Aleteia logoAleteia logoAleteia
Domingo 14 Abril |
Aleteia logo
Espiritualidade
separateurCreated with Sketch.

Santa Teresinha repetia esta frase sempre que se sentia sozinha

Saint Therese of Lisieux

Zvonimir Atletic | Shutterstock

Philip Kosloski - publicado em 28/09/22

Não eram raros os momentos em que Santa Teresinha do Menino Jesus se sentia sozinha e lutava contra a depressão. Porém, esta frase lhe garantia momentos de profundo consolo

A vida de Santa Teresinha do Menino Jesus nem sempre foi fácil. Apesar dos amigos e familiares queridos, muitas vezes ela se sentia sozinha e lutava contra a depressão.

Esses sentimentos de solidão ocorreram em sua infância, bem como durante seu tempo no carmelo.

Em sua autobiografia História de uma Alma ela explica que, quando criança, era tímida e não tinha muitos colegas. Pelo contrário: tinha Jesus como seu único amigo:

“Eu tinha que ir duas vezes por semana ao Convento, e devo confessar que isto me custava algo – eu era muito tímida. Não havia dúvida do afeto que sentia por minhas superioras, mas, como disse antes, não tinha nenhuma amiga especial entre elas, com quem eu poderia ter passado muitas horas como outras antigas alunas. Assim, trabalhava em silêncio até o fim da aula e, como ninguém me notava, ficava na Capela até que papai viesse me buscar. Ali, durante aquelas visitas silenciosas, eu encontrava meu único consolo – pois não era Jesus meu único Amigo?

Naqueles momentos, ela se lembrava de uma frase, na verdade de um poema que seu pai, São Luís Martin, lhe ensinou quando criança:

“A vida é teu navio, não é tua morada.”

Santa Teresinha do Menino Jesus

Santa Teresinha escreve: “É verdade que nesses períodos de solidão eu às vezes me sentia triste, e costumava me consolar repetindo este verso de um belo poema que papai me ensinara: ‘A vida é teu navio, não é tua morada'”.

Curiosamente, ela está fazendo referência a um poema de Alphonse de Lamartine que, na verdade, diz: “O tempo é teu navio, não a tua morada”.

Consolo e esperança

De qualquer forma, a frase proporcionava muito consolo à Santa Teresinha, como ela explica:

“O símbolo de um navio sempre me encanta e me ajuda a suportar o exílio desta vida … Quando meus pensamentos correm assim, minha alma se perde como se fosse no infinito. Parece que já toco a Costa Celeste e recebo o abraço de Nosso Senhor. Imagino que posso ver Nossa Senhora vindo ao meu encontro, com meu Pai e minha Mãe, meus irmãos e minhas irmãzinhas… E me imagino desfrutando das verdadeiras alegrias da família por toda a eternidade.”

Com isso em mente, é fácil ver como esta frase confortou Santa Teresinha e como poderia nos ajudar a “suportar o exílio desta vida”, sabendo que um dia todas as nossas lágrimas serão enxugadas e seremos abraçados por todos os nossos entes queridos na vida eterna.

Tags:
Depressãosanta teresinhaSantos
Top 10
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia