrevendo-o antes como um concorrente. Mincione também abriu um processo contra a Santa Sé em Londres.

Finalmente, o advogado Nicola Squillace afirma ter feito o seu trabalho honestamente e ter avisado a Santa Sé de que iria ceder o controle do edifício de Londres a Gianluigi Torzi. Ele confrontou Fabrizio Tirabassi e Enrico Crasso, alegando que eles sabiam desta informação antes de o acordo ser alcançado, o que ambos os homens tinham negado.

A partir de 27 de Setembro, e salvo quaisquer complicações, o julgamento deverá agora entrar numa nova fase com a apresentação de testemunhas. Esta fase poderia ser muito longa, pois o Juiz Giuseppe Pignatone explicou que esperava pelo menos 200 testemunhas.


3O Papa Francisco nomeia um novo núncio para Madagascar

Por Hugues Lefèvre – O Papa Francisco nomeou o Arcebispo Tomasz Grysa como Núncio Apostólico em Madagáscar e Delegado Apostólico nas Ilhas Comores, informou o Gabinete de Imprensa da Santa Sé a 27 de Setembro de 2022. O diplomata polaco foi até então o primeiro conselheiro na nunciatura na Terra Santa, onde deixou uma boa impressão sobre o patriarca latino de Jerusalém.

Nascido em Poznań em Outubro de 1970, Tomasz Grysa foi ordenado sacerdote a 25 de Maio de 1995. Licenciado em Direito Canónico, entrou para o serviço diplomático da Santa Sé em 2001. Depois serviu em várias representações – Federação Russa, Índia, Bélgica, México, Brasil, a Missão Permanente da ONU em Nova Iorque e depois Israel e a Delegação Apostólica em Jerusalém e na Palestina. Poliglota, fala francês, inglês, italiano, português, russo e espanhol.

Ao aceder pela primeira vez ao cargo de Núncio, Dom Tomasz Grysa é elevado à categoria de Arcebispo e receberá, portanto, a consagração episcopal.

Uma nomeação bem-vinda

O Patriarca Latino de Jerusalém, Pierbattista Pizzaballa, saudou a nomeação do diplomata polaco numa declaração publicada no website do Patriarcado Latino. “Nos últimos anos, todos apreciámos a vossa proximidade às necessidades da Igreja local e a vossa ajuda no discernimento das escolhas, por vezes difíceis, relativas à direção do Patriarcado”, disse ele.

Em Madagascar, o novo núncio sucede a Dom Paolo Rocco Gualtieri, que foi nomeado núncio no Peru em Agosto passado, após sete anos no Oceano Índico. O Arcebispo Tomasz Grysa terá a oportunidade de trabalhar com o Cardeal malgaxe Désiré Tsarahazana, Arcebispo de Toamasina, que foi elevado à púrpura por Francisco em 2018.

Em Setembro de 2019, o pontífice argentino visitou esta grande ilha – que se estende de norte a sul por quase 1.600 km – durante dois dias depois de passar por Moçambique e antes de ir para Maurício. Encontrou-se com cerca de 25 milhões de malgaxes (50% dos quais são cristãos) e denunciou a extrema pobreza presente nesta parte do mundo.

Este artigo é exclusivo para os membros Aleteia Premium

Já é membro(a)? Por favor,

Grátis! - Sem compromisso
Você pode cancelar a qualquer momento

1.

Acesso ilimitado ao conteúdo Premium de Aleteia

2.

Acesso exclusivo à nossa rede de centenas de mosteiros que irão rezar por suas intenções

3.

Acesso exclusivo ao boletim Direto do Vaticano

4.

Acesso exclusivo à nossa Resenha de Imprensa internacional

5.

Acesso exclusivo à nova área de comentários

6.

Anúncios limitados

Apoie o jornalismo que promove os valores católicos
Apoie o jornalismo que promove os valores católicos
Tags:
BisposDireto do VaticanoViagem
Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • Aleteia é publicada diariamente em sete idiomas: inglês, francês,  italiano, espanhol, português, polonês e esloveno
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

PT300x250.gif
Oração do dia
Festividade do dia





Envie suas intenções de oração à nossa rede de mosteiros


Top 10
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia