Aleteia logoAleteia logoAleteia
Sábado 03 Dezembro |
São Birino de Dorchester
Aleteia logo
Atualidade
separateurCreated with Sketch.

Corte Europeia de Direitos Humanos decide a favor de ato blasfemo contra Nossa Senhora

Feminista simula aborto de Jesus por Maria dentro de igreja

AFP PHOTO/THOMAS SAMSO

Francisco Vêneto - publicado em 14/10/22

Ativista feminista simulou aborto de Jesus pela Virgem Maria diante de altar de igreja

A Corte Europeia de Direitos Humanos decidiu a favor de um ato blasfemo contra Nossa Senhora, cometido em 2013 pelo grupo feminista radical Femen.

Na triste ocasião, uma ativista do grupo simulou nada menos que o aborto de Jesus Cristo pela Virgem Maria diante do altar da igreja da Madeleine, em Paris, de seios à mostra e trajando um pequeno véu azul claro, cor associada pela tradição católica a Nossa Senhora.

De braços em forma de cruz, ela segurava nas mãos dois pedaços de fígado de boi que representavam o aborto do Menino Jesus. O corpo da feminista exibia frases como “Natal cancelado” e referências à reivindicação histórica pelo aborto legal na França.

A ativista chegou a ser condenada a um mês de prisão e a uma multa de 2 mil euros, mas, quase dez anos depois, a Corte Europeia de Direitos Humanos decidiu condenar o Estado francês a indenizá-la em cerca de 10 mil euros por violação da sua “liberdade de expressão”.

Justiça ideologizada

Para o tribunal, o ato grotesco, profundamente ofensivo aos sentimentos religiosos dos cristãos e perpetrado invasivamente dentro de uma igreja, teria “contribuído para o debate público sobre os direitos das mulheres, mais especificamente sobre o direito ao aborto”.

Cabe lembrar que a mesma Corte Europeia de Direitos Humanos negou reiteramente o direito de pais de família britânicos a defender os próprios filhos doentes de decisões judiciais que lhes impunham o desligamento forçado de aparelhos de suporte vital, sob a alegação de que já não restavam chances de cura e de que, portanto, acelerar a morte dessas crianças representaria “o seu melhor interesse”.

Os casos de maior repercussão neste sentido foram os dos bebês Charlie Gard, Alfie Evans e Alta Fixsler, e, mais recentemente, do menino Archie Battersbee.

Ao mesmo tempo em que nega o direito de famílias a lutarem pela vida dos próprios filhos, a “justiça” tem feito explícita promoção do inexistente “direito” ao aborto livre e do também inexistente “direito” a agredir a sensibilidade religiosa em nome de uma tergiversada “liberdade de expressão“.

Dois pesos e duas medidas

Diante do cada vez mais escancarado enviesamento ideológico dos tribunais, o jurista Gregor Puppink, presidente do Centro Europeu para a Lei e a Justiça, criticou os dois pesos e duas medidas da Corte Europeia no tocante à liberdade de expressão e à liberdade religiosa.

Ele recordou, para exemplificar, que um conferencista austríaco foi condenado em 2018 por afirmar que a relação sexual de Maomé com a menina Aisha, de 9 anos, era um caso de “pedofilia”. Para o tribunal, a declaração significava uma “generalização sem qualquer base factual” e “provavelmente” despertaria uma “indignação justificável” entre muçulmanos.

Puppink questiona, traçando uma comparação com a sentença exatamente oposta da mesma corte em relação ao ato blasfemo contra Nossa Senhora:

“Como não ver um duplo padrão aliado a uma cegueira culpável? O conferencista austríaco só falou a verdade, com decência e discrição, enquanto o objetivo do Femen era ferir e ofender. A Corte nunca teria apoiado uma exibição tão macabra se tivesse ocorrido em uma mesquita ou em um tribunal”.

O Centro Europeu para a Lei e Justiça criou uma campanha online de apoio aos genuínos direitos humanos. Os interessados podem assinar acessando esta página.

Tags:
AbortofeminismoIdeologiaJustiçaNossa SenhoraPerseguiçãoViolência
Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • Aleteia é publicada diariamente em sete idiomas: inglês, francês,  italiano, espanhol, português, polonês e esloveno
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

PT300x250.gif
Oração do dia
Festividade do dia





Envie suas intenções de oração à nossa rede de mosteiros


Top 10
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia