Aleteia logoAleteia logoAleteia
Quinta-feira 08 Dezembro |
Bem-aventurado Luís Liguda
Aleteia logo
Religião
separateurCreated with Sketch.

Direto do Vaticano: IMPORTANTE – um balanço do sínodo – Entrevista com o Cardeal Hollerich

Este artigo é exclusivo para os membros de Aleteia Premium
Pope Francis celebrates a Holy Mass to the 60th anniversary of the beginning of the second Vatican Ecumencial Council

Antoine Mekary | ALETEIA

I.Media para Aleteia - publicado em 14/10/22

Boletim Direto do Vaticano de 14 de outubro de 2022

  1. Um balanço do Sínodo sobre a sinodalidade – Entrevista com o Cardeal Hollerich
  2. Os missionários descobrem frequentemente que “o Espírito Santo tinha chegado antes deles”, diz o Papa
  3. Por que o Vaticano publica um dicionário da história da Igreja? Entrevista com o Arcebispo Ardura

1Um balanço do Sínodo sobre a sinodalidade – Entrevista com o Cardeal Hollerich

Por Hugues Lefèvre: Aos 64 anos, o Cardeal Jean-Claude Hollerich tornou-se gradualmente uma figura central no pontificado do Papa Francisco. Poliglota, o Arcebispo do Luxemburgo detém posições estratégicas no seio da Igreja e dispõe de uma sólida rede. Eleito chefe da Comissão das Conferências Episcopais da União Europeia (COMECE) em 2018, foi escolhido pelo Papa Francisco para assumir o papel muito delicado de relator do Sínodo sobre a Sinodalidade, um processo mundial com um novo formato concebido para tornar a Igreja mais participativa e acolhedora, menos centralizada e clerical.

À medida que a fase continental do sínodo se inicia, o Cardeal Hollerich diz estar satisfeito com o trabalho realizado até agora, considerando que a participação maciça das conferências episcopais é quase um milagre. O jesuíta adverte, no entanto, que “as tensões estão por toda a parte”, particularmente na Europa, mas que esta situação deve ser considerada como um estado normal da Igreja. O homem que passou 23 anos no Japão também avisa da convulsão antropológica que está a chegar, “um tsunami” ao qual a Igreja deve ser capaz de se adaptar se não quiser desaparecer.

O Sínodo sobre a sinodalidade, do qual é relator, está a entrar na sua segunda fase. Acabou de passar alguns dias em Frascati para elaborar o documento para a fase continental com cerca de trinta pessoas. Está satisfeito com o trabalho que aí foi feito?

Estou muito satisfeito. Uma equipe reuniu-se para ler todas as respostas e preparar o documento para as assembleias continentais. É um resumo honesto do que as pessoas disseram e do que as Conferências Episcopais já sintetizaram. Não é um documento teológico que posiciona a Igreja. Naturalmente, encontramos pontos comuns entre as sínteses mas também diferenças entre países e continentes. Temos tido o cuidado de não deixar nada de fora. No final de Outubro, este documento será entregue aos bispos, num espírito de circularidade.

No ano passado, explicou que não fazia ideia do instrumento de trabalho que teria de elaborar no final deste sínodo. As coisas estão a tornar-se gradualmente mais claras na sua mente?

Eu sei um pouco mais, mas as coisas ainda precisam de progredir. Também dependerá do trabalho das assembleias continentais. Mas já nos podemos regozijar porque esta é a maior participação que alguma vez tivemos na Igreja Católica. 112 conferências de 114 responderam. É quase um milagre!

Está surpreendido?

Sim, eu tinha pensado que haveria uma grande participação, mas não a este ponto. As Igrejas Orientais também responderam todas. Isto é uma coisa boa. Agora temos de ouvir o que as pessoas têm dito. Isto não significa necessariamente que tenhamos de executar tudo. Temos de ouvir, refletir, rezar, discernir.

Num ano, será que a Igreja Católica já mudou na sua opinião?

Penso que sim. Há pessoas que regressaram à Igreja, pessoas que se tinham afastado, que recuperaram a confiança. E gostaria de salientar que estas são pessoas muito diversas, de ambos os lados, da “esquerda” e da “direita”.

A segunda fase do sínodo está a começar. Na Europa, o exercício da sinodalidade a nível continental parece ser algo de novo. Como se explica isto? Por que a Europa não foi capaz de alcançar o que a Igreja na América do Sul tem conseguido fazer?

Roma faz parte da Europa. Quando a Santa Sé não quer que os bispos sejam demasiado ativos, isto tem consequências. Também acredito que é sempre mais independente quando se está longe do centro, sem qualquer julgamento. Hoje, a Santa Sé quer que os bispos sejam mais acivos na sinodalidade.

Temos também conferências episcopais nacionais muito fortes na Europa e podemos sentir o orgulho de cada Igreja, com grandes conferências episcopais, a italiana, a francesa, a polaca, a alemã, etc. Outra diferença em relação à América é que nos Estados Unidos, as conferências episcopais são muito fortes. Outra diferença em relação à América é que não temos a mesma língua e as culturas eclesiais são muito diferentes.

Esta segunda fase do sínodo pode ser o início de uma colaboração mais estreita entre os bispos europeus. E espero que sim, pelo menos, porque acredito que temos demasiadas igrejas nacionais na Europa.

Poderíamos traçar um paralelo com a União Europeia, que não conseguiu unir a Europa Oriental e Ocidental em certos pontos?

Temos as mesmas tensões, é verdade. Mas não devemos olhar para as diferenças. Temos de olhar para o que é comum: onde é que Cristo nos chama para sermos Igreja na Europa?

Por outro lado, temos de observar que, mesmo dentro das Igrejas particulares, observamos tensões. Estão em todo o lado. E, nestes tempos, devemos evitar falar de tensões como uma catástrofe. Temos mesmo de compreender que podem ser frutuosas. Isto não significa que devamos aceitar tudo. Mas as tensões e diferenças fazem parte da normalidade da Igreja.

Mas algumas pessoas dizem que certas tensões ameaçam a comunhão da Igreja hoje…

Gosto desta imagem: a Igreja é o Povo de Deus a caminho com Cristo. Nesta viagem, há uns que andam depressa e outros um pouco mais devagar, uns andam à esquerda e outros à direita. Isto é normal. O que é essencial é que todos olhem para Jesus. E notará que se eu estiver do lado direito da estrada e olhar para Jesus, verei também os do lado esquerdo. E quando eu estiver à esquerda e olhar para Jesus, verei as pessoas à direita, e devo incluí-las no meu amor por Jesus, nunca duvidando da sua fidelidade a Cristo. Se andarmos sem olhar para Cristo, então é uma debandada!

Sente neste Sínodo que o lugar da oração está presente, que os olhos estão voltados para Cristo?

Penso que sim. Penso que numa Igreja mais sinodal, o Espírito Santo terá um lugar muito maior. Nisto, estamos de certa forma a corrigir uma particularidade ocidental, onde a Igreja é muito cristocêntrica – o que é bom – mas onde de certa forma esquecemos o Espírito Santo. Hoje precisamos de teologias e reflexões sobre o Espírito Santo e a Igreja.

Durante o Concílio Vaticano II, a Igreja viveu um florescimento de grandes teólogos. Será que o Sínodo sobre a sinodalidade estimula a reflexão teológica?

A Europa é muito menos cristã e, por conseguinte, há muito menos teólogos. Claro que ainda existem alguns muito bons, mas esta talvez já não seja a era dos gigantes, dos Ratzingers, dos Congars, dos Rahners. Mas na realidade, ainda descansamos sobre os seus ombros porque o Sínodo está a cumprir a Lumen Gentium. No Concílio Vaticano II, existem dois eixos principais: a colegialidade dos bispos – que o Vaticano I não conseguiu completar devido aos acontecimentos políticos da época – e a percepção da Igreja como o Povo de Deus em movimento. Não refletimos o suficiente sobre o significado do sacerdócio dos batizados.

Isto é algo em que o sínodo está a trabalhar. É claro que a hierarquia mudará, e os bispos e padres terão de exercer o seu ministério numa Igreja mais receptiva. Mas isto não significa que o que já experimentámos anteriormente já não seja verdade. Isso não seria católico.

O Papa Francisco diz que são necessários 100 anos para acolher um Concílio…

Ele está certo! E entrámos na segunda fase desta recepção. Leva tempo. Gosto de recordar um exemplo. São Pio V reformou a liturgia, mas em França, foi apenas 200 anos mais tarde que esta reforma foi aceita em todas as dioceses.

Voltando à Europa, as divisões parecem ser muito fortes entre as conferências episcopais dos diferentes países europeus. Por exemplo, parece existir uma lacuna entre a Conferência Episcopal belga ou alemã e a Conferência Episcopal polaca. Será que o Sínodo sobre a sinodalidade, que pretende ser uma comunhão, não irá, em vez disso, trazer as divisões para a luz do dia?

A comunhão deve ser estabelecida. Do ponto de vista de Deus, a comunhão está lá, através dos sacramentos da Igreja. Mas também precisamos de estar imbuídos desta comunhão nas nossas mentalidades e nas nossas formas de agir. Gostaria de apelar a todas as Igrejas da Europa para que vivam esta comunhão, para que se ouçam umas às outras. Temos o direito de discordar. Mas é uma questão de compreender o outro, de saber porque agem de uma forma diferente, sem julgar. Penso que podemos discordar em alguns pontos e ainda manter um espírito de profunda comunhão.

Não tem medo de uma tempestade?

Eu não usaria a palavra “medo”, mas é preciso esperar dificuldades.

Como podemos conciliar posições tão diferentes e sobre questões tão sensíveis como o cuidado pastoral dos homossexuais ou a ordenação das mulheres?

Não sei se podemos reconciliar tudo de imediato. O Espírito Santo trabalha no tempo. Não podemos fazer milagres. Gostaria de ser neutro, de ouvir todos, de pôr de lado as minhas próprias posições, porque penso que a responsabilidade que recebi do Santo Padre implica esta disponibilidade e esta abertura.

Espera uma conciliação no final desta fase continental?

Eu ficaria muito feliz e rezo a Deus por isso. Mas parece prematuro.

Pode a recente posição dos bispos flamengos sobre o cuidado pastoral dos homossexuais causar tensão nos debates entre os episcopados europeus?

Certamente. Mas penso que enquanto estivermos a falar de cuidados pastorais, há muitas possibilidades. Não temos a mesma cultura eclesial na Europa. Mas a Igreja tem de viver numa cultura. Isto não significa que dependa inteiramente da cultura; não, não podemos aceitar tudo. Mas há uma inculturação da mensagem do Evangelho que tem sempre um duplo significado: o Evangelho questiona a cultura, mas a cultura também age sobre o Evangelho.

Qual é o seu sonho para a Igreja na Europa daqui a 20 anos?

Penso que teremos de ser capazes de falar muito juntos. Magoar-me-ia se as conferências continuassem a trabalhar isoladamente. Penso que precisamos de nos encontrar mais, de rezar juntos, de pedir a ajuda de Deus, insistentemente, para que possamos encontrar uma voz para a Igreja na Europa.

As vocações e a prática religiosa estão em declínio na Europa. É possível um novo começo?

Temos uma Igreja envelhecida na Europa. Por todo o lado, mesmo no Oriente, onde os fiéis são mais numerosos, verifica-se um declínio significativo. Deveríamos estar a falar sobre isso. Por vezes sinto que o navio está a afundar-se e que estamos a discutir sobre para que lado o navio deveria ter ido. Em vez disso, devemos concentrar-nos na reparação do navio.

Esta fase continental é uma oportunidade para se concentrar na missão da Igreja. Primeiro de tudo: proclamar Cristo morto e ressuscitado por nós. E isto também é vivido sendo ativo em prol do ambiente, da justiça ou da paz. Isto não é uma contradição.

Precisamos de redescobrir que a Igreja está em missão, enviada por Cristo, para servir o mundo. Para isso precisamos de um novo vocabulário: já não é a Igreja que pode dizer aos governos o que devem fazer. Esse período acabou, parece-me. Hoje em dia, já nem sequer conseguimos suscitar sorrisos irónicos quando falamos publicamente…

Nesta crise, devemos caminhar humildemente com o nosso Deus, proclamando o Evangelho numa linguagem que o mundo possa compreender. Não é uma questão de construir uma subcultura cristã, de uma Igreja fechada sobre si mesma. Isso iria contradizer a natureza da Igreja Católica.

Falando de linguagem, é muito difícil explicar o que significa o termo “sinodalidade”. Não havia um problema de vocabulário?

Pessoalmente, não falo de um Sínodo sobre a sinodalidade, mas de um Sínodo sobre a Igreja.

Como recebeu a nota da Santa Sé pedindo aos Alemães que não iniciassem novas estruturas ou mudassem de doutrina sem o acordo da Igreja universal?

A nota diz também que a Igreja alemã deveria entregar o resultado da sua viagem sinodal ao Sínodo universal. Esta é uma contribuição entre muitas. O que é importante nesta nota é lembrar que todas as Igrejas particulares e todas as Conferências Episcopais devem saber caminhar juntas.

Então não foi este o caso?

Quando o Caminho sinodal alemã começou, lamentei que os países vizinhos não tivessem sido convidados a participar juntos neste processo. Se o tivéssemos feito, teria sido menos radical. Compreendo os bispos alemães – os casos de abuso sexual estão a causar enormes danos na Alemanha. A credibilidade da Igreja foi perdida e posso ver que os bispos querem reagir. Mas temos de caminhar juntos.

O Sínodo sobre a sinodalidade tem suscitado muitas expectativas concretas. Teme que esta consulta possa ter gerado esperanças em algumas pessoas – ordenação de homens casados, mudança na moralidade sexual, mulheres diáconos – que acabarão por ficar desapontadas? Por outras palavras, este sínodo tem de conduzir a progressos concretos?

Não sei se isso é possível. O que temos de fazer é permanecer em diálogo. Reconhecemos as expectativas e temos de nos manter em diálogo com o povo. Caso contrário, as expectativas serão frustradas e isso seria pior. É um diálogo honesto, quase de coração a coração, que precisamos de ter. Quanto aos resultados, tudo dependerá também do Santo Padre. A primazia do Papa faz parte da nossa fé católica.

Já disse na imprensa que está ciente do “perigo de cisma” se a Igreja Latina iniciar mudanças sobre os pontos acima mencionados. Como relator de um sínodo que suscita tantas esperanças e receios, será que o Papa lhe deu uma missão impossível?

É certamente impossível porque tenho uma experiência limitada. Só posso cumprir a minha missão com outros, num processo sinodal. Seria um fracasso se apenas uma pessoa realizasse esta tarefa. Em Frascati escolhemos fazê-lo desta forma, e sempre em oração. Todos disseram que o Espírito Santo estava presente. Temos de ouvi-lo.

Consegue dormir?

Sim, eu confio mais em Deus do que em mim próprio.

Para os seus organizadores, o desafio deste Sínodo é soar o “instinto do Povo de Deus”, o famoso Sensus Fidei. Quais são os instrumentos para discernir o que vem da oração dos cristãos e o que vem do mundo?

Na sua pergunta, estamos a falar de “o mundo” no sentido bíblico. Pois o Espírito Santo manifesta-se no nosso mundo. A fim de discernir, acredito que é a familiaridade com Deus que nos pode ajudar a ver claramente. Também, quando estudamos uma síntese, olhamos para a universalidade, se há pontos que surgem de todo o lado. Penso que estes são pontos que devem ter prioridade. Para outros aspectos, talvez devêssemos dizer que ainda não sabemos como discernir. O mundo que está a chegar é um mundo do qual ainda não sabemos quase nada. Por isso, temos de rezar.

O que quer dizer com este mundo que se avizinha?

Estamos no ano 0 da era digital, enfrentando transformações civilizacionais muito profundas. Precisamos de estar mais atentos às grandes mudanças culturais que estão a ocorrer. É como uma barragem que se abre lentamente. Temos de adaptar o barco de Pedro ao tsunami que está a chegar, para que não desapareça.

Estas terríveis convulsões são de natureza antropológica. Transhumanismo, inteligência artificial… Estamos apenas no início. “O que é a vida?”; “O que é a pessoa humana? Estas são as perguntas que serão feitas.

Face ao lento desaparecimento do catolicismo na Europa, devemos evitar duas tendências. Poder-se-ia dizer: “O mundo é mau e temos de nos fechar completamente”. Nesta perspectiva, sufocaremos, não teremos ar, e a Igreja desaparecerá. A outra tentação é dizer: “Sim, então vamos dar as boas-vindas a tudo! Mas nesse caso, deixará de existir uma identidade eclesiástica. Há uma necessidade urgente de discernir a presença de Deus no mundo que está a nascer. Estou convencido de que Deus está presente.

Como pode ter a certeza?

Quando cheguei ao Japão, com o pouco japonês que conhecia, perguntei-me como poderia anunciar Cristo. Passei muitas horas na capela a dizer a Jesus: “Tu estás presente. Mas mostra-me onde estás, onde já trabalhas, para que eu te possa proclamar”. Creio que isto é a mesma coisa que devemos fazer hoje: não ter medo do mundo mas, através do discernimento, descobrir a presença de Deus neste mundo.

Os seus 23 anos passados no Japão ajudam-no na sua missão como relator hoje?

Eles são de fato muito úteis para mim. Nasci numa igreja muito tradicional em Luxemburgo, em Differdange, uma pequena cidade medieval com o seu castelo e a sua primitiva igreja gótica. Experimentei ali grandes e belas procissões e tudo o que me encheu a alma. E ainda hoje. Mas no Japão, isso não existe. Foi para mim uma tempestade no mar, uma experiência em que todas as minhas certezas de fé desapareceram. Penso que a Igreja na Europa seguirá o mesmo caminho. Isto não significa que devamos deitar fora o que foi feito. Mas tenhamos consciência de que somos uma Igreja em julgamento e que devemos sempre procurar Deus onde Ele está para sair dela, e não no passado.

Tem a sensação de que os debates atuais na Igreja não são os corretos?

Penso que sim. Mas isto não deve diminuir a atenção que devemos dar aos homossexuais ou a pessoas divorciadas casadas de novo. Temos de ter uma resposta.

Fiz três grandes viagens com uma centena de jovens à Tailândia, onde vivemos com aldeões, ajudamos a construir igrejas, capelas, etc. Alguns destes jovens estavam na comunidade, outros na igreja. Destes cem jovens, alguns eram homossexuais, outros vinham de famílias “complicadas”. Eles vieram falar comigo e eu reagi como um pai. Compreendo quando o Papa diz que ninguém deve ser excluído. Penso que, a longo prazo, o Espírito Santo nos mostrará o caminho a seguir para saber para onde ir. Por isso, sou muito mais cauteloso sobre estas questões do que há um ano atrás. Penso que temos de dar tempo ao Espírito Santo para fazer o trabalho.

Mudou num ano?

Sim! espero que sim! Se eu não mudar, então não serei útil à Igreja.

Sobre a questão da homossexualidade, o pontificado do Papa Francisco mudou a situação?

Penso que ele moveu as linhas porque Francisco não pensa dogmaticamente. Ele pensa de uma forma pastoral. Já não é uma Igreja que defenda com ele um sistema de verdade. É Cristo e o Evangelho que vão para todos. E isso muda a perspectiva. Sinto-me perfeitamente à vontade com isso.

Uma vez confiou que nunca tinha sonhado em ser papa, mas preferia ver o advento de um pontífice africano ou asiático. Ainda é este o caso?

Sim, sobre este ponto não estou a ceder! Quando alguém me diz que eu poderia ser papa, respondo: Eu poderia, mas com uma condição: que todos os cardeais digam a si próprios que, depois de ter tido papas muito santos, é tempo de mudar. Por isso, sinto-me muito seguro!


2Os missionários descobrem frequentemente que “o Espírito Santo tinha chegado antes deles”, diz o Papa

Por Anna Kurian: Se as comunidades cristãs “olharem apenas para si próprias”, acabarão por “morrer”, advertiu o Papa Francisco ao receber os editores e colaboradores da revista “Mondo e Missione” do Pontifício Instituto para Missões Estrangeiras (PIME), no 150º aniversário da sua fundação, a 13 de Outubro, no Vaticano.

O chefe da Igreja Católica sublinhou a “modernidade” desta revista em língua italiana, que desde o século XIX tem expressado “a Igreja em movimento”. “Quando estás por aí, ficas jovem… se te sentas aí e não te mexes, envelheces rapidamente”, disse ele, saindo das suas notas.

Quando chegam às periferias, o Papa observou, “aconteceu frequentemente aos missionários descobrir que o Espírito Santo tinha chegado antes deles”. Assim, “aquele que se tinha proposto evangelizar encontrou-se mais de uma vez a receber a Boa Nova”.

O pontífice de 85 anos encorajou os editores a colocarem-se “do lado daqueles que não têm o direito de falar e que não são ouvidos”. Também os exortou a falar em nome das “igrejas jovens e em crescimento”.

Num mundo onde “as distâncias se tornaram menores”, mas onde “os costumes ideológicos se multiplicaram”, pediu para dar a conhecer “as muitas distorções e injustiças das sociedades cada vez mais interconectadas”. O Papa fez uma menção especial às “guerras esquecidas”, enquanto todos os olhos estão voltados para “a guerra aqui na Europa”.

Esta revista mensal foi lançada em 1872 sob o nome “Le Missioni Cattoliche” no seminário Lombard das Missões Estrangeiras, com base no modelo das Missões Católicas em Lyon. Foi rebatizado “Mondo e Missione” em 1969, e hoje tem uma circulação de 30.000.


3Por que o Vaticano publica um dicionário da história da Igreja? Entrevista com o Arcebispo Ardura

Por Hugues Lefèvre : O Comité Pontifício para as Ciências Históricas publicou um “Dicionário de História da Igreja” em francês a 13 de Outubro de 2022, publicado por Le Cerf. Cerca de 80 autores contribuíram para este trabalho, que compila cerca de 600 entradas.

I.MEDIA entrevistou D. Bernard Ardura, presidente deste comité desde 2009. Dirigiu a concepção deste trabalho, que visa ajudar académicos, jornalistas, diplomatas e todos aqueles que desejam saber mais sobre o léxico da Igreja e compreender a sua história.

Como é que embarcou na aventura de escrever um dicionário sobre a história da Igreja Católica?

Depois de ter sido nomeado presidente do Comité Pontifício para as Ciências Históricas em Dezembro de 2009, reuni-me com todos os membros do comité e senti que eles queriam fazer algo em conjunto e algo útil. Todos eles são professores de história e observaram que no mundo académico, os termos técnicos ou temas eclesiásticos já não são ou são pouco conhecidos. Estas lacunas dizem respeito não só aos estudantes de história mas também, por vezes, aos professores que têm dificuldade em dar uma definição.

Isto é um dicionário para académicos?

Não só. Hoje, notamos que o significado de certos termos também escapa aos membros do clero ou aos leigos. Mas, mais genericamente, basta abrir um jornal para ser desafiado por uma palavra, uma instituição, que não conhecemos, ou que conhecemos mal. Ouvimos falar muito neste momento do “Patriarca de Moscou” ou da “Igreja Ortodoxa”… Este dicionário visa dar informações precisas, concisas e precisas a todos aqueles que estão interessados ou trabalham no mundo eclesial.

Algumas das entradas mais longas ajudam a compreender a evolução do significado de um termo. É essencial colocar as coisas no contexto do tempo porque tendemos a proceder apenas por atalhos, pensando no que existia antes com a mentalidade de hoje.

Espero que este dicionário seja útil para os jornalistas que cobrem as notícias da Igreja, ou para o pessoal diplomático.

Como coordenou o trabalho dos 80 colaboradores?

Somos 30 no Comité Pontifício para as Ciências Históricas e temos a missão de honrar os 2000 anos de história cristã. Para tal, temos especialistas em cada período e especialistas em questões transversais – direito, a história dos Concílios, etc. A fim de produzir este dicionário, convidámos cerca de cinquenta outros colaboradores, todos professores, que trouxeram os seus conhecimentos específicos. Finalmente, pensamos que seria útil fornecer uma breve bibliografia no final das entradas, se possível em várias línguas.

Este trabalho compila cerca de 600 definições. Também recorremos ao nosso anterior dicionário da Igreja publicado em italiano pouco antes da pandemia de Covid-19. Mas este trabalho não é uma tradução simples porque muitos termos italianos não têm o mesmo significado em francês. Por exemplo, em França fala-se de “capelães militares” ou “capelães católicos”. Em Itália, falamos de “capelães”. Mas a palavra “capelão” significa algo mais em francês.

Teve de se adaptar à publicação da última Primavera da nova Constituição Apostólica Praedicate Evangeliium…

Felizmente, ainda não tínhamos imprimido o livro! A última versão do dicionário foi produzida em Agosto. Sempre que necessário, acrescentámos algumas linhas a certas entradas. Mas não tivemos de mudar tudo, porque tínhamos seguido e integrado as transformações iniciadas pelo Papa Francisco desde o início do seu pontificado. A abolição dos conselhos pontifícios, por exemplo, já tinha tido lugar. Quanto às congregações, que agora são chamadas dicastérios, atualizámos os nomes.

Porque escolheu excluir personalidades eclesiásticas? Não há entrada para “Jesus”, por exemplo…

Esta é uma escolha. Pelo nome de Jesus, penso que podemos encontrar tudo o que queremos noutro lugar com grande facilidade. Tentámos reservar este dicionário para termos que são frequentemente conhecidos do ouvido, mas cujo significado ou origem esquecemos. Aqui não tem o nome de Jesus, mas encontrará neste dicionário a entrada: “INRI” [Jesus o Nazareno, Rei dos Judeus, em latim; a inscrição colocada por Pôncio Pilatos na Cruz]. Muitas pessoas interrogam-se sobre o que isto significa.

A palavra “sinodalidade”, muito ouvida em Roma neste momento, não está presente…

É uma palavra que foi inventada pelo papa e só pertence à língua da história da Igreja há alguns meses. Assim será para o próximo dicionário! Mas será interessante e delicado defini-la, uma vez que é uma noção que está a evoluir perante os nossos olhos. Por detrás dela encontra-se toda uma eclesiologia, uma forma de compreender a Igreja Católica. Desde o Concílio Vaticano II, o Sínodo dos Bispos tem-se reunido episodicamente.

Mas o Papa Francisco está a transformar esta instituição numa espécie de processo de desdobramento. Com o Sínodo sobre a sinodalidade, a iniciativa de João XXIII está a ser retomada de certa forma. Quando convocou o Concílio, começou por pedir para escrever a todos os bispos, às universidades católicas, aos institutos religiosos, para saber do que o Concílio deveria falar.

Ao longo da história, os termos ou instituições evoluem e por vezes acabam por cobrir uma realidade algo diferente. Tem um exemplo em mente?

O exemplo do “conclave” é interessante. No passado, foi bastante diferente do que conhecemos hoje. A eleição dos papas sofreu grandes mudanças. Só depois do conclave de Viterbo no século XIII é que pudemos falar de um “conclave” no sentido estrito da palavra. Para acelerar um processo que durava dois anos, o povo de Viterbo trancou os cardeais, colocou-os em pão e água e descobriu o telhado para que estivessem expostos às intempéries.

Na virada do século, São Pio X também tinha mudado uma regra. O seu primeiro ato como papa foi abolir o uso do exclusivo, o veto que Estados como a França, Espanha e Áustria tinham nas eleições papais. De fato, durante o conclave, o Cardeal Arcebispo de Cracóvia tinha anunciado o veto do Imperador Francisco José ao Cardeal Rampolla, um dos favoritos.

Após este episódio, o novo Papa Pio X introduziu a proibição de os cardeais atuarem como porta-vozes de qualquer autoridade fora do Colégio dos Cardeais.

Mais recentemente, Paulo VI também alterou significativamente as regras do conclave, proibindo os cardeais com mais de 80 anos de idade de participar. João Paulo II também reformou a eleição do papa, introduzindo uma regra que nunca foi aplicada porque foi imediatamente abolida pelo seu sucessor Bento XVI. A fim de não prolongar o conclave, o papa polaco tinha de fato pedido que, após um certo número de votos, os cardeais pudessem ser satisfeitos com uma maioria absoluta. Bento XVI reintroduziu a maioria de dois terços.

Este exemplo mostra como um processo pode evoluir ao longo do tempo, mantendo o mesmo nome.

Este artigo é exclusivo para os membros Aleteia Premium

Já é membro(a)? Por favor,

Grátis! - Sem compromisso
Você pode cancelar a qualquer momento

1.

Acesso ilimitado ao conteúdo Premium de Aleteia

2.

Acesso exclusivo à nossa rede de centenas de mosteiros que irão rezar por suas intenções

3.

Acesso exclusivo ao boletim Direto do Vaticano

4.

Acesso exclusivo à nossa Resenha de Imprensa internacional

5.

Acesso exclusivo à nova área de comentários

6.

Anúncios limitados

Apoie o jornalismo que promove os valores católicos
Apoie o jornalismo que promove os valores católicos
Tags:
Direto do VaticanoHistória da IgrejaPapaSínodo
Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • Aleteia é publicada diariamente em sete idiomas: inglês, francês,  italiano, espanhol, português, polonês e esloveno
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

PT300x250.gif
Oração do dia
Festividade do dia





Envie suas intenções de oração à nossa rede de mosteiros


Top 10
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia