Aleteia logoAleteia logoAleteia
Sábado 03 Dezembro |
São Birino de Dorchester
Aleteia logo
Histórias Inspiradoras
separateurCreated with Sketch.

Os apóstolos desconhecidos da Santa Face de Tours

ciric_306340.jpg

Catholic Press Photo

Gravure représentant la Sainte Face de Tours, ou voile de Véronique.

Anne Bernet - publicado em 03/10/22

A origem da linda devoção à Santa Face de Jesus

Quando pensamos na Santa Face, a imagem que espontaneamente nos vem à mente é a do Santo Sudário. Este não foi o caso até 1898, quando a imagem da Santa Face foi impressa em um negativo fotográfico. Antes disso, ela era quase quase invisível. Até aquele momento, as meditações sobre os sofrimentos da Paixão que desfiguraram o “mais belo de todos os filhos dos homens” baseavam-se em obras de arte e na única relíquia que deveria revelar as características do Salvador: a “verônica”, “a verdadeira imagem”. Embora a história não apareça nos Evangelhos como tal, está profundamente enraizada na tradição cristã. Segundo ela, uma mulher piedosa de Jerusalém, tomada por uma compaixão indescritível enquanto o condenado passava, aproximou-se de Jesus e, desafiando os soldados, limpou gentilmente o seu rosto ferido. Para lhe agradecer pelo seu gesto, diz-se que o Salvador deixou a sua imagem no véu da mulher compassiva desconhecida, chamada de Verônica e por vezes identificada com a mulher do publicano Zaqueu.

Mensagens do Céu

Há quem desdenhe do fato de haver pelo menos três supostos véus de Verônica preservados aqui e ali, um dos quais está em São Pedro em Roma e outro, perturbadoramente, em Manopelo, no sul de Itália, o autêntico talvez, roubado de Roma pelo Condestável de Bourbon reinante durante o saque da cidade em 1527. Em qualquer caso, não importa, uma vez que estas representações, verdadeiras ou falsas, da Santa Face, belas ou não de acordo com o talento daqueles que as copiaram e as espalharam por toda a cristandade, nunca tiveram outro papel senão o de fixar os olhos dos fiéis e incitá-los a meditar sobre o preço da sua redenção. Foi isto que o próprio Cristo disse no final dos anos 1830 a uma freira carmelita de Tours, Irmã Marie de Saint-Pierre et de la Sainte Famille, Perrine Éluère, nascida em Rennes, em 1816.

A Irmã Marie pertence a essas “almas privilegiadas”, das quais havia muitas no século XIX, que receberam mensagens do Céu e foram responsáveis pela sua divulgação. Muitas destas revelações privadas foram agora esquecidas, porque o seu conteúdo não está em sintonia com os nossos tempos. Este é o caso destas revelações. No entanto, são de inegável importância. Desde o final dos anos 1830, a humilde Irmã Maria viu Cristo e a Sua Mãe; eles falaram com ela. Como na Rue du Bac em Paris em 1830, e em La Salette em 1846, avisaram-na da gravidade da descristianização na França, dos pecados daqueles tempos, e da ira divina que ela provocava. O espírito revolucionário, que tinha sido desencadeado no final do século XVIII através da perseguição religiosa, ainda estava em ação, embora de uma forma mais insidiosa; as suas ideias tinham rastejado na sociedade e estavam a afastá-la de Deus e da sua Lei. Blasfêmia, desrespeito, sacrilégio, profanação de coisas sagradas, abandono do preceito dominical são os seus aspectos mais visíveis, e tudo isto fere profundamente o Coração divino.

Uma “flecha dourada” contra a blasfêmia

O aviso é clássico. Muitos padres não dizem mais nada ao seu rebanho todos os domingos. À Irmã Maria, no entanto, Cristo explica que Ele sofre sobretudo por ouvir as pessoas jurarem o Santo Nome de Deus em vão. Alguns fazem-no sem medir a seriedade dos seus juramentos, outros, por outro lado, maliciosamente. Mas o Santo Nome do Senhor só pode ser pronunciado com reverência. É portanto necessário fazer uma reparação por todos aqueles que o ofendem. Para este fim, Jesus dita à mulher carmelita uma breve oração que descreve como “uma espada” ou “uma flecha dourada”, uma arma todo-poderosa contra a blasfêmia do Santo Nome e a profanação do Domingo. Diz em poucas palavras:

Que o Santíssimo, o mais sagrado, o mais adorável, o mais desconhecido, o mais inexprimível Nome de Deus seja louvado, abençoado, amado, adorado e glorificado para sempre no Céu, na terra e nos infernos por todas as criaturas vindas das mãos de Deus e pelo Sagrado Coração de Nosso Senhor Jesus Cristo no Santíssimo Sacramento do Altar. Assim seja.

A jovem freira assegura-nos que a recitação piedosa desta oração “fará brotar do Sagrado Coração torrentes de graça para os pecadores”. Também ajudará a “limpar a lama” que todas estas blasfêmias lançam sobre o rosto do Redentor, a Santa Face que a Irmã Maria contempla com amor através de uma imagem bastante precária do véu de Verônica. Cristo encoraja-a, declarando: “Aqueles que contemplam a minha Face ferida na terra contemplarão um dia a glória e majestade com que ela está rodeada no Céu. Apesar de muitos obstáculos, a freira carmelita trabalhou para espalhar esta dupla devoção reparadora à “flecha dourada” e à Santa Face. Em 1847, um ano antes da sua morte (Julho de 1848), a Irmã Marie conseguiu ter uma arquiconfraria e uma medalha da associação reconhecida por Roma. Esta obra, recusada pelo Arcebispo de Tours, espalhou-se no entanto por toda a França, particularmente no Ocidente. A morte prematura da vidente poderia ter posto um fim à história se outra figura do catolicismo em Tours não tivesse agido.

Um magistrado piedoso

Léon Papin-Dupont, mais conhecido como “Monsieur Dupont”, mas que foi apelidado pelos seus vizinhos e posteridade de “o homem santo de Tours”, era um personagem perturbador. Nascido a 24 de Novembro de 1797 em Lamentin, Martinica, numa família de origem bretã, este muito piedoso magistrado deixou as Antilhas no início da década de 1830. Viúvo de uma jovem esposa muito amada, pai de uma rapariga solteira em frágil saúde, o Sr. Dupont instalou-se em Tours e dedicou-se a boas obras. Homem prático, juntou-se à Sociedade de São Vicente de Paulo, de Frédéric Ozanam, apoiou a instalação em Tours das Irmãzinhas dos Pobres de Jeanne Jugan, e trabalhou arduamente para obter a reconstrução da prestigiosa Basílica de São Martinho, que tinha sido arrasada durante a Revolução.

Uma imagem da Santa Face foi então instalada na sala de estar do Sr. Dupont. Por devoção, uma lâmpada de petróleo foi colocada à sua frente e amigos e familiares adquiriram o hábito de se encontrarem para rezar diante dela em reparação pelas “blasfêmias, imprecações e profanações dos domingos”.

Foi naquele contexto um tanto tenso que, em 1851, ele descobriu as mensagens de Cristo à Irmã Marie de Saint-Pierre e decidiu continuar à sua própria maneira o trabalho da Carmelita falecida.

Os milagres da Santa Face

Pouco depois, uma jovem doente veio rezar perante a Santa Face. O Sr. Dupont teve a ideia – um hábito comum – mesmo que o costume seja especialmente difundido nas regiões mediterrâneas –, de fazê-la aplicar um pouco de óleo da lâmpada no seu corpo doente. Num instante, ela estava curada. A notícia deste milagre espalhou-se. E muito rapidamente dezenas, depois centenas de peregrinos vieram a Tours. Houve muitos milagres.

O Sr. Dupont morreu em 1876; a sua causa de beatificação foi introduzida em Roma, mas não progrediu, por falta de um milagre, desde 1983, quando João Paulo II o reconheceu como venerável. O seu trabalho, agora confiado ao convento dominicano em Tours, que cuida da sua casa, que se tornou um oratório, já não tem a sua antiga reputação. Mas é necessário recordar as multidões que encontraram diante da imagem do Crucificado algo para alimentar a sua fé. Entre eles, a família Guérin. Não foi por acaso que Santa Teresa tomou o nome completo de Teresa do Menino Jesus e da Santa Face quando entrou no convento das Carmelitas em Lisieux. Na década de 1930, uma freira italiana, Maria Pierrina di Micheli, também contribuiu para a difusão da devoção à Santa Face, substituindo a Verônica pela imagem do Sudário de Turim. “Não sabeis que aquele que me vê, vê o meu Pai”, disse Jesus ao apóstolo Filipe. Como poderíamos não contemplar a Santa Face e, através dela, toda a Trindade?

Tags:
DevoçãoHistória da IgrejaJesusPaixão
Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • Aleteia é publicada diariamente em sete idiomas: inglês, francês,  italiano, espanhol, português, polonês e esloveno
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

PT300x250.gif
Oração do dia
Festividade do dia





Envie suas intenções de oração à nossa rede de mosteiros


Top 10
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia