Aleteia logoAleteia logoAleteia
Sábado 03 Dezembro |
São Birino de Dorchester
Aleteia logo
Religião
separateurCreated with Sketch.

Direto do Vaticano: Papa quer dar “um pai aos migrantes” com canonização

Este artigo é exclusivo para os membros de Aleteia Premium
Pope-Francis-Audience-October-05-2022

Antoine Mekary | ALETEIA

I.Media para Aleteia - publicado em 07/10/22

Entenda por que é tão importante a canonização de Dom Scalabrini

  1. O Papa quer dar “um pai aos migrantes” com a canonização de Dom Scalabrini
  2. A canonização de Artemide Zatti é “um sinal de esperança para os nossos tempos”, diz postulador
  3. Revelado o programa da viagem do Papa Francisco ao Bahrein

1O Papa quer dar “um pai aos migrantes” com a canonização de Dom Scalabrini

Por Isabella H. de Carvalho: No domingo, na Praça de São Pedro, o Papa Francisco canonizará João Batista Scalabrini (1839-1905). Este pastor, originário de Como (Itália), tornou-se bispo de Piacenza quando tinha apenas 36 anos e serviu a sua diocese com paixão, especialmente os mais pobres. Foi particularmente afetado pelas ondas de migração italiana para a América. Para ajudar os mais pobres, fundou a Congregação dos Missionárias de São Carlos em 1887, e depois, em 1895, o ramo feminino, a Congregação das Irmãs Missionárias de São Carlos Borromeo. Atualmente, ambas as congregações estão presentes em todo o mundo e ajudam as pessoas migrantes.

A Irmã Lina Guzzo é religiosa há 57 anos nesta congregação, que tem 500 religiosas em 27 países em todos os continentes. Vice-postuladora da causa de beatificação do Bispo Scalabrini, cuida dos migrantes na Sicília, depois de ter acompanhado migrantes na Suíça, Alemanha, Itália e Albânia.

Ela conta a I.MEDIA como o homem que se vai tornar santo inspira hoje o Papa Francisco e a Igreja.

A atenção aos migrantes é um pilar fundamental do pontificado do Papa Francisco. Qual é o significado do Papa canonizar o Beato Scalabrini?

Tenho um forte sentimento de gratidão. Quando o Papa fala, ele não diz uma frase sem incluir os migrantes, e nisso eu diria que ele abraçou plenamente o espírito do Beato Scalabrini. O contexto mudou, mas em espírito, cuidado e compaixão, o Papa Francisco é plenamente identificável com o carisma de Scalabrini.

Arregaçou as mangas e assumiu, na sua pessoa e no seu coração, o último e o rejeitado, como diz o pontífice. O Papa canoniza o nosso fundador porque queria dar um pai aos migrantes.

Diria que o Papa Francisco está a alargar o legado do Beato Scalabrini?

O lema do Bispo Scalabrini era trazer o sorriso da pátria e o conforto da fé aos migrantes. O Papa Francisco não o diz nestes termos mas aplica estes mesmos conceitos em tudo. Por exemplo, pode-se ver este espírito na sua apreensão e preocupação com o terror da guerra. Ele só pensa em todos os pobres que têm de fugir ou morrer.

Em 1880, o Bispo Scalabrini foi atingido pela visão de um grupo de emigrantes pobres na estação ferroviária de Milão, prontos para partir para as Américas. O Papa Francisco fez história quando, a 8 de Julho de 2013, no primeiro ano do seu pontificado, foi ao porto de Lampedusa para visitar os migrantes. Neste acontecimento, vi e senti muito fortemente a figura do Arcebispo Scalabrini na estação de Milão, que viu estas pobres pessoas e disse a si próprio: “Quem as defenderá? Quem os ajudará? Quem, acima de tudo, os ajudará a manter a fé”?

Em 1905, poucos meses antes da sua morte, o Beato Scalabrini tinha proposto a criação de uma Comissão Central para todos os migrantes, que muitos consideram ser a precursora do Conselho Pontifício para a Pastoral dos Migrantes e Itinerantes, criado em 1907.

Atualmente, este organismo tornou-se a Seção de Migrantes e Refugiados do Dicastério para o Serviço de Desenvolvimento Humano Integral. Como vê o legado de Scalabrini no Vaticano?

O Beato Scalabrini era profético. Com uma mente virada para o futuro, morreu deixando o projeto desta comissão, que agora está pessoalmente nas mãos do Papa. O projeto na altura dizia respeito aos italianos no estrangeiro, mas Dom Scalabrini já previa que a Igreja deveria interessar-se por todos os migrantes no mundo, de todas as religiões e etnias.

Dom Scalabrini morreu prematuramente, mas deixou este encorajamento a nós, seus filhos, membros da sua Congregação, mas também à Igreja em geral. De fato, em 1952, quando foi publicada a constituição apostólica sobre migração do Exsul Família [Papa Pio XII], o espírito do Arcebispo Scalabrini estava muito presente.

O Beato Scalabrini será canonizado no domingo com a dispensa para examinar um segundo milagre. Por quê?

Há quase um ano, em Janeiro, o postulador da causa de canonização, Graziano Battistella, perguntou por carta aos bispos do mundo se o Beato Scalabrini era conhecido nas suas dioceses, se havia uma devoção e se havia sinais deixados por ele.

Isto ressoou e os bispos responderam que o bispo Scalabrini era conhecido e venerado, mas também pediram a sua canonização. De fato, o Bispo Scalabrini foi e continua a ser um modelo de santidade para os bispos. É um bispo que, na segunda metade do século XIX, levou em consideração os mais necessitados e exortou a Igreja e o Estado italianos a fazer o mesmo. Ele é um modelo porque encoraja os bispos a trabalhar, a apoiar os que ficam para trás.

O Papa, ao ouvir este pedido dos bispos e a positio de 400 páginas preparada pelo Dicastério para as Causas dos Santos, decidiu que este Beato era muito relevante para a realidade social de hoje. Ele pensou que não havia necessidade de um segundo milagre para a canonização, que é a regra no direito canónico. O Papa citou razões sólidas, nomeadamente que o Beato Scalabrini serve de modelo para a Igreja e para os bispos, para nós religiosos, para sermos fiéis ao nosso carisma e para sermos cada vez mais empenhados e responsáveis, e também para dar um pai aos migrantes.

Os migrantes com quem trabalha sentem-se tocados por esta canonização?

Vivo em Messina, onde trabalhamos principalmente com duas comunidades bastante grandes, uma do Sri Lanka e outra de filipinos. Destes, 95 virão para a canonização no domingo. Eles sentiram a responsabilidade de vir porque nós representamos a sua Igreja que lhes é próxima. Eles querem ser solidários conosco nesta grande festa para celebrar este santo que terão como pai.

Nós Scalabrinianos temos um pouco desse “espírito”: o fato de mudarmos a nossa tenda para onde há necessidade. Os migrantes com quem trabalhamos sentem-no. Eles veem que não é apenas a uma certa hora que vamos para casa. Eles sentem que somos seus companheiros e confiam em nós. Querem celebrar conosco, mas também sentem o Beato Scalabrini por perto.

Como está a sua congregação a viver este momento particular?

Queremos e sentimos que a canonização será um grande momento para a Igreja e um grande impulso para que sejamos mais fiéis ao nosso carisma. Pensamos que este momento também pode ser um convite, especialmente para os jovens, a considerar uma vocação à vida religiosa, a considerar o dom total da própria vida a Deus, a fim de estar ao serviço da humanidade sofredora. Os migrantes não estão apenas na Itália ou na Europa, mas em todos os continentes, como nós também estamos, e esperamos que Deus nos abençoe com vocações em todo o mundo.

O Bispo Scalabrini é um modelo que ilumina a nossa missão. Devemos ser ativos e pedir de joelhos que os necessitados nos deixem ser os seus companheiros. A grande espiritualidade que nos atravessa são os três amores de Monsenhor Scalabrini: o crucifixo, a Virgem e a Eucaristia. Esta é a espiritualidade que nos anima, os religiosos, mas também todos aqueles que colaboram nas nossas obras, tais como os leigos scalabrinianos ou os voluntários.


2A canonização de Artemide Zatti é “um sinal de esperança para os nossos tempos”, diz postulador

Por Camille Dalmas: A 9 de Outubro, o Papa Francisco canonizará também um compatriota, o salesiano Artemide Zatti (1880-1951). O segundo santo argentino na história, este leigo salesiano, migrante e depois enfermeiro, dedicou toda a sua vida aos mais pobres e aos doentes da Patagónia. I.MEDIA entrevistou Pierluigi Cameroni, Postulador Geral para as Causas dos Santos da Família Salesiana, que acompanhou a causa do futuro santo.

O Beato Artemide Zatti juntar-se-á à longa lista de santos salesianos, mas ele é original como leigo. Como é que a sua singular vocação o conduziu ao caminho da santidade?

Há sacerdotes salesianos, mas também leigos salesianos, a quem chamamos coadjutores. São religiosos e emitem votos, mas não são sacerdotes. Isto é o que Artemide Zatti era. Nasceu em Itália em Reggio-Emilia e depois, aos 17 anos, emigrou com a sua família para a Argentina. Quando se tornou salesiano ainda muito jovem, adoeceu com tuberculose enquanto ajudava um padre. Recuperou, milagrosamente, e depois dedicou toda a sua vida aos doentes, aos pobres, porque a sua “farmácia” era o único hospital que existia para toda a Patagónia, na cidade de Viedma. Ali viveu a maior parte da sua vida, dedicando-a exclusivamente aos pobres, àqueles que não podiam ter medicamentos, que não podiam ser tratados, que foram abandonados.

Quais foram as grandes virtudes do futuro santo Artemide Zatti?

Antes de mais, a virtude da fortaleza, porque teve de enfrentar provas muito difíceis na sua vida. Por exemplo, quando jovem, teve de emigrar com a sua família, deixando para trás um mundo, um território e enfrentando o desconhecido, que para ele era a Argentina naquela época. Teve uma vida difícil, e antes de se tornar enfermeiro, trabalhou numa fábrica de azulejos. Outro momento muito difícil para ele foi quando adoeceu com tuberculose na sua juventude. Ele estava prestes a morrer, viu todo o seu futuro, os seus sonhos desaparecerem. Ele ainda enfrentou isto com grande força, sem recriminação, sem ressentimentos. Ele poderia ter dito: “Mas porque me obrigaste a fazer isto ou aquilo”. Mas não, ele aceitou esta provação e compreendeu que é chamado a dedicar-se depois, uma vez recuperado, aos doentes. Outro momento doloroso foi quando as autoridades da sua cidade demoliram o seu hospital para, em vez disso, construir a casa do bispo. Ele tinha de levar os doentes e tudo o que tinha e mudá-los para um novo lugar. Foi um momento difícil para ele porque viu o seu maior trabalho desmoronar-se perante ele.

Ele era um homem particularmente dedicado aos outros…

Sim, eu diria que uma das grandes características de Zatti era a compaixão que ele tinha pelas pessoas. Em primeiro lugar, porque recebia os pobres no hospital, mas também porque costumava percorrer toda a cidade na sua famosa bicicleta para ver os pobres, aqueles que não podiam ir ter com ele, aqueles que não tinham medicamentos. Ele manteve esta proximidade com grande fé porque soube reconhecer o Senhor nestas situações; por exemplo, ele diria à freira encarregada da administração: “Estás a preparar uma cama para um Jesus de 12 anos”; ou ainda: “Tens um par de sapatos para um Jesus de 30 anos? Foi apelidado de “o Bom Samaritano” por causa desta compaixão.

O seu modo de vida afetou os outros. É bonito ver os testemunhos de tantas pessoas que estiveram com ele e que mudaram as suas vidas, mudaram a sua maneira de ver, de fazer. Eu diria que ele tinha um grande poder formativo. E que, nesta mesma capacidade de educar, era muito salesiano! Até os médicos ateus ou não-crentes costumavam dizer: “Quando encontro Zatti, a minha não-crença entra em crise”.

Outra coisa que eu diria é muito salesiana sobre Zatti é a sua alegria e serenidade. Nas fotos ele está sempre a sorrir. Era um homem muito gentil, costumava dizer piadas muito simpáticas, por exemplo: “Senhor, não te peço que me dês dinheiro, mas que me digas onde está, e eu irei buscá-lo”.

Como é que Artemide Zatti se tornou um santo?

Foi beatificado por João Paulo II em 2002, há vinte anos. O milagre que levou à sua canonização teve lugar em 2016 nas Filipinas. Envolveu um homem que sofreu um AVC com hemorragia grave. O homem foi levado para o hospital, mas a situação era muito grave. Tinha um irmão coadjutor salesiano, que nessa altura vivia em Roma. Este irmão começou a rezar a Zatti, à sua família, aos seus irmãos salesianos. Passados alguns dias, os médicos disseram: “temos de intervir porque a situação piorou”. No entanto, a família era pobre e não tinha dinheiro para pagar o hospital, por isso levaram-no para casa para morrer. Mas todos continuaram a rezar. Após alguns dias, ele tirou a máscara de oxigénio e disse: “Estou bem, quero comer”! Assim ele recuperou totalmente a sua saúde e a capacidade de falar, de se mexer…

Ele é um santo argentino, e não há muitos neste país.

Sim, na Argentina, tanto quanto sei, neste momento só existe o Padre Brochero (José Gabriel del Rosario Brochero, canonizado em 2013). Por isso, é um dos primeiros santos do país. É evidente que não nasceu na Argentina, mas viveu lá durante mais de 50 anos. E tinha também a nacionalidade argentina.

Quão importante é esta canonização para a família salesiana?

É uma grande alegria, antes de mais porque ele é o primeiro santo coadjutor salesiano. Ele é também o primeiro santo proclamado após um milagre, porque temos dois santos mártires salesianos, missionários na China, mas foram canonizados por João Paulo II com todos os mártires chineses sem o reconhecimento de um milagre.

O fato de ele ser um coadjutor é para nós motivo de alegria porque mostra a primazia da vida consagrada. No seu caso, ele deu a sua vida aos doentes. É bom lembrar que Dom Bosco, quando enviou missionários para a Argentina, pediu-lhes para cuidarem dos doentes. Os missionários chegam sempre com ideais, com grandes projetos, mas é bom saber que eles respondem a necessidades concretas. Por exemplo, na Argentina, o primeiro campo de missão dos Salesianos, eles trabalharam primeiro com migrantes italianos. Na altura, era uma necessidade. Depois veio o cuidado dos doentes porque não havia ninguém que fizesse nada por eles. Isto mostra a capacidade de responder às circunstâncias e necessidades das pessoas.

E depois Artemide Zatti é um sinal de esperança para o nosso tempo. Tinha uma doença fatal, tuberculose, e foi capaz de dar um sinal de esperança depois de recuperar dela. Ele pode fazer o mesmo por nós à medida que sairmos desta grande pandemia.


3Revelado o programa da viagem do Papa Francisco ao Bahrein

Por Hugues Lefèvre : O Papa Francisco fará a sua 39ª viagem apostólica para o Reino do Bahrein de 3 a 6 de Novembro. O Gabinete de Imprensa da Santa Sé revelou a 6 de Outubro o programa desta nova viagem do pontífice argentino no Golfo, após a realizada em Abu Dhabi em 2019.

O pontífice de 85 anos viajará quase 4.000 quilómetros para chegar a esta ilha no Golfo entre a Arábia Saudita e o Qatar. Durante a sua viagem de quatro dias, fará seis discursos e uma homilia – numa missa de sábado no Estádio Nacional do Bahrein. Para além de se encontrar com a comunidade cristã da região, a sua participação no Fórum do Bahrein para o Diálogo é particularmente antecipada. O Papa Francisco irá encontrar-se com o Grande Imã de Al-Azhar, com quem terá um encontro privado.

I.MEDIA oferece um olhar detalhado sobre o programa da quarta viagem do Papa ao estrangeiro desde o início de 2022.

Quinta-feira, 3 de Novembro

O Papa Francisco deixará o aeroporto Fiumicino de Roma às 09:30 (+1h UTC) para uma viagem de 5 horas e 15 minutos a bordo de um avião da ITA Airways. Chegará às 16:45 (+3h UTC) à base aérea de Sakhir, junto à pequena cidade de Awali, no centro do Reino do Bahrein. Após uma cerimónia de boas-vindas no aeroporto, prosseguirá para o Palácio Al-Sakhir para se encontrar com o Rei Hamed bin Issa Al Khalifa durante quarenta minutos às 17:30.

Uma cerimónia de boas-vindas terá então lugar no salão deste complexo construído no início do século XX em estilo islâmico. Às 18h30, o chefe da Igreja Católica proferirá o primeiro discurso da sua viagem perante as autoridades do país, membros da sociedade civil e do corpo diplomático.

O programa emitido pela Santa Sé não indica formalmente onde o Papa ficará durante a noite. Normalmente, os papas permanecem no país de acolhimento. No entanto, o Núncio no Bahrain está também posicionado no Qatar e no Kuwait, onde a sua nunciatura está localizada. É provável que desta vez o Papa fique no complexo do Palácio de Al-Sakhir – o programa também anuncia a presença de uma “Residência Papal” no local.

Sexta-feira, 4 de Novembro

Às 10 da manhã, o Fórum do Bahrain para o Diálogo sobre o tema “Oriente e Ocidente para a Coexistência Humana” será encerrado. O fórum está a ser realizado no complexo do Palácio Al-Sakhir. O Papa Francisco fará um discurso.

À tarde, às 16 horas, o pontífice terá um encontro privado com o Grande Imã de Al-Azhar, Ahmed el-Tayeb, também convidado do fórum. Os dois homens encontraram-se em numerosas ocasiões, incluindo em Abu Dhabi em 2019, onde assinaram o famoso Documento sobre a Irmandade Humana para a Paz Mundial e a Coexistência Comum. A última reunião realizou-se em Setembro num congresso inter-religioso no Cazaquistão.

Às 16h30, o Papa dirigir-se-á aos membros do Conselho dos Anciãos Muçulmanos na mesquita do complexo do Palácio Al-Sakhir. O conselho, presidido pelo Grande Imã de Al-Azhar, foi criado em 2014 para promover a paz entre as comunidades muçulmanas.

O Papa irá então para a Catedral de Nossa Senhora da Arábia às 17h45, onde participará num encontro ecumênico e numa oração pela paz. Nesta catedral, consagrada em Dezembro passado pelo Cardeal Luis Antonio Tagle, o Papa fará o seu terceiro discurso do dia. Localizada em Awali, no centro do Bahrein, é a maior igreja do Golfo, com uma capacidade de 2.300 lugares sentados.

Sábado, 5 de Novembro

Às 8.30, o Papa celebrará uma missa no Estádio Nacional do Bahrein, no norte do país. O estádio, normalmente utilizado para futebol, tem uma capacidade de mais de 24.000 lugares. O pontífice fará a primeira homilia pública da sua viagem.

Às 17 horas, irá à Escola do Sagrado Coração para um encontro com os jovens. A escola está localizada não muito longe do estádio, a cerca de dez quilômetros da capital do país, Manama. Foi criado na década de 1940 pelo Vigário Apostólico da Arábia e confiado às Irmãs Missionárias Combonianas e depois às Irmãs Apostólicas do Carmo.

Domingo 6 de Novembro

Às 9h30 o Pontífice participará numa reunião de oração com bispos, sacerdotes, pessoas consagradas, seminaristas e agentes pastorais na Igreja do Sagrado Coração em Manama. Ele fará um discurso e recitará a oração do Angelus. Construída em 1939, a igreja é a primeira construída na região do Golfo. Por esta razão, é frequentemente referida como a “igreja mãe”.

Às 13 horas, após uma cerimônia de partida organizada na base aérea de Shakir, o avião do Papa descolará para Roma onde deverá chegar às 17 horas (+1h UTC), após um voo de 6 horas. Como habitualmente, no seu regresso, pode fazer um desvio para a Basílica de Santa Maria Maior em Roma para agradecer a sua viagem.

Este artigo é exclusivo para os membros Aleteia Premium

Já é membro(a)? Por favor,

Grátis! - Sem compromisso
Você pode cancelar a qualquer momento

1.

Acesso ilimitado ao conteúdo Premium de Aleteia

2.

Acesso exclusivo à nossa rede de centenas de mosteiros que irão rezar por suas intenções

3.

Acesso exclusivo ao boletim Direto do Vaticano

4.

Acesso exclusivo à nossa Resenha de Imprensa internacional

5.

Acesso exclusivo à nova área de comentários

6.

Anúncios limitados

Apoie o jornalismo que promove os valores católicos
Apoie o jornalismo que promove os valores católicos
Tags:
Direto do VaticanoMigrantesSantos
Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • Aleteia é publicada diariamente em sete idiomas: inglês, francês,  italiano, espanhol, português, polonês e esloveno
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

PT300x250.gif
Oração do dia
Festividade do dia





Envie suas intenções de oração à nossa rede de mosteiros


Top 10
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia