Aleteia logoAleteia logoAleteia
Sábado 03 Dezembro |
São Birino de Dorchester
Aleteia logo
Atualidade
separateurCreated with Sketch.

Resenha de Imprensa: A ameaça nuclear na Ucrânia irá influenciar a doutrina católica?

Este artigo é exclusivo para os membros de Aleteia Premium
000_32CM4LJ.jpg

AFP

I.Media para Aleteia - publicado em 13/10/22

Um resumo das principais notícias do dia. Confira:

Quinta-feira, 13 de Outubro de 2022

  1. Ameaça nuclear: a guerra na Ucrânia irá influenciar a doutrina católica?
  2. As Igrejas da Terra Santa contra uma embaixada britânica em Jerusalém
  3. Bispos europeus falam sobre a Ucrânia
  4. Reverberações do Vaticano II
  5. ONG apela ao Papa para denunciar a repressão religiosa no Bahrein

1Ameaça nuclear: a guerra na Ucrânia irá influenciar a doutrina católica?

Exatamente 60 anos após a crise dos mísseis cubanos, as ameaças nucleares da Rússia na Ucrânia voltaram a colocar a bomba atómica no centro das atenções. Muitos católicos americanos, incluindo o próprio Presidente Joe Biden, recordaram esta semana a crise geopolítica que marcou a abertura do Concílio Vaticano II, com o Santo Papa João XXIII a ajudar a desanuviar as tensões. Em 60 anos, a situação mundial mudou. O episcopado americano, em nome da autodefesa, que se tinha oposto à proibição das armas nucleares nos textos conciliares, está agora a tomar uma posição diferente.

O Arcebispo Paul Etienne de Seattle, por exemplo, considera “uma obrigação urgente de rever os nossos ensinamentos católicos sobre armas nucleares e a necessidade de reduzir drasticamente estas armas de destruição maciça até que as possamos eliminar”. A presença de uma importante base estratégica no território da sua diocese fá-lo temer que Seattle esteja na “linha da frente” de um confronto nuclear. Mas Massimo Faggioli observa que a ofensiva russa na Ucrânia “deu uma nova urgência à luta contra a proliferação nuclear, mas ao mesmo tempo abrandou as recentes tentativas de reorientar radicalmente os ensinamentos sobre a guerra e a paz para o pacifismo.

Este contexto está a causar mal-estar entre os católicos americanos, que estão divididos entre as duas armadilhas do “abraçar o militarismo” e do “rejeitar o isolacionismo”. O académico italiano, que ensina nos Estados Unidos, convida-nos a interpretar o Vaticano II em termos de uma suposta “descontinuidade” com o ensino anterior da Igreja sobre “guerra justa”, que tinha levado Pio XII a tolerar armas atómicas, bacteriológicas e químicas para “fins de defesa rigorosa”. Mas entristeceu-se com a dificuldade de conduzir um debate calmo, dada a polarização do mundo católico americano.

Commonweal, inglês


2As Igrejas da Terra Santa contra uma embaixada britânica em Jerusalém

Numa declaração conjunta, os Patriarcas e Chefes das 13 Igrejas Cristãs na Terra Santa opuseram-se aos planos de transferir a Embaixada Britânica em Israel de Tel Aviv para Jerusalém. Eles expressaram a sua “profunda preocupação”, explicando que isto violaria o “estatuto especial” e a “santidade” da Cidade Santa. O exame deste projeto foi mencionado pela nova primeira-ministra britânica Liz Truss, durante uma conversa com a sua homóloga israelita Yair Lapid à margem da Assembleia Geral das Nações Unidas, no passado dia 21 de Setembro, recorda Terre Sainte Magazine. Esta iniciativa seguir-se-ia à transferência da embaixada americana decretada pelo ex-Presidente Donald Trump em 2018.

Para as Nações Unidas, o estatuto de Jerusalém deve ser acordado entre os israelenses e os palestinos e deve ser concluído um acordo de paz entre as duas partes antes que os países decidam abrir as suas embaixadas em Israel em Jerusalém. Mas já Guatemala, Honduras e Kosovo seguiram os EUA. Os líderes cristãos apelam ao respeito pelo status quo religioso, salientando que “o reconhecimento implícito deste status quo é o Corpus Separatum”. Contudo, “a proposta de mudança da Embaixada Britânica para Jerusalém”, explicam, “prejudicaria seriamente este princípio-chave do Corpus Separatum e as negociações políticas que este procura fazer avançar. Por conseguinte, as igrejas da Terra Santa apelam ao Reino Unido a “redobrar os esforços diplomáticos” para pôr fim ao conflito israelo-palestiniano em vez de deslocar a sua embaixada. Antes deles, os líderes religiosos britânicos (Arcebispo de Canterbury Justin Welby, Cardeal Vincent Nichols, Arcebispo de Westminster…) pronunciaram-se contra a proposta de Liz Truss.

Terre Sainte, francês


3E TAMBÉM NA IMPRENSA INTERNACIONAL…

Bispos europeus falam sobre a Ucrânia

Na abertura da Assembleia do COMECE, os Bispos europeus expressam a sua preocupação com as trágicas consequências do conflito na Ucrânia.

Vatican News, italiano

Reverberações do Vaticano II

O Concílio Vaticano II abriu há 60 anos, mas ainda está conosco e as suas contínuas consequências não podem ser evitadas, diz um colunista.

The New York Times, inglês

ONG apela ao Papa para denunciar a repressão religiosa no Bahrein

A ONG Americans for Democracy & Human Rights no Bahrein apela ao Papa para não fazer a viagem ou para denunciar a repressão religiosa no Bahrein.

Infobae, espanhol

Este artigo é exclusivo para os membros Aleteia Premium

Já é membro(a)? Por favor,

Grátis! - Sem compromisso
Você pode cancelar a qualquer momento

1.

Acesso ilimitado ao conteúdo Premium de Aleteia

2.

Acesso exclusivo à nossa rede de centenas de mosteiros que irão rezar por suas intenções

3.

Acesso exclusivo ao boletim Direto do Vaticano

4.

Acesso exclusivo à nossa Resenha de Imprensa internacional

5.

Acesso exclusivo à nova área de comentários

6.

Anúncios limitados

Apoie o jornalismo que promove os valores católicos
Apoie o jornalismo que promove os valores católicos
Tags:
GuerraResenha de ImprensaUcrânia
Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • Aleteia é publicada diariamente em sete idiomas: inglês, francês,  italiano, espanhol, português, polonês e esloveno
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

PT300x250.gif
Oração do dia
Festividade do dia





Envie suas intenções de oração à nossa rede de mosteiros


Top 10
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia