Aleteia logoAleteia logoAleteia
Sábado 03 Dezembro |
São Birino de Dorchester
Aleteia logo
Histórias Inspiradoras
separateurCreated with Sketch.

A ação de Nossa Senhora do Rosário na improvável vitória de Lepanto

LEPANTE-AFP.jpg

Leemage via AFP

La bataille de Lepante au large de la Grèce opposa une alliance espagnole, vénitienne et des forces du Pape aux ottomans en 1571. Peinture anonyme. 16eme siècle.

Anne Bernet - publicado em 07/10/22

A Europa cristã tinha apenas uma arma em 1571: o Rosário. Entenda:

Durante mais de cinco séculos, a Igreja celebra solenemente Nossa Senhora do Rosário todos os 7 de Outubro. Mas sabia que esta festa, uma das mais importantes dedicadas a Maria, foi instituída pelo Papa Pio V em ação de graças por uma vitória inesperada dos cristãos contra a invasão turca? “O que pedirem através do meu rosário, obterão”.

Esta é uma das quinze promessas feitas por Nossa Senhora a São Domingos quando ela lhe revelou os quinze mistérios gozosos, dolorosos e gloriosos que são recitados no rosário enquanto medita sobre os episódios marcantes da sua vida e da do seu Filho. O exercício, se feito corretamente, leva um bom tempo, entre uma hora e uma hora e meia, o que representa um esforço real e mostra um desejo real de honrar Nossa Senhora. Para consegui-lo todos os dias não é assim tão fácil e requer sacrifício de tempo, distrações, prazeres e lazer. É por isso que o Céu é generoso em troca dos devotos do Rosário. O gesto faz parte do programa de oração e penitência que Nossa Senhora tem defendido constantemente ao longo dos séculos nas suas aparições.

As graças privadas recebidas pela prática do Rosário são imensuráveis; mas tem acontecido, com bastante regularidade, mesmo, na história, que o Rosário, recitado por toda uma nação, em graves e prementes perigos, obtenha, contra todas as expectativas e previsões humanas, reviravoltas inesperadas e manifestamente milagrosas da situação. Assim, a Igreja sempre glorificou estes triunfos da catolicidade, quer militares quer políticos, obtidos recorrendo à arma mais formidável alguma vez colocada à nossa disposição: o Rosário. A vitória aparentemente impossível de Lepanto é o exemplo mais famoso.

bataille de Lepante
Peinture de la bataille de Lépante de 1571. Huile sur toile.

Império Otomano

Desde Maio de 1453, quando tomaram Constantinopla, e ao mesmo tempo assumiram o controlo do Bósforo e dos estreitos, os otomanos têm reinado supremo sobre o Mediterrâneo oriental. Um século mais tarde, esta dominação já não era suficiente para eles, e era toda a bacia mediterrânea e o Adriático que sonhavam conquistar, assegurando uma vitória total e definitiva sobre o Ocidente cristão, que converteriam ao Islã. O Sultão já se imagina a vencer Roma, e em breve sobre todas as cidades cristãs. Este sonho, ele tem a certeza, é realizável, e ainda mais facilmente porque os príncipes cristãos, católicos, ortodoxos, e agora protestantes, mostram-se incapazes de se entenderem e de se unirem, mesmo perante um perigo comum óbvio e crescente.

Em muitas ocasiões, mesmo antes da queda do Império Bizantino, e passando por cima do “cisma dos gregos”, o Papado apelou a uma nova cruzada; o mesmo fez Joana d’Arc no seu tempo. Em vão. Frances, ingleses, espanhóis, alemães e outros príncipes, imperadores e reis batizados têm outras prioridades além de reconciliar-se para combater a ameaça turca. Cada um era mais desconfiado do seu vizinho do que do Sultão, que ainda estava muito longe, e seguia as suas próprias ideias, que muitas vezes consistiam em proteger-se contra os truques jogados pelos governantes cristãos. Na sua luta contra Carlos V, e a fim de preservar uma França geograficamente cercada pelos Habsburgos, Francisco I da França, que tinha uma forte aversão ao Papado, não hesitou em assinar um tratado de aliança com os turcos, uma escolha justificável do ponto de vista político e estratégico, mas muito menos do ponto de vista moral.

Não é surpreendente que a Sublime Porta, sem uma frente comum e sem uma vontade unida, tenha passado de sucesso a sucesso. Navios turcos e bárbaros, uma vez que os otomanos eram senhores do Norte da África, aventuravam-se cada vez mais perto das costas europeias, embarcando em navios comerciais isolados e escravizando as suas tripulações; depois, cada vez mais corajosos, começaram a invadir as costas italianas, espanholas e provençais, raptando mulheres e crianças que seriam vendidas nos mercados de escravos e convertidas à força. Tomar Roma parecia um objetivo razoável.

Apenas o Papa Pio V…

Isto fora sem o Papa Pio V, o frade dominicano Michele Ghislieri, um grande devoto de Nossa Senhora, que ascendeu ao trono de São Pedro em 1566. Desde a sua eleição, o soberano pontífice, que teve de enfrentar projetos titânicos e não tinha muitos amigos na Cúria, preocupado com as suas intenções reformistas e a sua luta contra a simonia, o nepotismo e a má moral clerical, assistiu com crescente ansiedade ao avanço islâmico em direção à Europa. Em 1570, os turcos apreenderam Chipre e a perda desta ilha, um dos últimos redutos cristãos da região, levou à perda de Candia, Zakynthos e Cefalónia, dando ao Islã acesso ao Adriático e aos Balcãs, cujo controle acabaria por lhes permitir tomar a cristandade de assalto e ameaçar Budapeste e Viena. Ninguém parece susceptível de os deter, por falta de meios, um pouco, e acima de tudo, por falta de vontade. Os governantes cristãos têm todos coisas melhores para fazer. Esta evidência consternou o Papa, que ficou horrorizado com tal cegueira. Ele era o único consciente do perigo, e foi também o único que tentou evitá-lo.

Pio V lançou uma vasta ofensiva diplomática, escrevendo aos Doges de Veneza e aos Doges de Génova, duas potências marítimas rivais e irreconciliáveis, aos Florentinos, ao Rei de Espanha, Filipe II, ao Rei de França, Carlos IX, ao Czar da Rússia, Ivan IV, ao Rei da Polónia, Sigismundo II, e exortando-os a unirem-se contra o inimigo comum e a partirem para uma cruzada. Durante mais de três séculos, todas as tentativas dos seus antecessores para a obter tinham permanecido em vão…

A frota católica navega

Contudo, contra todas as probabilidades, com exceção da França, ligada pelas suas alianças à Sublime Porta, pelas repetidas guerras civis entre Reformados e Católicos, e pela sua desconfiança bem fundada em relação a Filipe II, vários príncipes responderam desta vez e começaram a enviar tropas. O grosso desta força, 36.000 soldados e 230 navios, era constituído por italianos, especialmente venezianos, e espanhóis. Pio V pensou em dar o comando ao filho mais novo de Carlos IX, o Duque de Anjou, o futuro Henrique III, que já tinha provado as suas qualidades militares e cujo catolicismo era sólido. Nas dificuldades em que a França se debatia, deixar ir este príncipe, o seu filho preferido, parecia impossível à rainha Catarina de Médici, que, à sombra de Carlos IX, governava o reino. Pio V teve de recair sobre um espanhol, um meio-irmão bastardo de Filipe II, Don Juan da Áustria, de 24 anos, que iria revelar uma coragem digna.

Esta frota zarpou da Itália no início de Agosto de 1571, numa atmosfera particularmente tensa: de fato, acabava de chegar-nos a notícia da queda do último reduto cristão cipriota, Famagusta, que tinha resistido aos sitiadores turcos durante quase um ano, e do massacre de todos os seus defensores. Este não foi um bom presságio… Consciente de que seria necessário um exército de santos para se opor aos infiéis, Pio V quis impor uma disciplina quase monástica a bordo da frota cristã. Os oficiais fá-lo-iam compreender que não deveria pedir demasiado a estes homens rudes de piedade questionável. Assim, não conseguindo obter práticas devocionais destes homens, o Papa, como um bom dominicano, confiante nas promessas de Nossa Senhora, pediu a todos os católicos que recitassem o terço todos os dias para o sucesso das armas cristãs, a derrota dos infiéis e o fim da ameaça muçulmana. Uma grande onda de oração varreu a Europa.

Vitória total

Entretanto, as tropas de Selim II estavam a desfrutar da sua vitória em Famagusta e de um merecido descanso. Ninguém espera a chegada de uma frota de coligação católica, pois um acordo entre príncipes cristãos parece impossível. Quando a armada de Don Juan da Áustria e as suas grandes galeras entraram no Estreito de Corinto, fechando o acesso ao mesmo e proibindo qualquer retirada, a 7 de Outubro de 1571, o inimigo, apanhado de surpresa e ultrapassado em número, pouco teve para se opor a eles. Como se isto não fosse suficiente para colocar os otomanos numa situação desastrosa, uma súbita queda de vento impediu-os de manobrar. Esmagados pela artilharia pesada das galés venezianas, os seus navios incendiaram-se e afundaram-se em minutos. Dos porões surgiram os escravos cristãos da cozinha que tinham quebrado as suas correntes, gritando a sua alegria, e, vindo em auxílio dos seus libertadores, atiraram-se aos turcos; aqueles que se tinham atirado ao mar e chegaram à costa foram massacrados pelos gregos. 30.000 maometanos morreram no confronto. Apenas a firme intervenção dos oficiais papais impediu que os feridos e prisioneiros fossem mortos. A vitória foi esmagadora.

Ao mesmo tempo, em Roma, Pio V, que presidia a uma reunião, levantou-se de repente, aproximou-se da janela, permaneceu por um momento absorvido em contemplação silenciosa e virou-se, gritando em ação de graças, porque a vitória foi total. Ele tinha acabado de ter uma visão da destruição da frota inimiga em todos os seus pormenores, que os primeiros mensageiros confirmariam ponto por ponto. A partir do ano seguinte, o 7 de Outubro veria a celebração de Nossa Senhora da Vitória, que mais tarde se tornaria Nossa Senhora do Rosário.

Tags:
MariaRosárioTerço
Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • Aleteia é publicada diariamente em sete idiomas: inglês, francês,  italiano, espanhol, português, polonês e esloveno
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

PT300x250.gif
Oração do dia
Festividade do dia





Envie suas intenções de oração à nossa rede de mosteiros


Top 10
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia