Aleteia logoAleteia logoAleteia
Sábado 03 Dezembro |
São Birino de Dorchester
Aleteia logo
Estilo de vida
separateurCreated with Sketch.

Qual é a diferença entre “demissão silenciosa” e estabelecer limites?

pexels-fauxels-3184611.jpg

fauxels | Pexels

Theresa Civantos Barber - publicado em 06/10/22

Qual é a resposta cristã à tendência viral de "desistir silenciosamente" de um trabalho que não é óptimo para si?

Já ouviu falar de “demissão silenciosa”? Refere-se a já não ir muito para além do trabalho, mas simplesmente satisfazer os requisitos básicos da sua função e das suas atribuições.

A ideia propagou-se viralmente nas redes sociais e está a tornar-se incrivelmente comum. O Instituto Gallup avalia que os “demitidos silenciosos” constituem pelo menos 50% da força de trabalho dos Estados Unidos.

O fenômeno dos “demitidos silenciosos” é totalmente geracional, e eu acho-o fascinante.

Recentemente falei com alguns amigos dos meus pais sobre isso, e eles ficaram horrorizados. “O que aconteceu com o ‘dar o máximo de si?'” – perguntaram eles.

Mas a conversa foi diferente com amigos da minha idade. Muitos jovens adultos sentem-se presos em empregos sem saída que carecem de potencial de crescimento e onde a gerência toma os seus melhores esforços como garantidos.

Nestas situações, “desistir calmamente” não parece ser nada mau. Parece ser um antídoto necessário para o vandalismo no trabalho. Parece uma forma de estabelecer limites razoáveis e de recuperar um equilíbrio saudável entre a vida profissional e familiar.

Então qual é a resposta cristã à “demissão silenciosa”?

Como podemos saber se é adequada à nossa situação?

Como cristãos, somos chamados tanto a dar os nossos melhores esforços ao nosso trabalho, como também a reservar tempo para um verdadeiro descanso.

O Catecismo chama-nos a unir o nosso trabalho com a obra de redenção de Cristo:

O trabalho honra os dons do Criador e os talentos recebidos… Suportando o que o trabalho tem de penoso em união com Jesus, o artesão de Nazaré e crucificado do Calvário, o homem colabora, de certo modo, com o Filho de Deus na sua obra redentora. Mostra-se discípulo de Cristo, levando a cruz de cada dia na actividade que foi chamado a exercer. (2427)

São João Bosco lembra-nos também que “o trabalho diário, realizado de forma regular e consciente, é um trampolim certo para a santidade”.

Ao mesmo tempo, o lazer repousante é uma parte importante do ritmo da vida humana, e a Igreja exorta-nos a proteger este tempo. O Catecismo diz,

Tal como Deus «repousou no sétimo dia, depois de todo o trabalho que realizara», assim a vida humana é ritmada pelo trabalho e pelo repouso. A instituição do Dia do Senhor contribui para que todos gozem do tempo de descanso e lazer suficiente, que lhes permita cultivar a vida familiar, cultural, social e religiosa. Aos domingos e outros dias festivos de preceito, os fiéis abstenham-se de trabalhos e negócios que impeçam o culto devido a Deus, a alegria própria do Dia do Senhor, a prática das obras de misericórdia ou o devido repouso do espírito e do corpo… Os cristãos também santificarão o domingo prestando à sua família e vizinhos tempo e cuidados difíceis de prestar nos outros dias da semana. O domingo é um tempo de reflexão, de silêncio, de cultura e de meditação, que favorecem o crescimento da vida interior e cristã. (2184-6)

Vivendo tanto o trabalho dedicado como o descanso atencioso, podemos descobrir se a “demissão silenciosa” é um descuido ou um passo necessário para recuperar a saúde e o bem-estar em determinada situação. A prudência é necessária para discernir.

Não tem a certeza se é a escolha certa para si? Aqui estão algumas perguntas a fazer a si próprio.

  • Terei caído num workaholismo que se tornou insalubre?
  • Será que recuar no meu trabalho vai tornar as coisas melhores para a minha família e relacionamentos?
  • Será que “desistir silenciosamente” irá melhorar o meu equilíbrio entre a vida profissional e familiar e proteger os meus domingos para o lazer atencioso a que Deus me chama?
  • Estarei a praticar uma responsabilidade prudente no meu trabalho, bem como na minha vida doméstica?
  • O que estou a ouvir em oração? Será que “desistir silenciosamente” traria paz, ou é uma tentação para a preguiça?

Esperemos que estas perguntas o ajudem a perceber se “desistir silenciosamente” faz sentido para a sua situação particular.

E quando em dúvida, recorra à oração e a um conselheiro espiritual de confiança. Deus esclarece-nos tantas vezes as coisas quando Lhe perguntamos perante o Santíssimo Sacramento!

Tags:
DepressãoPsicologiaSaúdeTrabalho
Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • Aleteia é publicada diariamente em sete idiomas: inglês, francês,  italiano, espanhol, português, polonês e esloveno
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

PT300x250.gif
Oração do dia
Festividade do dia





Envie suas intenções de oração à nossa rede de mosteiros


Top 10
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia