Aleteia logoAleteia logoAleteia
Segunda-feira 26 Fevereiro |
Aleteia logo
Religião
separateurCreated with Sketch.

Direto do Vaticano: Chega o documento para a etapa continental do Sínodo

Este artigo é exclusivo para os membros de Aleteia Premium
Pope-Francis-Audience-October-05-2022

Antoine Mekary | ALETEIA

I. Media - publicado em 05/10/22

Boletim Direto do Vaticano de 5 de outubro de 2022
  1. Sínodo: o documento para a etapa continental será tornado público em meados de Outubro
  2. Novo Núncio Apostólico nomeado para a Bósnia-Herzegovina
  3. O Cardeal Gregorio Rosa Chávez deixa o cargo de Bispo Auxiliar de San Salvador

1Sínodo: o documento para a etapa continental será tornado público em meados de Outubro

Por Anna Kurian – Cerca de 50 pessoas – incluindo leigos – reuniram-se em Frascati (Itália) para redigir o Documento para a etapa continental do Sínodo, de 21 de Setembro a 2 de Outubro. O documento será tornado público em meados de Outubro e enviado a todos os bispos, anunciou a 3 de Outubro a Secretaria do Sínodo.

Cerca de 22 representantes de vários países (França, Líbano, Burkina Faso, Coreia, Singapura, Índia, Equador…), juntamente com membros do Comité Consultivo e do Secretariado do Sínodo, estudaram os 112 resumos das conferências episcopais, bem como as reações das Igrejas Orientais e congregações religiosas. Entre os peritos estavam o Bispo francês Philippe Bordeyne, Presidente do Pontifício Instituto Teológico João Paulo II para as Ciências do Casamento e da Família, o sacerdote-teólogo belga Alfonso Borras, que leciona em Leuven e Paris, e o jornalista britânico Austen Ivereigh.

Uma experiência eclesial única e extraordinária

Durante os doze dias de trabalho, os peritos, que também incluíam cinco mulheres leigas, trabalharam no documento continental. Foram divididos em grupos “de acordo com a localização geográfica, estatuto eclesiástico ou gênero, a fim de cruzar perspectivas”, de acordo com a nota.

O documento, redigido em italiano, foi aprovado pelo Conselho Sinodal e entregue ao Papa Francisco durante uma audiência no dia 2 de Outubro. Falando ao Bispo de Roma, o Cardeal Mario Grech, Secretário Geral do Sínodo, que co-presidiu à reunião com o Cardeal Jean-Claude Hollerich, Relator Geral, elogiou “uma experiência eclesial única e extraordinária”. Reiterou o desejo da Igreja de “acolher verdadeiramente toda a gente”.

O documento servirá de base para a segunda fase do processo sinodal, que está agora a começar, após a fase diocesana que teve lugar de 17 de Outubro de 2021 a 15 de Agosto de 2022. Cada continente é responsável pela organização da sua assembleia antes de 31 de Março de 2023. O encontro europeu está programado para ter lugar na República Checa de 5 a 12 de Fevereiro, o encontro africano na Etiópia de 1 a 7 de Março, e o encontro do Oriente Médio de 12 a 18 de Fevereiro. A América do Sul irá reunir-se na Colômbia de 20 a 31 de Março.


2Novo Núncio Apostólico nomeado para a Bósnia-Herzegovina

Por Cyprien Viet – O Arcebispo Francis Chullikatt, até agora núncio de três países da Ásia Central, irá trabalhar na Bósnia-Herzegovina e Montenegro, disse o Gabinete de Imprensa da Santa Sé a 1 de Outubro. O lugar de núncio em Sarajevo está vago desde a aposentadoria do Arcebispo Luigi Pezzuto, a 31 de Agosto de 2021. A diplomacia papal segue de perto a evolução da situação nos Balcãs, três décadas após a guerra dos anos 90.

O novo núncio tinha acabado de receber o Papa Francisco numa visita ao Cazaquistão de 13 a 15 de Setembro. O Bispo Francis Chullikatt terá agora uma nova missão nos Balcãs, outra área estratégica para a Santa Sé. Diplomata altamente experiente, o arcebispo indiano nasceu em 1953 e foi ordenado sacerdote da diocese de Verapoly em 1978.

Ao serviço da diplomacia papal desde 1988

Entrou para o serviço diplomático papal em 1988 e foi ordenado bispo em 2006, tornando-se Núncio Apostólico no Iraque e na Jordânia. De 2010 a 2014, serviu como observador permanente da Santa Sé nas Nações Unidas, em Nova Iorque.

Após um período de abandono da diplomacia ativa, durante o qual lecionou em Harvard, retomou a sua carreira como núncio apostólico com uma tripla missão a partir de 2016: Cazaquistão, Quirguizistão e Tajiquistão. A visita do Papa ao Cazaquistão para o Congresso de Líderes das Religiões Mundiais em Setembro foi o último ato do seu serviço diplomático na Ásia Central.

Será agora acreditado em dois Estados balcânicos com perfis muito diferentes: Montenegro, um país relativamente estável e independente desde 2006, e Bósnia-Herzegovina, onde o sistema de presidência colegial instituído em 1995 para estabelecer um equilíbrio entre muçulmanos, católicos e ortodoxos está a mostrar os seus limites. O risco de nova violência é regularmente assinalado por especialistas da região, preocupados com a fragilidade de um sistema de governo baseado em filiações de clãs, deixando a porta aberta à corrupção.

O país, que recebeu a visita do Papa Francisco em 2015, está também a sofrer com a emigração da sua juventude, o que está a enfraquecer particularmente a Igreja Católica. O país é aproximadamente 50% muçulmano, 30% ortodoxo e 15% católico.

Como sinal da atenção da diplomacia da Santa Sé, a Bósnia recebeu a visita do Secretário para as Relações com os Estados, Arcebispo Paul Richard Gallagher, de 17 a 20 de Março de 2022. O chefe da diplomacia papal visitou o santuário de Medjugorje, o local das alegadas aparições marianas desde os anos 80. O Papa Francisco nomeou um “visitante apostólico” em 2018 para supervisionar as devoções e peregrinações, mas de momento as aparições não foram formalmente reconhecidas pela Santa Sé.


3O Cardeal Gregorio Rosa Chávez deixa o cargo de Bispo Auxiliar de San Salvador

Por Cyprien Viet – O Cardeal Gregorio Rosa Chávez, que celebrou o seu 80º aniversário a 3 de Setembro, renunciou ao cargo de Bispo Auxiliar de San Salvador, informou o Gabinete de Imprensa da Santa Sé a 4 de Outubro. Excepcionalmente para um cardeal, este discípulo e herdeiro do arcebispo Romero nunca governou uma diocese, mas ocupou o cargo de bispo auxiliar durante 40 anos. Ele é a voz da América Central no Colégio Sagrado, juntamente com os Cardeais Maradiaga (Honduras), Ramazzini (Guatemala) e Brenes (Nicarágua).

Tendo-se tornado o primeiro cardeal salvadorenho na história durante o consistório de Junho de 2017, que também assistiu à criação dos primeiros cardeais da Suécia, Mali e Laos, o bispo Gregorio Rosa Chávez apareceu na altura como uma anomalia protocolar: um bispo auxiliar nunca tinha sido promovido ao cardinalato.

Mas mais do que um cargo episcopal, foi uma filiação que foi assim retransmitida no seio do Colégio Sagrado. O cardeal salvadorenho assumiu o seu cardinalato como “um reconhecimento imerecido em nome do Beato Oscar Arnulfo Romero”, a quem considera “um ícone, o pastor de que a Igreja ainda hoje necessita”.

O arcebispo Oscar Romero (1917-1980), cujas relações com os colaboradores de João Paulo II eram bastante distantes, nunca foi um cardeal. Arcebispo de San Salvador de 1977 a 1980, foi assassinado em plena missa após um episcopado marcado pela sua ação incansável a favor dos pobres e da defesa dos direitos humanos. Beatificado em 2015 e canonizado em 2018, ele é objeto de intensa veneração no seu país e em toda a América Latina.

A longa amizade do Cardeal Gregorio Rosa Chávez com o Arcebispo Romero

Gregorio Rosa Chávez, nascido a 3 de Setembro de 1942 na cidade de Sociedad, tornou-se próximo do Padre Oscar Romero em 1965, quando o futuro santo era padre e o futuro cardeal era seminarista. Ordenado sacerdote em 1970 para a diocese de São Miguel, Gregorio Rosa Chávez foi então enviado à Bélgica, para a Universidade Católica de Lovaina, para estudar comunicação.

De volta a este país muito instável da América Central, foi reitor do Seminário Maior de San Salvador de 1977 a 1982, e foi um dos conselheiros próximos do Bispo Romero até ao seu assassinato.

Tornou-se então bispo auxiliar da capital salvadorenha a 17 de Fevereiro de 1982, nomeado por João Paulo II. Um ano mais tarde, a 6 de Março de 1983, deu as boas-vindas ao Papa polaco durante a etapa salvadorenha da sua viagem pela América Central, durante a qual o pontífice prestou homenagem no túmulo do arcebispo Romero na catedral de San Salvador, num clima de grande tensão. O chefe de estado na altura, Roberto d’Aubuisson, foi mais tarde considerado como tendo ordenado o assassinato do Bispo Romero por uma milícia de extrema-direita.

Mencionado 17 vezes no diário de Romero, como recorda Il Sismografo, o agora Bispo Auxiliar Emérito de San Salvador levou adiante o legado espiritual do seu amigo, incluindo o seu compromisso com os pobres e a sua busca de paz e reconciliação. Deu também uma contribuição decisiva para a assinatura dos acordos de paz de 1992, que puseram fim a 12 anos de guerra civil em que morreram mais de 100.000 pessoas.

Este artigo é exclusivo para os membros Aleteia Premium

Já é membro(a)? Por favor,

Grátis! - Sem compromisso
Você pode cancelar a qualquer momento

1.

Acesso ilimitado ao conteúdo Premium de Aleteia

2.

Acesso exclusivo à nossa rede de centenas de mosteiros que irão rezar por suas intenções

3.

Acesso exclusivo ao boletim Direto do Vaticano

4.

Acesso exclusivo à nossa Resenha de Imprensa internacional

5.

Acesso exclusivo à nova área de comentários

6.

Anúncios limitados

Apoie o jornalismo que promove os valores católicos
Apoie o jornalismo que promove os valores católicos
Tags:
BisposDireto do VaticanoSínodo
Top 10
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia