Aleteia logoAleteia logoAleteia
Quinta-feira 08 Dezembro |
Bem-aventurado Luís Liguda
Aleteia logo
Religião
separateurCreated with Sketch.

Direto do Vaticano: Chega o documento para a etapa continental do Sínodo

Este artigo é exclusivo para os membros de Aleteia Premium
Pope-Francis-Audience-October-05-2022

Antoine Mekary | ALETEIA

I.Media para Aleteia - publicado em 05/10/22

Boletim Direto do Vaticano de 5 de outubro de 2022

  1. Sínodo: o documento para a etapa continental será tornado público em meados de Outubro
  2. Novo Núncio Apostólico nomeado para a Bósnia-Herzegovina
  3. O Cardeal Gregorio Rosa Chávez deixa o cargo de Bispo Auxiliar de San Salvador

1Sínodo: o documento para a etapa continental será tornado público em meados de Outubro

Por Anna Kurian – Cerca de 50 pessoas – incluindo leigos – reuniram-se em Frascati (Itália) para redigir o Documento para a etapa continental do Sínodo, de 21 de Setembro a 2 de Outubro. O documento será tornado público em meados de Outubro e enviado a todos os bispos, anunciou a 3 de Outubro a Secretaria do Sínodo.

Cerca de 22 representantes de vários países (França, Líbano, Burkina Faso, Coreia, Singapura, Índia, Equador…), juntamente com membros do Comité Consultivo e do Secretariado do Sínodo, estudaram os 112 resumos das conferências episcopais, bem como as reações das Igrejas Orientais e congregações religiosas. Entre os peritos estavam o Bispo francês Philippe Bordeyne, Presidente do Pontifício Instituto Teológico João Paulo II para as Ciências do Casamento e da Família, o sacerdote-teólogo belga Alfonso Borras, que leciona em Leuven e Paris, e o jornalista britânico Austen Ivereigh.

Uma experiência eclesial única e extraordinária

Durante os doze dias de trabalho, os peritos, que também incluíam cinco mulheres leigas, trabalharam no documento continental. Foram divididos em grupos “de acordo com a localização geográfica, estatuto eclesiástico ou gênero, a fim de cruzar perspectivas”, de acordo com a nota.

O documento, redigido em italiano, foi aprovado pelo Conselho Sinodal e entregue ao Papa Francisco durante uma audiência no dia 2 de Outubro. Falando ao Bispo de Roma, o Cardeal Mario Grech, Secretário Geral do Sínodo, que co-presidiu à reunião com o Cardeal Jean-Claude Hollerich, Relator Geral, elogiou “uma experiência eclesial única e extraordinária”. Reiterou o desejo da Igreja de “acolher verdadeiramente toda a gente”.

O documento servirá de base para a segunda fase do processo sinodal, que está agora a começar, após a fase diocesana que teve lugar de 17 de Outubro de 2021 a 15 de Agosto de 2022. Cada continente é responsável pela organização da sua assembleia antes de 31 de Março de 2023. O encontro europeu está programado para ter lugar na República Checa de 5 a 12 de Fevereiro, o encontro africano na Etiópia de 1 a 7 de Março, e o encontro do Oriente Médio de 12 a 18 de Fevereiro. A América do Sul irá reunir-se na Colômbia de 20 a 31 de Março.


2Novo Núncio Apostólico nomeado para a Bósnia-Herzegovina

Por Cyprien Viet – O Arcebispo Francis Chullikatt, até agora núncio de três países da Ásia Central, irá trabalhar na Bósnia-Herzegovina e Montenegro, disse o Gabinete de Imprensa da Santa Sé a 1 de Outubro. O lugar de núncio em Sarajevo está vago desde a aposentadoria do Arcebispo Luigi Pezzuto, a 31 de Agosto de 2021. A diplomacia papal segue de perto a evolução da situação nos Balcãs, três décadas após a guerra dos anos 90.

O novo núncio tinha acabado de receber o Papa Francisco numa visita ao Cazaquistão de 13 a 15 de Setembro. O Bispo Francis Chullikatt terá agora uma nova missão nos Balcãs, outra área estratégica para a Santa Sé. Diplomata altamente experiente, o arcebispo indiano nasceu em 1953 e foi ordenado sacerdote da diocese de Verapoly em 1978.

Ao serviço da diplomacia papal desde 1988

Entrou para o serviço diplomático papal em 1988 e foi ordenado bispo em 2006, tornando-se Núncio Apostólico no Iraque e na Jordânia. De 2010 a 2014, serviu como observador permanente da Santa Sé nas Nações Unidas, em Nova Iorque.

Após um período de abandono da diplomacia ativa, durante o qual lecionou em Harvard, retomou a sua carreira como núncio apostólico com uma tripla missão a partir de 2016: Cazaquistão, Quirguizistão e Tajiquistão. A visita do Papa ao Cazaquistão para o Congresso de Líderes das Religiões Mundiais em Setembro foi o último ato do seu serviço diplomático na Ásia Central.

Será agora acreditado em dois Estados balcânicos com perfis muito diferentes: Montenegro, um país relativamente estável e independente desde 2006, e Bósnia-Herzegovina, onde o sistema de presidência colegial instituído em 1995 para estabelecer um equilíbrio entre muçulmanos, católicos e ortodoxos está a mostrar os seus limites. O risco de nova violência é regularmente assinalado por especialistas da região, preocupados com a fragilidade de um sistema de governo baseado em filiações de clãs, deixando a porta aberta à corrupção.

O país, que recebeu a visita do Papa Francisco em 2015, está também a sofrer com a emigração da sua juventude, o que está a enfraquecer particularmente a Igreja Católica. O país é aproximadamente 50% muçulmano, 30% ortodoxo e 15% católico.

Como sinal da atenção da diplomacia da Santa Sé, a Bósnia recebeu a visita do Secretário para as Relações com os Estados, Arcebispo Paul Richard Gallagher, de 17 a 20 de Março de 2022. O chefe da diplomacia papal visitou o santuário de Medjugorje, o local das alegadas aparições marianas desde os anos 80. O Papa Francisco nomeou um “visitante apostólico” em 2018 para supervisionar as devoções e peregrinações, mas de momento as aparições não foram formalmente reconhecidas pela Santa Sé.


3O Cardeal Gregorio Rosa Chávez deixa o cargo de Bispo Auxiliar de San Salvador

Por Cyprien Viet – O Cardeal Gregorio Rosa Chávez, que celebrou o seu 80º aniversário a 3 de Setembro, renunciou ao cargo de Bispo Auxiliar de San Salvador, informou o Gabinete de Imprensa da Santa Sé a 4 de Outubro. Excepcionalmente para um cardeal, este discípulo e herdeiro do arcebispo Romero nunca governou uma diocese, mas ocupou o cargo de bispo auxiliar durante 40 anos. Ele é a voz da América Central no Colégio Sagrado, juntamente com os Cardeais Maradiaga (Honduras), Ramazzini (Guatemala) e Brenes (Nicarágua).

Tendo-se tornado o primeiro cardeal salvadorenho na história durante o consistório de Junho de 2017, que também assistiu à criação dos primeiros cardeais da Suécia, Mali e Laos, o bispo Gregorio Rosa Chávez apareceu na altura como uma anomalia protocolar: um bispo auxiliar nunca tinha sido promovido ao cardinalato.

Mas mais do que um cargo episcopal, foi uma filiação que foi assim retransmitida no seio do Colégio Sagrado. O cardeal salvadorenho assumiu o seu cardinalato como “um reconhecimento imerecido em nome do Beato Oscar Arnulfo Romero”, a quem considera “um ícone, o pastor de que a Igreja ainda hoje necessita”.

O arcebispo Oscar Romero (1917-1980), cujas relações com os colaboradores de João Paulo II eram bastante distantes, nunca foi um cardeal. Arcebispo de San Salvador de 1977 a 1980, foi assassinado em plena missa após um episcopado marcado pela sua ação incansável a favor dos pobres e da defesa dos direitos humanos. Beatificado em 2015 e canonizado em 2018, ele é objeto de intensa veneração no seu país e em toda a América Latina.

A longa amizade do Cardeal Gregorio Rosa Chávez com o Arcebispo Romero

Gregorio Rosa Chávez, nascido a 3 de Setembro de 1942 na cidade de Sociedad, tornou-se próximo do Padre Oscar Romero em 1965, quando o futuro santo era padre e o futuro cardeal era seminarista. Ordenado sacerdote em 1970 para a diocese de São Miguel, Gregorio Rosa Chávez foi então enviado à Bélgica, para a Universidade Católica de Lovaina, para estudar comunicação.

De volta a este país muito instável da América Central, foi reitor do Seminário Maior de San Salvador de 1977 a 1982, e foi um dos conselheiros próximos do Bispo Romero até ao seu assassinato.

Tornou-se então bispo auxiliar da capital salvadorenha a 17 de Fevereiro de 1982, nomeado por João Paulo II. Um ano mais tarde, a 6 de Março de 1983, deu as boas-vindas ao Papa polaco durante a etapa salvadorenha da sua viagem pela América Central, durante a qual o pontífice prestou homenagem no túmulo do arcebispo Romero na catedral de San Salvador, num clima de grande tensão. O chefe de estado na altura, Roberto d’Aubuisson, foi mais tarde considerado como tendo ordenado o assassinato do Bispo Romero por uma milícia de extrema-direita.

Mencionado 17 vezes no diário de Romero, como recorda Il Sismografo, o agora Bispo Auxiliar Emérito de San Salvador levou adiante o legado espiritual do seu amigo, incluindo o seu compromisso com os pobres e a sua busca de paz e reconciliação. Deu também uma contribuição decisiva para a assinatura dos acordos de paz de 1992, que puseram fim a 12 anos de guerra civil em que morreram mais de 100.000 pessoas.

Este artigo é exclusivo para os membros Aleteia Premium

Já é membro(a)? Por favor,

Grátis! - Sem compromisso
Você pode cancelar a qualquer momento

1.

Acesso ilimitado ao conteúdo Premium de Aleteia

2.

Acesso exclusivo à nossa rede de centenas de mosteiros que irão rezar por suas intenções

3.

Acesso exclusivo ao boletim Direto do Vaticano

4.

Acesso exclusivo à nossa Resenha de Imprensa internacional

5.

Acesso exclusivo à nova área de comentários

6.

Anúncios limitados

Apoie o jornalismo que promove os valores católicos
Apoie o jornalismo que promove os valores católicos
Tags:
BisposDireto do VaticanoSínodo
Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • Aleteia é publicada diariamente em sete idiomas: inglês, francês,  italiano, espanhol, português, polonês e esloveno
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

PT300x250.gif
Oração do dia
Festividade do dia





Envie suas intenções de oração à nossa rede de mosteiros


Top 10
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia