Aleteia logoAleteia logoAleteia
Sábado 03 Dezembro |
São Birino de Dorchester
Aleteia logo
Atualidade
separateurCreated with Sketch.

Resenha de Imprensa: Cristãos do Golfo ganham reconhecimento

Este artigo é exclusivo para os membros de Aleteia Premium
WEB2-OUR-LADY-OF-ARABIA-AFP-000_9U94KJ.jpg

Mazen Mahdi / AFP

L'église Notre-Dame d'Arabie (Bahreïn).

I.Media para Aleteia - publicado em 29/09/22

O seu resumo das principais notícias do dia. Uma seleção de artigos escritos pela imprensa internacional sobre a Igreja e as principais questões que preocupam os católicos em todo o mundo. As opiniões e pontos de vista expressos nestes artigos não são dos editores da Aleteia

Quinta-feira, 29 de Setembro de 2022

  1. Os cristãos do Golfo ganham reconhecimento
  2. A lenta evolução das relações entre os judeus e o Vaticano
  3. Uma missa em honra da Rainha Elizabeth II organizada em Roma
  4. Por que os “tradis” procuram ancorar o futuro da Igreja no passado
  5. A Igreja precisa do trabalho das mulheres mas dá pouca atenção à sua voz

1Os cristãos do Golfo ganham reconhecimento

Enquanto a Santa Sé acaba de anunciar oficialmente a viagem do Papa Francisco ao Bahrein, a Atlantic Treaty Association publicou um estudo sobre a situação atual dos cristãos no Golfo, uma região onde muitos cristãos do mundo árabe emigraram nos últimos anos. Ao contrário de muitos países do Oriente Médio, diz-se que a península parece ser “um porto seguro”. Mas isto não significa que a região seja um caso exemplar de coexistência ideal, especialmente em questões como a construção de igrejas e a liberdade religiosa.

A história da presença cristã no Golfo data do século IV d. C. No entanto, o nascimento e expansão do Islã no século VII d.C. impediu qualquer desenvolvimento futuro do cristianismo na região. Nos primeiros tempos do Islã, os cristãos na Península Arábica tinham apenas duas opções: converter-se ao Islã ou partir. Apesar disso, o Vaticano manteve uma presença institucional na região. Embora não haja dados demográficos fiáveis sobre a dimensão das comunidades cristãs na região, acredita-se que elas constituem entre 5 e 10% da população total do Golfo.

A maioria dos cristãos da península provém da população migrante (especialmente de países asiáticos), com o número de cristãos nativos do Golfo estimado em algumas centenas no máximo (principalmente no Kuwait, Omã e Bahrein). No Kuwait, o seu número é estimado em 350.000, ou 6% da população total; em Omã, os cristãos representam 2,5% da população; nos Emirados Árabes Unidos, de uma população de seis milhões, existem cerca de 1.500.000 cristãos (dos quais 20% são católicos). No Qatar, 110.000 pessoas de uma população total de 1.200.000 são católicos. No Bahrein, 65.000 de um milhão de habitantes são católicos.

O Bahrein é um lugar histórico para o cristianismo no Golfo: “Bet Qatraye”, o nome da província eclesiástica que cobria o atual Bahrein, foi um importante centro do nestorianismo no século V. Perseguidos pelo Império Bizantino, os nestorianos encontraram refúgio na província descontrolada do Bahrein. Os nomes contemporâneos de algumas das aldeias do reino testemunham a marca cristã – por exemplo, Al Dair (“o mosteiro” em árabe) na costa norte da ilha Muharraq.

O Bahrein foi também o primeiro país do Golfo a construir uma igreja em 1906, quando o Bahrein era um protetorado do Reino Unido. As políticas do Golfo relativas à comunidade cristã variam muito de país para país. Na Arábia Saudita, a lei Sharia influencia a jurisprudência. Nos Emirados Árabes Unidos, as condições de vida dos cristãos estão entre as melhores da região. Os cristãos não ocupam geralmente posições importantes no Estado, com algumas excepções como Alice Samaan, uma política que é filha de imigrantes cristãos da Síria e que em 2005 se tornou a primeira mulher a presidir a uma sessão do Parlamento do Bahrein.

Association du Traité de l’Atlantique, inglês


2A lenta evolução das relações entre os judeus e o Vaticano

O rabino chefe de Roma, Riccardo di Segni, co-assina com o historiador Fredric Brandfon um artigo muito denso sobre vários séculos de ambiguidade nas relações entre os sucessivos papas e a comunidade judaica de Roma. A comunidade judaica de Roma, cuja presença remonta a 139 a.C., tem de fato mantido uma relação complexa com o Papa ao longo dos séculos, entre o respeito e a hostilidade. Como sinal desta ambiguidade, um estranho ritual marcou as coroações de vários papas, começando por Eugênio III em 1145: a oferta de um pergaminho da Torá ao novo bispo de Roma, que aceitou este presente enquanto entregava uma mensagem denunciando o judaísmo.

Uma testemunha da coroação de Inocêncio VIIII em 1484 registou o espírito das palavras proferidas pela comunidade judaica, das quais, no entanto, não resta qualquer registro direto escrito: “Santo Padre, em nome da nossa sinagoga, nós homens hebreus imploramos que Vossa Santidade se digne confirmar e aprovar a Lei Mosaica, que Deus Todo-Poderoso deu a Moisés, nosso pastor, no Monte Sinai, tal como os outros pontífices supremos, os antecessores de Vossa Santidade, a confirmaram e aprovaram”. Mas estas palavras encontraram uma rejeição explícita por parte dos papas. As palavras de Bonifácio VIII em 1295, relidas à luz do pensamento atual, parecem ser de anti-semitismo visceral: “O Deus que outrora conheceste, agora ignoras. Eras o seu povo e tornaste-te seu inimigo (…) Rejeitaste aquele que veio entre o seu povo e mataste aquele que derramou o seu sangue por ti. Esta ignorância do significado da Escritura levar-vos-á à perdição. Arrependei-vos se quiserdes partilhar o destino dos justos no dia do julgamento, que o Senhor acolhe na glória por causa dos seus méritos”.

Esta visão perduraria por vários séculos. Assim, a coroação do Papa Pio VIII em 1829 foi acompanhada pelo batismo de um judeu convertido. Mas os pontificados recentes marcaram um ponto de virada. O rabino Riccardo di Segni, em funções desde 2001, diz ter “testemunhado pessoalmente muitas surpresas”. Lembra-se em particular de uma conversa fraterna e espontânea com o Papa Francisco, poucos dias após a sua eleição em 2013. Mesmo que “o confronto entre dois mundos seja sempre difícil”, o Rabino Chefe de Roma observa que se “na meteorologia, o aquecimento global é uma fonte de preocupação, nas relações religiosas, a perspectiva é diferente: o aquecimento global é muitas vezes uma coisa positiva”, regozija-se.

Tablet Mag, inglês


3E TAMBÉM NA IMPRENSA INTERNACIONAL…

Uma missa em honra da Rainha Elizabeth II organizada em Roma

O novo Cardeal britânico Arthur Roche, Prefeito do Dicastério para o Culto Divino, celebrou uma Missa em memória da falecida Rainha Elizabeth II na Basílica de São Paulo Fora dos Muros a 28 de Setembro. Organizada por iniciativa de várias embaixadas dos países da Commonwealth, esta missa terminou – incomumente numa liturgia católica – com o canto de “God save the King”.

Vatican News, francês

Por que os “tradis” procuram ancorar o futuro da Igreja no passado

Por detrás das batalhas litúrgicas está a busca de um catolicismo “mais puro”, diz um artigo na revista católica norte-americana. No contexto de um mundo cada vez mais complexo e instável, a nostalgia da linguagem pré-conciliar está a espalhar-se entre muitos católicos que são motivados por um ideal de pureza, mas que correm o risco de negligenciar a atenção àqueles que estão fora do seu círculo, adverte este católico americano.

US Catholic, inglês

A Igreja precisa do trabalho das mulheres mas dá pouca atenção à sua voz

O website ligado à Arquidiocese de Madri refere-se às muitas questões sobre o lugar das mulheres na Igreja Católica, que foram expressas durante a fase diocesana do Sínodo sobre a sinodalidade. Em todo o lado, as mulheres desempenham “um papel vital” na vida da Igreja, mas nem sempre têm acesso a posições de liderança, diz o relatório.

Alfa & Omega, espanhol

Este artigo é exclusivo para os membros Aleteia Premium

Já é membro(a)? Por favor,

Grátis! - Sem compromisso
Você pode cancelar a qualquer momento

1.

Acesso ilimitado ao conteúdo Premium de Aleteia

2.

Acesso exclusivo à nossa rede de centenas de mosteiros que irão rezar por suas intenções

3.

Acesso exclusivo ao boletim Direto do Vaticano

4.

Acesso exclusivo à nossa Resenha de Imprensa internacional

5.

Acesso exclusivo à nova área de comentários

6.

Anúncios limitados

Apoie o jornalismo que promove os valores católicos
Apoie o jornalismo que promove os valores católicos
Tags:
DoutrinaElizabeth IIjudeusResenha de Imprensa
Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • Aleteia é publicada diariamente em sete idiomas: inglês, francês,  italiano, espanhol, português, polonês e esloveno
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

PT300x250.gif
Oração do dia
Festividade do dia





Envie suas intenções de oração à nossa rede de mosteiros


Top 10
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia